Movimento #EleNão: reconhecimento e afirmação do ato de fala das mulheres na política

Maria Simone Vione Schwengber, Naira Leticia Giongo Mendes Pinheiro

Resumo


O foco deste artigo está em discutir a emergência de vozes das mulheres brasileiras na contemporaneidade – da condição de silêncio e inferiorização das “subalternas” até as fraturas e, por consequência, as falas e manifestações nas redes digitais e nas ruas. No artigo, propõe-se um debate sobre as seguintes questões: como tem se dado a passagem entre o silêncio e a fala das mulheres nos espaços públicos? A partir de que condições? Como corpus das análises, utilizamos o movimento #EleNão (2018). O percurso teórico-metodológico para a análise é inspirado na perspectiva foucaultiana do acontecimento discursivo. Das análises, destacamos que o movimento #EleNão reatualiza a luta do reconhecimento do outro da política – Elas. #EleNão emerge como política de performatividade, de ações corporais e gestuais de resistência, de exposição do direito de falar, de aparecer no sentido de existir, de lutar contra as precariedades das existências. #EleNão produz sentidos de ação política no imaginário social brasileiro, isto é, reposiciona certa saída da condição das mulheres como subalternas que não falam. #EleNão surge como espaço para tensionar/pensar o feminismo nos interstícios de suas igualdades e diferenças no campo das relações de gênero.


Palavras-chave


Mulheres; Fala; Reconhecimento.

Texto completo:

PDF HTML

Referências


AGÊNCIA BRASIL. IBGE: mulheres ganham menos que homens mesmo sendo maioria com ensino superior. Disponível em: http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2018-03/ibge-mulheres-ganham-menos-que-homens-mesmo-sendo-maioria-com-ensino-superior. Acesso em: 10 nov. 2018.

BUTLER, Judith. Corpos em Aliança e a Política das Ruas: Notas Sobre Uma Teoria Performativa de Assembleia. Trad. Fernanda Siqueira Miguens. São Paulo: Civilização Brasileira, 2018.

CARRILLO, Jesús. Entrevista com Beatriz Preciado. Cadernos Pagu, Campinas, n. 28, jun. 2007. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/cpa/n28/16.pdf. Acesso em 10 nov. 2018.

FACEBOOK. Disponível em: https://www.facebook.com/. Acesso em: 10 nov. 2018.

FOUCAULT, Michel. As palavras e as coisas. Uma arqueologia das ciências humanas. 1. ed. Lisboa: Portugalia, 1998.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. 18ª ed. São Paulo: Loyola, 2009.

HOLLANDA, Heloisa Buarque de. Explosão feminista: arte, cultura, política e universidade. 1. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

HOOKS, Bell. Feminism Is for Everybody: Passionate Politics, Cambridge, MA: South End Press, 2000.

MACKINNON, Catharine A. Feminism unmodified: discourses on life and law. Cambridge-Massachusetts: Harvard University Press, 1987.

MICHAELIS, Dicionário On-line. Subalterno. Disponível em: https://michaelis.uol.com.br/moderno-portugues/busca/portugues-brasileiro/subalterno/. Acesso em: 10 nov. 2018.

OKIN, Susan Moller. Gênero, o público e o privado. Estudos feministas, Florianópolis, n. 2, mai. 2008. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/S0104-026X2008000200002/8618. Acesso em: 10 nov. 2018.

PERROT, Michele. As Mulheres e os silêncios da História. Bauru, SP: EDUSC, 2005.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. A Critique of Postcolonial Reason: Towards a History of the Vanishing Present. Cambridge: Harevard university Press, 2010.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Critica del aragione postcoloniale. Roma: Meltemi, 2004.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar?. Tradução de Sandra R. Goulart Almeida; Marcos Feitosa; André Feitosa. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2014.




DOI: https://doi.org/10.5902/1984644436458

CONTATO:

E-mail: revistaeducacaoufsm@gmail.com

Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
Centro de Educação - Lapedoc - Prédio 16
Av. Roraima, 1000 - Cidade Universitária
97105-900 - Santa Maria - RS, Brasil.
Telefone: +55 55 3220 8795

Link: https://periodicos.ufsm.br/reveducacao


ISSN Eletrônico: 1984-6444

DOI: http://dx.doi.org/10.5902/19846444

Qualis/Capes: Educação A1

Periodicidade: Publicação contínua

O recebimento de artigos caracteriza-se por fluxo contínuo sem que seja possível prever a data de sua publicação.

 

A Revista Educação (UFSM) agradece auxílio recebido por meio do Edital Pró-Revistas, da Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa, da Universidade Federal de Santa Maria. 

This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International (CC BY 4.0).

Contador de visitas
click counter
Contador de visitas

Acessos a partir de 30/11/2016

____________________________________________________

    

SalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvar