Geografia Ensino & Pesquisa https://periodicos.ufsm.br/geografia <p style="text-align: justify;">A revista <strong>Geografia Ensino &amp; Pesquisa, </strong>ISSN 2236-4994<strong>,</strong> é um periódico mantido pelo Departamento de Geociências e pelo Programa de Pós-Graduação em Geografia e Geociências - PPGGEO da Universidade Federal de Santa Maria, com objetivo de publicar Artigos originais na área de Geografia, visando abrir espaço para a divulgação científica e o debate qualificado dentro da ciência Geográfica. Para tanto, a revista aceita contribuições originais dentro de quatro grandes linhas temáticas: <em>Geoinformação e Sensoriamento Remoto; Meio Ambiente, Paisagem e Qualidade Ambiental; Produção do espaço e Dinâmica Regional; Geografia e Educação.</em></p> pt-BR <p style="text-align: justify;">A revista <strong>Geografia Ensino &amp; Pesquisa</strong> deterá os direitos autorais dos trabalhos publicados. Os direitos referem-se a publicação do trabalho em qualquer parte do mundo, incluindo os direitos às renovações, expansões e disseminações da contribuição, bem como outros direitos subsidiá¡rios. Os autores comprometen-se com a originalidade do trabalho, e no caso de desistência da submissão, os autores assumem a responsabilidade de comunicar à revista.</p><p style="text-align: justify;">Após publicado os(as) autores(as) têm permissão para a publicação da contribuição em outro meio, impresso ou digital, em português ou em tradução, desde que os devidos créditos sejam dados à Revista Geografia – Ensino &amp; Pesquisa.</p><p style="text-align: justify;"> </p><p style="text-align: justify;"><span>A revista Geografia Ensino &amp; Pesquisa utiliza em suas publicações uma </span><a href="https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0/" rel="license">Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License</a><span>.</span></p><p style="text-align: justify;"> <a href="https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0/" rel="license"><img src="https://i.creativecommons.org/l/by-nc-sa/4.0/88x31.png" alt="Creative Commons License" /></a><br /><br /></p> geografiaensinoepesquisa@ufsm.br (Carina Petsch) centraldeperiodicos@ufsm.br (Bibliotecária Débora Dimussio) Wed, 20 Apr 2022 21:07:50 -0300 OJS 3.3.0.10 http://blogs.law.harvard.edu/tech/rss 60 Geoturismo como estratégia de geoconservação para a Cachoeira da Pedra Negra, Sigefredo Pacheco, Piauí, Brasil https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/63610 <p class="1Abstracttexto">Além de subsidiar atividades de geoconservação, como o geoturismo, estudos relacionados à geodiversidade podem contribuir para futuros projetos de ordenamento territorial. O presente trabalho tem como objetivo apresentar a potencialidade do geomorfossítio Cachoeira da Pedra Negra para a prática do geoturismo. A metodologia apoiou-se em levantamento bibliográfico, inspeção a campo para identificação e caracterização da área a partir de preenchimento de ficha de inventário proposta por Oliveira (2015). A relevância da temática e a carência de estudos no estado justificam a realização da pesquisa. A partir do potencial evidenciado foram propostas a confecção de um painel interpretativo e enfatizadas a necessidade de ações como cursos de capacitação para condutores locais. Essas estratégias de valorização e divulgação buscam potencializar o referido geomorfossítio, sobretudo no viés geoturístico. Conclui-se que é necessário, antes de tudo, proceder ao planejamento e criar políticas públicas que regulamentem a atividade. Só assim será possível caminhar na direção de um turismo sustentável e atingir um dos propósitos principais do geoturismo que é a geoconservação.</p> Helena Vanessa Maria da Silva, Claudia Maria Sabóia de Aquino, Renê Pedro de Aquino Copyright (c) 2022 Geografia Ensino & Pesquisa https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/63610 Tue, 21 Jun 2022 00:00:00 -0300 Alterações microclimáticas e perfil térmico no Território Quilombola Morro de São João, Tocantins https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/64403 <p>A Comunidade Quilombola Morro de São João, no sul do Tocantins, foi reconhecida em 2006, embora seu processo de regularização fundiária ainda não tenha sido concluído. Em razão disso, seu território passou a ser incorporado pelo agronegócio, sobretudo pela pecuária bovina e sojicultura, implicando em mudanças ambientais. A retirada da vegetação de cerrado é um dos fatores percebidos pelos quilombolas para a alteração do clima, com destaque para a elevação do calor. A partir dessa conjuntura, este trabalho teve como foco a abordagem microclimática por meio de transectos móveis pelo referido território, com ênfase na temperatura do ar. Foram realizadas coletas de dados em episódios nas quatro estações do ano, entre 2019 e 2020. Os resultados revelaram particularidades de acordo com os horários do dia, o período do ano, os tipos de tempo e o uso e cobertura do solo no percurso. Destacou-se a ocorrência de maiores temperaturas à tarde sobre áreas de lavouras e pastagens, em especial sob condições de estabilidade atmosférica, com maior exposição à radiação solar. Já à noite, os valores tendem a se manter sutilmente mais altos sobre as áreas de moradia dos quilombolas, entre outros motivos pela maior retenção de calor. Assim, as mudanças ambientais relacionadas aos diferentes usos e apropriações do território se refletem no mosaico de microclimas, o que nos remete à qualidade de vida e ao papel da vegetação nativa para as comunidades tradicionais.</p> Cássia de Souza Castro, Lucas Barbosa e Souza Copyright (c) 2022 Geografia Ensino & Pesquisa https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/64403 Wed, 27 Jul 2022 00:00:00 -0300 Considerações acerca do papel das políticas educacionais de acesso ao ensino superior na migração internacional de brasileiros https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/65327 <p>A migração de brasileiros, que deixam seu país à procura de melhores condições de vida, vem mostrando que a necessidade de inserção no mundo do trabalho não é o único fator que influencia essa tomada de decisão. Nos últimos anos passou-se a vislumbrar com maior nitidez casos onde a motivação foi a forma como as políticas educacionais foram historicamente estruturadas no Brasil e é com o intuito de contribuir para com esse debate que apresentamos o presente artigo, que tem como objetivo principal discutir a migração de brasileiros, para nações latino-americanas, por conta da das políticas educacionais de acesso à universidade que atuam como fator de expulsão. Este trabalho foi construído a partir da leitura de referencial bibliográfico referente à temática e entrevistas com brasileiros que imigraram para Rosário, na província argentina de Santa Fé para estudar medicina na Universidade Nacional de Rosário. Os resultados da pesquisa demonstraram que a forma como as políticas educacionais estão organizadas no Brasil contribui para a manutenção da desigualdade social e elitização das universidades e que a migração foi para os entrevistados a única forma de ter acesso a um ensino de qualidade em uma universidade pública, de forma gratuita e sem processos seletivos excludentes já que na Argentina a educação, desde o nível básico até o superior, é tratado como um direito humano inerente a todos, inclusive estrangeiros. </p> Ariel Pereira da Silva Oliveira, Ideni Terezinha Antonello Copyright (c) 2022 Geografia Ensino & Pesquisa https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/65327 Mon, 20 Jun 2022 00:00:00 -0300 Ensino de Geografia e o raciocínio geográfico: entre confrontos e ressignificações https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/67759 <p class="1Keywords"><span lang="X-NONE">O artigo discute o processo de ensino-aprendizagem nas aulas de Geografia. Neste ensejo, preconiza-se como relevante a articulação do desenvolvimento do raciocínio geográfico com a produção de conhecimentos escolares, ambos se realizando dialeticamente. A partir de uma abordagem teórico exploratória, o texto discute pontos considerados relevantes para o pensar geograficamente na escola. A partir de autores como Massey (2008, 2017), Santos (2017), Gomes (2013, 2017), Martin (2016) Lacoste (2012) Bakhtin (2011) entre outros, buscou-se articular o objeto de conhecimento em uma situação concreta, as vozes sociais que o compõem, o recorte espaço-temporal, a apropriação do conhecimento geográfico e das diferentes linguagens para proceder o conhecimento de um fenômeno.</span></p> Darlan da Conceição Neves, Roberto Greco, Eduardo Donizeti Girotto Copyright (c) 2022 Geografia Ensino & Pesquisa https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/67759 Tue, 19 Jul 2022 00:00:00 -0300 O mundo está mudando, e agora? Desafios para ensinar e aprender Geografia em tempos de pandemia https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/63425 <p class="1Abstracttexto">Este trabalho discute alguns reflexos da pandemia de Covid-19 no ensino de Geografia. Para isso, realiza-se uma revisita à história da disciplina científica, evidenciando seus percalços constitutivos e a instabilidade de sua base epistemológica. Essa fragilidade reflete na Geografia Escolar uma vez que a disciplina na escola é atravessada, como a científica, por interesses externos. Por isso, relembramos a evidência já constante na bibliografia de que é necessário repensar a Geografia mnemônica e descritiva que é ensinada na escola, no sentido da constituição de um saber vivo e que explique a realidade dos alunos a partir do pensamento espacial. Nesse caminho, analisamos que a pandemia de Covid-19, por mais trágica situação que seja, apresenta também possibilidades para o ensino de Geografia centradas na tecnologia, motivo pelo qual apresentamos algumas ferramentas que podem ser utilizadas pelos professores. Concluímos, dessa maneira, que a situação pandêmica, mesmo sendo temporária, pode ter reflexos permanentes para o estabelecimento do papel e da importância da Geografia Escolar, reflexos estes que podem ser positivos ou negativos a depender das posturas e práticas adotadas pelos professores.</p> Rafael Ghidini, Najla Mehanna Mormul Copyright (c) 2022 Geografia Ensino & Pesquisa https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/63425 Wed, 20 Apr 2022 00:00:00 -0300 Tópicos sobre o ensino de campo e cidade: conhecimento substantivo e conhecimento sintático em Geografia https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/67168 <p class="1Abstracttexto">O presente artigo reflete a importância do Conhecimento do Conteúdo em Geografia, considerando seu valor na caracterização da matéria escolar e, por consequência, na própria identificação do professor. Entendemos que não basta ter apenas o domínio do conhecimento específico, é necessário também ter condições de levar esse conhecimento à compreensão dos alunos. Shulman (1986) aponta a necessidade de os professores compreenderem as estruturas de suas áreas de conhecimento por meio do Conhecimento do Conteúdo, ou seja, terem um conhecimento substantivo e sintático da disciplina que ministram; sendo, de modo sucinto, o primeiro relacionado ao que se estuda, seus conceitos e princípios, e o segundo, ao método de investigação, regras e procedimentos. Ante a diversidade de conteúdos geográficos, escolhemos a temática campo e cidade por representar, entre outros motivos, tópico de ensino interessante, pois, independentemente do local onde residem os estudantes, todos carregam em sua história laços com o campo ou com a cidade. Por meio de pesquisa qualitativa buscamos compreender os conhecimentos docentes e realçar a função central do conteúdo geográfico.</p><p class="1Keywords"><strong>Palavras-chave</strong>: conhecimento do conteúdo; campo; cidade; ensino de geografia; professor</p> Valéria Rodrigues Pereira, Claudivan Sanches Lopes Copyright (c) 2022 Geografia Ensino & Pesquisa https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/67168 Wed, 20 Jul 2022 00:00:00 -0300 Adversidades impostas pela Covid-19 à Agricultura Familiar nos municípios de Santa Maria e São João do Polêsine/RS https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/64902 <p>A agricultura familiar está presente em 70% das propriedades rurais brasileiras. No entanto, apesar da representatividade, historicamente, essa categoria não é prioritária nas ações do Estado, tendo por necessidade crescer e se estabelecer à margem da agricultura empresarial, sendo que, somente sob os efeitos do êxodo rural acentuado, as políticas públicas para manutenção da população no campo são criadas, como o Programa Nacional de Financiamento Rural (PRONAF). Junto a isso, se inicia um processo de questionamentos sobre os efeitos à saúde, causados pelo intenso uso de defensivos agrícolas na produção de alimentos, assim, a agricultura orgânica/saudável, logo, de cunho familiar, ganha visibilidade e espaço no mercado, especialmente nas feiras livres. Nesse sentido, o presente trabalho busca averiguar os impactos da pandemia da COVID-19 nesse setor, uma vez que as unidades de comercialização passaram a funcionar em períodos reduzidos e com menor público. Objetiva-se apresentar as principais adversidades geradas pela Pandemia para a agricultura familiar nos municípios de Santa Maria/RS e São João do Polêsine/RS, bem como, as estratégias utilizadas para amenizar estas adversidades. Para tanto, são apresentados três estudos de casos, que foram estudados, metodologicamente, a partir de trabalho de campo in loco e questionários online. Os resultados encontrados são positivos e demonstram que, apesar das dificuldades, os agricultores se adaptaram, inserindo novas estratégias de comercialização e acesso aos clientes.</p> Michele Hennig Vestena, Josiane Oliveira De Campos, Janete Webler Cancelier, Marielen Priscila Kaufmann Copyright (c) 2022 Geografia Ensino & Pesquisa https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/64902 Mon, 23 May 2022 00:00:00 -0300 Geografia-Pastiche https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/66324 <p class="1Keywords">Este artigo, de cunho epistemológico, parte do pressuposto que o espaço geográfico se configura tal como um pastiche, mesmo em tempos pré-humanos. Para tanto, destaca que o dinamismo dos elementos que compõem o espaço, caracterizado por apartar aquilo que originalmente estava unido e unir aquilo que outrora estava apartado. Para além desta premissa, é defendido que a imaginação humana fabrica outros pastiches, seja pela incapacidade de assimilação das nuances espaço-temporais, seja como um ato político e, portanto, deliberado. Também se defende a hipótese de que a separação do plano do pastiche material e imaginativo não é adequado, tomando como base as reflexões existentes sobre a inadequação da divisão entre mente e matéria. Deste modo, considera-se que os pastiches imaginativos interferem no pastiche material de uma forma dialética e indissociável. Este é o arcabouço teórico desenvolvido e que busca, enquanto objetivo da reflexão, problematizar a essência pastiche do espaço geográfico, abordando a interface mente e matéria e apresentando como as leituras espaciais podem atender a uma lógica de poder, conceito aqui empregado holisticamente como a capacidade de produzir a ação em outrem.</p> Leonardo Luiz Silveira da Silva, Alfredo Costa, Larissa Santos Rocha da Silva Copyright (c) 2022 Geografia Ensino & Pesquisa https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/66324 Wed, 06 Jul 2022 00:00:00 -0300 Estudo dos códigos culturais alemães: uma contribuição para o ensino e aprendizagem de Geografia em Paraíso do Sul/RS https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/55381 <p>O estudo da cultura é relevante para o processo de ensino e aprendizagem de Geografia, pois a partir da compreensão de conceitos relacionados à cultura os educandos constroem seu pensamento reflexivo sobre o espaço e as relações sociais que nele ocorrem, destacando as singularidades locais. Neste sentido, o trabalho buscou responder sobre a contribuição e importância dos grupos étnicos que colonizaram Paraíso do Sul/RS para sua formação cultural e de que forma a cultura pode auxiliar para a construção do conhecimento dos educandos no ensino básico, na disciplina de Geografia. Para realização da pesquisa foi selecionada a Escola Municipal de Ensino Fundamental Rodrigues Alves, e as atividades foram executadas no 8º ano. O trabalho se desenvolveu em etapas, sendo elas: levantamento bibliográfico, trabalho de campo e realização da atividade em sala de aula. Como consideração final, enfatiza-se que a cultura alemã é vivenciada pela comunidade, sendo fundamental no processo de ensino e aprendizagem em Geografia para compreensão e valorização da cultura local.</p> Denise Lenise Machado, Meri Lourdes Bezzi Copyright (c) 2022 Geografia Ensino & Pesquisa https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/55381 Tue, 21 Jun 2022 00:00:00 -0300 Petróleo, empresas e gestão do território: uma análise sobre o mercado de combustíveis no município de Serrinha https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/63583 <span>O presente artigo tem como objetivo analisar o processo de gestão territorial realizado pela atuação das empresas Postos de Revenda de Combustíveis (PRCs) no município de Serrinha/BA. Trata-se de um recorte da pesquisa intitulada </span><em>“Estratégias e práticas espaciais das distribuidoras e postos de combustíveis como agentes de gestão do território em escala local – O caso do município de Serrinha/BA</em><span>”, desenvolvida no âmbito do Curso de Geografia do Departamento Educação da Universidade do Estado da Bahia, Campus XI – Serrinha. Os PRCs representam uma parcela do conjunto de atividades ligadas ao setor do petróleo, se distribuem por todo o território nacional formando uma densa rede de estações de abastecimentos de veículos automotores, interconectados com as bases de distribuição regionais das principais empresas, como BR, Ipiranga, Raízen, Alesat, dentre outras. O arcabouço teórico-metodológico desta investigação ampara-se na perspectiva da abordagem qualitativa, sem excluir, necessariamente, o levantamento e análise de dados quantitativos, utilizando-os de modo complementar; com a discussão de pressupostos da Ciência Geográfica como Gestão do Território, Redes Geográficas e Circuitos Espaciais Produtivos e Círculos de Cooperação numa leitura de caráter geográfico-econômico aplicada na atuação empresas revendedoras de combustíveis na gestão do território no município de Serrinha/BA. Os procedimentos adotados foram a produção de mapeamento da configuração espacial dos PRCs de Serrinha/BA, pelo exercício de análise de imagens e da pesquisa de campo com visita aos 26 PRCs do município para aplicação de questionário e realização de entrevistas com gerentes e responsáveis, além do registro fotográfico da área dos postos e adjacências. Portanto, este trabalho, demonstrou o emaranhado de postos e distribuidoras que atuam nesta face do setor do petróleo no município, apresentando um potencial de disputas concorrenciais de preço e qualidade dos produtos e serviços, com tendência de expansão dessas relações ao considerarmos as transformações socioespaciais que um município tende a vivenciar no avançar do tempo histórico-geográfico.</span> John Wolter Oliveira Silva, Renato Leone Miranda Léda Copyright (c) 2022 Geografia Ensino & Pesquisa https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/63583 Tue, 05 Jul 2022 00:00:00 -0300 A ocupação periférica, pelas populações com baixos rendimentos, na cidade de Pouso Alegre (MG) https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/63339 <p>Os processos de expansão urbana das cidades médias brasileiras refletiram, espacialmente, as desigualdades socioeconômica de seus moradores e investidores, fazendo coexistir áreas mais e menos valorizadas nos espaços intraurbanos. Pouso Alegre, no Sul de Minas, apresentou significativos processos de crescimento populacional e expansão urbana, em especial após o início da década de 70 do século XX, quando foram mais intensivos o desenvolvimento e a diversificação da economia local e sua importância na rede urbana regional. O presente artigo tem o objetivo de demonstrar os processos de periferização da população com menores rendimentos de Pouso Alegre e as questões temporais, socioespaciais, econômicas e socioambientais dos bairros periféricos da cidade.</p> Alexandre Carvalho de Andrade Copyright (c) 2022 Geografia Ensino & Pesquisa https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/63339 Tue, 24 May 2022 00:00:00 -0300 Da razão funcional entre ambiente e saúde às epistemologias outras em Geografia da Saúde a partir da “r-existência” dos saberes populares https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/66101 <p class="16">Este artigo discute epistemologias outras em Geografia da Saúde no Brasil a partir da análise de teses e dissertações produzidas tratando da temática entre os anos de 1987 e 2018. Metodologicamente, as planilhas disponibilizadas pela CAPES foram tabuladas e as palavras-chave e as expressões que integram os seus respectivos títulos das pesquisas foram quantificadas e organizadas em nuvens de palavras com o apoio de softwares específicos. O resultado revela uma inclinação da Geografia em discutir doenças específicas (em especial a dengue), a questão ambiental, o espaço urbano, também a predileção pelo conceito de território e uma recente investida na compreensão dos serviços de saúde do país, com destaque para os debates envolvendo o SUS. Outrossim, observa-se uma concentração das produções nas regiões Sul e Sudeste. Neste sentido, trabalha-se com a proposta de uma ação inter/transdisciplinar que possa incrementar tais discussões com preceitos do pensamento decolonial, especialmente trazendo para a agenda geográfica outros saberes e práticas invisibilizados/silenciados pelo logocentrismo. Assim, a aposta é relacionar o bem-viver e a perspectiva do decrescimento como ferramentas necessárias para suplantar a crise do modelo civilizatório, endereçando olhares geográficos neste sentido e para outra escala de compreensão social, que possa descortinar ausências e emergências.</p> Maximillian Ferreira Clarindo, Almir Nabozny Copyright (c) 2022 Geografia Ensino & Pesquisa https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/66101 Tue, 19 Jul 2022 00:00:00 -0300 Identificação de áreas prioritárias para a recuperação da vegetação nativa, com o auxílio da modelagem espacial multicriterial, na bacia do rio Buranhém – Minas Gerais e Bahia https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/63721 <p class="1Abstracttexto">As alterações no uso da terra provocam diversos impactos na dinâmica de uma bacia hidrográfica. No entanto, existem áreas que são passíveis de uso, e outras que não poderiam ter sido desmatadas, devido às suas restrições legais e à sua importância ambiental para a manutenção dos ecossistemas, sendo necessário recuperá-las, caso estejam degradadas. Neste sentido, o objetivo deste estudo consistiu em identificar as áreas prioritárias para a recuperação da vegetação nativa na bacia do Rio Buranhém, nos estados de Minas Gerais e Bahia, a partir do uso da modelagem espacial multicriterial. Foram selecionados dez critérios, cujos aspectos legais e ambientais conferem à determinadas áreas maiores restrições de uso, em função da sua fragilidade ambiental ou da sua importância para a conservação das espécies e da paisagem natural, fazendo com que essas áreas sejam prioritárias para a recuperação, caso estejam degradadas. Os pesos dos critérios selecionados foram estabelecidos por meio do Processo Analítico Hierárquico (AHP). Foi utilizada a álgebra de mapas com o método da Combinação Linear Ponderada (CLP), resultando na elaboração de um mapa-síntese com a hierarquização das áreas prioritárias para a recuperação, permitindo, inclusive, a viabilização de corredores ecológicos interligando unidades de conservação e fragmentos florestais isolados.</p> Samuel Dias Santos, Allívia Rouse Carregosa Rabbani, Leonardo Thompson da Silva, Maria Otávia Silva Crepaldi Copyright (c) 2022 Geografia Ensino & Pesquisa https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/63721 Wed, 22 Jun 2022 00:00:00 -0300 Cartografia da Vulnerabilidade à contaminação de aquíferos: revisão conceitual https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/65331 <p>O texto objetiva realizar discussão conceitual referente a vulnerabilidade à contaminação de aquíferos, realizando uma revisão bibliográfica, recordando fatos que corroboraram nesta linha de pesquisa. Nesta análise percebe-se uma evolução do pensamento científico, com uma convergência teórico-metodológico em focar os perigos e ameaças de contaminação, contextualizando-o à um modelo de gestão ambiental. Além disto, nota-se a inexistência de um consenso comum sobre quais aspectos são relevantes na avaliação da vulnerabilidade à contaminação de aquífero. Com isto, faz-se uma classificação geral de avaliação da vulnerabilidade, em específica e intrínseca, para em seguida agrupar os métodos de avaliação. Por fim, constata-se a existência de uma correlação entre escala, consistência da informação e quantidade de variáveis analisadas.</p> Danilo Heitor Caires Tinoco Bisneto Melo, Maria da Conceição Rabelo Gomes, Luiz Rogério Bastos Leal Copyright (c) 2022 Geografia Ensino & Pesquisa https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/65331 Tue, 05 Jul 2022 00:00:00 -0300 O cadastro territorial multifinalitário na gestão dos municípios do Norte De Minas Gerais https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/65183 <p class="1Abstracttexto">Compreender o funcionamento dos cadastros territoriais multifinalitários (CTM) é imprescindível para aprimorar a gestão pública do município e, consequentemente, contribuir para o desenvolvimento municipal. Nesse sentido, o presente trabalho teve como objetivo analisar as condições dos cadastros territoriais dos municípios do Norte de Minas. Portanto, foi necessário demonstrar a importância das informações territoriais para a gestão dos municípios, logo o cadastro territorial é fundamental no processo de pensar e executar as políticas públicas. Dessa maneira, investigar como os municípios usam o cadastro territorial como instrumento de gestão, revelando suas limitações e suas potencialidades são fundamentais para aprimorar a gestão pública. Na metodologia, utilizou-se de pesquisa remota com servidores públicos e visitas às prefeituras dos municípios sedes das microrregiões do Norte de Minas. Verificou-se que são vários desafios de a serem enfrentados na administração pública para a tomada de decisão, mas com a implementação do CTM, isso pode ser facilitado. O trabalho procurou contribuir para a modernização do cadastro territorial nos municípios, uma vez que apresentou um diagnóstico desses setores e as necessidades de sua modernização, de modo a auxiliar no desenvolvimento municipal.</p> Marcos Esdras Leite, Robson José Veloso, Geraldo Antonio dos Reis Copyright (c) 2022 Geografia Ensino & Pesquisa https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/65183 Tue, 21 Jun 2022 00:00:00 -0300