https://periodicos.ufsm.br/geografia/issue/feed Geografia Ensino & Pesquisa 2021-12-10T09:50:29-03:00 Carina Petsch geografiaensinoepesquisa@ufsm.br Open Journal Systems <p style="text-align: justify;">A revista <strong>Geografia Ensino &amp; Pesquisa, </strong>ISSN 2236-4994<strong>,</strong> é um periódico mantido pelo Departamento de Geociências e pelo Programa de Pós-Graduação em Geografia e Geociências - PPGGEO da Universidade Federal de Santa Maria, com objetivo de publicar Artigos originais na área de Geografia, visando abrir espaço para a divulgação científica e o debate qualificado dentro da ciência Geográfica. Para tanto, a revista aceita contribuições originais dentro de quatro grandes linhas temáticas: Geoinformação e Sensoriamento Remoto; Meio Ambiente, Paisagem e Qualidade Ambiental; Produção do espaço e Dinâmica Regional e Geografia e Educação.</p> https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/64359 Transição para a produção orgânica via Organização de Controle Social do Grupo Bem-Estar, Ladário-MS 2021-11-22T08:24:41-03:00 Edgar Aparecido da Costa edgarac10@gmail.com Bárbara Marcela de Castro Martins barbara.martins.castro@hotmail.com Elisângela de Souza Cunha elisangelasouzacunha@gmail.com Este trabalho foi desenvolvido junto aos agricultores familiares membros do Grupo Bem-Estar de Ladário-MS, na fronteira Brasil-Bolívia, que estão em processo de transição agroecológica. O objetivo principal deste artigo é relatar as percepções dos participantes do Grupo Bem-Estar na implementação da certificação orgânica em sua propriedade e discutir as dificuldades para sua efetivação. Foram entrevistadas seis famílias e participou-se de duas reuniões para formalização da Organização de Controle Social (OCS). O grupo estudado considera a certificação importante, mas mantém a resistência quanto as anotações das informações. 2022-01-12T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Geografia Ensino & Pesquisa https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/64300 Produção de arroz orgânico em assentamentos rurais no Rio Grande do Sul: práticas de organização coletiva e sua contribuição para a fixação do homem no campo 2021-12-01T11:25:13-03:00 Michele Lindner michelindner@gmail.com Rosa Maria Vieira Medeiros rmvmedeiros@ufrgs.br <p>Ao analisarmos temáticas referentes à reforma agrária, a luta e a permanência na terra representam temas de grandes inquietações. Isto porque ser assentado não garante as plenas condições de produção. Assim, a luta é constante e diversas vezes, torna-se necessário que se busquem alternativas a uma produção convencional. Nesse contexto, o artigo busca abordar a produção de arroz orgânico em assentamentos rurais no Rio Grande do Sul, desde sua organização inicial, até os mecanismos que fazem com que atualmente esta seja a maior experiência em produção de arroz orgânico da América Latina. O histórico do desenvolvimento da cadeia produtiva tem demonstrado que a experiencia tem grande importância para o desenvolvimento socioeconômico, trazendo inúmeros benefícios para as famílias de assentados envolvidos, o que só é possível através da organização coletiva</p> 2022-01-12T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Geografia Ensino & Pesquisa https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/45258 Sobre memória, identidade e territorialidade – reflexões a partir da Geografia 2021-09-09T15:57:17-03:00 Jaime Bernardo Neto jbn83@hotmail.com <p>O presente artigo consiste em uma reflexão teórica sobre as inter-relações entre identidade, memória coletiva e territorialidade. Partindo da premissa de que a forma como pensamos o tempo tem reflexos sobre a maneira como imaginamos o espaço e vice-versa, como bem demonstram autores como Massey (2013) e Wallerstein (2006), tem-se por corolário que os aspectos temporal e espacial das identidades coletivas também se influenciam mutuamente. Neste sentido, procura-se demonstrar que o território é um dos principais conjuntos de signos que atuam na reprodução/disseminação da memória coletiva de um grupo social e, simultaneamente, essa mesma memória coletiva é um elemento capital da territorialidade do grupo, estando ambos amalgamados em seus processos identitários, por meio da qual são mutuamente/reciprocamente influenciáveis.</p> 2021-03-05T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Geografia Ensino & Pesquisa https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/45343 Turismo e transporte aéreo: o HUB KLM/AIRFRANCE no aeroporto internacional de Fortaleza 2021-09-09T15:57:17-03:00 Tiago Estevam Gonçalves tiagoestevam@ifce.edu.br Francisco Elvys Silva Lima elvysifce@gmail.com Enos Feitosa de Araújo enos.araujo@ifce.edu.br <p> </p><p>O turismo na cidade de Fortaleza se apresenta como uma das mais importantes atividades econômicas no contexto atual. Para tanto, verificou-se a relevância de investimentos em equipamentos turísticos, principalmente vinculados à infraestrutura, destacando-se a ampliação de voos, fluxos do Aeroporto Internacional de Fortaleza, principal “entrada turística” do Ceará. Assim, neste ensaio, tem como objetivo discutir a influência do fluxo de pessoas relacionadas ao “hub” e suas dinâmicas relacionadas perante ao turismo cearense. Quanto aos procedimentos metodológicos, buscou-se primeiro referenciais teóricos acerca de fluxos turísticos, hub e turismo; segundo, foram trabalhados dados estatísticos secundários do Anuário Estatístico de Turismo, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará e do Anuário do Transporte Aéreo entre 2015 e 2018, por fim, fez-se uma análise acerca dos dados obtidos. Desta forma, a expansão turística se relaciona à infraestrutura turística, notadamente relacionada ao setor aéreo. Assim, percebe-se a relação entre os fluxos turísticos à expansão do Aeroporto Internacional de Fortaleza, notadamente o novo “hub”.</p> 2021-03-05T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Geografia Ensino & Pesquisa https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/43235 As estratégias de ação dos promotores imobiliários em Santana do Livramento, RS 2021-12-10T09:50:28-03:00 Leonardo Berté Nunes leonardoberte0@gmail.com Eduardo Schiavone Cardoso educard@smail.ufsm.br <p>O presente artigo tem por objetivo compreender como ocorre a ação dos promotores imobiliários no espaço urbano de Santana do Livramento. Para operacionalizar esse objetivo foi realizado um levantamento bibliográfico que fornecesse sustentação teórica para a pesquisa. Os procedimentos metodológicos aconteceram em duas etapas: A primeira buscou os dados secundários através de um jornal local na seção dos “Classificados” e a segunda se voltou para os dados primários que foram produzidos a partir de entrevistas com representantes de imobiliárias e com alguns promotores imobiliários. Os resultados evidenciaram que existe uma concentração de condomínios verticais no centro da cidade enquanto a produção de casas e de kitnets se mantém em bairros mais periféricos. Por fim, é possível perceber que a condição de cidade-gêmea possui influência em grande medida na ação dos promotores imobiliários em função de que a entrada de compradores uruguaios é bastante intensa e necessária para a manutenção da ação desses agentes sociais.</p><p><strong> </strong></p> 2021-08-31T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Geografia Ensino & Pesquisa https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/43562 Parques Urbanos contemporâneos: uma análise dos imaginários socioespaciais na cidade de Montes Claros/MG 2021-12-10T09:50:28-03:00 Maria Vitória Xavier Dias Rocha vitoriaxavier_dias@hotmail.com Carlos Alexandre de Bortolo carlos.bortolo@unimontes.br Anete Marília Pereira anete.pereira@unimontes.br <p class="1Resumotexto">Propomos nesse estudo<a title="" href="#_edn1">[i]</a> análises dos parques urbanos na cidade contemporânea através da construção dos imaginários socioespaciais, da experiência e percepção dos seus usuários. A partir dos estudos de três parques urbanos da cidade de Montes Claros/MG, em realidades sociais, econômicas e culturais distintas, buscou-se por meio da técnica de Associação Livre de Palavras (T.A.L.P.) analisar de que maneira esses imaginários se manifestam e têm relação com os usos e apropriações dos espaços. Apesar dos valores atribuídos aos lugares serem de cunho individual e estarem imbuídos de simbologia e afetividade, notou-se uma construção social de imaginários socioespaciais dos parques urbanos analisados, marcados por grupos que possuem o mesmo habitus perceptível por seu estilo de vida, em espaços simbólicos (campos). Dessa forma, para cada objeto em estudo, verificou-se um imaginário espacial característico conforme as necessidades, interesses, valores e estilos de vida distintos. Nos parques Milton Prates e Mangueiras os seus usuários relacionam o espaço como local de vivências do lazer, sendo o lugar do convívio e do encontro. Já o parque Sagarana, embora também seja um espaço do lazer, se faz presente no imaginário como local para prática de atividades físicas em contato com a natureza.</p><div><br clear="all" /><hr align="left" size="1" width="33%" /><div><p class="1NotadefimTexto"><a title="" href="#_ednref1">[i]</a>Esse trabalho é resultado parcial da reflexão iniciada na dissertação de Rocha (2020), intitulada: Usos e significados dos espaços públicos contemporâneos: uma análise dos parques urbanos em Montes Claros/MG, defendida pelo Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES).</p></div></div> 2021-08-31T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Geografia Ensino & Pesquisa https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/43699 Da Fronteira ao Entorno Metropolitano: particularidades de cidades médias amazônicas - Altamira e Castanhal no Estado do Pará 2021-12-10T09:50:28-03:00 Willame de Oliveira Ribeiro willame@uepa.br José Queiroz de Miranda Neto mirandaneto@ufpa.br <p>A diversidade das realidades representadas pelas cidades médias requer o reconhecimento das particularidades desses centros urbanos e de suas articulações regionais, especialmente ao se levar em conta as diferenças entre as macrorregiões brasileiras, como é o caso da Amazônia em relação ao restante do país. Nesse sentido é que surge a problemática dessa pesquisa, delimitada pelas indagações que se seguem: como se caracterizam as cidades de Castanhal e Altamira em termos de suas situações espaciais, estruturas urbanas e articulações regionais? E como esses centros urbanos, a partir de suas particularidades, apresentam-se diante do conjunto das cidades médias? A partir do desenvolvimento de procedimentos metodológicos como levantamentos bibliográficos e documentais e trabalhos de campo pode-se constatar que a análise das cidades de Castanhal e Altamira, no Estado do Pará, revela o quanto é indispensável a consideração das particularidades regionais amazônicas na busca do reconhecimento das cidades médias a partir dos seus papéis na rede urbana. Além disso, também evidencia que mesmo em se tratando de um contexto macrorregional comum a duas cidades as suas particularidades continuam a se impor, o que levou, na presente análise, à admissão de Castanhal como cidade média de entorno metropolitano e Altamira enquanto cidade média da fronteira amazônica.</p> 2021-08-31T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Geografia Ensino & Pesquisa https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/44056 A comercialização de gêneros agrícolas na feira livre do município de Nepomuceno-MG 2021-12-10T09:50:28-03:00 Lucas Guedes Vilas Boas lucasgvb1991@hotmail.com <p>As feiras livres são formas de mercado periódicas que se destinam, em geral, à comercialização de alimentos e gêneros básicos. Em Nepomuceno, município localizado na região de planejamento Sul de Minas, a feira livre ocorre semanalmente aos sábados. Destarte, este artigo almeja investigar os agricultores que comercializam de forma autônoma os excedentes produzidos, oferecem uma alternativa e constituem resistências em relação à agricultura empresarial predominante no município. Assim, as formas e relações de trabalho e de produção dos trabalhadores da feira municipal de Nepomuceno foram investigadas. O trabalho de campo foi realizado entre os anos de 2016 e 2019, com visitas à feira livre e aos estabelecimentos agropecuários dos feirantes em diferentes estações do ano. Ademais, foram efetuadas entrevistas semiestruturadas com os trabalhadores da feira livre. Pôde-se notar que sua permanência está ameaçada pelo aumento do número de produtores agrícolas nepomucenenses cujo objetivo principal é a comercialização da produção por meio das cooperativas. </p> 2021-08-31T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Geografia Ensino & Pesquisa https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/44125 Espacialidades, ‘Mistanásia’ de travestis e pessoas transexuais e a criminalização da homotransfobia 2021-12-10T09:50:28-03:00 Adelaine Ellis Carbonar dos Santos addiecarbonar@gmail.com Marcio Jose Ornat marciornat@uepg.br Maria Aparecida Carbonar mariaaparecidacarbonar@gmail.com Este texto tem por objetivo compreender a morte social - mistanásia que travestis e pessoas transexuais sofrem a partir da transfobia vivenciada em múltiplos espaços. Nossa base de reflexão é o resultado da realização de 20 entrevistas com travestis, mulheres trans e homens trans que vivenciam ou vivenciaram os espaços educacionais de nível superior no Sul do Brasil. A partir da análise de conteúdo do discurso destas falas, evidencia-se que a partir da categoria discursiva ‘transfobia’, as principais espacialidades constituídas por esta ação de intolerância referem-se, em ordem de importância, aos espaços educacionais, ao trabalho, a casa, a igreja e ao corpo. Nossa argumentação evidencia que a vida de travestis e pessoas trans é vivida na caminhada de um longo corredor da morte, que constituída pela mistanásia, culmina na morte física, a eliminação definitiva destas pessoas. 2021-08-31T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Geografia Ensino & Pesquisa https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/46911 A racialização do espaço urbano da cidade de Curitiba - PR 2021-12-10T09:50:28-03:00 Glaucia Pereira do Nascimento glauciapnascimento@gmail.com <p>O presente artigo, resultado de uma dissertação de mestrado, objetiva apontar como o planejamento urbano da cidade de Curitiba resultou em um processo de segregação espacial e como, neste contexto, se espacializa, a segregação de base racial na cidade. A metodologia adotada pautou-se em pesquisas bibliográficas e elaboração de mapa com base nos dados de cor/raça do Censo Demográfico (IBGE, 2010). Na primeira seção discutimos que ao longo dos processos históricos/geográficos de planejamento urbano de Curitiba, se forjaram pressões territoriais aos grupos pobres e negros para habitarem longe das regiões centrais da cidade. Posteriormente, apresentamos através de mapas de cor e renda dos habitantes dos bairros de Curitiba a diferenciação socioespacial entre grupos negros e brancos na cidade. Ao final, constata-se que<strong> </strong>a população negra curitibana vivência uma diferença na distribuição espacial na cidade em relação ao grupo branco, ou seja, existe uma ordem sócio-espacial racializada na cidade que estabelece uma seletividade e marginalização espacial a esses grupos.</p> 2021-09-08T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Geografia Ensino & Pesquisa https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/53316 Ciclos econômicos, morfologia urbana e sistemas territoriais em Urucará (AM) 2021-12-10T09:50:29-03:00 Rildo Oliveira Marques rildomarques.geo@gmail.com Arenilton Monteiro Serrão arenilton2@gmail.com Estevan Bartoli estevangeo@hotmail.com O presente artigo tem por objetivo compreender o crescimento urbano de Urucará (AM) com base nos elementos que compõem a análise da morfologia urbana e as redes de sujeitos locais que dinamizam a economia da cidade e moldam o espaço intraurbano. Para se entender a atual forma e as dimensões do plano urbano, retomam-se aspectos históricos de como a cidade foi se alterando a partir de sua inserção na rede urbana regional por meio de surtos e declínios de ciclos político-econômicos e como isso se refletiu nos planos urbanos estabelecidos. Na sequência, analisa-se a morfologia urbana reconfigurada por sistemas territoriais: Urbano-Ribeirinho (ligado à economia popular) e Urbano-Fluvial (ligado ao capital mercantil e setores dominantes da economia local). Os resultados finais salientam que a expansão urbana é condicionada pelo fator sítio que limita ou potencializa sua apropriação e que a cidade enquanto forma tem possibilitado práticas espaciais a partir de diversas centralidades, condicionando um contínuo movimento entre a sede e interiores. 2021-11-10T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Geografia Ensino & Pesquisa https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/53300 Perspectivas da funcionalidade das praças da pequena cidade de Juranda-PR, Brasil 2021-12-10T09:50:29-03:00 Marcos Clair Bovo mcbovo69@gmail.com Paula Josiely Latchuk Braga paulalatchukbraga@gmail.com <p class="1Abstracttexto">A imagem da cidade não se traduz apenas pela arborização de avenidas, ruas, edifícios e monumentos históricos, mas também pelas praças. As praças são símbolos da história da humanidade desde ágora grega, passando pelo fórum romano às praças modernas do período contemporâneo. Esses espaços apresentam diferentes funções que se projetam por meio das práticas de sociabilidade de lazer vivenciadas por diferentes grupos sociais. Além disso, possuem configurações e atividades voltadas por diferentes usuários de diferentes faixas etárias, portanto nesses espaços convivem crianças, jovens, adultos e idosos. Quanto às atividades/funcionalidades, temos: circulação, lazer, contemplação, descanso, cultural, educacional, psicológica, estética e ambiental que varia de lugar para lugar. Assim, a pesquisa objetiva analisar as praças da pequena cidade de Juranda-PR, destacando a funcionalidade desses espaços públicos. O aporte metodológico foi constituído de pesquisa bibliográfica em periódicos científicos, livros, dissertações e teses sobre praças públicas; pesquisa <em>in loco</em> em duas praças com levantamento dos principais tipos de equipamentos e estruturas. Os resultados indicam que as funções ambiental, estética e social são as que predominam. Porém, a partir de fevereiro de 2020, a sociabilidade por parte do jurandenses nas praças tornaram-se praticamente nulas devido à pandemia do coronavírus, que obrigou a população ao isolamento social, deixando as praças totalmente vazias.</p> 2021-12-08T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Geografia Ensino & Pesquisa https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/53323 O estudo do lugar por meio da literatura de cordel: uma metodologia de aprendizado sobre a história e a evolução da paisagem da cidade de Jequié-BA 2021-11-22T20:15:45-03:00 Bruna Carvalho das Virgens brunadasvirgens@gmail.com Sarah Andrade Sampaio sarahandradegeo@gmail.com Elisângela Rosemeri Martins Silva ermsilva@uesc.br <p class="1Abstracttexto">A literatura de cordel é uma expressão cultural cuja inserção no território brasileiro remonta ao século XVIII com a colonização portuguesa. Esse tipo de expressão popular é escrito por um cordelista, e as produções temem sua estrutura uma forma de poesia rimada e metrificada, para ser impressa, afim de que seja recitada em um ato de leitura compartilhada. Visto isso, este trabalho propõe um roteiro de campo multidisciplinar que utiliza a literatura de cordel do autor Val Rodrigues (2019) como metodologia de aprendizado sobre a história da cidade de Jequié-BA, sendo direcionada para os estudantes do ensino fundamental. Objetiva-se, do ponto de vista da docência, melhorar a capacitação em práticas pedagógicas para orientar de forma mais didática o aprendizado sobre a história da cidade em termos históricos e geográficos, assim como perceber a paisagem e a sua evolução afim de se contextualizar as transformações ocorridas ao longo dos anos em Jequié. Neste contexto, visamos orientar os discentes na construção de um sentimento de pertencimento pelo lugar, ampliando sua visão de mundo e inspirando-os a se tornarem cidadãos atuantes na realidade em que vivem.</p> 2022-01-13T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Geografia Ensino & Pesquisa https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/64708 Eficiência produtiva da agropecuária do estado de Santa Catarina e seu novo espraiamento territorial pós-2003 2021-11-02T18:37:27-03:00 Roberto César Costa Cunha robertoujsma@hotmail.com Carlos José Espíndoal carlos.espindola@ufsc.br <span>O processo de modernização, pós-1960, transformou a agropecuária catarinense em um ramo especializado da produção inserido na divisão social do trabalho. Nos anos de 1990, os diferentes produtos agrícolas catarinenses (soja, leite, carnes, frutas, madeira, milho, fumo, entre outros) passaram por intenso processo de reestruturação técnica e econômica, agregando alterações geoeconômicas e sociais a jusante e a montante das atividades agropecuárias. Dessa forma, constituem-se hoje em um dos principais setores econômicos geradores de renda no estado. Entre 2003-2020, o valor bruto da produção dos principais produtos agrícolas catarinenses cresceu de R$ 11,7 milhões para R$ 28, 3 milhões. Nas exportações, o valor gerado em 2019 foi de US$ 6,2 bilhões, o que representa 69,6%, do valor total do estado, e 6,4%, do valor total dos produtos do campo brasileiros. Desvendar a eficiência produtiva da agropecuária catarinense, com base nos indicadores de área plantada, valor bruto da produção, produtividade e participação na pauta exportadora catarinense, é o objetivo central deste texto. Esse dinamismo veio acompanhado de alterações significativas nas estruturas produtivas regionais. As antigas áreas agrícolas apresentaram transformações na sua estrutura, forma e função, promovendo um novo espraiamento territorial.</span> 2022-01-12T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Geografia Ensino & Pesquisa https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/40437 Balanço hídrico e classificação climática de thornthwaite do bairro Camobi, Santa Maria, RS 2021-09-09T15:57:17-03:00 Mauro Kumpfer Werlang wermakwer@gmail.com Elisa Piccolo Werlang elisapw2@gmail.com <p>Para o desenvolvimento das atividades humanas, o conhecimento detalhado das condições climáticas assume fundamental importância. Entretanto, em muitas áreas há carência de informações sobre o assunto. No sentido de aumentar a disponibilidade de informações em relação ao tema, utilizando-se dados de precipitação, temperatura e evapotranspiração potencial, <span style="text-decoration: underline;">o </span>trabalho tem como objetivo estabelecer o balanço hídrico e a classificação climática de Thornthwaite do bairro Camobi no município de Santa Maria, RS. A metodologia seguiu o cálculo do balanço hídrico proposto por Thornthwaite (1948) e aperfeiçoado por Thornthwaite e Mather em 1955. Utilizaram-se dados obtidos no do período 2010 a 2017 e, como referência, a capacidade de água disponível (CAD) igual a 100 mm. A média mensal da temperatura do ar foi 19,48°C e da precipitação 145,99 mm, enquanto a evapotranspiração anual foi 880,1 mm e, 835,5 mm o excesso hídrico. A média para a precipitação anual foi 1.752 mm. No período analisado houve excesso de água no solo, representando 0,48 vezes a precipitação anual, com a evapotranspiração concentrada no verão. Foi obtida a fórmula climática <strong>B<sub>3</sub>rB’<sub>3</sub>a’</strong>, tratando-se de clima úmido, com deficiência de água pequena ou nula, mesotérmico e concentração da eficiência termal no verão.</p> 2021-07-06T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Geografia Ensino & Pesquisa https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/41814 Distribuição espacial e propriedades morfológicas de depressões fechadas e cabeceiras de drenagem na bacia hidrográfica do Rio Guassupi, Rio Grande do Sul Brasil 2021-09-09T15:57:17-03:00 Vinicius Duarte Guareschi vdguareschi@yahoo.com.br Andrea Valli Nummer a.nummer@gmail.com Anderson Augusto Volpato Sccoti asccoti2@gmail.com <p>O Planalto das Araucárias no Rio Grande do Sul registra uma variedade de feições geomorfológicas que se apresentam na paisagem como concavidades fechadas e circulares, outras rasas, quase fechadas, com formato arredondado ou alongado, algumas mostrando ramificações, outras mais extensas e entalhadas com forma circular em anfiteatro. O objetivo do trabalho é identificar e mapear as depressões fechadas e as cabeceiras, bem como averiguar a sua relação com a declividade, hipsometria, litologia e lineamentos morfoestruturais. A área de estudo compreende a bacia hidrográfica do rio Guassupi, no Planalto das Araucárias no Rio Grande do Sul, em rochas vulcânicas básicas e ácidas da formação Serra Geral. O mapeamento das depressões fechadas e cabeceiras de drenagem e a extração dos lineamentos morfoestruturais foram realizados através do banco de imagens de satélite do <em>Basemap</em>. As feições foram classificadas em quatro categorias de acordo com a suas propriedades morfológicas: Depressões Fechadas, localizadas nas porções mais planas do terreno em altitudes superiores a 400 metros. As Cabeceiras em Divisor estão localizadas próximas dos divisores d’água em altitudes superiores a 490 m e declividades de suas vertentes acima de 5%, presentes no domínio das rochas ácidas. Já as Concavidades Rasas ocupam o domínio das rochas ácidas em cotas altimétricas superiores a 400 m nas porções planas do topo do Planalto. As Depressões em Fundo de Vale constituem-se em grandes áreas deprimidas com fundo plano situadas sobre as rochas ácidas. Constatou-se que as feições desenvolvem-se principalmente nos cruzamentos entre os grupos de lineamentos de direção SE e NE e são mais presentes nas rochas ácidas da Fácies Caxias.</p> 2021-07-06T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Geografia Ensino & Pesquisa https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/43295 Mapeamento ambiental participativo e matriz SWOT/FOFA enquanto práticas de gestão e educação ambiental com ênfase em recursos hídricos 2021-09-09T15:57:17-03:00 Armando Castello Branco Jr. armando.junior@uftm.edu.br Tainá Marques Sampaio taina.msampaio@gmail.com Ana Karoline Silva Rocha Farias kaarol2310@hotmail.com Kayra Helena Freitas Miranda kayrahelena123@gmail.com Lorraine Lacerda de Souza lorraine.souza@uftm.edu.br João Lemes Peçanha Neto joaolpnbiologia@gmail.com Stela Ferreira Rodrigues stela.ferreira93@gmail.com <p>A água é um dos recursos naturais mais degradados. A solução deste problema envolve questões técnicas e educacionais. O diagnóstico de cenários e o planejamento do uso do solo além da recuperação de áreas degradadas são algumas das ações técnicas. Do ponto de vista educacional, depende não só de informação e conhecimento mas também de uma consciência ambiental ativa e coletiva. O objetivo do presente trabalho é a aplicação de duas ferramentas para realizar atividades de educação e diagnóstico ambiental junto à comunidade de quatro municípios do Pontal do Triângulo Mineiro. As ferramentas utilizadas foram o Mapeamento Ambiental Participativo e a Matriz SWOT/FOFA. Os resultados relevaram a percepção e visão críticas da comunidade participante em termos ambientais. Foram gerados mapas com grande riqueza de informações sobre aspectos ambientais relacionados aos recursos hídricos dos municípios e planos de ação focando tanto a melhoria de fragilidades ambientais como a manutenção das fortalezas elencadas pelos participantes. O uso dessas ferramentas se mostrou eficiente tanto para a promoção da consciência ambiental como também gerou dados para contribuir com a gestão dos recursos hídricos do município.</p> 2021-07-06T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Geografia Ensino & Pesquisa https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/43552 Variabilidade espacial em grande escala do fator K por diferentes métodos indiretos no domínio dos Mares dos Morros 2021-09-09T15:57:17-03:00 Bruno Granjeiro Silva Rocha brunograngeiro_18@hotmail.com Gustavo Souza Valladares valladares@ufpi.edu.br Nara Núbia de Lima Cruz nnlc.16@hotmail.com Cláudia Maria Sabóia de Aquino cmsaboia@gmail.com A erosão dos solos pela ação da água constitui-se um grave problema, que em última instância culmina com a redução da produtividade dos cultivos e degradação dos solos. As preocupações com a erosão dos solos culminaram com o desenvolvimento da Equação Universal de Perda de Solos (EUPS). A erodibilidade dos solos (K) um fator da EUPS consiste na suscetibilidade natural do solo à erosão hídrica. Considerando serem os métodos diretos de elevado custo econômico e muito morosos, este trabalho objetivou estimar o fator K dos solos do Centro Avançado de Pesquisa Tecnológica do Agronegócio de Frutas (CAPTA – Frutas) em Jundiaí – SP por meio de quatro diferentes equações. Os resultados evidenciaram que dos diferentes métodos testados para se estimar o fator k, a maioria não teve boa correlação e havendo métodos inconsistentes entre si. Por todos os métodos foi possível efetuar a interpolação por krigagem, tendo todos os dados dependência espacial significativa pelo ajuste dos semivariogramas. O método proposto por Wischmeier &amp; Smith (1978), foi o mais adequado para se estimar o fator K na área de estudo. 2021-07-12T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Geografia Ensino & Pesquisa https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/44185 Produção de materiais educativos para o Parque Estadual do Camaquã(RS/Brasil): Estratégias de divulgação e educação ambiental 2021-09-09T15:57:17-03:00 Ândrea Lenise de Oliveira Lopes lopes.andrea.geo@gmail.com Liz Cristiane Dias lizcdias@gmail.com Adriano Luís Heck Simon adriano.simon@ufpel.edu.br <p>O Rio Grande do Sul é um dos estados brasileiros menos abrangidos por áreas protegidas e 52% de suas unidades de conservação não possuem ações efetivas de conservação ambiental. O Parque Estadual do Camaquã é uma unidade de conservação integral do estado do Rio Grande do Sul criada em 12 de março de 1975. Até o momento não conta com plano de manejo, regularização fundiária e/ou demais ações de educação ambiental. O objetivo deste trabalho é desenvolver materiais educativos e de divulgação do Parque Estadual do Camaquã, a fim de evidenciar suas problemáticas ambientais e subsidiar estratégias de educação ambiental. Foram elaborados dois infográficos, um referente à situação das unidades de conservação da natureza no estado do Rio Grande do Sul e outro que aborda especificamente do Parque Estadual do Camaquã (área, potencialidades e fragilidades frente às formas de ocupação). Um fascículo didático de caráter geográfico também foi desenvolvido para apresentar as características espaço-temporais e as problemáticas ambientais da área. O fascículo é voltado ao público escolar e pode ser trabalhado por educadores formais (professores) e informais (guarda parque). O material elaborado reforça o papel da Geografia como ciência capaz de promover o debate e o raciocínio ecológico e espacial, formando sujeitos conscientes do patrimônio ambiental do meio ao qual estão inseridos.</p> 2021-07-12T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Geografia Ensino & Pesquisa https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/46846 Análise do (des)conforto térmico da cidade de Viçosa (MG) no ano de 2014 2021-12-10T09:50:29-03:00 Edson Soares Fialho fialho@ufv.br Júlia Borges Furtado julia.furtado@ufv.br Tatiana Camello Xavier taianax@ifes.edu.br <p>A ocupação das áreas urbanas e grandes centros tem se tornado intensa nas últimas décadas, fazendo com que ocorra interferências no meio natural através de ações antrópicas, podendo provocar a modificação do balanço de energia. O conforto térmico se apresenta como uma condição para expressar o grau de satisfação dos indivíduos em um determinado ambiente, compreendido pelos fatores naturais e pessoais. Nesse sentido, este estudo tem o objetivo de analisar o conforto térmico da área de estudo, localizada no perímetro urbano do município de Viçosa-MG, na Zona da Mata Mineira, no ano de 2014, por ser considerado um ano em que a precipitação média anual foi muito abaixo da normalidade. O índice de Temperatura Efetiva (TE), como proposto por Missenard (1948), foi estimado através das médias de temperatura do ar e umidade relativa do ar, procurando identificar e justificar os valores que se encontraram nas zonas de classificação de desconforto térmico. Os resultados mostraram que na maior parte do ano de 2014 a cidade de Viçosa ficou classificada com sensações de desconforto térmico para o frio, chegando a atingir valores próximos de 13°C. No entanto foi verificado que o ano de 2014 não apresentou um maior desconforto tendo em vista que os valores de umidade não ficaram tão abaixo do habitual.</p> 2021-09-10T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Geografia Ensino & Pesquisa https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/47876 Brioflorula (bryophyta\musgos e marchantiophyta\hepáticas) do Parque Estadual Cânion do rio Poti, Buriti dos Montes – PI 2021-12-10T09:50:29-03:00 Lorran André Moraes lorranbio@hotmail.com Gonçalo Mendes da Conceição doutorgoncalo@gmail.com Maria de Fátima Veras Araújo maria.fveras2018@gmail.com <p class="7Pr-textoListadeAbreviaturas">Esse estudo busca amostrar a diversidade de briófitas (bryophyta/musgos e marchantiophyta/hepáticas), bem como, conhecer o padrão de distribuição geográfica brasileira e mundial e os domínios fitogeográficos, além de registrar o tipo de colonização nos substratos (grupos briocenológicos) e os hábitos de vida das espécies ocorrentes no Parque Estadual Cânion do Rio Poti, Buriti dos Montes/Piauí. Para tanto, o material botânico foi coletado, herborizado e identificado seguindo a metodologia usual, especializada, provenientes de trechos de áreas de afloramentos rochosos presentes sobre a influência do Cânion do Rio Poti. A flora de briófitas do Parque é composta por 14 espécies, distribuídas em seis famílias e oito gêneros. Destas, 13 são espécies de musgos, distribuídas em cinco famílias e sete gêneros e uma espécie de hepática (uma família e um gênero). Desse total, 12 espécies (85,7%) apresentam-se distribuídas em mais de cinco Estados do Brasil e em mais de três domínios e duas (14,3%) com rara distribuição e também em um único domínio. Esta pesquisa é a primeira para o Parque, e vem contribuir com informações importantes de registros desse grupo vegetal, em área de afloramentos rochosos do bioma Caatinga, o que amplia sobre a ocorrência e a distribuição geográfica das espécies. Novos estudos florísticos de briófitas são necessários em todos ambientes de delimitação do Parque para amostrar a real diversidade de briofitas.</p><p class="7Pr-textoListadeAbreviaturas"><strong> </strong></p> 2021-10-15T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Geografia Ensino & Pesquisa https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/47861 Método Curve Number – pesquisas e discussões dos parâmetros valor CN e abstração inicial 2021-12-10T09:50:29-03:00 Fabio Carvalho carvalhofabiogeo@gmail.com Silvio Carlos Rodrigues silgel@ufu.br <p>O estudo de condições de resposta ao processo de precipitação e geração de escoamento é um dos desafios em estudos hidrogeomorfológicos. Entre estudos existentes, o Método CN tornou-se importante devido à sua facilidade de aplicação a partir da utilização de parâmetros físicos, de uso e ocupação da terra e de dados de chuva, estimando o escoamento superficial e o armazenamento potencial de bacias hidrográficas, fornecendo informações hidrológicas para a tomada de decisões. Este trabalho objetiva apresentar aspectos históricos e de desenvolvimento do Método CN, bem como pesquisas e discussões do parâmetro principal da metodologia conhecido como valor CN e da abstração inicial (Ia), segundo revisão de literatura. Os valores CN contidos em tabelas e gráficos do <em>Natural Resources Conservation Service</em> (NRCS) consideram o índice de Ia=0,2, todavia, pesquisas indicam variações nos índices de Ia. Valores CN e índices de Ia podem ser conseguidos mediante dados de precipitação e de escoamento superficial obtidos em bacias hidrográficas e por experimentos com chuvas artificiais em parcelas experimentais, fornecendo informações locais. Abordagens utilizando pesquisas e experimentos regionais demonstram que podem melhorar os parâmetros do Método CN para algumas regiões, gerando melhor estimativa do escoamento superficial. Os índices de abstração inicial alteram o escoamento superficial estimado pela metodologia, e pesquisas indicam que o índice de Ia=0,2 ser elevado para algumas condições edafoclimáticas.</p> 2021-12-02T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Geografia Ensino & Pesquisa https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/63241 CONSTRUINDO UMA METALINGUAGEM DIDÁTICA: O GEOZINE NA PRÁTICA DOCENTE 2021-12-06T10:41:00-03:00 João Paulo Teixeira Viana jpviana25@yahoo.com Eugênia Maria Dantas eugeniadantass@yahoo.com <p class="1Abstracttexto">A pesquisa propõe um estudo sobre estratégias de ensino para os conteúdos geográficos escolares, tendo o Geozine como fonte para o seu desenvolvimento. O propósito central desta pesquisa é compreender o Geozine como uma linguagem transitiva que se comporta como uma estratégia didática-pedagógica para o ensino da Geografia escolar. Metodologicamente, realizou-se o aprofundamento do referencial teórico a partir da seleção de autores que abordam temas sobre a língua, linguagem e comunicação e sua interface com o ensino da geografia, os conceitos geográficos de Lugar e Paisagem e por fim, sobre o Fanzine e Geozine. A compreensão se dá a partir da exploração das noções de lugar e de paisagem, tendo, primeiramente, como foco uma oficina de construção didática denominada de “O Geozine: Construindo uma metalinguagem didática” destinada aos professores de Geografia da cidade de Taipu-RN. Todo este percurso serviu para dar uma maior densidade à linguagem Geozine e para enfatizar como ela pode ser aplicada, transitiva e metalinguística no fazer pedagógico do professor.</p> 2022-01-12T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Geografia Ensino & Pesquisa https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/61366 O Programa de Residência Pedagógica e o Estágio Curricular Supervisionado no curso de Licenciatura em Geografia: Uma experiência teórico-prática 2021-10-18T15:50:33-03:00 Marcia Ajala Almeida marcia0403ajala@gmail.com Giseli Dalla nora giseli.nora@gmail.com <p class="1Abstracttexto">A proposta deste estudo é analisar a importância do Programa de Residência Pedagógica (PRP) no estágio curricular supervisionado para a formação inicial do professor de Geografia, destacando as experiências vivenciadas nas escolas-campo na construção do processo ensino-aprendizagem do curso de Licenciatura em Geografia. Partimos do pressuposto de que o estágio como práxis é um espaço de aprendizagem e de construção da identidade profissional, repercutindo em ações investigativas de reflexão e intervenção no processo educativo. Neste contexto, definimos as seguintes problemáticas: qual o papel do estágio curricular supervisionado na formação inicial do professor de Geografia? Qual a importância do Programa de Residência Pedagógica para a práxis pedagógica na formação do professor de Geografia? Quais são os resultados do PRP no curso de Licenciatura em Geografia? Através do método de abordagem dialética, os procedimentos metodológicos adotados pautaram-se em pesquisa documental, revisão bibliográfica de autores que discutem sobre a temática, complementamos a análise de alguns resultados das práticas vivenciadas pelos residentes no ambiente escolar. Concluímos que o PRP, associado ou não ao estágio curricular supervisionado, trouxe resultados positivos na articulação teórico-prática e na inter-relação entre universidade e escola.</p> 2022-01-12T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Geografia Ensino & Pesquisa https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/65088 EDUCAÇÃO GEOGRÁFICA CONCEPÇÕES DE PROFESSORES DE GEOGRAFIA NA REDE ESTADUAL EM FRANCISCO BELTRÃO-PR 2021-11-16T08:30:57-03:00 Jalme Santana de Figueiredo Junior jalmefigueiredo18@hotmail.com Najla Mehanna Mormul najlamehanna@gmail.com Rosana Cristina Biral Leme rosanabiral@hotmail.com No decorrer de 2018 à 2019 foi realizado um estudo de caso, junto aos professores de Geografia, pertencentes ao Quadro Próprio do Magistério (QPM) do Estado do Paraná, atuantes no Município de Francisco Beltrão. O principal objetivo foi identificar quais concepções de Educação Geográfica orientavam as práticas docentes desses profissionais. Partindo de uma perspectiva de pesquisa qualitativa, desenvolveu-se questionários e entrevistas junto 29 (vinte e nove) de um total de 35 (trinta e cinco) professores efetivos. Pode-se identificar três categorias centrais: Materialismo Histórico e Dialético, Histórico Ambiental e Subjetivo/Fenomenológico. Nesse texto, será apresentado os procedimentos e referências utilizados na pesquisa, que possibilitaram identificar uma prática docente pautada no compromisso teórico, prático e de transformação social por parte dos profissionais entrevistados. 2022-01-14T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Geografia Ensino & Pesquisa https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/43605 A Cartografia Social como recurso metodológico para o ensino de Geografia 2021-09-09T15:57:17-03:00 Roberto Antônio Finatto robertofinatto@gmail.com Maria Isabel Farias mariaisabel.mif@gmail.com <p>Este texto apresenta e analisa as possibilidades de uso da Cartografia Social na educação básica, sobretudo nos anos iniciais e finais do ensino fundamental. A proposta metodológica apresentada foi estruturada, executada e avaliada durante o programa Escola da Terra, voltado à formação de professores(as) dos anos iniciais do ensino fundamental, entre 2017 e 2019, no estado do Paraná. A Cartografia Social apresenta-se como um recurso fundamental para o desenvolvimento da noção espacial, bem como permite identificar, analisar e problematizar os aspectos da realidade presentes na escola e na comunidade onde ela estiver inserida. Portanto, o trabalho pedagógico com a Cartografia Social possibilita, simultaneamente, o conhecimento da linguagem cartográfica e a problematização da realidade concreta do cotidiano escolar, questões centrais no ensino da Geografia.</p> 2021-03-05T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Geografia Ensino & Pesquisa https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/47022 Experiência e percepção da natureza na infância 2021-09-09T15:57:17-03:00 Jéssica Aparecida Porfirio da Silva Aparecida Porfirio da Silva jessicanf92@gmail.com Jeani Delgado Paschoal Moura jeanimoura@uol.com.br <p>A sociedade moderna tem apresentado um movimento de afastamento em relação a natureza, levando a perda da conexão entre homem-natureza. Desde a sua primeira infância, a criança interage com o mundo em resposta a estímulos externos revelando, por meio da sua corporeidade, a singularidade com que interpreta o mundo ao seu redor. A natureza propicia um ambiente favorável para a criança desenvolver diversas habilidades, ampliando as suas memórias e sensações. O objetivo da pesquisa foi compreender a relação da criança com a natureza por meio de suas percepções e experiências numa fase decisiva do seu desenvolvimento corporal, pessoal e da construção de valores. Fundamentada pela Fenomenologia da experiência e da imaginação, esta pesquisa qualitativa apresenta experimentações de interação da criança na natureza. Como resultado, observou-se que as crianças necessitam manter um contato com a natureza fora delas, criando laços com o seu eu/natural e enxergando-se como parte da natureza. Conclui-se que a valorização das experiências da criança em relação ao mundo em si e com a natureza, é um caminho possível para o seu desenvolvimento humano e altruísta.</p> 2021-03-05T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Geografia Ensino & Pesquisa https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/54517 Sujeito e o mundo: a aplicação das geotecnologias no ensino de Geografia como perspectiva da integralidade 2021-09-09T15:57:17-03:00 Isabel Cristina Bohn Vieira isabelbohnvieira@gmail.com Eduardo Augusto Werneck Ribeiro eduardo.ribeiro@ifc.edu.br <p class="1Abstracttexto">Este artigo apresenta uma proposta de uma sequência didática (SD) com o tema recursos hídricos, exercitando a aplicação de geotecnologias no ensino de geografia para a educação básica. A proposta descreve um modelo de roteiro Sujeito e o Mundo, configurando um arcabouço atrativo e didático para o desenvolvimento de projetos de ensino, sob a perspectiva colaborativa, participativa entre educandos e educadores. Esta aplicação propicia aos envolvidos a educação cientifica onde se trabalha fundamentação dos conceitos (a hipótese, o raciocínio metodológico e os testes que a hipótese gera) através de atividades didáticas práticas e tecnológicas na geografia, além de encorajá-los a propor soluções de problemas ambientais e sociais vigentes, em pleno exercício da cidadania. Esta proposta de construção do conhecimento pode contribuir no processo de ensino e aprendizagem na medida que o conteúdo teórico da disciplina é contextualizado, materializado e discutido pelo experimento. Com os resultados pode-se discutir a plausibilidade das provas que a teoria apresenta, reforçando a importância de se inter-relacionar conceitos, de se fazer uma boa pergunta e buscar respostas com métodos e recursos adequados, assim, propiciando o aprendizado de forma integral.</p> 2021-03-05T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Geografia Ensino & Pesquisa https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/43511 O ensino de Geografia como meio de leitura crítica na realidade: um estudo a partir das práticas do estágio supervisionado em Geografia 2021-09-09T15:57:18-03:00 Felipe Rodrigues Leitão mr.feliper@gmail.com Rachel Facundo Vasconcelos Oliveira rachel_facundo@yahoo.com.br Rian Kelvin do Nascimento rian465@gmail.com O presente tempo, nitidamente marcado por um acelerado processo de globalização da sociedade em suas diversas instâncias, sejam elas econômicas, sociais, políticas e culturais tem seus desdobramentos sobre o ensino e nos últimos tempos, no contexto brasileiro. Os alunos estagiários, enquanto futuros docentes, irão passar por diversas conjunturas quem nem sempre a Universidades os preparam para isso. Desta forma, a pesquisa procurou revelar de maneira sistemática qual são os contextos atuais do ensino no Brasil, quais os ataques às ciências humanas e quais tipos de metodologias e práticas os futuros docentes usam para auxiliar no seu processo de formação e de assimilação de conteúdo dos alunos da educação básica. Deste modo, a metodologia utilizada para obtenção dos dados foram levantamentos bibliográficos, artigos científicos, matérias jornalísticas e a entrevista com doze estudantes da disciplina de estágio supervisionado da Universidade Estadual do Ceará (UECE) no ano de 2018 que realizaram suas regências no Ensino Fundamental II em públicas e privadas, situadas no município de Fortaleza e na sua Região Metropolitana. Assim sendo, o estudo se constitui em uma reflexão sobre o papel da Geografia frente a este contexto e a necessidade clara de ações alinhadas a realidade e conjuntura dos educandos. 2021-07-06T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Geografia Ensino & Pesquisa https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/48020 Identidade docente em Geografia e programas formativos: uma interpretação Habermasiana 2021-09-09T15:57:18-03:00 Anny Catarina Nobre de Souza anny-catarina13@hotmail.com Sérgio Domiciano Gomes de Souza sergio_gsousa@hotmail.com Rosalvo Nobre Carneiro rosalvonobre@uern.br <p>Este artigo trata da identidade docente em Geografia a partir das contribuições dos programas formativos: o Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID) e o Programa do Residência Pedagógica (PRP). Para tanto, realizou-se: i) uma revisão sistemática da literatura que versava sobre os temas formação, identidade docente e programas formativos, ii) uma análise documental de documentos normativos que regem tais programas, e iii) atividade de campo a partir das experiências vivenciadas nas escolas públicas da educação básica. Nisto, percebeu-se uma carência de estudos sobre identidade docente em Geografia, o que nos levou a aprofundar o relato das experiências à discussão do processo de construção da identidade intersubjetiva. Desse modo, o PIBID e o PRP funcionam como uma mola propulsora para a construção dessa identidade nos futuros professores de Geografia.</p> 2021-07-06T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Geografia Ensino & Pesquisa https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/44027 O método (auto)biográfico na formação inicial de professores de Geografia 2021-09-09T15:57:18-03:00 Victória Sabbado Menezes victoriasabbado@gmail.com Roselane Zordan Costella professoracostella@gmail.com <p>O presente artigo está vinculado a uma tese de doutorado em construção e tem o intuito de propor a discussão concernente ao método (auto)biográfico enquanto uma possibilidade para ressignificar a formação inicial de professores de Geografia. Para tanto, pauta-se em uma revisão bibliográfica referente aos seguintes eixos basilares: formação docente em Geografia e pesquisa (auto)biográfica. O método (auto)biográfico representa um caminho profícuo para pensar a formação docente em sua complexidade, entendendo-a como um processo longo, permanente e contínuo. Nesse sentido, a formação do/da professor/a de Geografia é concebida não como o resultado exclusivo da formação acadêmica e da carreira profissional do sujeito, mas está associada a trajetória de vida pessoal, escolar, acadêmica e profissional, visto que é constituída por uma diversidade de saberes provenientes de diferentes fontes. Assim, as narrativas (auto)biográficas, compreendidas como um dispositivo formativo e vinculadas a este método, possibilitam repensar a constituição da professoralidade em Geografia, uma vez que revelam os percursos formativos dos sujeitos. Portanto, o método (auto)biográfico, operacionalizado por meio das narrativas (auto)biográficas, pode colaborar com um outro olhar para o processo de formação docente e, quiçá, provocar reflexos positivos e questionadores aos princípios que balizam as licenciaturas em Geografia na contemporaneidade.</p> 2021-07-06T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Geografia Ensino & Pesquisa https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/43472 Professores e suas experiências pedagógicas: estudo sobre a geografia em um evento de formação continuada no sul do RS 2021-09-09T15:57:18-03:00 Letícia Fonseca da Silva letyedu@hotmail.com Lígia Cardoso Carlos li.gi.c@hotmail.com <p>O artigo refere-se a uma investigação no âmbito da formação continuada de professores e do ensino de Geografia. Toma como objeto de estudo os anais de doze edições do evento Encontros sobre o Poder Escolar que ocorreram em Pelotas-RS entre os anos 2001 e 2014 e abrangeram os municípios da região. O objetivo foi conhecer as experiências pedagógicas vinculadas ao campo da Geografia e consideradas de qualidade distintiva pelos professores que as inscreveram, bem como os conteúdos geográficos a elas vinculados. O percurso metodológico, no âmbito qualitativo, foi o da pesquisa documental. Os resultados indicam a disposição da Geografia no atendimento a demandas intra e extraescolares, a peculiaridade de beneficiar práticas interdisciplinares e a ênfase da área ambiental nos trabalhos apresentados.</p> 2021-07-12T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Geografia Ensino & Pesquisa https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/55326 O uso do xadrez enquanto realização lúdica que favorece a aprendizagem e ensino de geografia na educação básica 2021-12-10T09:50:29-03:00 Émerson Dias de Oliveira cooperativismopopular@hotmail.com Cleiton Costa Denez cleiton.denez@hotmail.com Josiane Mendes Peschisky cooperativismopopular@hotmail.com <p>O presente estudo percebe o jogo de xadrez enquanto uma ferramenta pedagógica de importância crucial para o desenvolvimento integral das crianças, sendo que aqui foram apontadas algumas das várias contribuições que essa iniciativa exerce no meio educacional. As discussões estão voltadas em apresentar a aplicabilidade desse jogo no ensino de geografia, um esforço que teve como desafio se utilizar dos vários simbolismos presentes em uma partida de xadrez para inserir com maior efetividade e concretude os principais conceitos geográficos. Foram colocados também os benefícios pedagógicos que xadrez possibilita aos jogadores envolvidos, sendo que para tanto a pesquisa fez uso de um significativo resgate bibliográfico de autores que refletem essa temática na esfera escolar. Enfim, sem o propósito de reduzir essa iniciativa ao jogo em si, as provocações aqui instruídas buscam incutir o sentido de que todos os envolvidos nesse jogo de tabuleiro são beneficiados, incluindo a platéia, o professor, o vencedor e até mesmo o perdedor. Esse último se conscientiza do esforço empregado no jogo, impregnado de decisões equivocadas e acertadas. Assim, cabe ao professor utilizar desse ambiente para fazer analogias com o intuito de construir e consolidar aprendizagens significativas em sala de aula.</p> 2021-10-29T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Geografia Ensino & Pesquisa https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/53271 Por uma escola territorialmente situada: contribuições geográficas em uma experiência extensionista de Educação do Campo no Oeste de Santa Catarina 2021-12-10T09:50:29-03:00 Willian Simões willian.simoes@uffs.edu.br <p>O presente artigo objetiva socializar estudos e resultados oriundos de uma experiência extensionista que vem ocorrendo desde o ano de 2018 junto a uma escola do campo localizada no espaço rural do município de Nova Itaberaba, Região Geográfica Imediata de Chapecó, Oeste de Santa Catarina. Ancora-se em uma perspectiva dialógica de trabalho extensionista e interdisciplinar de produção do conhecimento em que contribuições teórico-conceituais da Geografia se fazem presentes e estão entrelaçadas a referenciais do campo intelectual da Educação do Campo. A situação geográfica em questão, neste artigo, tem como ponto de partida a vontade comunitária de manter a referida escola no espaço rural do município supramencionado. Desafio este que resultou em um processo de reformulação curricular e sua transformação em uma escola do campo de tempo integral, por isso entendemos ser uma experiência emblemática a ser socializada. Argumentaremos ao longo do texto que a experiência em andamento tem possibilitado construir uma proposta de escola territorialmente situada, cujo processo de escolarização se propõe a ser mais articulado e compromissado com os sujeitos do campo, seus territórios de vida e suas territorialidades específicas.</p><p><strong>Palavras-chave</strong>: Geografia e Educação do Campo; escola do campo; escola de tempo integral; territórios educativos. </p> 2022-01-12T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Geografia Ensino & Pesquisa https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/63075 Compartimentação geomorfológica da área urbana do município de Senhor do Bonfim – BA enquanto subsídio ao planejamento do uso e ocupação 2021-12-06T10:17:10-03:00 Felipe Souza Reis felipesouzareis01@gmail.com Sirius Oliveira Souza sirius.souza@univasf.edu.br <p class="1Abstracttexto">A sociedade está distribuída sobre um ambiente que possui características evolutivas (ACSELRAD, 1992). Nesse quadro, cabe aos componentes sociais dotar de instrumentos que possam analisar a complexidade sistêmica deste ambiente, bem como sua singularidade (LIMBERGER, 2006). Nesse viés, a cartografia geomorfológica constitui-se em um importante instrumento para compreensão do espaço (QUEIROZ, 2012). Dessa forma, este trabalho tem o objetivo de mapear a compartimentação geomorfológica da área urbana do município de Senhor do Bonfim – BA, enquanto subsídio ao planejamento do uso e ocupação da terra. Para isso, utilizou-se enquanto alternativa analítica fotografias áreas em formato digital, em escala 1:70.000, adquiridas gratuitamente da CBPM (2020), bem como dados do Bing Maps Aerial e da Carta Geológica e Topográfica de Senhor do Bonfim, disponibilizada pela SEI (2015). Entre os resultados, os pedimentos constituem-se o compartimento predominante, cobrindo 91,1% do perímetro urbano, as planícies fluviais apresentaram total de 7,9%, e por fim os inselbergues com 1%. Este tipo de trabalho se torna importante à medida que o mapeamento dos compartimentos geomorfológicos oferece tanto à comunidade, quanto as autoridades competentes, escopo considerável na adoção de medidas estruturais de proteção ambiental.</p><p class="1Abstracttexto"> </p> 2022-01-12T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Geografia Ensino & Pesquisa https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/44105 Primapa: algoritmo útil para a geração de mapas automáticos 2021-12-10T09:50:29-03:00 Bruno Zucuni Prina brunozprina@gmail.com A grande evolução geotecnológica dos últimos anos propiciou um avanço nas mais variadas áreas de nossa sociedade e dentro dessa linha temática que o presente trabalho foi desenvolvido. Esse estudo possui o propósito concentrado na área cartográfica, com foco à geração automática de mapas. Dentro dessa linha, o presente estudo tem o objetivo de desenvolver uma rotina computacional para realizar a automatização de mapeamentos dentro do território brasileiro. Para desenvolvimento desse trabalho foram utilizados os recursos da linguagem de programação <em>Python</em>, gerando, desse modo, o algoritmo PRIMAPA. Ainda, foi desenvolvido um ambiente <em>on-line</em> para processamento dos dados, dessa forma os usuários interessados em obter mapas, de forma automática, poderão acessar o Blog “MAPAS AUTOMÁTICOS” e seguir as instruções do ambiente on-line para solicitar o seu mapa. Pode-se destacar que essa pesquisa abarca uma grande inovação científica e cartográfica, a qual foi construída através da manipulação da linguagem de programação Python, gerando, de forma cômoda, mapas gerais e de localização do território brasileiro. 2021-09-10T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Geografia Ensino & Pesquisa https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/47478 Verticalidades e horizontalidades no estudo da rede urbana do Vale do Paraíba e Litoral Norte – São Paulo 2021-12-10T09:50:29-03:00 Adriana Maria de Paula adriana.mp055@gmail.com Cilene Gomes cilenegs@univap.br Maria Angélica Toniolo angelica.toniolo@univap.br <p>Este artigo tem por objetivo analisar as relações verticais e horizontais – tal como conceituadas por Milton Santos – constituídas na Região Metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte. Considerando-se que as relações verticais abrangem uma lógica hierárquica de relacionamentos entre as cidades (e, portanto, inserida no conceito de rede urbana), o principal insumo utilizado para esta investigação foi o estudo da “Região de Influência das Cidades” (Regic), realizado pelo IBGE. Além disso, foram coletadas informações relacionadas às relações entendidas como horizontais, constituídas pelos municípios da região, abrangendo estatísticas socioeconômicas para o território abordado. É possível inferir que as relações verticais e horizontais, porquanto não mutuamente excludentes, ou seja, se sobrepondo umas às outras, são parte de uma lógica de um lado hegemônica e de outro da solidariedade, que se dá através da união de diversos atores muitas vezes excluídos dos processos verticais.</p> 2022-01-12T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Geografia Ensino & Pesquisa https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/44204 Aptidões biofísicas e intensificação agroecológica da pecuária leiteira em assentamentos da Amazônia brasileira 2021-09-09T15:57:17-03:00 Laura Angélica Ferreira Darnet laurangelicaferr@hotmail.com René Jean Marie Poccard-Chapuis renepoccard@gmail.com Lívio Sérgio Dias Claudino liviosergio@ufpa.br Soraya Abreu Carvalho soraya@ufpa.br <p>Melhorar as atividades agrícolas e a proteção dos recursos naturais, especialmente na Amazônia e nos perímetros de reforma agrária, concebendo sistemas sustentáveis a partir de paisagens ecoeficientes é uma alternativa promissora e está sendo implantada em Paragominas, no Pará, a partir do Plano Municipal de Inteligência Territorial. Este artigo analisa em que medida o microzoneamento proposto no Plano é coerente com as possibilidades de intensificação agroecológica da produção forrageira em propriedades leiteira familiares, e se os ajustes de uso da terra correspondem às aptidões biofísicas das propriedades. Este estudo de caso foi realizado na Comunidade de Nova Jerusalém, do Assentamento Luiz Inácio e se apoiou nos dados georreferenciados do Plano Municipal, além de entrevistas com as famílias e acompanhamentos de experimentos de produção forrageira agroecológica em campo. utilizamos o software Arcgis © para compilar e cruzar informações espaciais em formato <em>shape. </em>Os resultados apontam que na comunidade estudada 56% das famílias têm condições favoráveis para seguir o Plano, dada as aptidões nas suas propriedades, mas há famílias em que a propriedade se encontra em condições biofísicas restritas para produção forrageira e uma atenção especial deve ser dada a este grupo.</p> 2022-01-12T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Geografia Ensino & Pesquisa https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/47119 Análise dos perigos aos movimentos de massa e enxurradas na Vila Medianeira - Faxinal do Soturno - RS 2021-09-09T15:57:17-03:00 Igor da Silva Knierin igorknierin@gmail.com Luís Eduardo de Souza Robaina lesrobaina@yahoo.com.br Romario Trentin romario.trentin@gmail.com <p>Os processos naturais desencadeados por movimentos de massa e enxurradas podem ocasionar danos quando atingem uma comunidade no espaço urbano das cidades. Esta problemática é recorrente na vila Medianeira, localizada na área urbana de Faxinal do Soturno - Rio Grande do Sul - Brasil. O artigo foi desenvolvido a partir da seleção de variáveis para analisar o perigo de processos que ocasionam danos (movimentos de massa e enxurradas) e foram organizadas em uma ficha cadastral que agregou pesos e notas, estruturada em quatro graus para o perigo: baixo, médio, alto e muito alto. Como resultados, foram analisadas 70 edificações, segmentadas, respectivamente em 27,15% com perigo baixo, 25,71% com perigo médio, 25,71% com perigo alto e 21,43% com perigo muito alto. O estudo contribui para gestão e gerenciamento de risco de desastres naturais na área de estudo, para a mitigação das situações de perigo e como base para estudos em outras áreas suscetíveis a danos no município.</p> 2022-01-12T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Geografia Ensino & Pesquisa https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/48058 A geografia das condições obstétricas e neonatais em pequenos municípios do Rio Grande do Sul 2021-12-10T09:50:28-03:00 Jéssica Mazutti Penso-Campos jessica.m.penso@gmail.com Chennyfer Dobbins Abi Rached chennyferr@yahoo.com.br Pablo Melquisedeque Souza e Silva pablo.souza@ifma.edu.br Eduardo Périco perico@univates.br <span>A geografia da saúde possibilita compreender a organização espacial dos eventos em saúde, morbimortalidade e oferta dos serviços de saúde, tendo em vista que esses eventos não estão distribuídos aleatoriamente no espaço geográfico. As desigualdades espaciais na mortalidade infantil representam um importante problema de saúde pública, portanto, o objetivo do estudo foi analisar a geografia das condições obstétricas e neonatais, em pequenos municípios do Rio Grande do Sul, que integram a 16ª Coordenadoria Regional da Saúde, no período de 2010 a 2014. Foi realizado um estudo ecológico, com os indicadores relacionados aos recém-nascidos e à oferta de serviços públicos de saúde. As variáveis foram categorizadas em: sociodemográficas, assistenciais, resultantes e de cobertura dos serviços. Foi realizada a distribuição e análise espacial dos indicadores, através do Índice de Moran Global. O coeficiente de correlação de Pearson serviu para verificar associação entre as variáveis sociodemográficas e assistenciais, com as variáveis resultantes e, entre as condições de saúde e a cobertura dos serviços públicos de saúde. Os resultados possibilitaram a compreensão da geografia das condições obstétricas e neonatais, e de que forma os serviços públicos de saúde contribuíram na assistência materno-infantil.</span> 2022-01-12T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Geografia Ensino & Pesquisa