CONSTRUINDO UMA METALINGUAGEM DIDÁTICA: O GEOZINE NA PRÁTICA DOCENTE

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5902/2236499463241

Resumo

A pesquisa propõe um estudo sobre estratégias de ensino para os conteúdos geográficos escolares, tendo o Geozine como fonte para o seu desenvolvimento. O propósito central desta pesquisa é compreender o Geozine como uma linguagem transitiva que se comporta como uma estratégia didática-pedagógica para o ensino da Geografia escolar. Metodologicamente, realizou-se o aprofundamento do referencial teórico a partir da seleção de autores que abordam temas sobre a língua, linguagem e comunicação e sua interface com o ensino da geografia, os conceitos geográficos de Lugar e Paisagem e por fim, sobre o Fanzine e Geozine. A compreensão se dá a partir da exploração das noções de lugar e de paisagem, tendo, primeiramente, como foco uma oficina de construção didática denominada de “O Geozine: Construindo uma metalinguagem didática” destinada aos professores de Geografia da cidade de Taipu-RN.  Todo este percurso serviu para dar uma maior densidade à linguagem Geozine e para enfatizar como ela pode ser aplicada, transitiva e metalinguística no fazer pedagógico do professor.

Biografia do Autor

João Paulo Teixeira Viana, Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN

Mestre em Ensino de Geografia (UFRN). Especialista em Tecnologias Educacionais e Educação a Distância (IFRN) e Especialista em Ensino de Geografia e Meio Ambiente (FAVENI). Graduado em Geografia (Licenciatura-IFRN) e Gestão de Políticas Públicas (Bacharelado-UFRN). Linha de estudos/pesquisa: Estratégias pedagógicas e formação do professor. A linguagem Geozine e o ensino de Geografia. O Mapa Mental como ferramenta de plano de ação didática. Resíduos Sólidos e educação ambiental. Atualmente Técnico Administrativo da Emater Regional João Câmara, Tutor Presencial no Curso de Tecnologia em Gestão Ambiental (IFRN - Campus, João Câmara) e no Centro Universitário UNINTA. Professor Orientador do Curso de Gestão Ambiental (IFRN Zone-Leste) e Professor de Ciências Humanas no Cursinho preparatório Se Liga no Enem

Eugênia Maria Dantas, UFRN

Graduação em Geografia pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (1989), mestrado em Ciências Sociais (1996) e doutorado em Educação (2003) pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Atualmente sou Professora Titular do Departamento de Geografia da referida instituição, com atuação nos cursos de Graduação em Geografia (Licenciatura Presencial e a Distância e Bacharelado) e de Pós-Graduação em Geografia (Mestrado/Doutorado Acadêmico) e Profissional (GEOPROF). Entre 2018-2019 realizei Pós-Doutorado no Grupo de Estudos da Complexidade (GRECOM/UFRN) com ênfase na abordagem Mestiça de Michel Serres. Tenho me dedicado, além das atividades de ensino, as atividades administrativas, assumindo funções de coordenação e chefia de departamento. No âmbito da Pesquisa desenvolvo estudos na área de Geografia e Educação, com enfoque nos Estudos Urbanos e Ensino de Geografia, a partir da interface fenomenologia e Complexidade. 

Referências

BAKHTIN, Mikhail. Marxismo e Filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec, 1992.

CAVALCANTI, Lana de Souza. Geografia, escola e construção de conhecimento. Campinas: Papiros, 2010.

CLAVAL, Paul. A Geografia Cultural. Florianópolis: UFSC, 1995.

CLAVAL, Paul. Epistemologia da Geografia. Florianópolis: Editora UFSC, 2002a.

DUARTE, E. N. Linguagem e Comunicação Suplementar e Alternativa na Clínica Fonoaudiológica. 2005. 85 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Artes) – PUC, São Paulo, 2005.

GADAMER, Hans Georg. Verdade de método II: complemento e índice. Tradução: Enio Paulo Giachini. Petrópolis: Vozes, 2002.

MAGALHÃES, Henrique. O que é fanzine. São Paulo: Editora Brasiliense, 1993.

MORIN, E. A religação dos saberes: jornadas temáticas idealizadas e dirigidas por Edgar Morin. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.

MORIN, E. Introdução ao pensamento complexo. 3. ed. Porto Alegre: Sulina, 2007.

NASCIMENTO, Ioneide Santos do. Da Marginalidade à sala de aula: o fanzine como artefato cultural, educativo e pedagógico. In: MUNIZ, Cellina Rodrigues (Org.) Fanzines: autoria, subjetividade e invenção de si. Fortaleza: Edições UFC, 2010.

PONTUSCCHKA, NídiaNacib; PAGANELLI, TomokoIyda; CACETE, NúriaHanglei. Para Ensinar e Aprender Geografia. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2009.

SAUSSURE, F. Curso de Linguística Geral. São Paulo: Editora Cultrix, 1989.

SILVA, Antônio Marcos Gomes da. Geozine: Linguagem para o ensino do conteúdo de região na geografia escolar. Dissertação (Mestrado Profissional em Geografia) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2018.

STRAFORINI, Rafael. Ensinar Geografia: o desafio da totalidade mundo nas séries iniciais. São Paulo: Annablume, 2006.

THOMPSON, John Brookshire. A Mídia e a Modernidade: uma teoria social da mídia. Rio de Janeiro: Petrópolis, 2011.

SANTOS, M. Pensando o espaço do homem. São Paulo: Editora Hucitec, 2000.

VITECK, Cristiano Marlon. Punk: anarquia, neotribalismo e consumismo no rock’n’ roll. Publicação Espaço Plural, Paraná, n. 16, p.53-58, 2007.

WITTGENSTEIN, Ludwig. Investigações Filosóficas. Petrópolis: Vozes, 2005.

Downloads

Publicado

2021-12-30 — Atualizado em 2022-01-12

Versões

Como Citar

Teixeira Viana, J. P., & Dantas, E. M. (2022). CONSTRUINDO UMA METALINGUAGEM DIDÁTICA: O GEOZINE NA PRÁTICA DOCENTE. Geografia Ensino & Pesquisa, 25, e39. https://doi.org/10.5902/2236499463241 (Original work published 30º de dezembro de 2021)