O uso do xadrez enquanto realização lúdica que favorece a aprendizagem e ensino de geografia na educação básica

Autores

  • Émerson Dias de Oliveira Universidade Estadual de Londrina - UEL https://orcid.org/0000-0002-0758-7663
  • Cleiton Costa Denez Doutor em Geografia pela Universidade Estadual de Maringá (UEM). Professor da rede estadual de educação do Paraná. https://orcid.org/0000-0002-4344-3077
  • Josiane Mendes Peschisky Pedagoga pela Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO). Especialista em Gestão Escolar pela UNICENTRO. Professora da rede municipal de educação de Laranjeiras do Sul/PR.

DOI:

https://doi.org/10.5902/2236499455326

Resumo

O presente estudo percebe o jogo de xadrez enquanto uma ferramenta pedagógica de importância crucial para o desenvolvimento integral das crianças, sendo que aqui foram apontadas algumas das várias contribuições que essa iniciativa exerce no meio educacional. As discussões estão voltadas em apresentar a aplicabilidade desse jogo no ensino de geografia, um esforço que teve como desafio se utilizar dos vários simbolismos presentes em uma partida de xadrez para inserir com maior efetividade e concretude os principais conceitos geográficos. Foram colocados também os benefícios pedagógicos que xadrez possibilita aos jogadores envolvidos, sendo que para tanto a pesquisa fez uso de um significativo resgate bibliográfico de autores que refletem essa temática na esfera escolar. Enfim, sem o propósito de reduzir essa iniciativa ao jogo em si, as provocações aqui instruídas buscam incutir o sentido de que todos os envolvidos nesse jogo de tabuleiro são beneficiados, incluindo a platéia, o professor, o vencedor e até mesmo o perdedor. Esse último se conscientiza do esforço empregado no jogo, impregnado de decisões equivocadas e acertadas. Assim, cabe ao professor utilizar desse ambiente para fazer analogias com o intuito de construir e consolidar aprendizagens significativas em sala de aula.

Biografia do Autor

Émerson Dias de Oliveira, Universidade Estadual de Londrina - UEL

Doutor em Geografia pela Universidade Estadual de Londrina (2019). Pedagogo da rede municipal de educação de Laranjeiras do Sul/PR.

Cleiton Costa Denez, Doutor em Geografia pela Universidade Estadual de Maringá (UEM). Professor da rede estadual de educação do Paraná.

Graduado em Geografia/Licenciatura pela Faculdade de Jandaia do Sul e Mestre em Geografia na linha de pesquisa Dinâmica dos Espaços Rurais e Urbanos pela Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO). Doutor em Geografia na linha de pesquisa Produção do Espaço e Dinâmicas Territoriais pela Universidade Estadual de Maringá (UEM). Professor de Geografia na Rede Estadual do Paraná - SEED desde 2006. Diretor do Colégio Estadual D. Pedro I de Lidianópolis (2016). Tem experiência como professor de Ensino Fundamental, Médio e Superior. Diretor Executivo Educacional da APP-Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Paraná (2017-2021). Foi Professor Colaborador na Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR) e da Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO). Membro do Grupo de Pesquisa Redes de Poder, Migrações e Dinâmicas Territoriais - GEPES na Linha de pesquisa: Estudos políticos, poder e reordenamento do território. Desenvolve pesquisas em temáticas voltadas à Geografia Política, mais especificamente sobre poder local, redes e dinâmica do território.

 

Referências

ARAÚJO, A. A. O xadrez como atividade lúdica na escola: uma possibilidade de utilização do jogo como instrumento no processo ensino-aprendizagem. In: IV Semana Acadêmica da FSBA, 2006. Centro Universitário do Instituto Social da Bahia, Salvador/BA, 2007. Disponível em: http://www.fsba.edu.br/semanaacademica2006/TEXTOS/ANDRE%20 DE%20ALMEI DA%20ARAUJO.pdf. Acesso em: 24 out. 2020.

ATALAIA, M. F. C. Xadrez e Educação. Jornal Cidade de Tomar, Tomar. Artigos publicados ao longo do ano de 2008. Disponível em: http://paulojlcosta.weebly.com/uploads/1/6/7/1/1671352/artigos_de_manuel_atalaia.pdf. Acesso em: 20 out. 2020.

BAUMAN, Z. Tempos líquidos. Tradução Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2007.

BERGAMO, M. O uso de metodologias diferenciadas em sala de aula: uma experiência no ensino Superior. Revista Eletrônica Interdisciplinar, Vale do Araguaia, v. 2, n. 4. 2010.

BOCCATO, V. R. C. Metodologia da pesquisa bibliográfica na área odontológica e o artigo científico como forma de comunicação. Rev. Odontol. Univ. Cidade São Paulo, São Paulo, v. 18, n. 3, p. 265-274, 2006.

COBRA, N. Jogar Xadrez Exige Preparo Físico: O xadrez é um esporte muito amplo. Blog Vya Estelar, 2016. Disponível em: https://www.vyaestelar.com.br/post/6112/jogar-xadrez-exige-preparo-fisico. Acesso em: 21 out. 2020.

EADE, J. Xadrez: o guia definitivo. Tradução LEAL, Marcos Malvezzi. São Paulo: Marco Zero, 2011.

FERRANCINI, L. G. Xadrez no currículo escolar ensinando xadrez para crianças a partir de 3 anos. 1º edição. Londrina/PR: Editora Midiograf, 1998.

FINATTI, R.; FERRAZ, C. B. O. Linguagem geográfica do jogo de xadrez: uma aproximação ao conceito de território e ao processo de ensino-aprendizagem. In: NUNES, F. G. (Org.). Ensino de geografia: novos olhares e práticas. Dourados, MS: UFGD, 2011. p. 61–99.

FISCHER, J. Como é fácil aprender xadrez. Porto Alegre: Editora Rígel, 1991.

GRASSI, T. M. Oficinas Psicopedagógicas. 2° ed. Curitiba: Ibpex, 2008.

HAESBAERT, R. O mito da desterritorialização: do “fim dos territórios” à multiterritorialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004.

HAESBAERT, R. Da Desterritorialização à Multiterritorialidade. Boletim Gaúcho de Geografia, Porto Alegre, v. 29, n. 1, 2003.

HORTON, B. J. Moderno dicionário de xadrez. Tradução de Flávio de Carvalho Junior. 3ª ed. São Paulo: Ibrasa, 1973.

KISHIMOTO. T. M. Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. São Paulo: Cortez, 2002.

LAUAND, L. J. O xadrez na Idade Média. São Paulo, 1988.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 5ª. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

RAFFESTIN, C. Por uma geografia do poder. São Paulo: Atica, 1993.

ROCHA. W. R. Jogo e o Xadrez: Entre Teorias e a História. 2009. Dissertação. (Mestrado) – Universidade Católica de Goiás, Departamento de História, Ciências Sociais e Relações Internacionais.

SÁ, A. V. M. Considerações gerais sobre a aprendizagem de xadrez no ensino. In: Brasil: Ministério do Esporte. Iniciação esportiva. Brasília: Cead/UnB, 2005. p. 151-160. v. 2.

SÁ, A. V. M.; SILVA, W.; SUNVE, J.; TONEGUTTI, C. A. Apontamentos sobre o ensino do xadrez no Brasil: o projeto nacional e o projeto do Paraná. In: SILVA, W. (Org.). Xadrez e educação: contribuições da ciência para o uso do jogo como instrumento pedagógico. Curitiba: Editora UFPR, 2012. cap. 15, p. 355-372.

SÁ, A. V. M.; REZENDE JÚNIOR, L. N.; MELO, W. A. Benefícios lúdicos e pedagógicos do xadrez. In: SÁ, A. V. M. (Org.). Ludicidade e suas interfaces. Brasília: Liber Livro, 2013. cap. 14, p. 265-281.

SANTOS, M. Espaço e método. São Paulo: Editora da USP, 2008.

SILVA, R. R. V. O Jogo de Xadrez como Recurso Didático-Padagógico nas Aulas de Educação Física. UFSC. Florianópolis/SC. Revista Motrivivência, ano XX, nº 31, p. 19-35, dez./2008.

SOARES, A. P.; SOARES, S. P.; O jogo de xadrez como metodologia para o ensino de geografia. Cadernos de Pesquisa/UFMA, São Luís, p. 01-12, 20 nov. 2014.

VERRI, J. B.; ENDLICH, A. M. A utilização de jogos aplicados no ensino de Geografia. Revista Percurso – NEMO, Maringá, v. 1, n. 1, p. 65-83, 2009.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1989.

Downloads

Publicado

2021-10-29

Como Citar

de Oliveira, Émerson D., Denez, C. C., & Peschisky, J. M. (2021). O uso do xadrez enquanto realização lúdica que favorece a aprendizagem e ensino de geografia na educação básica. Geografia Ensino & Pesquisa, 25, e29. https://doi.org/10.5902/2236499455326

Artigos Semelhantes

> >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.