Ensino de Geografia e o raciocínio geográfico: entre confrontos e ressignificações

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5902/2236499467759

Palavras-chave:

Raciocínio geográfico, Didática, Geografia

Resumo

O artigo discute o processo de ensino-aprendizagem nas aulas de Geografia. Neste ensejo, preconiza-se como relevante a articulação do desenvolvimento do raciocínio geográfico com a produção de conhecimentos escolares, ambos se realizando dialeticamente. A partir de uma abordagem teórico exploratória, o texto discute pontos considerados relevantes para o pensar geograficamente na escola. A partir de autores como Massey (2008, 2017), Santos (2017), Gomes (2013, 2017), Martin (2016) Lacoste (2012) Bakhtin (2011) entre outros, buscou-se articular o objeto de conhecimento em uma situação concreta, as vozes sociais que o compõem, o recorte espaço-temporal, a apropriação do conhecimento geográfico e das diferentes linguagens para proceder o conhecimento de um fenômeno.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Darlan da Conceição Neves, Universidade Estadual de Campinas

Doutorando em Geografia pela Universidade Estadual de Campinas. Mestre em Ensino e História de Ciências da Terra pela Universidade Estadual de Campinas - São Paulo (2018). Licenciado em Geografia pela Universidade Estadual de Santa Cruz, Ilhéus-Bahia (2015). Professor da rede municipal de São Paulo. Atualmente desenvolve pesquisas relacionadas aos discursos sobre desastres naturais e mudanças climáticas no Ensino de Geografia, em livros didáticos e desenvolvimento de práticas pedagógicas relacionadas com a linguagem multimodal e produção de materiais didáticos.

Roberto Greco, Universidade Estadual de Campinas

Professor Doutor do Instituto de Geociências da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) desde setembro 2012. Tem graduação em Ciências Naturais (1997) e doutorado pela escola de Ciência do Sistema Terra: ambiente, recursos e patrimônio cultural (2010), ambas pela University of Modena and Reggio Emilia (Unimore), Itália. Na Unicamp coordena o grupo de pesquisa Geociências e Sociedade com ênfase no ensino e comunicação em geociências. Interesses de pesquisa incluem os processos que levam os estudantes e o público em geral a se interessar e aprender sobre os processos naturais. Atua em três programas de pós graduação da Unicamp: Ensino e História de Ciência da Terra (EHCT), Geografia, Ensino de Ciências e Matemática Multiunidade (PECIM). Desde 2018 é Chair da Internacional Geosciensce Education Organization (IGEO) e desde 2013 é membro do Conselho Executivo das International Association for Promoting Geoethics (IAPG). É coordenador da comissão de extensão do Instituto de Geociências.

Eduardo Donizeti Girotto, Universidade de São Paulo

Possui Bacharelado e Licenciatura em Geografia (2005), Mestrado (2009) e Doutorado (2014) em Geografia Humana pela Universidade de São Paulo. Foi professor de ensino fundamental II e médio da Prefeitura Municipal de São Paulo, Prefeitura Municipal de São Caetano do Sul e Professor do Colegiado de Geografia da Universidade Estadual do Oeste do Paraná, no campus de Francisco Beltrão, atuando como Líder do Grupo de Pesquisa de Ensino de Geografia (GPEG) da mesma Universidade, Coordenador Geral do NUFOPE (Núcleo de Formação Docente e Prática de Ensino) e Grupo PIBID de Geografia da UNIOESTE, Francisco Beltrão. Atualmente é professor do Departamento de Geografia da Universidade de São Paulo, na área de Estágio Supervisionado e Ensino de Geografia. Coordena o Laboratório de Ensino e Material Didático (LEMADI, onde desenvolve pesquisas articulando política educacional, ciências de dados e cartografia. É coordenador do projeto Atlas da Rede Estadual de Educação de São Paulo e do Subprojeto PIBID do Departamento de Geografia da USP.

Referências

BAKHTIN, M. M. Estética da criação verbal. Introdução de Paulo Bezerra. Prefácio de Tzvetan Todorov. 6. ed. São Paulo, SP: Martins Fontes, 2011. 476 p.

CALLAI, H. C. Estudar o lugar para compreender o mundo. In: CASTROGIOVANNI, A. C. (Org.). Ensino de geografia: práticas e textualizações no cotidiano. 9. ed. Porto Alegre, RS: Mediação, 2009.

CASTRO, I. E. de. O problema da escala. In: CASTRO, I. E. de; GOMES, P. C. da C; CORREA, R. L. (Orgs.). Geografia: conceitos e temas. 4. ed. Rio de Janeiro, RJ: Bertrand Brasil, 2002.

CAVALCANTI, L. de S. Cotidiano, mediação pedagógica e formação de conceitos: uma contribuição de Vygotsky ao ensino de geografia. Cadernos CEDES [online]. 2005, v. 25, n. 66 Acesso em: 20 Setembro 2021, p. 185-207. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0101-32622005000200004.

COUTO, M. A. C. Método dialético na didática da geografia. In: CAVALCANTI, L. de S; BUENO, M. A; SOUZA, V. C. de. (Orgs.). Produção de conhecimento e pesquisa no ensino de geografia. – Goiânia. Ed. da PUC Goiás, 2011, p. 27-44.

COUTO, M. A. C. Pensar por conceitos geográficos. In: CASTELLAR, S. (Org.). Educação geográfica: teorias e práticas docentes. 3. ed., 2ª reimpressão. – São Paulo: Contexto, 2012, p. 79-96.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 57. ed. São Paulo, SP: Paz e Terra, 2018. 143 p.

GIROTTO, E. D. Formando leitores do mundo: algumas considerações sobre o ensino de Geografia no mundo contemporâneo. Boletim Campineiro de Geografia, v. 5, n. 2, 2015. Disponível em: http://agbcampinas.com.br/bcg/index.php/boletim-campineiro/article/view/233.

GOMES, P. C. da C. O lugar do olhar: elementos para uma geografia da visibilidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2013.

GOMES, P. C. Quadros geográficos: uma forma de ver, uma forma de pensar. – 1ª ed. – Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2017.

LACOSTE, Y. A geografia: isso serve, em primeiro lugar, para fazer a guerra. 19. ed. Campinas, SP: Papirus, 2012.

MACHADO, I. Gêneros discursivos. BRAIT, B. (Org.). BAKHTIN: conceitos-chave. 4. ed. São Paulo, SP: Contexto, 2008, p. 151-166

MARTINS, E. R. O pensamento geográfico é geografia em pensamento? Rio de Janeiro, GEOgrafia - Ano. 18 - Nº37 - 2016. Disponível em: https://doi.org/10.22409/GEOgraphia2016.v18i37.a13758.

MASSEY. D. A mente geográfica. GEOgraphia. Niterói, Vol.19, No 40, 2017, p. 36-40. Versão em português realizada por Ana Angelita da Rocha e Maria Lucia de Oliveira.

MASSEY. D. Pelo espaço: uma nova política da espacialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008.

MOREIRA, R. Pensar e ser em geografia: ensaios de história, epistemologia e ontologia do espaço geográfico. 2. ed., 2ª reimpressão. São Paulo, SP: Contexto, 2015.

NEVES, D. da C. Discurso sobre desastres naturais em uma coleção didática de geografia. 2018. 1 recurso online (131 p.) Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Geociências, Campinas, SP. Disponível em: http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/331774.

REGO, T. C. Vygotsky: uma perspectiva histórico-cultural da educação. 25. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

ROJO, R. H. R; BARBOSA J. P. Hipermodernidade, multiletramentos e gêneros discursivos. São Paulo, SP: Parábola, 2015. 150 p.

SANTOS, M. A natureza do espaço: técnica e tempo: razão e emoção. 4. ed. 9. reimp. São Paulo, Edusp, 2017.

Downloads

Publicado

2022-07-19 — Atualizado em 2022-09-26

Versões

Como Citar

Neves, D. da C., Greco, R., & Girotto, E. D. (2022). Ensino de Geografia e o raciocínio geográfico: entre confrontos e ressignificações. Geografia Ensino & Pesquisa, 26, e14. https://doi.org/10.5902/2236499467759 (Original work published 19º de julho de 2022)

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.