Geografia Ensino & Pesquisa https://periodicos.ufsm.br/geografia <p style="text-align: justify;">A revista <strong>Geografia Ensino &amp; Pesquisa, </strong>é um periódico mantido pelo Departamento de Geociências e pelo Programa de Pós-Graduação em Geografia e Geociências - PPGGEO da Universidade Federal de Santa Maria, com objetivo de publicar Artigos originais na área de Geografia, visando abrir espaço para a divulgação científica e o debate qualificado dentro da ciência Geográfica. Para tanto, a revista aceita contribuições originais dentro de quatro grandes linhas temáticas: <em>Geoinformação e Sensoriamento Remoto; Meio Ambiente, Paisagem e Qualidade Ambiental; Produção do espaço e Dinâmica Regional; Geografia e Educação.</em></p> <p style="text-align: justify;"><strong>eISSN 2236-4994 | Qualis/CAPES (2017-2020) = A2</strong></p> pt-BR <p style="text-align: justify;">A revista <strong>Geografia Ensino &amp; Pesquisa</strong> deterá os direitos autorais dos trabalhos publicados. Os direitos referem-se a publicação do trabalho em qualquer parte do mundo, incluindo os direitos às renovações, expansões e disseminações da contribuição, bem como outros direitos subsidiá¡rios. Os autores comprometen-se com a originalidade do trabalho, e no caso de desistência da submissão, os autores assumem a responsabilidade de comunicar à revista.</p><p style="text-align: justify;">Após publicado os(as) autores(as) têm permissão para a publicação da contribuição em outro meio, impresso ou digital, em português ou em tradução, desde que os devidos créditos sejam dados à Revista Geografia – Ensino &amp; Pesquisa.</p><p style="text-align: justify;"> </p><p style="text-align: justify;"><span>A revista Geografia Ensino &amp; Pesquisa utiliza em suas publicações uma </span><a href="https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0/" rel="license">Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License</a><span>.</span></p><p style="text-align: justify;"> <a href="https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0/" rel="license"><img src="https://i.creativecommons.org/l/by-nc-sa/4.0/88x31.png" alt="Creative Commons License" /></a><br /><br /></p> geografiaensinoepesquisa@ufsm.br (Carina Petsch) centraldeperiodicos@ufsm.br (Central de Periódicos da UFSM) Tue, 27 Jun 2023 17:10:22 -0300 OJS 3.3.0.10 http://blogs.law.harvard.edu/tech/rss 60 Variabilidade pluviométrica e índice de anomalia de chuvas em municípios do Piauí https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/71043 <p>O conhecimento da precipitação de uma região é fundamental para o planejamento de qualquer atividade econômica, principalmente a agricultura. Portanto, este trabalho teve como objetivo, analisar a variabilidade pluviométrica de 10 municípios do Piauí através da utilização do Índice de Anomalia de Chuva (IAC). Foram utilizados dados pluviométricos de um período de 21 anos (2000-2020) disponibilizados pelo INMET (Instituto Nacional de Meteorologia). Os dados foram utilizados para o cálculo do IAC e classificados como extremamente úmido, muito úmido, úmido, seco, muito seco e extremamente seco.&nbsp; Para os municípios localizados na região centro norte do Estado do Piauí, há maior influência da Zona de Convergência Intertropical (ZCIT) sobre a qualidade e quantidade de chuva na região enquanto para os municípios ao sul do Estado são decorrentes das penetrações de frentes frias e/ou seus vestígios e a formação dos Vórtices Ciclônicos de Altos Níveis (VCANS). A partir do IAC identificou-se predomínio de anos secos no período de 2012 até 2016 sendo associados a El Niño-Oscilação Sul (ENOS). A utilização do IAC garante resultados mais precisos referentes ao grau de variação da chuva, podendo ser utilizado como uma ferramenta para o acompanhamento interanual da precipitação pluviométrica de regiões, no qual é possível através dele determinar mudanças em seu regime de chuvas</p> Marcus Willame Lopes Carvalho, Wellington Cruz Corrêa, Marcos Antônio de Castro Marques Teixeira, Catharina Teixeira Cortez, Adriana Conceição da Silva Copyright (c) 2023 Geografia Ensino & Pesquisa https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/71043 Fri, 06 Oct 2023 00:00:00 -0300 Turismo de aventura e geoconservação em Quixadá/CE: aprofundando discussões sobre a projeção da proposta do Geoparque Sertão Monumental https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/69198 <p>O município de Quixadá, localizado no Sertão Central do Ceará, é conhecido como a “Terra dos Monólitos” em virtude de sua expressiva geodiversidade, com destaque aos campos de inselbergues. A combinação de elementos ambientais faz de Quixadá uma área de grande interesse ao desenvolvimento do turismo de aventura, atraindo público nacional e internacional. A pesquisa apresenta um breve panorama do desenvolvimento do turismo de aventura no município, tendo como objetivo aprofundar o debate acerca do turismo de aventura local e a geoconservação, visando alcançar maiores subsídios para a discussão sobre a implantação do Geoparque Sertão Monumental. A metodologia se consistiu em: levantamento bibliográfico; trabalhos de campo; interpretação e sistematização dos resultados. Os resultados demonstraram que o turismo de aventura estabelece uma estreita relação com a geodiversidade local e o seu desenvolvimento se concentra em seis núcleos, inseridos em áreas de relevante expressividade geológica. Foram identificados problemas acerca do turismo de aventura, intensificando a necessidade de um planejamento baseado na geoconservação. Conclui-se que o turismo de aventura no município tem os seus principais núcleos de desenvolvimento na área que compreende a proposta de geoparque, podendo ser um potencializador do turismo, mediante um planejamento turístico comprometido com a geoconservação.</p> Iana Bárbara Oliveira Viana Lima, Caroline Domingos de Amorim, Caroline Vitor Loureiro, Carlos Henrique Sopchaki Copyright (c) 2023 Geografia Ensino & Pesquisa https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/69198 Fri, 29 Dec 2023 00:00:00 -0300 Áreas de Preservação Permanente e recursos hídricos: diagnóstico e análise da bacia hidrográfica do Ribeirão Caiuá, oeste paulista - Brasil https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/70537 <p>No Brasil, identifica-se um crescente número de bacias hidrográficas que se apresentam degradadas com perdas notáveis de recursos hídricos, em decorrência da ausência de Áreas de Preservação Permanente (APP), processos erosivos, assoreamentos e poluição, desencadeando diversos desequilíbrios ambientais. É a partir dessa conjuntura que se insere esta pesquisa que teve como objetivo principal, analisar os conflitos entre cobertura e uso da terra e as APP na bacia hidrográfica do ribeirão Caiuá e os possíveis impactos relacionados à gestão dos recursos hídricos. Para concretização desta pesquisa, foi realizada revisão bibliográfica sobre o tema, elaboração de mapas com uso de técnicas do geoprocessamento, além de obtenção de dados sociais e ambientais e trabalho de campo. Os resultados apontaram alguns conflitos de uso da terra em áreas da bacia destinadas às APP, que apresentam utilização inadequada, agravada pela insuficiente presença de cobertura vegetal, especialmente nas nascentes. Como propostas de intervenção, recomendou-se uma ação conjunta entre os municípios pertencentes à bacia e o comitê de bacia hidrográfica, a fim de implementarem estratégias possíveis e viáveis, com recomposição e ampliação de espaços de vegetação natural, recuperação de áreas possivelmente degradadas, associado à conscientização da população em geral e dos proprietários rurais, sob o risco de escassez de água superficial e subsuperficial, podendo comprometer a qualidade de vida de toda a sociedade. Assim, são indicados estudos mais específicos na área, a fim de embasar ações pontuais.</p> Ricardo dos Santos, Bruno Augusto de Rezende Copyright (c) 2023 Geografia Ensino & Pesquisa https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/70537 Tue, 27 Jun 2023 00:00:00 -0300 Geodiversidade na educação básica https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/72139 <p>Os elementos abióticos da paisagem destacam-se por valores intrínseco, cultural, estético, econômico, funcional, científico e didático. Porém, estudos que abordam o ensino da geodiversidade na educação básica merecem maior aprofundamento. O objetivo deste trabalho é realizar uma revisão bibliométrica visando identificar a produção científica global sobre o ensino da geodiversidade na educação para compreender de que forma o valor didático é explorado pela comunidade científica, além de contribuir para o avanço e disseminação dos estudos nessa temática. A pesquisa foi realizada na base de dados <em>scopus</em>, utilizando os termos “<em>Geodiversity</em>” e “<em>Education</em>” com a operação booleana “<em>AND</em>”. Em seguida, realizou-se um filtro para selecionar apenas os documentos de interesse dessa pesquisa. Os resultados indicam que de um total de 1424 trabalhos sobre geodiversidade, 138 documentos abordavam geodiversidade e educação e, destes, 110 são artigos científicos, todos publicados a partir do ano de 2000. Após aplicação do filtro para artigos científicos de acesso liberado, foram constatados 24 artigos que abordam diretamente o conceito de geodiversidade na educação básica. Os resultados expõem a necessidade de mais estudos aprofundados sobre o conceito de geodiversidade na educação básica e indicam os principais métodos e abordagens utilizadas em sala de aula. Espera-se que esta pesquisa contribua para informar sobre a produção científica atual sobre a temática.</p> Thales Vargas Furtado, Jairo Valdati Copyright (c) 2023 Geografia Ensino & Pesquisa https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/72139 Fri, 06 Oct 2023 00:00:00 -0300 O estado do conhecimento sobre as temáticas ambientais nas publicações do Boletim Paulista de Geografia - 2001 a 2021 https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/75425 <p>O presente artigo realiza o estado do conhecimento de temáticas ambientais de uma revista de Geografia, o Boletim Paulista de Geografia (BPG). O objetivo é investigar a abordagem das temáticas ambientais para análise geográfica nos artigos do BPG entre os anos de 2001 e 2021. Realiza-se um breve histórico da importância do BPG em relação ao incentivo do ensino e pesquisa em Geografia. Parte-se de uma pesquisa de abordagem qualitativa: o estado de conhecimento. O <em>corpus</em> de análise é constituído a partir de uma de suas linhas de publicação do BPG: “Geografia Física e Biológica”. Adotam-se os procedimentos da análise de conteúdo de Bardin (1977). Nesse levantamento, foram selecionados 35 artigos que estabelecem o <em>corpus </em>de análise. Inicialmente, correlacionam-se essas publicações às instituições, autores e escala de análise dessas publicações. A partir do quadro dessas pesquisas, observam-se seis eixos temáticos: a) dinâmicas do ambiente; b) planejamento e preservação ambiental; c) impactos ambientais; d) componentes físicos do espaço e suas relações; e) conceitos ambientais; e f) recursos ambientais. Com base nos resultados desse exame, pondera-se sobre as contribuições das temáticas ambientais para formação de professores e bacharéis de Geografia. Sobre isso, verifica-se a composição de um pensamento geográfico que considera conceitos geográficos (espaço, escala e tempo), o <em>axioma</em> geográfico da relação entre a sociedade e natureza e a mobilização de metodologias e da linguagem cartográfica.</p> David Luiz Almeida, Dayane Galdino Brito Copyright (c) 2023 Geografia Ensino & Pesquisa https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/75425 Fri, 29 Dec 2023 00:00:00 -0300 Mapeamento de áreas susceptíveis a desastres naturais da Quarta Colônia-RS com o base no zoneamento geoambiental https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/67900 <p>O presente trabalho apresenta um mapeamento das áreas, através do levantamento das características físicas da paisagem local, com susceptibilidades à ocorrência de desastres naturais na região da Quarta Colônia- RS. As áreas mapeadas dizem respeito à ocorrência de vendavais, enxurradas, inundações graduais e deslizamento. A partir de trabalho de campo, dos estudos temáticos e do Zoneamento geoambiental com apoio de SIGs foi possível determinar áreas susceptíveis a essas ocorrências. O zoneamento permite o desenvolvimento de ações de mitigação dos danos e estabelecimento de medidas preventivas à sujeição dos desastres.</p> Gerson Jonas Schirmer, Luis Eduardo de Souza Robaina Copyright (c) 2023 Geografia Ensino & Pesquisa https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/67900 Fri, 17 Nov 2023 00:00:00 -0300 Paisagens da região de gestão do planejamento 03 - Porto Alegre: percepções, apropriações, usos e conflitos na planície de inundação do Rio Gravataí https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/69975 <p>O presente artigo apresenta possíveis caminhos para abordagem de questões relacionadas à Região de Gestão do Planejamento 03 – Porto Alegre, utilizando como categoria de análise o conceito geográfico de paisagem. Como ponto de partida temos as premissas do documento público denominado Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano e Ambiental da cidade de Porto Alegre/ RS, no Brasil. Após iremos destacar por meio de registros fotográficos as percepções das paisagens, sobre as distintas formas de apropriação, usos do solo urbano<span style="text-decoration: line-through;"> e</span> consequentemente, os conflitos ocorridos nesta região. Com base nessas análises, iremos pontuar questões sobre a ocupação da área da planície de inundação do Rio Gravataí. E, para além, faremos a análise acerca dos impactos da poluição sonora oriunda da urbanização, nas paisagens que circundam o Quilombo da Família Machado. O procedimento metodológico nos auxilia na análise dessas paisagens imagéticas e sonoras, captadas por dispositivos tecnológicos tais como: fotografias, imagens de satélite, gravações de áudio e vídeo. Todos estes procedimentos estão associados à leitura do Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano e Ambiental, em sua versão atual, para maior compreensão sobre aspectos da Região 3. Também serão utilizadas as ferramentas do ArcGis e do Google Earth para elaboração de mapas e imagens dessa região do município. Ao fazer as análises dos processos que contribuíram para as configurações atuais da Região 3 de Porto Alegre, tivemos a experiência de elaborarmos uma breve reflexão sobre os possíveis impactos dos processos de urbanização nessa parte da cidade em termos socioambientais, sobre os conflitos urbanos relacionados aos processos de desocupação e realocação das populações da periferia. Observamos as intervenções antrópicas em um ecossistema vulnerável, por causa das formações geomorfológicas de planícies de inundação e solos hidromórficos (configuração natural). Essa pesquisa nos possibilitou um contato mais aprofundado na dinâmica dessa região, a qual faz fronteira com o perímetro urbano, que ainda, preserva uma biodiversidade de valor incalculável.</p> Cecilia Balsamo Etchelar, Janaína Costa Teixeira, Gabriel Muniz de Souza Queiroz, Brandaly Staudt, Roberto Verdum Copyright (c) 2023 Geografia Ensino & Pesquisa https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/69975 Fri, 20 Oct 2023 00:00:00 -0300 Proliferação do gênero Pinus em ambientes ecologicamente importantes no município de Osório, Litoral Norte do RS https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/73757 <p>O presente trabalho analisou o uso e ocupação do solo pelo cultivo do gênero <em>Pinus</em> assim como sua proliferação em ambientes ecologicamente importantes no município de Osório, Litoral Norte do Rio Grande do Sul (RS). Para tanto, usou-se dados espaciais (dados vetoriais) da silvicultura do trimestre julho/setembro do ano de 2020, disponibilizados pela Fundação Estadual de Proteção Ambiental Henrique Luiz Roessler (FEPAM – RS), que possibilitaram a análise das áreas destinadas à atividade de silvicultura no município assim como as áreas com o cultivo de <em>Pinus</em>. Além disso, a fotointerpretação de imagens do satélite Sentinel 2 (agosto de 2020), em composição colorida em falsa cor, permitiu identificar áreas de proliferação de <em>Pinus</em> sobre ambientes de importância ecológica no município, assim como as possíveis fontes de disseminação de sementes (<em>hot spots</em>). Duas áreas de ambientes naturais apresentaram proliferação do <em>Pinus</em> de forma mais preocupante, uma sobre áreas próximas as lagoas Biguá, Emboaba e Emboabinha, e outra sobre o remanescente de campo de dunas móveis entre os municípios de Osório e Imbé. Ao fim, foram apresentadas sugestões de criação de Unidades de Conservação sobre esses dois ambientes ameaçados pela acentuada proliferação do <em>Pinus.</em></p> Luiz Henrique Fernandes da Rocha, Ester Wolff Loitzenbauer, Gabriela Camboim Rockett Copyright (c) 2023 Geografia Ensino & Pesquisa https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/73757 Fri, 29 Dec 2023 00:00:00 -0300 Mesofauna edáfica em área de ocorrência de Byrsonima triopterifolia A. Juss na Caatinga de Olho D’Água do Casado, Alagoas https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/71036 <p>O bioma Caatinga abriga espécies vegetais e animais endêmicos, como os invertebrados, considerados bioindicadores ambientais que desempenham funções ecológicas de interação com as espécies vegetais, a exemplo da <em>Byrsonima triopterifolia</em> A. Juss. Objetivou-se verificar se há diferença na diversidade, uniformidade, riqueza, abundância e distribuição dos grupos taxonômicos da mesofauna edáfica entre os pontos amostrais em área de Caatinga com ocorrência de <em>B. triopterifolia,</em> em Olho D’Água do Casado, Alagoas. A pesquisa foi realizada no Assentamento Rural Nova Esperança II, na área amostral de 10.500 m² (1,05 ha) delimitada em 70x150 m. Para quantificação da mesofauna foram coletadas 10 amostras de solo+serapilheira na profundidade 0-5 cm, com anéis metálicos (diâmetro=4,8 cm e altura=5 cm) e a extração dos organismos foi feita na bateria Berlese-Tullgren durante 96 h. Foram realizadas medidas de temperatura e conteúdo de água do solo, a 10 cm de profundidade. Os dados foram analisados pela estatística descritiva pelo Software Office Excel 2019. O grupo da mesofauna edáfica mais dominante é Acarina comprovado pelo baixo valor de diversidade e uniformidade. Acarina é mais frequente entre os pontos amostrais com presença em 8 das 10 plantas de <em>B. triopterifolia, </em>constatado pela matriz presença/ausência. As variações edafoclimáticas influenciam na abundância, riqueza, diversidade e uniformidade da mesofauna edáfica.</p> Wellington dos Santos Graciliano, Maria Betânia Vieira de Souza Lima, Renato Wilian Santos de Lima, Kallianna Dantas Araujo Copyright (c) 2023 Geografia Ensino & Pesquisa https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/71036 Fri, 29 Dec 2023 00:00:00 -0300 Atribuição de pesos aplicada à vulnerabilidade ambiental à erosão linear: estudo de caso nas bacias hidrográficas do rio dos Cachorros (São Luís-MA) e do córrego Timburi (Presidente Prudente-SP) https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/71887 <p>Diante da dinamicidade e da complexidade de interações entre os elementos naturais e sociais que alteram as formas e os processos que acontecem na paisagem e no âmbito da bacia hidrográfica têm-se relações de vulnerabilidade ambiental à erosão linear. Ao auxiliar as pesquisas sobre erosão destaca-se a elaboração de documentos cartográficos em ambiente de Sistemas de Informação Geográfica. Nesse sentido, o objetivo do presente artigo foi contribuir para a proposta de atribuição de pesos aplicada à vulnerabilidade ambiental à erosão linear das bacias hidrográficas do rio dos Cachorros (São Luís-MA) e do córrego Timburi (Presidente Prudente-SP), considerando as variáveis relevo, declividade, solo, uso da terra e cobertura vegetal. Os materiais e métodos para este estudo contaram com etapas de processamento, com o uso de técnicas e de ferramentas computacionais, que geraram mapeamentos, em que a validação ocorreu por meio de trabalhos de campo. Os resultados obtidos mostraram que os procedimentos metodológicos adotados foram considerados adequados, na medida que a espacialização das classes que variam de baixa, média a alta vulnerabilidade ambiental à erosão linear estão condizentes com a realidade e, portanto, a proposta pode ser utilizada em outras áreas de estudo, sendo os pesos adaptados de acordo com as características ambientais de cada área.</p> Melina Fushimi, Regina Célia de Oliveira, João Osvaldo Rodrigues Nunes Copyright (c) 2023 Geografia Ensino & Pesquisa https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/71887 Tue, 27 Jun 2023 00:00:00 -0300 Eventos extremos de chuva e impactos associados no município de Crato/CE https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/69086 <p>Nos últimos anos, os eventos extremos de chuvas vêm causando mudanças significativas nas grandes e nas médias cidades brasileiras, por se tratar de o Brasil ser um país que não sabe lidar com a gestão dessas situações. O presente trabalho teve como objetivo identificar e analisar os eventos extremos de chuva e as suas repercussões na cidade do Crato/Ceará (CE). Para o desenvolvimento deste trabalho, foram realizados levantamento bibliográfico e coleta e tabulação dos dados da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos – FUNCEME de dois postos inseridos na área de estudo (Posto Crato e Lameiro), e aplicou-se a Metodologia dos Máximos de Precipitação, a qual considerou eventos acima de 50 mm em 24 horas. Realizou-se, também, a análise de reportagens de jornais, de modo a identificar os impactos das chuvas extremas. A cidade do Crato, no período de 1974 a 2020, registrou a ocorrência de 370 eventos extremos de chuva acima de 50 mm, dos quais 216 aconteceram no Posto Crato e 154 no Posto Lameiro. As repercussões dos eventos ocorrem especificamente nas áreas de planície dos rios, devido à ocupação irregular dessas áreas associada à falta de infraestrutura urbana. A ocupação irregular da cidade faz com que essas chuvas, somadas à falta de organização espacial, causem inúmeros problemas socioambientais, por atingir diretamente a população pobre, que é mais vulnerável por ocuparem áreas de risco.</p> Vinicius Ferreira Luna, Juliana Maria Oliveira Silva Copyright (c) 2023 Geografia Ensino & Pesquisa https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/69086 Tue, 27 Jun 2023 00:00:00 -0300 Urbanização e desenvolvimento sustentável: um panorama dos estados brasileiros https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/73970 <p>A relação entre urbanização e Desenvolvimento Sustentável Local (DSL), sobretudo em países em desenvolvimento, constitui-se em uma situação complexa, cuja compreensão requer a análise de um conjunto de fatores e variáveis. Este artigo tem como principal objetivo analisar a relação entre urbanização e desenvolvimento sustentável local nos estados brasileiros. Para tanto, um conjunto de variáveis-chave foi levado em consideração, a exemplo de variáveis sociais, econômicas, político-institucionais e ambientais, cujos dados foram coletados em diferentes bases de dados oficiais em nível dos municípios brasileiros, mas cuja representação e análise se deram em nível das unidades da federação, para caracterizar o DSL e sua relação com a urbanização. Os resultados confirmam estados do Sudeste, Sul e Centro-Oeste como os mais urbanizados e que apresentam melhores oportunidades econômicas e condições de vida, devido às economias de aglomeração, mas também com desafios ambientais e de segurança pública. Conclui-se que há relação positiva entre DSL e urbanização, embora em contexto de elevada desigualdade.</p> Paulo César Bahia de Aguiar, Helga Dulce Bispo Passos, Mônica de Moura Pires, Andréa da Silva Gomes Copyright (c) 2023 Geografia Ensino & Pesquisa https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/73970 Fri, 29 Dec 2023 00:00:00 -0300 Estágio supervisionado em geografia em forma de oficinas pedagógicas: reinventando as práticas em tempos de pandemia da Covid-19 https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/71176 <p>O artigo discute as contribuições das oficinas pedagógicas na reinvenção de práticas de ensino em tempos de pandemia da Covid-19, durante o Estágio Supervisionado em Geografia. O texto resulta de uma experiência de ensino de graduação com o componente curricular Estágio Supervisionado em Geografia II, realizada no curso de licenciatura em Geografia da Universidade do Estado da Bahia, Campus de Jacobina. O trabalho procurou responder ao seguinte problema: de que maneira as oficinas pedagógicas podem proporcionar a reinvenção de novas práticas de ensino em tempos de pandemia, durante o Estágio Supervisionado em Geografia? A base metodológica foi de abordagem qualitativa, tendo como procedimento a pesquisa bibliográfica e pesquisa-ação em uma turma de licenciandos do sexto semestre no início do ano de 2021. Os dados obtidos na pesquisa revelam que as oficinas pedagógicas são importantes ferramentas didáticas e beneficiam de modo significativo a formação docente, bem como o processo de ensino e aprendizagem, tanto presencialmente como de forma remota e online. As oficinas, são compostas de atividades lúdicas e proporcionam um maior interacionismo entre os envolvidos, garantindo práticas pedagógicas em geografia mais dinâmicas e exitosas.</p> Ivaneide Silva dos Santos, Carlos Lima Ferreira Copyright (c) 2023 Geografia Ensino & Pesquisa https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/71176 Fri, 15 Dec 2023 00:00:00 -0300 As Geografias Locais como fonte para a mobilização de processos de raciocínio espacial nos anos iniciais do Ensino Fundamental https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/71903 <p>Partindo de um movimento de busca por práticas pedagógicas significativas e pertinentes às realidades dos estudantes, o presente trabalho busca refletir sobre as possibilidades de mobilização de diferentes modos e processos de raciocínio espacial, a partir da problematização das espacialidades locais no âmbito do ensino da Geografia nos anos iniciais do Ensino Fundamental. Para isso, apresenta-se os principais resultados de uma pesquisa vinculada a um projeto de extensão universitária que buscou avaliar a pertinência do uso de um conjunto de materiais didático-cartográficos desenvolvidos para esta etapa da escolarização. O estudo de caso ocorreu em uma escola da zona rural do Município de Irati/PR, envolvendo o uso de representações cartográficas, designadas como Mapas-Imagem, do entorno da escola, e confeccionadas com base em imagens de satélite, mobilizando diferentes modos e processos de raciocínio espacial. Concluiu-se que os materiais e encaminhamentos didáticos estudados tendem a potencializar a aprendizagem de conceitos e processos de raciocínio espacial, além de promover uma postura crítica dos estudantes diante de sua espacialidade cotidiana. Além disso, constatou-se que o foco da metodologia de trabalho, designada ao pensamento e noções de ordem generalizante e conceitual, não afastou os estudantes de seu contexto imediato de vivência, demonstrando um claro potencial para a promoção de novas e amplas possibilidades de leitura sobre as geografias de sua comunidade e do mundo que a cerca.</p> Daniel Luiz Stefenon, Julio Manoel França da Silva, Alex Soares de Oliveira Copyright (c) 2023 Geografia Ensino & Pesquisa https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/71903 Fri, 17 Nov 2023 00:00:00 -0300 Carta pedagógica: um convite ao diálogo de saberes experenciados e construídos no ensino remoto emergencial https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/73668 <p>O presente estudo parte da discussão e da análise das experiências docentes desenvolvidas no período de isolamento social, onde aconteceu o Ensino Remoto Emergencial (ERE) devido a pandemia da COVID-19. A alta velocidade de disseminação e capacidade de provocar mortes em populações vulneráveis, provocaram incertezas quanto a definição de estratégias a serem utilizadas para o enfrentamento da epidemia em diferentes partes do mundo. Mediante à insuficiência de conhecimentos sobre o novo coronavírus, a estratégia estabelecida no ano de 2020 foi a implementação de medidas de isolamento social, com intuito de diminuir os riscos de transmissão do vírus, inclusive para as pessoas portadoras de comorbidades, com maior risco de apresentarem quadros clínicos graves. Diante dessa perspectiva, o estudo intenta contribuir com a produção de conhecimentos para professores da Educação Básica, que ao se envolverem com a pesquisa, por meio do diálogo construído através da troca de Cartas Pedagógicas, puderam refletir na práxis a dimensão ambiental da educação e estabelecer novas bases para uma educação transformadora.</p> Caroline Cruz Alvariz, Danielle Monteiro Behrend, Claudia da Silva Cousin Copyright (c) 2023 Geografia Ensino & Pesquisa https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/73668 Fri, 20 Oct 2023 00:00:00 -0300 Paisagem e cotidiano no ensino de geografia: desafios didáticos e possibilidades práticas em Vitória do Xingu-PA https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/74391 <p>O presente artigo é fruto de uma pesquisa realizada junto às turmas de 6° ano do ensino fundamental em Vitória do Xingu, uma das cidades impactadas pela usina hidrelétrica de Belo Monte. O objetivo geral do trabalho foi destacar as mudanças na paisagem pelos alunos a partir de suas percepções cotidianas do espaço vivido. Quanto à metodologia, houve a aplicação de uma prática pedagógica sobre ensino de Geografia, organizada através de: pesquisa teórica e levantamento bibliográfico; aula teórica para reforçar aos alunos conceitos e elementos centrais da proposta didática; e aula expositiva, com a exposição de imagens da cidade de Vitória do Xingu em períodos distintos. Posteriormente, sugeriu-se aos alunos uma produção artística e uma produção escrita a respeito de suas percepções quantos as mudanças na paisagem a partir de seus respectivos espaços. Após a análise das produções realizadas, os resultados sinalizam que a prática pedagógica consegue fazer com que os alunos reflitam não apenas a mudança no visual, na paisagem, mas que além disso conseguem compreender os motivos que levaram a essas transformações. Por outro lado, ressalta-se que é desafiador para o professor propor esse tipo de prática pedagógica, no entanto, os resultados causam inúmeras possibilidades de construção do conhecimento por parte dos alunos, fazendo com que estes compreendam, reflitam e relacionem os objetos de aprendizagem com o seu cotidiano.</p> Genilson Santana Cornélio, José Queiroz de Miranda Neto Copyright (c) 2023 Geografia Ensino & Pesquisa https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/74391 Fri, 29 Dec 2023 00:00:00 -0300 O conceito de lugar em livros didáticos de Geografia do 1º ano do Ensino Fundamental https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/83955 <p>Neste artigo, refletimos sobre o papel do livro didático no tocante à dimensão lugar e em relação ao saber docente na utilização dessa ferramenta de ensino. Sendo assim, o objetivo do trabalho consistiu em analisar como é abordado o conceito de lugar em livros didáticos de Geografia do 1º ano do Ensino Fundamental - Anos iniciais. Adotamos como percurso metodológico uma abordagem qualitativa de pesquisa bibliográfica e investigação documental, cujos procedimentos investigativos contaram com uma análise fundamentada em reflexões teóricas sobre o Programa Nacional do Livro e do Material Didático (PNLD), com a interpretação de dados referentes ao conceito de lugar presente em 14 livros didáticos do PNLD 2023 a partir da análise textual discursiva e com o tratamento de informações em relação à perspectiva teórica adotada e aos dados obtidos na pesquisa documental. Destarte, enquanto resultados, constatamos que a adoção do termo lugar é constante nos livros didáticos analisados, por outro lado, há também uma necessidade de apresentar a esfera conceitual nessas obras. Portanto, embora a maioria dos livros didáticos analisados não apresentem o conceito de lugar, e sim exemplos dessa dimensão analítica, podemos afirmar que a apresentação dada a essa dimensão é relevante para a Geografia Escolar, sobretudo, ao considerá-la como espaço vivido a partir da perspectiva humanista, que é aquela que mais aparece nessas obras.</p> Nathany Morais de Souza, Micarla Silva de Azevedo, Solange Alves Canuto, Gleydson Pinheiro Albano, Diego Salomão Candido de Oliveira Salvador Copyright (c) 2024 Geografia Ensino & Pesquisa https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/83955 Sun, 11 Feb 2024 00:00:00 -0300 Ensinar pelas pedras, aprender pelas areias: atividades geoeducativas para valorização da geodiversidade da praia de Pedra do Sal, Parnaíba-PI https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/71142 <p>Entender a geodiversidade pelo seu valor educativo se configura como uma das principais estratégias no desenvolvimento de práticas efetivas de geoconservação, destacando-se a Geoeducação. O objetivo geral do estudo é propor atividades geoeducativas visando a valorização da geodiversidade da praia de Pedra do Sal, Parnaíba/PI, tendo os seguintes objetivos específicos: discutir sobre os pressupostos teóricos relacionados à Geodiversidade, Geoconservação e Geoeducação; caracterizar a geodiversidade da praia de Pedra do Sal e seu valor educativo; e elaborar propostas de atividades geoeducativas para valorização da geodiversidade da praia em questão. Como procedimento metodológico, utilizou-se a pesquisa bibliográfica, a partir de livros e capítulos de livros, artigos em periódicos, dissertações de mestrado e teses de doutorado que tratam sobre as temáticas retratadas, bem como de estudo cartográfico para localização da área analisada, sendo a organização metodológica do trabalho apresentada em três etapas. O promontório rochoso com afloramento granítico, um dos principais elementos da geodiversidade na área, divide Pedra do Sal em duas faixas praiais distintas: no lado leste dissipativa e, no lado oeste, refletiva. Para o valor educativo da praia em questão, ressalta-se o potencial que a área apresenta, a partir da visualização dos elementos de sua geodiversidade e dos processos geomorfológicos costeiros atuantes, sendo destacado em alguns trabalhos de relevância. Nesse contexto, sugere-se o desenvolvimento de nove atividades geoeducativas para a educação formal e não formal como estratégia para valorização e divulgação da geodiversidade da praia de Pedra do Sal e instrumento para a prática da Geoeducação.</p> Brenda Rafaele Viana da Silva, Elisabeth Mary de Carvalho Baptista Copyright (c) 2023 Geografia Ensino & Pesquisa https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/71142 Fri, 29 Dec 2023 00:00:00 -0300 Cada caso é um caso no contexto educacional e geográfico no estudo do município? https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/71095 <p>Este artigo discute os problemas que os professores de Geografia enfrentam para trabalhar o conceito de lugar, com a finalidade de estudar o município nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental, devido à ausência de informações e de dados sobre a Geografia e a História do território. Isso torna as condições do ensino com severas limitações. O objetivo, neste texto, é apresentar evidências da importância do estudo de caso de cada município para fortalecer o ensino e o estudo do lugar. É importante identificar o município como uma divisão político-administrativa com organização territorial-jurídica mediadas pelas relações sociais de vida da população. Para tal, apresentamos um exemplo de metodologia na elaboração de recursos didáticos, principalmente de mapas digitais com informações do município. A investigação teve como base o estudo de caso com a participação de 64 professores atuantes nos Anos Iniciais de diferentes áreas do conhecimento. Fontes bibliográficas fundamentaram o contexto geográfico do município. A investigação mostrou a dificuldade dos professores para trabalhar a Geografia e a História do município pela falta de recurso didático pedagógico que possibilite o conhecimento da criança sobre o seu lugar de vivência.</p> Camila Cristina Taschin Popiolek, Mafalda Nesi Francischett Copyright (c) 2023 Geografia Ensino & Pesquisa https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/71095 Fri, 06 Oct 2023 00:00:00 -0300 O ensino de geografia e a Base Nacional Comum Curricular do Ensino Médio (BNCC): um estudo de caso na cidade de Marmeleiro/PR https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/71224 <p>O presente trabalho é um estudo de caso em dois colégios estaduais da cidade de Marmeleiro/PR: Colégio Estadual de Marmeleiro – EFM e o Colégio Estadual Telmo Octávio Müller – EFN. O artigo busca compreender como está ocorrendo a implementação do Novo Ensino Médio em conformidade ou não (sua implementação), com a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) – ênfase no Ensino de Geografia – relacionando, também, com os itinerários formativos e projetos de vida que a BNCC do Ensino Médio apresenta, desde 2019. A materialização deste trabalho aponta preocupações de como será o futuro da disciplina de Geografia e como o Ensino Médio está mudando o seu caráter, cada dia mais tecnicista. Pensando nisso buscou-se compreender o Ensino de Geografia no Ensino Médio, a partir da análise da BNCC do Ensino Médio e de outros documentos norteadores (DCE-PR/2008; LDB/1996), revisão dos teóricos da Educação e do Ensino de Geografia (Arroyo, 2013; Cavalcanti, 2012; Bernardes E Francischett, 2021; Callai, 2001; Japiassu, 1995; Moura E Oliveira, 2020; Saviani, 2008; Straforini, 2004; Tébar, 2011). E, por último, a exploração ou diagnóstico das entrevistas com professores de Geografia que trabalham com os anos finais da Educação Básica, nas únicas duas escolas que ofertam este nível de ensino na cidade, indicando sérios problemas na execução ou implementação do Novo Ensino Médio.</p> Andrieli Kauana da Rosa Zarpellon, Fernando Frederico Bernardes Copyright (c) 2024 Geografia Ensino & Pesquisa https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/71224 Sun, 11 Feb 2024 00:00:00 -0300 Aplicação e perspectiva para o ensino de cartografia: um estudo de revisão https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/71904 <p>O presente material apresenta a análise dos trabalhos acadêmicos, publicados em periódicos, sobre a temática “ensino de cartografia” em um recorte temporal de publicações de 1996 a 2021. A análise foi feita de resumos de 40 trabalhos selecionados no Google Acadêmico, por meio do software de análises textuais IRAMUTEQ, que permite o processamento de análises lexicográficas de corpus textuais para identificar a frequência de palavras e seus contextos. Os resultados foram significativos no delineamento da discussão sobre o ensino de cartografia na Geografia, concluindo que a cartografia como linguagem é indispensável no ensino básico para leitura e compreensão espacial e a formação de um pensamento geográfico crítico, evidenciando a preocupação com a educação brasileira e a formação de futuros cidadãos conscientes do seu espaço.</p> Lucas Henrique de Souza, Patricia Helena Mirandola Garcia, Alexandre Meira de Vasconcelos Copyright (c) 2023 Geografia Ensino & Pesquisa https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/71904 Fri, 15 Dec 2023 00:00:00 -0300 A educação a serviço do Estado: tensões entre a educação profissionalizante e o Ensino Médio https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/69298 <p><span style="font-weight: 400;">O presente trabalho possui o objetivo de discutir sobre o processo de consolidação legal do Ensino Médio, articulando-a com uma possível conexão dessa etapa escolar com a modalidade de educação profissionalizante, e da mais recente proposta curricular estabelecida pela Reforma do Ensino Médio. Portanto, problematiza-se sobre o processo histórico legal de consolidação dessas etapas escolares, considerando seus respectivos contextos históricos e geográficos. Portanto, trata-se de uma pesquisa qualitativa, documental, desenvolvida a partir da leitura de documentos oficiais legais referentes à etapa do Ensino Médio e da Educação Profissional. Sendo que, esta pesquisa é relevante pois contribui para a discussão sobre o tema das políticas públicas educacionais, como também aponta sobre possíveis tendências e direcionamentos das modalidades da educação orientadas por demandas mercadológicas e políticas, que interferem diretamente na produção do espaço geográfico. Assim como, contribui para a ampliação do debate sobre a mais recente reforma educacional imposta pelo Estado, através da Reforma do Ensino Médio.</span></p> Letícia Silvério da Silva, Sandra de Castro de Azevedo Copyright (c) 2023 Geografia Ensino & Pesquisa https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/69298 Tue, 27 Jun 2023 00:00:00 -0300 Para onde nos transportam as fotografias de sustentabilidade ambiental? https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/83229 <p>Este estudo tem como foco de investigação as fotografias apresentadas nos livros didáticos de Geografia/Ciências Humanas relacionadas com a temática ambiental que podem intencionar a manutenção da colonialidade. Optamos por analisar duas imagens fotográficas exibidas nos livros didáticos do Novo Ensino Médio com o intuito de alargar nosso pensamento e nos transportar para a abertura de outras possibilidades. A pesquisa está ancorada no campo dos Estudos Culturais, apoiada em Didi-Huberman, José Mauricio Nilian Carcamo e Valter do Carmo Cruz, autores que nos auxiliaram neste exercício de fraturar as imagens. Foi nas fotografias de sustentabilidade que possíveis sinais de colonialidade estavam latentes, sendo que as experimentações realizadas neste estudo tiveram o intuito de descolonizá-las. Percebemos que enquanto nos países centrais o ambiente é retratado como espaço de ócio e lazer, para os que se situam às margens está associado a fonte de recurso e trabalho humano. A escola é potência quando possibilita que seus recursos pedagógicos permitam, através do livro didático, fragmentar o pensamento colonial para que novos caminhos sejam construídos.</p> Cláudia Melatti, Ivaine Maria Tonini Copyright (c) 2023 Geografia Ensino & Pesquisa https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/83229 Fri, 29 Dec 2023 00:00:00 -0300 Ensino de geografia, educação do campo e práticas docentes na escola de Ensino Médio Francisco Araújo Barros, Itarem-Ceará https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/71125 <p>A Educação do Campo, vinculada ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), constitui-se como um instrumento de afirmação e desenvolvimento do modo de vida camponês, assim como também é expressão de luta contra a desigualdade de acesso à terra. Uma das suas maiores características está pautada na ideia de uma Educação que possua suas práticas vinculadas à realidade em que os (as) educandos (as) vivem diariamente e a Geografia possui um caráter importante nessa construção. Dessa forma, o objetivo do presente texto é compreender a relação entre a Educação do Campo e o ensino de Geografia na Escola de Ensino Médio Francisco Araújo Barros, que está localizada no Assentamento de Reforma Agrária Lagoa do Mineiro, em Itarema, no estado do Ceará, junto às práticas educativas. A metodologia pautou-se em pesquisa bibliográfica, bem como na realização de trabalho de campo no território envolvido, na construção e na realização de Grupo Focal (GOMES; BARBOSA, 1999) com as docentes da escola e com as de visita institucional na Secretaria da Educação do estado do Ceará (SEDUC-CE). O artigo é fruto de uma pesquisa maior que foi desenvolvida durante o período da pandemia da Covid-19. Como considerações finais, compreendemos que há uma relação de grande importância entre a Educação do Campo e a Geografia, na medida em que a ciência geográfica contribui para a análise crítica do espaço e para a formação educacional e humana dos (as) educandos (as) do campo. </p> Brendon Bessa Lima, Tereza Sandra Loiola Vasconcelos Copyright (c) 2023 Geografia Ensino & Pesquisa https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/71125 Fri, 06 Oct 2023 00:00:00 -0300 O uso da sequência didática no ensino de geografia para a formação dos sujeitos do campo https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/71302 <p>O objetivo deste texto foi debater e apresentar proposição de Sequência Didática (SD) para o ensino de Geografia visando contribuir com o debate da proposta da Educação do Campo a partir dos conteúdos do Currículo Oficial do Estado de Goiás do Ensino Médio. A SD apresentada é voltada para as práticas educativas que buscam valorizar a diversidade e as singularidades dos alunos das escolas situadas nas áreas rurais. Os procedimentos metodológicos utilizados baseiam-se em pesquisa bibliográfica e documental, elaboração e aplicação da SD em uma instituição de ensino do município de Jataí-GO. Observou-se que a SD baseada nos conteúdos geográficos se constitui em uma metodologia que poderá fornecer aos alunos as bases necessárias para a formação e a compreensão da sua realidade. Todavia, acredita-se que todas as práticas pedagógicas ao longo da formação dos estudantes necessitam ser constantemente fortalecidas por debates que possam reconhecê-los como sujeitos sociais que devem se posicionar como classe e reivindicar seus direitos, como por exemplo, a educação do campo.</p> Tatiane Rodrigues de Souza, Evandro César Clemente Copyright (c) 2023 Geografia Ensino & Pesquisa https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/71302 Fri, 06 Oct 2023 00:00:00 -0300 Diálogo entre geografia e música: os gêneros rap e reggae na construção do conhecimento geográfico https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/71938 <p>A geografia é o saber que propicia compreender e analisar o mundo em que se vive, portanto, para abstrair e consolidar os conhecimentos, deve-se associá-lo ao cotidiano em sociedade incorporando os conceitos à vivência dos discentes. Sendo assim, o presente artigo tem por objetivo analisar o emprego de músicas para o desenvolvimento de temáticas e competências da Geografia com alunos da educação básica de uma escola estadual localizada na cidade de Belo Horizonte, compreendendo como os mesmos constroem uma visão crítica acerca da sociedade contemporânea. A metodologia pautou-se na análise das atividades aplicadas junto aos alunos do ensino médio, regular e EJA, as quais se fundamentam nas habilidades de leitura, escrita e interpretação de letras de músicas dos gêneros <em>Rap</em> e <em>Reggae</em> que abordam temáticas do capitalismo e da globalização. Após a aplicação das atividades, os resultados analisados demonstraram que os alunos souberam desenvolver a capacidade analítica, o senso crítico e o diálogo entre arte musical e geografia por meio de redações que abordavam as mazelas e benesses do capitalismo e, além disso, os distintos impactos da globalização em países centrais e periféricos.</p> Glaycon Andrade, Deborah Cristina, Gleyber Eustáquio, Luís Castilho, Ewerton Ferreira Copyright (c) 2023 Geografia Ensino & Pesquisa https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/71938 Fri, 06 Oct 2023 00:00:00 -0300 Das territorialidades hegemônicas às territorialidades Queer (Cuier): excitando os limites da Geografia https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/71804 <p>O presente texto insere-se entre aqueles engajados no fomento das Geografias Feministas e Geografia <em>Queer</em> na produção científica brasileira. Estabelecemos como objetivo a análise dos sentidos e/ou significados de territorialidades manifestados nas pesquisas de mestrado e/ou doutorado publicadas entre 2018-2021 quais elegeram como grupo focal a população dissidente de gênero e/ou sexualidades. Acionamos as conceituações de território e territorialidades na Geografia brasileira contemporânea e articulamos-as com as teorias <em>queer. </em>Trata-se, portanto, de um estudo bibliográfico e documental. Conceber o território e as territorialidades para além das fronteiras cis-heteronormativas que limitam a ciência geográfica é um devir emancipatório do saber e fazer geográfico.</p> Victor Dantas Siqueira Pequeno, Ana Paula Camilo Pereira Copyright (c) 2023 Geografia Ensino & Pesquisa https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/71804 Fri, 20 Oct 2023 00:00:00 -0300 A zona deprimida do Contestado e a ausência de espaços de lazer em pequenas cidades https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/74156 <p>Este trabalho teve o cunho exploratório e qualitativo, possibilitando reflexões sobre a realidade dos municípios de Calmon, Irani, Lebon Régis, Matos Costa, e Timbó Grande, no estado de Santa Catarina, Municípios onde ocorreu a Guerra do Contestado. Evidenciou-se o esfacelamento da identidade do povo caboclo que ali viveu e que, hoje, arrastam a ausência do reconhecimento e do pertencimento daquela terra. A Guerra do Contestado expressou um profícuo jogo de interesses, gerando uma população descontente e relegada às incursões dos que detinham o poder. Esses municípios conquistaram autonomia política, mas devido às políticas públicas vinculadas à gestão municipal, nem todos contemplam estímulos para reter a população e gerar dinâmica econômica. Boa parte dos municípios apresenta uma economia retraída e vinculada ao setor primário da economia. A pequena expressividade contemplada no setor terciário está vinculada aos pequenos estabelecimentos locais e a prestação de serviços em órgãos públicos, reafirmando o bolsão de pobreza existente no centro-oeste catarinense. São destacados ainda, os parcos investimentos em equipamentos de lazer, na grande maioria, pela iniciativa privada, onde o espaço público passa a dispor de equipamentos de péssima qualidade ou são inexistentes. A maior parte dos municípios do Contestado favorece o enclausuramento da população, justamente por não terem possibilidades de lazer em logradouros públicos, induzindo o consumo do seu tempo de ócio em suas próprias residências, quando muito uma vez por semana em eventos religiosos como missas e cultos ou oportunamente bailes, ou até mesmo jogando a famosa “pelada” em terrenos baldios com campos de futebol improvisados.</p> Jaqueline Telma Vercezi, Angela Maria Endlich Copyright (c) 2023 Geografia Ensino & Pesquisa https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/74156 Fri, 29 Dec 2023 00:00:00 -0300 A produção do território epistemológico camponês e a interculturalidade da pedagogia de casas familiares rurais do Brasil e de Portugal https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/74456 <p>As Casas Familiares Rurais e a Pedagogia da Alternância têm produzido um conhecimento que articula a ancestralidade camponesa e os conhecimentos sistematizados historicamente em um processo territorial emancipatório. Desde a origem, em 1935, a conexão escola-comunidade favorece a permanência dos jovens no campo em relações político-sociais que integram uma práxis transformadora. Este artigo objetiva dar visibilidade à vida de egressos da Escola de Ensino Médio Casa Familiar Rural Três Vendas (Brasil) e da Casa Escola Agrícola Campo Verde (Portugal), na ecologia de saberes dessas Epistemologias do Sul. A pesquisa qualitativa utilizou-se de entrevistas, vivências e observações, e identificou a apropriação do espaço que reconhece, valida e formaliza o conhecimento da resistência ao agronegócio. Na interculturalidade do território epistemológico camponês, essas escolas são uma alternativa de educação e emancipação do camponês.</p> Angelita Zimermann, Ane Carine Meurer, Maria Manuela Duarte Guilherme Copyright (c) 2023 Geografia Ensino & Pesquisa https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/74456 Fri, 29 Dec 2023 00:00:00 -0300 Geografia da fome e (in)segurança alimentar no Brasil: reflexão a partir de Josué de Castro e o inquérito VIGISAN https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/83971 <p>Este estudo apresenta uma reflexão sobre a fome no Brasil no período recente. Objetiva-se estabelecer uma reflexão sobre o processo da fome no Brasil, a partir da obra “A Geografia da Fome” de Josué de Castro, publicada em 1946 e do Inquérito Nacional sobre Insegurança Alimentar no Contexto da Pandemia da Covid-19 no Brasil, (VIGISAN) da rede PENSSAN, que traça um panorama da problemática da fome no Brasil no contexto da pandemia da COVID-19. A metodologia utilizada é baseada na revisão narrativa de literatura e no levantamento dos dados dos inquéritos VIGISAN, produzidos pela REDE PENSSAN nos anos de 2021 e 2022. Pode-se concluir que a fome, enquanto dimensão extrema da pobreza, é um problema histórico, estreitamente relacionado com o processo de formação do território brasileiro. Desse modo, a obra de Josué de Castro exprime, ainda na década de 1940, as desigualdades socioespaciais brasileiras a partir da análise da fome, problema social insistentemente ainda presente no Brasil, como atestam os recentes inquéritos VIGISAN.</p> Rosane Marizeti Brum Vargas, Rivaldo Mauro de Faria, Pedro Leonardo Cezar Spode, Liliane Milani de Moraes Copyright (c) 2023 Geografia Ensino & Pesquisa https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/83971 Fri, 29 Dec 2023 00:00:00 -0300 Modernização da Avenida Hélvio Basso, Santa Maria, RS, no período técnico-científico-informacional https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/71157 <p>Este trabalho visa refletir sobre o papel da Avenida Hélvio Basso, na porção centro-sul da área urbana de Santa Maria, Rio Grande do Sul (RS), dentro do que Milton Santos (2006) identifica como período técnico-científico informacional. Para isso, dentro de uma perspectiva dialética de visão dos processos ocorridos no espaço geográfico, recorreu-se aos conceitos e às categorias de análise propostos por Milton Santos e, como procedimentos metodológicos, fez-se o levantamento do uso do solo urbano da via, por meio de trabalho de campo e consulta na legislação urbana de Santa Maria, RS. A Avenida Hélvio Basso passa por intensas transformações, principalmente nos últimos 20 anos (2001-2021), devido à instalação de uma série de empreendimentos comerciais, que configuram os usos do território na via, impactando na dinâmica urbana do município e da região. Concluímos que a Avenida Hélvio Basso é um novo espaço luminoso em Santa Maria, RS, sobreposto a imensos espaços opacos, que denunciam a problemática das desigualdades socioespaciais no município.</p> Pedro Leonardo Cezar Spode, Maurício Rizzatti, Natália Lampert Batista, Amanda Rech Brands Copyright (c) 2023 Geografia Ensino & Pesquisa https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/71157 Fri, 15 Dec 2023 00:00:00 -0300 Escolas particulares e urbanização de Juiz de Fora na virada do século XIX para o XX https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/72349 <p>Emancipado de Barbacena em 1850 com o nome de Santo Antônio do Paraibuna, o município de Juiz de Fora iniciou a consolidação de suas bases infra estruturais urbanas apenas na década de 1880, quando começou a viver um momento de elevada prosperidade econômica, baseada na cultura cafeeira, que aplicava boa parte dos seus ganhos no desenvolvimento de atividades urbanas. Assim, o final do século XIX foi um período importante no que se refere a implementação de estabelecimentos comerciais, industriais, bancários, equipamentos urbanos diversos e instituições de ensino, tema aqui especialmente tratado. Adotando como recorte temporal o período compreendido entre 1880 e 1907, apresentamos as principais características das instituições de ensino particulares e as relacionamos com o processo de urbanização local, impulsionado por um momento de grande crescimento econômico. Nossa indagação pode ser sintetizada da seguinte forma: de que maneira a instalação de escolas afetou o processo de urbanização de Juiz de Fora? E de que maneira o processo de urbanização demandou a implantação de escolas? Desafiados a responder estas perguntas, nosso objetivo foi estudar a relação entre o processo de urbanização juiz-forano - que se consolidou já em fins do século XIX - e a implantação e desenvolvimento de uma rede de ensino formada, especialmente por escolas particulares que atendiam aos filhos da elite local. Para este fim realizamos o levantamento numérico e nominal dos estabelecimentos de ensino instalados na cidade no período de análise.</p> Emília de Moraes Teixeira, Pedro José de Oliveira Machado Copyright (c) 2023 Geografia Ensino & Pesquisa https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/72349 Fri, 29 Dec 2023 00:00:00 -0300 A configuração espacial do meio natural na Amazônia paraense: características em metamorfose https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/70003 <p>O artigo caracteriza o meio natural na Amazônia paraense considerando a configuração espacial como aspecto delimitador das transformações espaciais. A reflexão se estende de 1616, ano de fundação da cidade de Belém e até 1966, início da “Operação Amazônia”, abrangendo um conjunto de ações estatais que reinventam a região como fronteira de recursos. Apoiamo-nos na teoria social do espaço enquanto sucessão e coexistência de meios geográficos o que nos permitiu delinear momentos em que a configuração espacial tinha fortes traços indígenas, outro marcado pela presença colonial e num terceiro em que a ação estatal é determinante. Para tanto, realizamos revisão de literatura com o propósito de reconstituir traços dessa geografia histórica da Amazônia e é neste campo situamos este trabalho.</p> Ana Cláudia Alves de Carvalho, João Santos Nahum Copyright (c) 2023 Geografia Ensino & Pesquisa https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/70003 Tue, 27 Jun 2023 00:00:00 -0300 Caracterização da região de influência do arranjo populacional Crajubar: protagonismo e excepcionalidade no Cariri cearense https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/74737 <p>A discussão tratada nesse artigo procura caracterizar a região de influência das cidades de Crato, Juazeiro do Norte e Barbalha, localizadas na porção Sul do Estado do Ceará e representadas na literatura científica pela nomenclatura Crajubar. São apresentadas variáveis importantes e também sua trajetória através de documentos oficiais. Para tanto, no estudo procuramos questionar qual a trajetória de influência urbano-regional do Crajubar e a situação de sua região de influência. A metodologia do trabalho se deu através do levantamento e análise de documentos oficiais do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística-IBGE e produção cartográfica da região de influência do Crajubar. Desde os primeiros trabalhos de regionalização funcional realizados pelo IBGE e nos trabalhos seguintes, destaca-se uma região onde o Crajubar exerce uma influência inconteste e contínua, construída através de uma trajetória de influência e centralidade socioeconômica, na dinâmica de fluxos, que impulsionaram a oferta de serviços especializados.</p> Raimunda Aurilia Ferreira de Sousa Copyright (c) 2023 Geografia Ensino & Pesquisa https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/74737 Fri, 29 Dec 2023 00:00:00 -0300 O associativismo de bairro e seu papel na produção do espaço urbano na cidade de Serrinha (BA) https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/69663 <p>O propósito deste texto é compreender o papel que as associações de bairro desempenham na produção do espaço urbano, destacando suas formas de organização, seus vínculos estabelecidos com os bairros e sua atuação na construção de relações comunitárias e no esforço para assegurar a dotação de infraestruturas urbanas. Partimos do pressuposto de que a compreensão do processo de produção do espaço nas periferias urbanas não pode prescindir da análise do papel das associações de bairro, consideradas agentes que participam da produção do espaço urbano. Este texto é resultado de pesquisa, apoiando-se fundamentalmente em pesquisa documental e na realização de entrevistas semiestruturadas com os/as filiados/as de quatro associações de bairro da cidade de Serrinha (BA). Em síntese, concluímos que as associações de bairro se constituem na articulação de moradores cujas ações/estratégias se dirigem para o enfrentamento das condições socioespaciais imediatas de vida, marcadamente na busca de soluções para os problemas estruturais básicos que afligem seus espaços de vivência.</p> Jadson Santiago dos Santos, Agripino Souza Coelho Neto Copyright (c) 2023 Geografia Ensino & Pesquisa https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/69663 Fri, 06 Oct 2023 00:00:00 -0300 Análise do relevo a partir de parâmetros geomorfométricos obtidos em análise automatizada no município de Toropi/RS https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/74261 <p>A análise do relevo possui grande importância para o uso e ocupação humana devido sua capacidade em identificar os processos superficiais que ocorrem no espaço, associado ao avanço das tecnologias SIG a pesquisa geomorfológica se tornou de grande relevância tornando-se possível determinar cálculos de vários aspectos do relevo através de modelos digitais de elevação. Neste sentido esta pesquisa visa analisar e identificar os elementos do relevo no município de Toropi, RS de forma automatizada a partir de técnicas geomorfométricas. Para a análise do município foi realizado inicialmente os mapas de hipsometria, declividade e forma de relevo no software Arcgis, posteriormente foi gerado através da ferramenta r.geomorphons que classifica uma área em 10 elementos de relevo, posteriormente foi gerado o mapa de formas das vertentes. O município de Toropi tem como principal forma de relevo as Colinas fortemente onduladas característico da região de transição da depressão central para o planalto riograndense. Em relação aos elementos do relevo Toropi apresenta a predominância de 3 elementos sendo eles a encosta, vale e crista compondo 60% da área total. As formas de vertente que se destaca no município são as vertentes côncavas-divergentes. O relevo exerce forte influência no uso e ocupação do solo e por isso estudos de compartimentação do relevo tem potencial para ser utilizada em trabalhos de levantamento e planejamento visto que a diversidade.</p> Wílson Oliveira da Silva, Romario Trentin, Luis Eduardo de Souza Robaina Copyright (c) 2024 Geografia Ensino & Pesquisa https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/74261 Sun, 11 Feb 2024 00:00:00 -0300 Estimativa da altura de variedades de cana-de-açúcar usando um Veículo Aéreo Não Tripulado (VANT) e integração com imagens de satélite https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/65070 <p>O objetivo deste trabalho foi estimar a altura do dossel de três variedades de cana-de-açúcar em diferentes estágios fenológicos, utilizando dados de um VANT e avaliar sua relação com dois índices de vegetação (IVs) (NDVI e EVI) em diferentes resoluções espaciais (3m, 10m e 30m). Para o calcular os índices foram utilizadas imagens dos satélites PlanetScope, Sentinel-2 e Landsat 8, adquiridas o mais próximo possível da data do voo com o VANT. A altura estimada para cada talhão foi obtida pela subtração entre o MDS e MDT construídos a partir das imagens RGB do VANT, por meio da técnica SfM. As médias de cada altura estimada foram comparadas com médias obtidas em campo, a fim de se verificar a acurácia do modelo. Uma análise de correlação de Pearson e o coeficiente de Determinação (R²) foram calculados entre as alturas estimadas e os IVs. As médias de altura estimada e medidas em campo foram diferentes (p&lt;0,05), com o modelo, geralmente, subestimando a altura. Todavia, os modelos de superfície da plantação conseguiram retratar a variabilidade espacial do talhão. É recomendado o uso de GCPs para reduzir os erros na estimativa. Em relação aos índices, a resolução espacial não exerceu influência na análise de correlação, com NDVI apresentando valores maiores que o EVI, com exceção da área A. Contudo, todos os valores, de ambos os coeficientes ficaram abaixo de 0,5 para todas as áreas. Ainda assim, se faz necessária uma análise temporal para compreender melhor a relação entre altura e os IVs. O potencial dos dados de UAV para o gerenciamento zonal deve ser abordado em estudos futuros.</p> Gabriela Zoli Simões, Hermann Johann Heinrich Kux, Fábio Marcelo Breunig, Luiz Henrique Pereira Copyright (c) 2023 Geografia Ensino & Pesquisa https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/65070 Fri, 17 Nov 2023 00:00:00 -0300