https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/issue/feed Educação 2022-05-19T18:13:59-03:00 Educação (UFSM) revista.educacao@ufsm.br Open Journal Systems <p style="text-align: justify;">A Revista <strong>Educação (UFSM)</strong> tem como escopo a publicação de trabalhos inéditos e originais na área de Educação, resultantes de pesquisas científicas e reflexões teóricas sobre práticas e políticas educacionais. Os artigos podem ser publicados em Português, Inglês e Espanhol e, excepcionalmente, pode-se publicar artigos em Italiano, Francês e Alemão.</p> https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/47465 Redução e retrocessos na política de tempo integral na escola brasileira: do Programa Mais Educação ao Programa Novo Mais Educação 2021-02-22T14:20:46-03:00 Cintia Aurora Quaresma Cardoso cintiacard@yahoo.com.br Ney Cristina Monteiro de Oliveira neycmo@ufpa.br <p>O estudo tem como objetivo analisar comparativamente os macrocampos temáticos do Programa Mais Educação (PME) e do Programa Novo Mais Educação (PNME), no que se refere à proposta de formação integral do sujeito. Adota metodologicamente uma abordagem qualitativa, por meio de revisão bibliográfica e estudo documental. Os dados revelam que o PME, criado em 2007, foi a primeira tentativa a nível nacional de uma política pública de indução da educação integral, mas, apresentou percalços durante sua implementação e permanência nas escolas, decorrentes de problemas estruturais na educação pública brasileira. Em 2016, o Programa foi substituído pelo PNME; neste, embora se tenha incorporado, da versão anterior, os macrocampos Esporte, Lazer, Arte e Cultura, estas atividades têm como objetivo impulsionar a melhoria da aprendizagem do Português e da Matemática, o que evidencia uma matriz formativa reduzida à dimensão cognitiva de conteúdos curriculares relativos apenas à leitura e ao cálculo matemático, para serem testados nas avaliações nacionais, distante, assim, do ideal de formação plena do indivíduo.</p> 2022-01-28T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Educação (UFSM) https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/44237 Formação continuada de professores da educação superior no IFTM, no município de Uberaba (MG) – “modelo” de transformação 2021-01-26T16:04:52-03:00 Elisabete Ferreira Borges elisabete_borges@uol.com.br Welisson Marques welissonmarques@iftm.edu.br <p>Este artigo faz reflexões sobre professores que atuam na educação superior do IFTM, no município de Uberaba – MG, e a partir daí, ressalta alguns dilemas da profissão docente que justificam a construção de um “modelo” de transformação continuada docente. A proposta do modelo está alicerçada nas políticas educacionais vigentes, nos conhecimentos científicos da área e em uma investigação de natureza empírica. A escolha da educação superior se deu pelo fato de se tratar de uma realidade recente no IFTM e, por isso, apresenta desafios que estão exigindo estudos e análises. A pesquisa teve como referencial teórico o método materialista histórico dialético. Todavia, buscou-se a contribuição de autores com outros enfoques para facilitar a compreensão do contexto analisado repleto de contradições. Embora a proposta de criação dos Institutos Federais, segundo Pacheco (2011), tenha ocorrido na perspectiva do materialismo histórico dialético, a forte tradição tecnicista da instituição faz com que a proposta se insira em um contexto de contradições atreladas às expectativas neoliberais e economicistas. Refletir sobre essas contradições possibilita a compreensão do contexto em uma perspectiva diferente do habitual na instituição. A análise empírica remete a um contexto que ao ser conhecido revela suas características organizacionais, os sujeitos que ali atuam e a cultura organizacional. Conclui-se que refletir sobre a função de promover o desenvolvimento das atividades mentais superiores responsáveis pelo processo de humanização do homem e finalidade específica da educação escolar é inerente ao “modelo” de transformação docente.</p> 2022-01-28T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Educação (UFSM) https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/44488 Da simulação computacional ao uso das representações visuais: desenvolvendo práticas epistêmicas em aulas de Química 2020-10-14T09:47:52-03:00 Edyth Priscilla Campos Silva edyth_pri@hotmail.com Fernando César Silva fcsquimico@yahoo.com.br <p>Considerando a construção do conhecimento científico a partir da proposição, comunicação e avaliação de ideias, buscou-se, no contexto de uma sala de aula, investigar se o uso de representações visuais, considerando-o como uma prática epistêmica, pode ser oportunizado por meio de uma simulação computacional. A sequência didática foi aplicada em uma turma de 3° ano do Ensino Médio de uma escola pública de Minas Gerais. Os dados foram gerados a partir dos registros escritos produzidos pelos estudantes durante a sequência, visto que as práticas epistêmicas também são intertextuais. A análise dos dados foi realizada por meio da Análise Textual Discursiva, revelando que a simulação computacional, por meio de uma abordagem investigativa proposta pelo professor, permitiu o uso das representações visuais, além de outras práticas epistêmicas, como elaborar hipótese, construir dados, concluir, explicar e generalizar. A dinamicidade do simulador favoreceu o contato dos estudantes com diferentes representações visuais, o que pode ter permitido o seu uso. A oportunização dessa prática epistêmica é importante no Ensino de Química, pois as representações visuais usadas nessa ciência são componentes dos argumentos mobilizados na defesa das ideias. O planejamento de aulas visando a oportunização dessa prática, por meio de um simulador, e a abordagem investigativa do professor podem contribuir para que o uso das representações visuais surja como necessário no processo de investigação, daí ser considerado como uma prática epistêmica, e não como uma ilustração para atender uma formalização da Química.</p> 2022-01-28T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Educação (UFSM) https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/46935 O tempo da docência no ensino médio a partir de narrativas biográficas de professores 2021-03-01T08:50:41-03:00 Luiz Antônio Araújo luiraujo@gmail.com Maria Amália Almeida Cunha amalia.fae@gmail.com Licinia Maria Correa liciniacorrea1@gmail.com <p>Este artigo analisa, através de um estudo de caso, as experiências e as vivências dos professores no ensino médio e os desafios laborais, temporais e afetivos que lhes são impostos no exercício diário da docência. Para tanto, utiliza como aporte teórico autores como Josso (2004), Hargreaves (1998), Huberman (1985) e Goodson (1985), a fim de fundamentar as percepções dos docentes acerca do seu trabalho. A análise aqui apresentada procura contribuir para os estudos sobre os ciclos e fases na carreira docente, ao enfatizar a importância da experiência vital dos professores sobre a sua prática profissional. Assim, o artigo está dividido em duas seções, além da introdução. A primeira seção destaca algumas sínteses biográficas dos professores, tendo como cenário a docência no ensino médio. A segunda seção discute os ciclos da vida profissional dos professores a partir de suas biografias. Por fim, as conclusões procuram captar o sentido do ser e estar professor do Ensino Médio na rede pública estadual de ensino de Minas Gerais.</p> 2022-01-28T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Educação (UFSM) https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/47075 A formação do educador no âmbito da educação não formal 2021-04-15T10:46:58-03:00 Marleide Rodrigues da Silva Perrude marleideperrude@gmail.com Ana Lucia Ferreira Silva a.ferreira@uel.br <p>Este trabalho tem como foco discutir a formação do educador que atua em espaços de educação não formal. Por meio de um estudo teórico, tem-se como objetivo analisar aspectos relativos à formação do educador que atua nestes espaços, além de problematizar sua atuação no que respeita a suas ações e práticas pedagógicas. O estudo parte da seguinte indagação: quais princípios devem nortear as ações de educadores que atuam no âmbito da educação não formal? O estudo é ancorado em pesquisa bibliográfica e análise qualitativa. A pesquisa revela que a formação do educador para atuar em espaços não formais não se dá de forma espontânea e nem apenas no âmbito teórico ou no âmbito da prática. Esta formação deve ter como elemento norteador o compromisso tanto de quem oferece a formação, quanto do sujeito/educador, sendo, portanto, uma via de mão dupla. A formação do educador se faz na <em>práxis</em>. Conclui-se, destacando a necessidade de pensar a formação e a atuação do educador, fundamentada na capacidade de comprometer-se com o trabalho na constante interação com o contexto em que sua ação educativa é desenvolvida.</p> 2022-01-28T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Educação (UFSM) https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/47227 Condições de trabalho docente na escola da atualidade: demandas e desafios, na percepção de educadores da rede pública estadual paulista 2020-09-10T14:48:17-03:00 Vera Maria Nigro de Souza Placco veraplacco7@gmail.com Luciana Andréa Afonso Sigalla luciana.sigalla@gmail.com Simone Pannocchia Tahan simone@parthenonplus.com Luzia Angelina Marino Orsolon luorsolon@uol.com.br Gabriela Argolo gabrielasargolo@gmail.com <p>Este artigo apresenta um recorte da pesquisa-mãe “Desafios da escola na atualidade: qual escola para o século XXI? Uma pesquisa com vários atores no estado de São Paulo” – aprovada pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) em 2017 (Chamada nº 22/2016 – Pesquisa Inovação em Ciências Humanas, Sociais e Sociais Aplicadas) e desenvolvida pelo grupo de pesquisa Contexto Escolar, Processos Identitários da Formação de Professores e Alunos da Educação Básica (CEPId) – e tem como foco apontar a análise dos resultados obtidos no eixo Condições de Trabalho Docente, que teve como objetivo identificar a percepção que educadores da rede pública estadual paulista têm das condições de trabalho docente e de como tais condições interferem ou não na realização de seu trabalho. Participaram da pesquisa 5.005 educadores da rede supracitada, cujos dados foram coletados por meio de questionário <em>on-line</em>, viabilizado por uma plataforma digital. A fundamentação teórica que pautou a análise dos dados baseou-se em documentos oficiais da legislação brasileira e em estudos acerca do “trabalho docente” e das “condições de trabalho docente”. Ao se confrontarem os objetivos da análise nesse eixo com os dados obtidos nos questionários, buscou-se compreender os reais desafios da escola, principalmente no que concerne às condições (materiais e imateriais) necessárias para o exercício do trabalho docente. Entende-se que, no Brasil, esse tema não tem recebido atenção suficiente por parte dos governantes, sendo fundamental a construção e a efetivação de políticas públicas que visem à melhoria das condições do trabalho docente e, consequentemente, à aprendizagem dos alunos.</p> 2022-01-28T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Educação (UFSM) https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/47978 Educação estética mediada pelo patrimônio cultural: experiências, sentidos e afetos na formação de professores 2020-09-21T15:39:57-03:00 Tânia Maria de Sousa França tania.franca@uece.br José Albio Moreira de Sales albiosales@gmail.com Lia Machado Fiuza Fialho lia_fialho@yahoo.com.br <p>Este trabalho tem como objetivo compreender como a educação estética, a partir de experiências significativas com elementos do patrimônio cultural individual/coletivo da cidade de Viçosa do Ceará, pode mobilizar sentidos e afetos na formação de professores. Trata-se de um estudo de natureza qualitativa e multirreferencial, no qual se adota uma postura <em>bricoleur</em> envolvendo elemento do fazer da ciência e do artesanal. Para tanto, como aportes teóricos, trazem-se estudos de Freire (1998), Larrosa (2014), Varine (2012), dentre outros. A reflexão/investigação foi realizada através de uma pesquisa-formação com professores da cidade de Viçosa do Ceará, uma cidade histórica. Utilizaram-se atividades prático-teóricas, envolvendo experiências pessoais e coletivas, com acervos materiais e imateriais de elementos da cultura local para a produção de dados. Como achados, em relação às possibilidades de aprendizagem para a área de formação de professores, os relatos dos colaboradores demonstraram a possibilidade da mediação realizada pelo patrimônio cultural na provocação de experiências estéticas com elementos afetivos individuais e coletivos. Como aspectos conclusivos, pode-se dizer que a mediação demonstrou que os exercícios com o patrimônio reforçaram o sentimento de pertencimento dos participantes, ampliando as possibilidades de atribuição de sentido pessoal e coletivo ao conjunto de bens materiais e imateriais que constituem a cidade. Os exercícios contribuíram para a transformação de sentidos, aprimorando a elaboração de um olhar e de uma escuta mais sensível, através dos quais é possível perceber sentidos e afetos que entrelaçam a formação de professores, a educação estética, a cidade e o patrimônio cultural.</p> 2022-01-28T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Educação (UFSM) https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/48049 História Oral das mulheres usuárias da Assistência Social: diálogos com a Educação Não Formal 2021-06-15T10:12:35-03:00 Patrícia Cristina Antonietto pantonietto@yahoo.com.br Lívia Morais Garcia Lima liviamglima@gmail.com <p>O presente trabalho visa conhecer e analisar os significados que as usuárias atribuem às ações educativas desenvolvidas nos serviços de Proteção e Atendimento Integral à Família e Serviço de Convivência (PAIF) e Fortalecimento de Vínculos (SCFV) na cidade de Americana/SP, concebidos pela Política Nacional de Assistência Social. A revisão bibliográfica subsidiou a pesquisa de campo, utilizando-se para tal a metodologia de História Oral, na modalidade de depoimento oral. É por meio das vozes das mulheres que os efeitos da ação educativa desenvolvida nos serviços se fazem conhecer, assinalando a importância dos espaços grupais como mediadores da aprendizagem e de perspectivas para o fortalecimento dos vínculos comunitários, uma vez que permitem a identificação e percepção de classe, de coletivo. A História Oral desvela outra realidade que para a mídia não interessa mostrar. Por fim, a nebulosa relação entre Assistência Social e Educação Não Formal, que pode contribuir para o fortalecimento grupal, combinando novas possibilidades metodológicas da Educação Não Formal com o poder de alcance que o status de política social dá à Assistência Social.</p> 2022-01-28T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Educação (UFSM) https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/48314 Práticas de Gênero em uma Universidade: um estudo arquivístico 2020-09-06T15:36:50-03:00 Inauã Weirich Ribeiro iwribeiro@universo.univates.br Angélica Vier Munhoz angelicavmunhoz@gmail.com Priscila Pavan Detoni ppavandetoni@gmail.com <p>Este artigo é o recorte de uma dissertação de Mestrado em Ensino que teve apoio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Ensino Superior - CAPES - e da Fundação de Amparo à Pesquisa do Rio Grande do Sul - FAPERGS -. A dissertação “Práticas de Gênero do Currículo da Univates: uma perspectiva arquivística e imoralista” partiu da questão: de que modo o currículo da Universidade do Vale do Taquari – Univates vem performando práticas de gênero? No referido artigo, buscou-se apresentar o aporte conceitual-metodológico da pesquisa, cuja abordagem arqueogenealógica tomou, por uma via, os estudos de Michel Foucault (2009; 2013) em torno da noção de arquivo e, por outra, a noção de performatividade de gênero de Judith Butler (2017). O arquivo das práticas de gênero da Universidade do Vale do Taquari - Univates foi produzido de modo localizado, de maneira que se tomou os documentos gerados pela instituição como condições de possibilidade para a emergência de práticas de gênero. Destaca-se que tais práticas só foram possíveis em um tempo-espaço no qual há diversos conflitos/disputas em torno das políticas afirmativas atinentes a essa secção. Como resultados foram visibilizadas nove práticas de gênero na instituição investigada, as quais mostram um processo de tensionamento da performatividade de gênero por parte da própria Universidade.</p> 2022-01-28T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Educação (UFSM) https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/65206 Educação do campo no Brasil: da lona preta à academia 2021-10-25T10:32:14-03:00 Isaura Isabel Conte isaura.conte@unir.br Edivânia de Souza edivaniadesouza1991@gmail.com <p>Este artigo de revisão bibliográfica sistemática e também narrativa versa sobre Educação do Campo no Brasil, considerando sua gênese com o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra; sua trajetória na política pública brasileira; e, temas mais discutidos segundo artigos científicos publicados na base de dados da Capes entre 1998 a 2018. Destaca-se como relevante a não separação da Educação do Campo da luta dos movimentos sociais, caso contrário, se não fosse a lona preta/escola itinerante, não existiria e, entre articulações e embates se deram as conquistas na Legislação. Neste aspecto a articulação nacional Por Uma Educação (básica) do Campo teve um papel fundamental. Os temas mais estudados na academia são: formação de professores/currículo; movimentos sociais; escola do campo; legislação e políticas públicas. A pesquisa no Estado de Rondônia evidencia as Escolas Família Agrícolas com força, assim como, os eventos dão destaque a publicações sobre o Educampo do município de Ji-Paraná.</p> 2022-01-28T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Educação (UFSM) https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/47888 Performances da cultura contemporânea 2021-06-16T09:35:43-03:00 Cristiane Ludwig Araújo crisludwig@yahoo.com.br Ana Luiza Ruschel Nunes analuizaruschel@gmail.com Amarildo Luiz Trevisan trevisanamarildo@gmail.com <p>Este artigo tem a intenção de refletir sobre a possibilidade de compreensão dos efeitos das imagens da formação cultural na prática educativa, a fim de construir significações contextualizadas com o mundo da vida. O trabalho oriundo de pesquisa teórico-bibliográfica propõe, por intermédio do diagnóstico da formação cultural, de Adorno, da Teoria da Ação Comunicativa, de Jürgen Habermas, e da incorporação dos aportes da estética, da semiótica e da hermenêutica, conferir uma nova moldura à discussão pedagógica, frente a <em>performances</em> da cultura atual. A pragmática da linguagem, ancorada na intersubjetividade da compreensão, pode auxiliar o sujeito a libertar-se das coações metafísicas, do condicionamento mercadológico, da racionalização e a desvendar sentidos, valores e significados que orientam sua ação ética no mundo. Nessa perspectiva, é possível alcançar, por um lado, uma educação orientada para o entendimento comunicativo e compromissada com o uso público da razão; e, por outro, o refinamento do gosto estético do educando sobre a comunicação imagética. Acredita-se, portanto, que a ação educativa, por meio de intervenções contextualizadas com o mundo vivido, abre a possibilidade para a pluralidade, para a alteridade e o reconhecimento do outro, no sentido de promover o respeito às diferenças e ao gosto, considerando a singularidade dos valores advindos do cotidiano.</p> 2022-03-08T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Educação (UFSM) https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/45284 Sala de aula invertida: Emancipação de mestres e aprendizes à luz das ideias de Freire e Ranciére 2020-08-03T10:35:40-03:00 Luiz Maurício Bentim da Rocha Menezes lmbrmenezes@yahoo.com.br Selma Maria de Oliveira selma.maria09@gmail.com <p>Os autores Jacques Rancière e Paulo Freire em suas obras asseveravam sobre a importância da educação como uma prática de liberdade, sem hierarquização, que conduza os alunos para uma emancipação intelectual. Nossa reflexão é sobre a presença destes ideais na adoção da metodologia da Sala de Aula Invertida para respondermos de que forma o uso dessa estratégia contempla os preceitos destes pensadores, na perspectiva da emancipação, da igualdade das inteligências de alunos e professores. O objetivo geral do estudo é refletir criticamente sobre como a Sala de Aula Invertida contribui para a emancipação de alunos e professores à luz das ideias de Freire e Rancière, bem como identificar os pilares que dão sustentação à metodologia de inversão da aprendizagem e extrapolar a concepção tradicional do ofício de ser professor como um mero explicador. Infere-se que o objeto escolhido para estudo poderá abalizar a adoção desta nova metodologia, contribuindo para práticas pedagógicas que colaborem para a construção de uma educação emancipadora, igualitária, pautada em valores éticos e alicerces sólidos que permitam ao indivíduo não só estar no mundo, mas ser parte integrante dele, problematizando, reconhecendo-se e intervindo. A pesquisa tem uma abordagem qualitativa e procedimento bibliográfico, compondo uma tessitura de reflexões e considerações para confirmação ou não da hipótese inicial. Sua relevância centra-se na possibilidade de identificar na Sala de Aula Invertida, além de uma estratégia do uso da tecnologia a favor da aprendizagem, também um potencial para o exercício emancipatório de professores e alunos, na prática da igualdade das inteligências. Neste viés, será destacado o poder do diálogo, a relevância da dúvida e da curiosidade como pontes para o conhecimento, apontando que as convicções de Freire e Rancière são possíveis de concretização e estão presentes no desenvolvimento desta estratégia tão contemporânea. </p> 2022-02-24T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Educação (UFSM) https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/47403 A relação entre o campo de possibilidades e o projeto de vida de jovens em situação de conflito escolar 2021-10-18T11:00:55-03:00 Eunice Maria Nazarethe Nonato eunicenazarethe@hotmail.com Edmarcius Carvalho Novaes edmarcius@hotmail.com Ana Cristina Marques Lemos tinalemosgv@outlook.com Lorena Silva Vitório lorena_svitorio@hotmail.com Aline Santos Pessotti de Oliveira a.pessotti48@gmail.com <p>O artigo suscita a discussão sobre a relação da juventude e seu projeto de vida, oriunda de uma oficina nominada ‘Escola de Liderança’, realizada com jovens que se encontravam em situação de conflito escolar e que, de algum modo, manifestavam liderança entre seus pares. Através de um questionário aplicado para refletirem sobre o futuro a partir do tempo atual, e com os dados sociodemográficos encontrados nas fichas de matrícula destes jovens, tornou-se possível problematizar qual seria a relação entre o campo de possibilidades existentes com o projeto de vida destes jovens em conflito escolar. Trata-se de um estudo interdisciplinar, qualitativo, descritivo, exploratório e bibliográfico. Constata-se que o contexto social e o campo de possibilidades desses jovens traçam seus projetos de vida, muitos baseados em desejos e objetos representativos de ostentação, luxo e poder – os quais podem ser acessados sobretudo pela via da criminalidade, uma vez as atuais condições sociais existentes e que se encontram vinculados.</p> 2022-02-24T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Educação (UFSM) https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/48336 Espaçotempos na UniverS/Cidade: novas visibilidades aos olhares estudantis 2021-04-30T20:02:37-03:00 Jardel Pelissari Machado machadojardel@gmail.com Andréa Vieira Zanella avzanella@gmail.com <p>Inserido no campo dos estudos sobre a Educação Superior Brasileira, este trabalho tem por objetivo analisar respostas/posicionamentos de estudantes de graduação de uma universidade pública brasileira às dimensões e possibilidades espaçotemporais em suas vidas acadêmicas. Para tal, com base na filosofia da linguagem do Círculo de Bakhtin e na Filosofia Crítica, foi realizada uma pesquisa de caráter interventivo com Oficinas de fotografia, as quais produziram dados compostos por fotografias, diários de campo e transcrições de diálogos. Ao analisar os dados, discute-se sobre: a organização discursiva espaçotemporal da vida acadêmica e seus efeitos aos processos de produção de subjetividades das/os estudantes; a não homogeneidade e não linearidade dos espaçotempos na vida universitária; criação de novos olhares, sensibilidades, pensabilidades e possibilidades de ação a partir da instauração e convite a tempos lentos. Conclui-se sobre a necessidade de criação e visibilização de espaçotempos lentos, que permitam a apropriação crítica dos processos por aquelas/es que os vivenciam.</p> 2022-02-25T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Educação (UFSM) https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/63197 Percepções sobre extensão por parte dos docentes e discentes de graduação 2021-10-25T07:44:24-03:00 Leopoldina Francimar Amorim Coelho Diniz leopoldina.amorim@ifsertao-pe.edu.br Geida Maria Cavalcanti de Sousa geida.cavalcanti@gmail.com Dennis Marinho Oliveira Ramalho de Souza dennismarinho@gmail.com <p>Diante da importância da temática extensão universitária no Brasil, desde o final do séc. XIX, sendo incluída como a terceira missão da universidade, juntamente ao ensino e a pesquisa, buscou-se adentrar neste contexto, acompanhando essa conquista que, aos poucos, vem adquirindo mais espaço e sendo passível à distorções. Constam, nesse relatório, os resultados da pesquisa realizada no Instituto Federal do Sertão Pernambucano, especificamente no campus Petrolina, cujo objetivo foi analisar a percepção dos discentes e docentes dos cursos superiores com relação à extensão frente as suas políticas, ações e diretrizes. Numa abordagem quantitativa, foi aplicado questionário online, tipo escala <em>Likert</em>, com os docentes ativos nos cursos superiores e discentes matriculados em cursos superiores de Licenciaturas em Música, Computação, Química, Física e no curso de Tecnologia de Alimentos do segundo semestre de 2019. O contato com os participantes foi por e-mail, via <em>Whats-App</em> e com visitas <em>in loco</em>. Os resultados apontam que o campus Petrolina está politicamente ativo e engajado em desenvolver ações de extensão, sendo perceptível pela maioria dos pesquisados, mesmo identificando-se algumas lacunas na comunicação, nas possibilidades de atuação e aprofundamento nas diretrizes extensionistas. Conclui-se que a extensão está sendo praticada pelos interlocutores, necessitando, ainda, aprofundar os conhecimentos com relação ao conceito, diretrizes e possibilidades extensionistas.</p> 2022-02-25T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Educação (UFSM) https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/61888 Estudo descritivo sobre a formação continuada dos professores de Arte das escolas estaduais da capital sergipana. 2021-12-03T11:48:49-03:00 Jorge Luis Santana Luduvice jorginho.luduvice12@gmail.com Luiz Anselmo Menezes Santos luizanselmomenezes@gmail.com Fabio Kalil de Souza fabioksouza@gmail.com <p>O presente artigo é fruto de uma dissertação de mestrado vinculada à linha de pesquisa formação de educadores, no PPGED-UFS. O objetivo geral deste estudo foi descrever o posicionamento dos professores de Arte diante do seu processo de formação continuada. Seus objetivos específicos são: caracterizar os problemas pedagógicos no que se refere ao ensino de Arte, com ênfase na sua origem e no modo como os professores os resolvem; compreender a conexão que esses professores estabelecem no que diz respeito à polivalência das linguagens artísticas; e relacionar essas questões com o ciclo de vida profissional com o aspecto da motivação e da procura para a realização das diferentes modalidades de formação continuada. A pesquisa está configurada em uma abordagem qualitativa, de cunho descritivo. Os instrumentos utilizados para a coleta dos dados qualitativos foram 30 questionários com questões fechadas e 10 entrevistas semiestruturadas. A base teórica dessa investigação está organizada a partir da compreensão da formação continuada como um elemento deontológico da profissão docente e da caracterização da docência do componente curricular Arte. Os resultados alcançados demonstram diversos aspectos que podem incidir no planejamento de práticas formativas destinadas aos professores de Artes.</p> 2022-02-25T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Educação (UFSM) https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/53291 O Curso de Dança na Educação e a Escolinha de Arte do Brasil (Rio de Janeiro, 1970 -1975) 2020-11-27T10:40:36-03:00 Alexsander Barbozza da Silva abarbozza@outlook.com Letícia Damasceno leticiadamasceno85@gmail.com <p>Este trabalho dançante/educativo tem como objetivo compreender o Curso de Dança na Educação organizado pela Escolinha de Arte do Brasil (EAB), no Rio de Janeiro, entre os anos de 1970 a 1975. Inicialmente, tentamos construir um diálogo teórico a respeito das correntes sócio filosóficas que fundamentam os estudos acerca do Ensino de Dança escolar brasileiro, tomando como base as pesquisas desenvolvidas pelas professoras Adriana Gehres (2008) e Ana Paula Abrahamian Souza (2010). Posteriormente, apresentaremos as duas sequências de movimentos educativos intitulados: (1) Um diálogo a respeito da Dança e seu ensino na Escolinha de Arte do Brasil - EAB e no Movimento Escolinhas de Arte – MEA, e (2) O Curso de Dança na Educação – CDE. Na primeira sequência, apresentaremos um pequeno recorte sobre a história da EAB e do MEA, abordando como o Ensino de Dança é contemplado nesse movimento, na segunda sequência, descrevemos os ideais do Curso de Dança na Educação, sua organização e o período na qual foi realizado. Neste período, a artista-docente da dança Maria Fux foi a responsável por mediar os processos de ensino-aprendizagem dessa linguagem artística no curso. Em virtude da pesquisa realizada, percebemos aproximações entre as práticas artísticas/dançantes desenvolvidas pelo CDE e os pressupostos empiristas em Dança. Assim expomos reflexões, assinalando ainda, um diálogo direto com as propostas indicadas pela dançarina norte-americana Isadora Duncan (1877-1927).</p> 2022-02-25T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Educação (UFSM) https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/48109 Objeto propositor poético na produção do evento pedagógico 2021-02-17T14:21:58-03:00 Andrea Hofstaetter andrea.hofstaetter@gmail.com <p>As Atividades de Allan Kaprow e a ideia de Pedagogia como evento, de Dennis Atkinson, são chave para pensar na criação de uma proposta de Objeto propositor poético e na atuação docente como atuação criativa. Transformar a ideia de materiais didáticos para Artes Visuais significa repensar processos educativos visando transformações não só nos modos de aprender, mas também nas formas de relacionar-se e de ocupar os espaços, utilizando o corpo, proporcionando diálogos e compartilhamento de saberes, além de incluir aspectos lúdicos e imaginativos. O principal objetivo da pesquisa, que tem como foco a criação de materiais educativos como ato poético, é reativar o conceito de material didático, buscando referenciais artísticos e teóricos que orientem a produção desses materiais, intencionalmente concebidos para utilização em experiências de aprendizagem que operem no cruzamento entre o ato artístico e o ato pedagógico. A problemática central da investigação é levantar possibilidades de concepção e de produção de objetos propositores poéticos para Artes Visuais, que sejam desencadeadores de vivências poéticas, como as produzidas no contato com obras artísticas que propõem participação e ação do público. Esta etapa da pesquisase constitui no aprofundamento dos estudos teóricos e busca de novos referenciais artísticos e na criação, uso experimental e avaliação de materiais propositores de aprendizagem em Artes Visuais, numa perspectiva poética. O artigo apresenta um Objeto propositor poético criado, sua relação com um dos referenciais teóricos da pesquisa e com um dos principais referenciais artísticos utilizados.</p> 2022-02-25T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Educação (UFSM) https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/48112 Os sinais de pontuação e o texto acadêmico-argumentativo: uma intervenção pedagógica sobre a escrita de estudantes de Pedagogia a distância 2021-08-04T08:44:37-03:00 Rafael Fonseca de Castro castro@gmail.com Magda Floriana Damiani flodamiani@gmail.com <p>Este artigo é fruto de uma pesquisa de doutorado que investigou a evolução da escrita de estudantes de Pedagogia a distância de uma universidade do sul do Brasil. Sua relevância ancora-se nos resultados alarmantes, relativos ao uso/domínio da escrita entre universitários brasileiros, o que preocupa, especialmente, nos casos de futuras professoras da Educação Básica. Tratou-se de uma pesquisa de abordagem qualitativa, do tipo intervenção pedagógica: investigação que envolve o planejamento e a implementação de interferências, ou seja, mudanças, inovações pedagógicas destinadas a produzir avanços/aprimoramentos em processos educacionais, e a avaliação dos seus efeitos. Durante sete semestres, foram realizadas atividades pedagógicas sistematizadas e minucioso acompanhamento interventivo em textos de três acadêmicas, adotando, como base teórico-metodológica, a Teoria Histórico-Cultural, em diálogo com a Linguística Textual e dicas sobre pontuação de Noah Lukeman. Para o recorte aqui apresentado, foram utilizados os dados coletados via análise documental, dos textos das acadêmicas, em termos linguísticos e gramaticais, destacando os resultados relativos ao uso da pontuação. Escritores menos experientes tendem a não usar sinais de pontuação adequadamente, gerando ambiguidades e períodos demasiadamente longos, constituídos por orações mal conectadas. Tal tendência, somada à virgulação incorreta e inadequada, prejudica a interpretação dos textos por eles escritos. Mesmo as três acadêmicas ainda apresentando períodos demasiado longos e uso equivocado de vírgulas, em seus Trabalhos de Conclusão de Curso (último texto escrito no curso de Pedagogia), foi notória a diminuição dessas deficiências, sendo possível inferir que as intervenções contribuíram para a melhoria dos textos.</p> 2022-02-25T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Educação (UFSM) https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/52421 Educação (em tempo) Integral e Proteção Social na Baixada Fluminense: Retratos de uma Trajetória Conjunta 2021-04-26T13:56:37-03:00 Margareth Correa Silva margarethcorreas@gmail.com Janaina Specht da Silva Menezes janainamenezes@hotmail.com <p>No Brasil, a trajetória desigual e injusta de grande parte dos estudantes vem contribuindo para que, no contexto das políticas públicas em educação, avancem as discussões acerca da necessidade de ampliar a jornada escolar para o tempo integral.</p> <p>A oferta do tempo integral, tendo como uma de suas intenções o oferecimento de maiores oportunidades educacionais, vem sendo, cada vez mais, associada ao atendimento a alunos em situação de vulnerabilidade social, condição essa associada à ideia de proteção social. Sob essa perspectiva, este trabalho – que tem como objetivo discutir as relações entre educação em tempo integral e proteção social, no contexto da educação básica pública – partindo de pesquisas bibliográfica e documental, delimita como campo de investigação uma escola pública, localizada na Baixada Fluminense, que desenvolve uma proposta de educação em tempo integral e cuja maioria dos alunos vivencia, em maior ou menor grau, a condição de vulnerabilidade social. A partir de discussões teóricas, o artigo apresenta o conceito de proteção social como relacionado não apenas à concretude da sobrevivência humana, englobando, também, aspectos que buscam assegurar uma cidadania plena, como as condições socioculturais, dentre as quais a educação se insere. Revela ainda, entre seus resultados, que a proposta de educação em tempo integral pesquisada, ao oferecer uma formação escolar mais ampla, caminha na direção da inclusão social e da garantia dos direitos sociais, assumindo assim um caráter de política de proteção social, matéria relevante, tendo em vista as dinâmicas de desigualdade fortemente estruturadas em nosso país.</p> 2022-05-20T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Educação (UFSM) https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/48215 O ensino de Língua Portuguesa na sociedade contemporânea: do Estudo da Arte à construção de Letramentos didático-digitais 2021-04-15T09:42:02-03:00 Ana Patricia Sá Martins APSM121285@GMAIL.COM Dorotea Frank Kersch doroteafk@unisinos.br <p>A influência das tecnologias digitais nas práticas sociais letradas contemporâneas demanda competências didáticas dos professores. Assim, o ensino oferecido nos cursos de formação de professores precisa dialogar com a nova realidade da linguagem, em que todos estão conectados. Neste sentido, objetiva-se discutir a proposição de um Programa de Multiletramentos Didáticos que oportunizou o desenvolvimento de letramentos didático-digitais de professores em formação. Foi feito um levantamento de teses na Biblioteca Digital de Teses e Dissertações (2000–2018) do Brasil, bem como de artigos publicados na Revista Latino-americana de Tecnologia Educativa (2002-2017), com o objetivo de identificar quais as tendências que as produções acadêmicas apresentam nas investigações sobre letramento digital na formação de professores. Por meio de pesquisa bibliográfica, analítica e descritiva, numa perspectiva metodológica de Estado da Arte, chegou-se à lacuna para propor o Programa de Multiletramentos Didáticos. Com base nos Estudos de Letramentos, estudos sobre Formação de professores e na Escrita reflexiva, percebeu-se que as pesquisas são ainda incipientes ao tratar do letramento digital de professores sob o aspecto didático. Isso dificulta a apropriação dos artefatos tecnológicos como instrumentos de ensino. Diante disso, apresenta-se o percurso de ensino-aprendizagem colaborativo que oportunizou aos professores em formação a construção de seus letramentos didático-digitais.</p> 2022-05-20T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Educação (UFSM) https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/48232 A documentação pedagógica como ferramenta para dar visibilidade à criança que existe no sujeito-infantil tido como anormal na educação infantil 2021-05-20T19:08:47-03:00 Circe Mara Marques circemaramarques@gmail.com Vera Lúcia Simão vsimao2@gmail.com Marlene Zwierewicz marlenezwie@yahoo.com.br <p>Esta pesquisa-ação trata da documentação pedagógica dos processos de inclusão na educação infantil. A obrigatoriedade de matrícula aos 4 anos, a inclusão das crianças com deficiência na escola regular e a expedição de documento escolar que ateste os processos de desenvolvimento e aprendizagem são determinações legais que impactam a educação infantil. Nesse sentido, a questão mobilizadora do estudo é saber quais verdades são produzidas sobre as crianças com deficiência na documentação pedagógica na educação infantil. Buscou-se conhecer os propósitos e modos como os professores documentam os processos de inclusão para problematizar os efeitos dessa documentação na produção do sujeito infantil a/normal. A metodologia consistiu na realização de observações e rodas de conversa com oito professoras de escolas públicas de educação infantil. A análise da documentação produzida pelas participantes acerca dos processos de inclusão transitou no campo teórico da Sociologia da Infância e estudos foucaultianos. Os resultados mostraram que os registros das experiências vividas pelas crianças com deficiência no contexto escolar são, de certo modo, negligenciados e/ou produzidos em momentos pontuais, destacando as necessidades e dificuldades em detrimento dos direitos e aprendizagens. A pesquisa deu visibilidade às possibilidades da formação continuada de professores em um diálogo entre a universidade e as escolas públicas para produzir outros modos de ser professor/a de crianças com deficiência e, também, outros modos de incluí-las na educação infantil. O estudo pode inspirar outros professores a romper a díade normal/anormal e aprender a conhecer a criança que habita no sujeito tido como anormal.</p> 2022-05-20T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Educação (UFSM) https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/53288 “Vai que a universidade se Trans*Forma”: experiências e epistemologias trans* 2020-12-15T09:32:03-03:00 Késia dos Anjos Rocha kesiaanjos@gmail.com Ariel Matos Brito arielmatos236@gmail.com Alfrancio Ferreira Dias diasalfrancio@gmail.com <p>O artigo apresenta alguns dos resultados e reflexões produzidos a partir da pesquisa <em>Escrevivências Trans* como potência,</em> desenvolvida na Universidade Federal de Sergipe (UFS) entre agosto de 2019 e julho de 2020. A partir de relatos e entrevistas com estudantes trans* do ensino superior da UFS, procuramos discutir uma epistemologia sobre ser trans* na universidade e sobre como essas existências contribuem para ressignificar a dinâmica espacial e relacional daquele espaço. Os saberes que advém da presença de pessoas trans* na universidade se apresentam como potentes estratégias de subversão da epistemologia binária que a compõe. A pesquisa adota uma metodologia qualitativa, que busca observar essas experiências sem a intenção de julgá-las, mas tomando forma de aprendizado com as diferenças. Embasamos nossas análises nos preceitos dos estudos de gênero, das teorias transfemistas e <em>queer</em> e procuramos apontar algumas das potencialidades das produções epistemológicas que emergem da presença desses sujeit<strong>E</strong>s, muitas vezes entendid<strong>E</strong>s como subaltern<strong>E</strong>s, nas universidades e na sociedade. A ocupação das universidades pelas pessoas trans* nos oferece a oportunidade de avistarmos um cenário mais potente e, portanto, mais democrático.</p> 2022-05-20T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Educação (UFSM) https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/48342 “Lugar aprazível e salubre”, “Casa vasta e bem arejada”: localização e espaços de colégios-internatos na Corte Imperial do Rio de Janeiro (Século XIX) 2021-02-05T14:33:45-03:00 Joaquim Tavares da Conceição joaquimcodapufs@gmail.com <p>O artigo apresenta uma compreensão historiográfica de disposições de prédios de colégios-internatos e discursos em torno de condições higiênicas desses espaços, localizados na Corte Imperial do Rio de Janeiro, na segunda metade do século XIX. A pesquisa documental resultou no levantamento e cotejamento de informações em fontes diversas, especialmente em anúncios publicados no <em>Almanak Laemmert</em> e em teses médicas defendidas na Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro. Os colégios-internatos estavam localizados em ruas do centro da cidade, consideradas insalubres, ou nos arrabaldes da cidade, como recomendado pelos facultativos. Quanto aos espaços, os colégios internatos estavam instalados em casas residenciais e sobrados com adaptações para os serviços do internato e em prédios originalmente planejados e construídos para funcionar como colégio-internato. Os edifícios de grandes internatos possuíam dormitórios, refeitório, pátios arborizados para recreio, enfermaria, capela e rouparia. Não obstante, a crítica médico-higiênica, alguns desses edifícios possuíam água encanada, tanques para banho e lavagem de roupa, tanques de natação, iluminação a gás, instalações sanitárias.</p> 2022-05-20T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Educação (UFSM) https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/42552 Mestrado em Educação: contribuição da formação continuada para docentes de Institutos Federais Brasileiros e da Demanda Social 2022-03-23T16:10:16-03:00 Marize Setubal Sampaio marizerural@hotmail.com Nádia Maria Pereira Souza nmpsouza@uol.com.br Gilmar Ferreira Vita gilmarferreiravita@yahoo.com.br <p>O objetivo desta pesquisa foi caracterizar o perfil dos egressos da área de Educação e Gestão do Programa de Pós-Graduação em Educação Agrícola, da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, docentes de Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia do Brasil (IFECT) e da Demanda Social, e ratificar a contribuição do Programa na qualificação desses profissionais. Tratou-se de uma pesquisa aplicada, qualitativa e quantitativa, com levantamento de dados sobre os sujeitos participantes e aplicação de questionário. Os resultados demonstraram maioria do sexo feminino (62,75%), formados em Pedagogia (21,57%) e Letras (15,69%), idade na titulação entre 35 a 45 anos (49,02%) e provenientes da região Sudeste (47,06%). Verificou-se que, após a conclusão do mestrado, grande parte permaneceu na atividade docente (74,51%) na sua instituição de origem (78,43%). Ficou estabelecido ainda que o Programa tem contribuído para a qualificação dos docentes, seja em aprimoramento técnico científico, satisfação pessoal e/ou ascensão profissional, apontado por 98,04% dos informantes.</p> 2022-05-20T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Educação (UFSM) https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/43953 Leitura e escrita na cultura digital 2021-10-07T13:26:11-03:00 Elaine Conte elaine.conte@unilasalle.edu.br Maria Edilene de Paula Kobolt mariaedilenekobolt@gmail.com Adilson Cristiano Habowski adilsonhabowski@hotmail.com <p>O ensaio visa repensar o impacto que a cultura digital causa nos processos de leitura e escrita na educação, à luz dos novos dispositivos tecnológicos que são estratégicos à reprodução dos sistemas simbólicos. O debate imerso na teoria crítica da sociedade se soma ao itinerário hermenêutico para esboçar os sentidos desses mecanismos digitais no diálogo com a cultura contemporânea. Na cultura digital lidamos com bens não escassos que vão do lápis à tecla e do impresso à tela. O problema encontrado aqui gira em torno da intensa estimulação das tecnologias digitais, vistas como uma obrigação ou necessidade do uso das telas de computador ou celular para estudar, ler, escrever e atuar na vida cotidiana. Enfrentamos uma espécie de disputa de atenção entre o impresso e o digital. Entretanto, o que nos inquieta não é o uso dos instrumentos culturais em si, mas o processo de recepção do texto digital e impresso pelos sujeitos. Concluímos que a inclusão digital abre horizontes compreensivos do texto, com o ressurgimento de mundos ampliados pela abertura intersubjetiva, possibilitando à educação reconstruir o elo vital com as tradições culturais para recontextualizar as práticas educativas. Os textos digitais ou impressos só recebem significados na inter-relação crítica com as diferentes linguagens em metamorfose, na tensão linguístico-expressiva e social da escrita que só se realiza no projetar-se do encontro pedagógico com o outro.</p> 2022-05-20T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Educação (UFSM) https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/45270 Olhares descoloniais na formação continuada de professores desde a América Latina 2022-02-04T14:56:37-03:00 Gilberto Ferreira da Silva gilberto.ferreira65@gmail.com Tatiane Peres Zawaski tatianeperes.zawaski@gmail.com Juliana Aquino Machado juliaqrs@gmail.com <p>Neste trabalho parte-se das seguintes questões: em que estágio se encontra a formação continuada de professores na região latino-americana? Onde se concentram as similaridades e diferenças entre as diferentes nações da região? Que sínteses são possíveis de realizar? Que horizontes operacionais emergem dessas perspectivas de formação? Para dar conta desse desafio recorre-se a produção do tipo estado da arte disponível, tomando por critério, estudos que contemplem o máximo de países latino-americanos. Na exploração e análise do material selecionado foi possível constatar, dentre outros aspectos, que a abundância e a diversidade de ações empreendidas no campo da formação continuada de professores são geralmente acompanhadas pela descontinuidade, dificultando ou até mesmo impossibilitando o acompanhamento dessas ações. A falta de institucionalização das ações formativas, através de políticas públicas, agrava o quadro. A abertura dos meios acadêmicos para ações planejadas, contemplando e priorizando demandas originadas do chão da escola ainda permanecem sendo desafios a serem enfrentados.</p> 2022-05-20T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Educação (UFSM) https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/48345 Que posso conhecer sobre escolas? Notas sobre a noção de crítica 2021-01-11T11:37:27-03:00 Artur José Renda Vitorino arturvitorino@uol.com.br <p>O texto buscou apresentar alguns dos <em>insights</em> de Kant presentes na sua <em>Crítica da Razão Pura</em> sobre a metafísica e a epistemologia no sentido de responder à questão, propriamente numa linguagem crítica kantiana, o que posso conhecer sobre escolas. O problema colocado pela doutrina kantiana acerca de nossa necessária ignorância das coisas como elas são, em si mesmas, foi enfatizado como o grau zero do conhecimento sobre a expressão escola. Mas a intenção não foi projetar sobre essa ignorância a imagem de dois reinos distintos do ser: o reino das coisas suprassensíveis em si mesmas e o reino dos fenômenos. Concluiu-se que escolas somente podem ser conhecidas pelas forças constituintes da sua individualidade, das quais podemos nos tornar sensivelmente conscientes. Também, remetendo para o modo de explicação das pessoas que estão nas escolas e suas práticas discursivas e não-discursivas e as pessoas que tomam aquelas pessoas que estão nas escolas e suas práticas discursivas e não-discursivas para realizar um trabalho científico, o que procurei expor com referência à crítica kantiana é que essas duas situações não correspondem a dois níveis de relação, porque ambas são uma relação intelectual, racional ou intensional.</p> 2022-05-31T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Educação (UFSM) https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/48133 O significante comum na agenda política educacional contemporânea 2021-05-31T17:20:10-03:00 Carmen Teresa Gabriel carmenteresagabriel@gmail.com Marcus Leonardo Bomfim Martins marcus.bomfim@gmail.com Este texto se propõe a buscar outras possibilidades de entendimento do termo <em>comum</em> e seus efeitos para enfrentar os debates curriculares no Brasil. O campo empírico dessa análise consistiu em duas coletâneas sobre a BNCC: <em>Base Nacional Comum: projetos curriculares em disputa</em> (2015) e <em>A BNCC na contramão do PNE 2014-2024: avaliação e perspectivas</em> (2018). Tendo como interlocução privilegiada a abordagem discursiva pós-fundacional (DARDOT; LAVAL, 2017, LACLAU; MOUFFE, 2004, LACLAU, 1990, 2008, 2011, MARCHART, 2009), optou-se por analisar os sentidos do significante <em>comum</em> mobilizados e fixados nos textos que compõem as duas coletâneas selecionadas. Ao se constatar a hegemonia do sentido de <em>comum</em> no domínio exclusivo do jurídico, propõe-se um deslocamento do sentido desse termo para o domínio do político, defendendo-o como um princípio político que se manifesta pela instituição do inapropriável. Essa proposta se inscreve em uma perspectiva de pensar escola, currículo e conhecimento em uma perspectiva radicalmente democrática. 2022-05-31T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Educação (UFSM) https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/48586 De “Lume Imperecível” a “Classe Sacrificada”: o magistério no quadro do funcionalismo municipal de Duque de Caxias (1947-1954) 2021-08-30T14:30:12-03:00 Amália Cristina Dias da Rocha Bezerra amaliadias@gmail.com Angélica de Sá de Oliveira Bauer Rodrigues angelicabauer89@gmail.com <p>Investiga-se a atuação da sociedade política na criação do quadro do magistério primário público do município de Duque de Caxias, a partir da pesquisa nas Atas da Câmara Municipal. O marco inicial é a instalação da Câmara Municipal (1947), que ocorreu quatro anos após a emancipação do município, estendendo-se o exame até o fim do segundo mandato da Casa Legislativa (1954). A metodologia de pesquisa documental nas Atas das sessões da Câmara Municipal possibilitou o mapeamento de iniciativas do poder executivo e do poder legislativo em matéria educacional e o exame dos interesses e disputas constituintes do processo de criação de cargos e de remuneração da categoria. O referencial teórico segue os apontamentos de Antonio Nóvoa (1991) acerca da história da profissão docente, que estimula a investigar como o Estado, enquanto poder público municipal, atuava sobre o processo de criação de cargos, lotação e remuneração do magistério. Os modos de inserção dos docentes no quadro do funcionalismo e as práticas de vigilância, fiscalização e denúncias exercidas pela população e por vereadores registram parte das expectativas sobre a função social do magistério, considerado <em>lume imperecível</em> que, contudo, era mantido como <em>classe classificada</em> quando se tratava de ser contemplado em seus direitos.</p> 2022-05-31T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Educação (UFSM) https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/48580 Docência como profissão: reflexões acerca de aspectos subjetivos que a constituem 2021-01-07T10:08:56-03:00 Arinalda Silva Locatelli naldalli@uft.edu.br Lívia Maria Fraga Vieira liviafraga59@gmail.com <p>O artigo tem como objetivo analisar a categoria docência como profissão, considerando aspectos predominantemente subjetivos, a partir da dimensão status e identidade docente. Utilizou-se como base os resultados obtidos a partir dos questionários aplicado a 137 sujeitos docentes (professoras e monitoras) atuantes nas instituições públicas de Educação Infantil, das áreas rural e urbana de dois municípios da região Amazônica, conhecida como Bico do Papagaio, localizada ao norte do estado do Tocantins. As análises mostram que as docentes pesquisadas, constroem uma identidade com a profissão exercida, ainda que algumas, tenham ingressado na profissão por acaso. É perceptível um forte traço maternal presente nesse construto identitário, fruto da visão estereotipada acerca da majoritária presença feminina no magistério e da não compreensão do cuidar como uma categoria social. Por fim, no quesito status, as docentes ainda sentem que suas ações são reconhecidas e se agarram a um ethos profissional para continuar na profissão. </p> 2022-05-31T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Educação (UFSM) https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/48116 O início da carreira docente e a influência dos estabelecimentos de ensino 2022-02-15T16:43:33-03:00 Ana Elisa Araújo Maia Campos anaemc@gmail.com Alvanize Valente Fernandes Ferenc avalente@ufv.br Leanete Teresinha Thomas Dotta leanete@fpce.up.pt <p>O objetivo desta pesquisa foi analisar a influência dos estabelecimentos de ensino no processo de socialização profissional de egressas do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID). Por meio de entrevistas de cunho narrativo são tecidos os diálogos com a literatura, em que se encontram autores como Dubar (1997), Gecas (1981), Lortie (1975), Van Zanten (2013), Fortes e Flores (2013), Berger e Luckmann (2014), dentre outros. Participaram desse estudo cinco professoras em início da carreira docente, atuantes no Ensino Fundamental e que estiveram inseridas no Pibid, quando cursaram a Pedagogia em uma instituição pública do Estado de Minas Gerais (Brasil). Os resultados indicam que o processo de socialização no estabelecimento de ensino apresenta muitos desafios, como: lidar com o inesperado, com o inusitado, sendo responsável por uma sala e por alunos; construir estratégias de trabalho coletivo, imposto pela organização da instituição ou por uma necessidade do próprio exercício profissional; superar o sentimento de exclusão e caminhar em direção aos estudantes como forma de obter “recompensas psíquicas” na docência. A conclusão que se chega é que os diferentes tipos de estabelecimentos de ensino influenciam no processo de socialização profissional de formas distintas. A intensidade que cada ator (alunos, pares, direção, supervisão e os pais) exerce influência no estabelecimento de ensino depende do contexto sócio espacial que a escola se insere, do tipo de estabelecimento de ensino (público/privado), do nível socioeconômico das famílias atendidas e das características do corpo docente da escola.</p><p> </p><p> </p> 2022-05-31T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Educação (UFSM) https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/48175 A produção de microcontos no Twitter: escrita literária em rede e mobilização de aprendizagens 2020-10-13T14:32:25-03:00 Raphaelle Nascimento Silva raphaelle.ns@hotmail.com Edvaldo Souza Couto edvaldosouzacouto@gmail.com <p>No contexto da educação na cibercultura e da popularização das redes sociais na internet, vivemos o fenômeno das narrativas dos sujeitos conectados. Uma dessas narrativas é a produção de textos literários no <em>Twitter</em>. Nesse cenário, o objetivo do artigo foi investigar manifestações de aspectos distintivos da escrita interativa em rede na produção de microcontos no <em>Twitter</em>. O método usado foi o qualitativo, de cunho analítico e interpretativo. Para a análise dos dados foram usadas a técnica de Análise Textual Discursiva - ATD e princípios da Análise de Redes Sociais – ARS. O argumento central é que a <em>twitteratura</em>, a produção literária no <em>Twitter</em>, é uma pedagogia da escrita em rede que se constrói, principalmente, através da experiência compartilhada e da mobilização online de aprendizagens. O artigo conclui que a produção do texto literário em rede contribui para a circulação de modos de ser e de compartilhar conteúdos estéticos, construindo e mobilizando pedagogias como uma forma de produção das culturas contemporâneas.</p> <p style="margin-bottom: 0cm; line-height: 115%; orphans: 0; widows: 0;" align="justify"><span style="font-family: Arial, serif;"><span style="font-size: medium;"><span style="letter-spacing: 0.1pt;">.</span></span></span></p> 2022-05-31T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Educação (UFSM) https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/48284 DO LADO DE CÁ DO ATLÂNTICO: um discípulo polonês de Édouard Claparède 2021-10-30T15:45:22-03:00 Selma Barboza Perdomo sperdomo@uea.edu.br Ana Chrystina Mignot acmignot@terra.com.br Daise Silva dos Santos daisesilva90@hotmail.com <p>Tomando como ponto de partida a chegada de Édouard Claparède ao Brasil, em 1930, detivemo-nos nas manifestações elogiosas na imprensa que cercavam o visitante e nos discípulos que o aguardavam no porto do Rio de Janeiro. O foco foi dirigido a Waclaw Radecki, psicólogo polonês, que decidiu morar no Brasil em 1923. Fundou no Rio de Janeiroo Laboratório de Psicologia na Colônia dos Psicopatas do Engenho de Dentro e, sob a orientação de Claparède, concluiu doutorado em Genebra em 1911. A análise da trajetória de Radecki tem como objetivo ampliar a compreensão sobre o intercâmbio de ideias entre a Suíça e o Brasil que inspirou importantes iniciativas na psicologia e na educação brasileira. Os resultados dessa análise mostraram que ele estabeleceu contato com o <em>Institut Jean Jacques Rousseau</em>, em 1928, aonde observou práticas e experimentos laboratoriais como descritos por Nilton Campos no “Relatório de viagem realizada à Europa para estudos psicológicos”, fonte aqui privilegiada. Após recepcionar o mestre, ampliou seus objetivos transformando o Laboratório em Instituto de Psicologia, ambicionando instituir ali o primeiro Curso de Psicologia em território brasileiro. Os ensinamentos de Claparède repercutiram na formulação de perspectivas teóricas com claras implicações na Pedagogia e na Psicologia contemporânea, contudo, parece não ter alcançado seu discípulo. A forma de atuação de Radecki sinaliza premissas do ensino prático do método experimental, da forma de atuação do <em>Institut Jean Jacques Rousseau, </em>norteando suas implementações inovadoras no Laboratório e Instituto de Psicologia, sendo esse um importante legado deixado aos psicólogos e educadores brasileiros.<strong></strong></p> 2022-05-31T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Educação (UFSM) https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/48410 O contexto da pós-graduação stricto sensu no âmbito da formação pedagógica e a formação docente em Ciências Biológicas: o que revela a produção acadêmica 2020-10-21T10:50:21-03:00 Juliana Bittencourt Garcia jbittencourtgarcia@gmail.com Maria Isabel da Cunha cunhami@uol.com.br <p>Este estudo buscou mapear como a formação pedagógica em Programas de Pós-Graduação <em>stricto sensu</em> e a formação de docentes universitários da área das Ciências Biológicas se apresentam no contexto da produção acadêmica de Programas de Pós-Graduação brasileiros. Para isso, realizamos uma busca na literatura, valendo-nos dos princípios da construção de <em>Estado de Conhecimento</em> na perspectiva de Morosini. A mesma foi realizada a partir de trabalhos publicados na plataforma Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações do Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia. Orientamos nossa pesquisa a partir de dois descritores de busca: “formação pedagógica em cursos de pós-graduação <em>stricto sensu</em>” e “formação para docência em ciências biológicas”, procuramos ainda subsidiar duas questões norteadoras. Nossos achados apontam para o reconhecimento, por parte dos docentes e/ou pesquisadores, da fragilidade da formação pedagógica para atuação no ensino superior. Na maioria dos trabalhos, é ressaltada a necessidade de articulação do conhecimento da área específica com o conhecimento pedagógico. No entanto, percebe-se também a dificuldade em superar o paradigma de que <em>quem sabe fazer, sabe ensinar</em>, contribuindo para a reprodução de práticas de ensino tradicionais, baseadas na lógica positivista, e para a pouca importância dada à formação pedagógica.</p> 2022-05-31T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Educação (UFSM) https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/48493 A dicotomia entre as exigências do mercado e a política reparadora do Proeja 2022-03-24T12:54:41-03:00 Paulo Sérgio Gomes Soares psoares@uft.edu.br Sônia Eduardo de Morais soniamoraisbispo@hotmail.com Janderson Henrique Mota de Sousa henrique.janderson@gmail.com <p>O artigo propõe um debate crítico sobre a formação discursiva do Programa Nacional de Integração da Educação Profissional com a Educação Básica na Modalidade de Jovens e Adultos (Proeja), apontando a dicotomia existente entre o discurso da política reparadora e a pressão por formação para atender aos interesses do mercado. O objetivo do artigo é mostrar que, em tempos de contrarreforma, a síntese entre a política reparadora e a supervalorização da formação para o mercado revela aspectos do processo de mercantilização da educação e a relação com a precarização do trabalho, conforme a reestruturação produtiva capitalista, em face dos avanços tecnológicos. A análise do problema se fundamenta nas concepções teórico-metodológicas do sociólogo Robert Castel, sobre as zonas de integração, vulnerabilidade, desfiliação e assistência, que permitem extrair evidências de integração precária (vulnerabilidade) ou mesmo completa exclusão do trabalhador do mercado de trabalho, devido ao fim do pleno emprego.</p> 2022-05-31T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Educação (UFSM) https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/55259 Articulação Teórico-Metodológica: a entrevista em pesquisas educacionais na abordagem histórico-cultural 2022-01-28T09:16:13-03:00 Thiago Antunes-Souza tasouza@unifesp.br Renata Helena Pin Pucci renata_pucci@hotmail.com <p>Este artigo de natureza teórica insere-se no campo de estudos da Educação e tem como objetivo analisar, face aos desafios de articulação teórico-metodológica em pesquisas educacionais realizadas na abordagem histórico-cultural, como a entrevista pode figurar como instrumento metodológico para a construção de dados. Nesse sentido, são fundamentados conceitos concernentes às diretrizes do método segundo essa abordagem, focalizando uma proposição de entrevista dialógica (FREITAS, 2002; 2007). Os referenciais teóricos que norteiam tal discussão são Lev S. Vigotski e Mikhail M. Bakhtin. Propõe-se a articulação da abordagem histórico-cultural e da perspectiva enunciativa como fundamento para a construção, realização e análise das entrevistas. As considerações tecidas acenam para as contribuições da abordagem histórico-cultural no que se refere às possibilidades de apreensão do fenômeno em movimento. Conclui-se que a entrevista dialógica, como instrumento metodológico amparado nos princípios da dialogia, se apresenta como campo profícuo de elaboração e reelaboração de sentidos sobre o objeto em discussão.</p> 2022-05-31T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Educação (UFSM) https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/56345 Os processos de aprendizagem e avaliação tecnológica pensam nas pessoas? Uma abordagem de Design Centrado no Ser Humano sobre a EdTech 2020-10-26T14:29:37-03:00 Cid Boechat cboechat@cecierj.edu.br Claudia Mont'Alvão cmontalvao@puc-rio.br A tecnologia não é apenas uma ferramenta neutra, cujo efeito dependerá do uso que dela se faz. Inovações trazem em si discursos e intenções, modificando a sociedade ao mesmo tempo em que são modificadas por ela. No momento, são discutidas, desenvolvidas e aplicadas ferramentas que permitem - ou se propõem a - medir e registrar dados do perfil cognitivo dos alunos, predizer performances de aprendizagem futura e até corrigir trabalhos e gerar exemplos de forma autônoma, sem participação humana. Ao problematizar esta questão sob a ótica do Design Centrado no Ser Humano (DCSH), este trabalho busca discutir quais podem ser os efeitos positivos e negativos sobre alunos e professores que usam algumas aplicações tecnológicas na aprendizagem e avaliação. O artigo começa contextualizando diferentes discursos e visões, positivos e negativos, sobre a inter-relação entre tecnologia, Educação e sociedade. Em seguida, apresenta e caracteriza algumas tendências tecnológicas da Educação atual, inclusive aplicações em fase de desenvolvimento. Nesse contexto, será discutido como essas tecnologias podem incidir sobre alunos e professores, os principais <em>stakeholders</em> envolvidos. Por fim, o artigo faz relação entre todas essas questões e o Design centrado na aprendizagem e o DCSH, trazendo, assim, um questionamento central: o processo tecnológico de aprendizagem e avaliação é conduzido com a devida atenção aos fatores humanos e contextuais? 2022-05-31T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Educação (UFSM) https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/48533 A interdisciplinaridade em cursos de Ensino Médio Integrado: previsão documental e práticas no IFMG 2021-12-06T19:34:38-03:00 Carolina Helena Miranda e Souza carolina.souza@ifmg.edu.br Samantha Cidaley de Oliveira Moreira samantha.cidaley@ifmg.edu.br A pesquisa que resultou neste artigo teve como objetivo analisar previsões documentais e aspectos práticos da interdisciplinaridade adotados nos cursos de Ensino Médio Integrado em Edificações ofertados em diferentes <em>campi</em> do Instituto Federal de Minas Gerais. Para isso foram adotados os métodos revisão documental e bibliográfica; análise de Projetos Pedagógicos de Curso (PPC); elaboração e aplicação de questionário aos coordenadores dos cursos investigados. A revisão bibliográfica foi realizada entorno das definições e formas de implementação da interdisciplinaridade, enquanto a revisão documental teve como foco compreender os aspectos legais que delimitam as possibilidades de sua implementação. Com a análise dos PPC, concluiu-se que a interdisciplinaridade é mencionada com alguma frequência, porém sem os instrumentos para sua efetiva realização, que fica condicionada à iniciativa dos professores. Nas consultas aos coordenadores, foi possível identificar iniciativas nos <em>campi </em>que buscam a interdisciplinaridade, no entanto essas atividades ainda não são consolidadas. Na conclusão, foram elaboradas indicações que objetivam uma maior adoção desse método de ensino, considerando-se a realidade dos <em>campi</em> estudados. 2022-05-31T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Educação (UFSM) https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/52854 O brinquedo e o brincar da era digital 2022-02-03T10:23:57-03:00 Michelle Chagas de Farias michelle.farias@poa.ifrs.edu.br Maria Lúcia Castagna Wortmann wortmann@terra.com.br <p>Focalizando o atual cenário de aceleradas transformações tecnológicas e dos processos comunicacionais, este estudo tem como propósito central refletir sobre os efeitos que as chamadas novas mídias e tecnologias têm produzido sobre a configuração dos brinquedos e também sobre os modos de brincar. O artigo está organizado em três seções: primeiramente destaca-se a vinculação da cultura infantil às mídias; na segunda seção, examina-se a trajetória de uma marca de brinquedos; e, por último, registram-se “outros modos” de brincar e de pensar sobre as infâncias emergentes no contexto sociocultural contemporâneo. Compreende-se que as modificações ocorridas relativamente às interações com os aparatos tecnológicos estenderam-se aos “modos de brincar”, pois as crianças, frequentemente, brincam “conectadas” às diferentes mídias, intercalando em suas brincadeiras o “real” e o “virtual”. Entende-se, também que os significados atribuídos ao brincar foram expandidos nas novas formas de brincar e que essas estão cada vez mais aderidas a ações de consumo.</p><p> </p><p><strong> </strong></p> 2022-06-21T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Educação (UFSM) https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/46907 Literatura sufocada: a leitura literária nas versões da Base Nacional Comum Curricular para os anos iniciais do Ensino Fundamental 2021-10-07T13:39:42-03:00 Marcia Lisbôa Costa de Oliveira lisboamarcia@hotmail.com Marcela Martins de Melo Fraguas marcelammelo@yahoo.com.br <p><span style="font-weight: 400;">Este artigo objetiva analisar concepções sobre a escolarização da leitura literária nos anos iniciais do Ensino Fundamental presentes nas quatro versões da Base Nacional Comum Curricular, da primeira Versão, em 2015, ao documento homologado em 2017. Desenvolveu-se uma análise de conteúdo temática (BARDIN, 2006) dos documentos, baseada em três categorias – literatura; formação do leitor literário e ensino/aprendizagem da leitura literária. O levantamento dos conceitos fundamentais nos documentos – Letramento, Letramento Literário, Educação Literária e Formação Literária – revelou disputas teórico-metodológicas que atravessaram sua redação. Observou-se na estrutura das diferentes versões da BNCC oscilações da posição atribuída à formação do leitor literário, que, tendo sido parte do eixo leitura nas duas primeiras versões, tornou-se um eixo na terceira Versão, mas voltou a ser diluída no documento em vigor. Na versão homologada, o aprendizado da leitura é concebido como desenvolvimento de habilidades organizado em demandas cognitivas progressivas. Considera-se que essa perspectiva sufoca diferentes dimensões da literatura discutidas no campo dos estudos literários e impede a fruição estética. Constataram-se, ainda, nesse documento, inconsistências conceituais e contradições que obscurecem a proposta de formação do leitor literário apresentada.</span></p> <p> </p> 2022-06-21T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Educação (UFSM) https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/47392 Formação Docente no Plano Municipal de Educação de Dourados-MS 2022-02-24T11:22:59-03:00 Flávia Paula Nogueira Aranda flaviaaranda@hotmail.com Fábio Perboni fabioperboniufgd@gmail.com Elisangela Alves da Silva Scaff elis-scaff@hotmail.com <p><span style="font-weight: 400;">Este artigo decorre de uma investigação mais abrangente que teve como objetivo analisar o tema da Valorização Docente no processo de formulação do Plano Municipal de Educação (PME/2015) do município de Dourados, Mato Grosso do Sul, bem como os embates encontrados pela categoria durante o processo de formulação das metas e estratégias do PME e a posterior aprovação pelo poder executivo. O recorte aqui proposto tem sua ênfase na formação inicial e continuada, considerada como um dos elementos constituintes da valorização docente. Utilizou-se de pesquisa bibliográfica e documental, pautada em estudo qualitativo, o corpus documental foi composto de diversas fontes, como diário oficial, notícias online, informes do sindicato local e da prefeitura municipal, além do diálogo com a produção da área que trata da temática. Constatou-se que, no momento do processo de formulação das metas e estratégias do PME de Dourados, buscou-se uma aproximação com o Plano Nacional de Educação (PNE/2014) que determinava aos municípios e aos estados brasileiros a elaboração de seus respectivos planos decenais de educação. Embora o processo de formulação do PME tenha tramitado de forma democrática e coletiva, com a participação da sociedade civil organizada, sua aprovação se deu de forma autoritária com centenas de alterações efetuadas pelo executivo, e assim o documento foi aprovado pelo legislativo sem diálogo com os representantes envolvidos no processo de formulação do PME. Tais alterações determinadas pelo executivo e referendadas pelo legislativo, sem espaço para o debate, causaram um descontentamento não só para os docentes, mas para a qualidade da educação pública municipal. </span></p> 2022-06-23T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Educação (UFSM) https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/48115 A importância da formação dos profissionais para a inclusão de alunos com necessidades alimentares especiais. 2021-06-15T10:14:50-03:00 Aline Vasconcelo Battisti alinebattisti@unochapeco.edu.br Maria Elisabeth Kleba da Silva lkleba@unochapeco.edu.br Irme Salete Bonamigo bonamigo@unochapeco.edu.br Flávia Anastácio de Paula flaviaanastaciopaula@gmail.com <p>Os alunos que possuem Necessidades Alimentares Especiais necessitam de cuidados específicos, e portanto, também precisam ser inclusos no espaço escolar. Para tanto, o objetivo deste artigo é discutir de que forma o processo de formação dos profissionais das áreas da Educação e Saúde influencia na inclusão dos alunos com Necessidades Alimentares Especiais no espaço escolar. O trabalho utiliza a abordagem qualitativa e as informações foram coletadas por meio da análise dos resultados da Dissertação de Mestrado em Políticas Sociais e Dinâmicas Regionais, desenvolvida no ano de 2019 em um Município de pequeno porte, situado na região</p> <p>Oeste de SC com profissionais do Centro de Educação Infantil, do Núcleo Ampliado de Saúde da Família (NASF) e da equipe de referência de uma das Unidades da Estratégia Saúde da Família (ESF) do município. Os resultados da pesquisa apontam dificuldades encontradas no dia-a-dia, relacionadas à falta de estudos durante a formação referente ao tema, a insuficiente articulação intersetorial e o baixo envolvimento dos profissionais. O que ocorre dentro das instituições de ensino é um processo involuntário, que implica em desinformação sobre as especificidades das crianças que são diagnosticadas com alergias, doença celíaca, intolerâncias e demais</p> <p>necessidades. Nesse sentido, é imprescindível que a oferta de capacitações referentes ao tema seja priorizada nas áreas da Saúde e Educação, para que os profissionais compreendam as implicações e subjetividades que envolvem essas crianças e, assim, consigam desenvolver estratégias de inclusão no espaço escolar.</p> 2022-06-23T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Educação (UFSM) https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/42085 Dança Criativa e Improvisação: benefícios para cognição de crianças e adolescentes 2022-05-19T18:13:59-03:00 Marcelo de Maio Nascimento marcelo.nascimento@univasf.edu.br Este texto tem por fim abordar os benefícios do ensino da dança criativa para cognição e capacidade criativa de crianças e adolescentes. Uma das técnicas da metodologia de dança criativa é a improvisação, seus procedimentos estimulam os participantes a refletirem e criarem padrões de movimentação e sequências coreográficas dirigidas por temas pré-estabelecidos. Assim, o ato do dançar exige do aluno não apenas ajustes motores, mas também rítmicos, além do uso da expressão e imaginação. Durante à interpretação da dança e música regiões do cérebro são ativadas, isso traz benefícios para funções neurais, como raciocínio lógico, linguagem, memória, atenção, visão, sensações e à própria motricidade. Desse modo, é possível promover o desempenho escolar do aluno. O presente texto apresenta um modelo conceitual para o entendimento da relação dança, cognição e criatividade, que foi fundamentado na fenomenologia da percepção e formação do conhecimento incorporado (embodied knowing). As de informações deste texto podem ampliar o entendimento da dança criativa, no contexto escolar, bem como, qualificar o uso da improvisação como ferramenta pedagógica. Conclui-se que a dança criativa traz benefícios para plasticidade neural do aluno, podendo beneficiar seu rendimento escolar 2022-06-29T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Educação (UFSM) https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/55271 Ensino Remoto: reflexões sobre o ensino e a aprendizagem na perspectiva dos professores 2021-07-16T08:56:29-03:00 Adriana Regina de Jesus Santos adrianatecnologia@yahoo.com.br Juliane Alves de Sousa ulianedesousa@hotmail.com <p>O presente ensaio busca numa abordagem bibliográfica e exploratória compreender os impactos do ensino remoto na perspectiva de professores do Ensino Fundamental, considerando-os agentes imprescindíveis no processo de ensino. Por meio do arcabouço teórico e dos dados levantados no formulário online do Google Forms constatou-se que o domínio dos artefatos tecnológicos é fator preponderante no que tange o ensino remoto e que os professores não foram qualificados adequadamente para esse processo. Com vistas ao cumprimento do calendário letivo, muitas secretarias iniciaram as aulas remotas, sem considerar esse elemento. Concomitantemente, percebeu-se que o ensino remoto não atinge a todos os alunos devido à falta de acesso as mídias digitais. Os professores também relataram que por meio das ferramentas digitais não é possível identificar se os alunos estão se apropriando dos conteúdos trabalhados. Isto posto, chega- se a conclusão de que é necessário repensar as estratégias de avaliação e acompanhamento do trabalho para este tempo, de modo que não seja também enfatizado a exclusão social. Não obstante, é preciso salientar a importância da escola pública presencial para o Ensino Fundamental devido a diversidade socioeconômica do público atendido, bem como a relevância dos processos de interação e mediação que se dão no espaço social da escola.</p><p> </p> 2022-06-29T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Educação (UFSM) https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/54718 Educação ambiental e artes visuais em territórios ecofenomenológicos 2021-09-28T17:47:25-03:00 Sonia Mara Samsel Geraldo artemara.49@gmail.com Valéria Ghisloti Iared valiared@gmail.com <p align="justify"><span><span style="color: #000000;"><span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;"><span lang="pt-BR"><span><span><span>Há décadas as </span></span></span></span></span></span></span></span></span><span><span style="color: #000000;"><span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;"><span lang="pt-BR"><span><span><span>inquietações com os problemas</span></span></span></span></span></span></span></span></span><span><span style="color: #000000;"><span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;"><span lang="pt-BR"><span><span><span> ambientais </span></span></span></span></span></span></span></span></span><span><span style="color: #000000;"><span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;"><span lang="pt-BR"><span><span><span>e as tentativas de encontrar soluções para os mesmos </span></span></span></span></span></span></span></span></span><span><span style="color: #000000;"><span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;"><span lang="pt-BR"><span><span><span>ocupam discursos e documentos e muitos autores apontam a baixa efetividade dessas políticas públicas. A emergência do tema na contemporaneidade traz à tona discussões sobre o ser humano, seus entendimentos, </span></span></span></span></span></span></span></span></span><span><span style="color: #000000;"><span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;"><span lang="pt-BR"><span><span><span>vínculos</span></span></span></span></span></span></span></span></span><span><span style="color: #000000;"><span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;"><span lang="pt-BR"><span><span><span> e </span></span></span></span></span></span></span></span></span><span><span style="color: #000000;"><span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;"><span lang="pt-BR"><span><span><span>conexões</span></span></span></span></span></span></span></span></span><span><span style="color: #000000;"><span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;"><span lang="pt-BR"><span><span><span> com </span></span></span></span></span></span></span></span></span><span><span style="color: #000000;"><span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;"><span lang="pt-BR"><span><span><span>e na</span></span></span></span></span></span></span></span></span><span><span style="color: #000000;"><span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;"><span lang="pt-BR"><span><span><span> natureza. O presente artigo visa abordar a temática através do ensino das artes visuais sob o viés da ecofenomenologia, onde a indissociabilidade entre ser humano e natureza e a confluência do pensamento ecológico com a fenomenologia instigam reflexões sobre a horizontalidade d</span></span></span></span></span></span></span></span></span><span><span style="color: #000000;"><span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;"><span lang="pt-BR"><span><span><span>as relações</span></span></span></span></span></span></span></span></span><span><span style="color: #000000;"><span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;"><span lang="pt-BR"><span><span><span> num mundo mais que humano. </span></span></span></span></span></span></span></span></span><span><span style="color: #000000;"><span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;"><span lang="pt-BR"><span><span><span>Sob essa perspectiva </span></span></span></span></span></span></span></span></span><span><span style="color: #000000;"><span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;"><span lang="pt-BR"><span><span><span>situa-se</span></span></span></span></span></span></span></span></span><span><span style="color: #000000;"><span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;"><span lang="pt-BR"><span><span><span> arte e educação ambiental, </span></span></span></span></span></span></span></span></span><span><span style="color: #000000;"><span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;"><span lang="pt-BR"><span><span><span>são a</span></span></span></span></span></span></span></span></span><span><span style="color: #000000;"><span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;"><span lang="pt-BR"><span><span><span>presenta</span></span></span></span></span></span></span></span></span><span><span style="color: #000000;"><span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;"><span lang="pt-BR"><span><span><span>dos</span></span></span></span></span></span></span></span></span><span><span style="color: #000000;"><span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;"><span lang="pt-BR"><span><span><span> três artistas e obras, </span></span></span></span></span></span></span></span></span><span><span style="color: #000000;"><span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;"><span lang="pt-BR"><span><span><span>onde análises destes trabalhos </span></span></span></span></span></span></span></span></span><span><span style="color: #000000;"><span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;"><span lang="pt-BR"><span><span><span>são elaboradas</span></span></span></span></span></span></span></span></span><span><span style="color: #000000;"><span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;"><span lang="pt-BR"><span><span><span>, </span></span></span></span></span></span></span></span></span><span><span style="color: #000000;"><span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;"><span lang="pt-BR"><span><span><span>vislumbrando </span></span></span></span></span></span></span></span></span><span><span style="color: #000000;"><span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;"><span lang="pt-BR"><span><span><span>dialogar com questões cotidianas e</span></span></span></span></span></span></span></span></span><span><span style="color: #000000;"><span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;"><span lang="pt-BR"><span><span><span> refletir sobre comportamentos e escolhas.</span></span></span></span></span></span></span></span></span><span><span style="color: #000000;"><span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;"><span lang="pt-BR"><span><span><span>A</span></span></span></span></span></span></span></span></span><span><span style="color: #000000;"><span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;"><span lang="pt-BR"><span><span><span> experiência estética presente nesses fluxos ao longo das argumentações propicia um movimento para as potencialidades transformadoras que essa vivência oportuniza, </span></span></span></span></span></span></span></span></span><span><span style="color: #000000;"><span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;"><span lang="pt-BR"><span><span><span>revelando-se um significativo caminho para novos direcionamentos nas relações pós-humanas.</span></span></span></span></span></span></span></span></span><span><span style="color: #000000;"><span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;"><span lang="pt-BR"><span><span><span> As considerações foram elaboradas sob a égide de referenciais da fenomenologia, arte e educação ambiental.</span></span></span></span></span></span></span></span></span></p><p align="justify"> </p> 2022-06-29T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Educação (UFSM) https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/55362 Mulheres, mães, educadoras: notas sobre (im)possibilidades na transmissão do cuidado 2021-05-20T16:06:13-03:00 Kellen Evaldt Arrosi kellenevaldtarrosi@gmail.com Andrea Gabriela Ferrari ferrari.ag@hotmail.com Milena da Rosa Silva milenarsilva@hotmail.com <p class="Normal0">Este artigo parte de uma experiência de acompanhamento em Escolas de Educação Infantil. Para além do olhar direcionado aos bebês no contexto da pesquisa, voltou-se a atenção também para as educadoras. Propõe-se, neste escrito, trazer à tona questões perpassadas por aspectos sócio-histórico-culturais que parecem refletir no fazer cotidiano dessas mulheres e nas suas possibilidades de transmissão do cuidado às crianças. Para a composição do trabalho, foram utilizadas vinhetas retiradas dos diários clínicos de duas pesquisadoras que acompanharam semanalmente uma turma de berçário 1 durante 7 meses. Na análise dos dados, se fez presente uma dificuldade das educadoras em entregarem-se corporalmente aos cuidados dos bebês. A partir de trabalhos que apontam para um apagamento histórico da relevância das amas-de-leite e das babás na formação subjetiva da sociedade brasileira, propõe-se uma transposição dessa situação às profissionais da educação infantil, também encarregadas do cuidado primordial de crianças das quais não são mães. Tal apagamento funcionaria como um barramento realizado pelas famílias e pela cultura diante da possibilidade da construção de intimidade entre o bebê e a educadora e das trocas corporais entre a dupla. Além disso, são analisados efeitos de intervenções que promoveram um reconhecimento da função e da importância das profissionais. Dessa maneira, reflete-se sobre a função do reconhecimento como forma de cuidado, tanto no âmbito do trabalho na educação infantil quanto em um aspecto macro, levando em conta marcadores sociais, como aqueles de gênero e de raça.</p> 2022-06-29T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Educação (UFSM) https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/54545 Os multiletramentos nas aulas da pós graduação como possibilidade de desencapsulação do currículo 2022-02-01T15:44:41-03:00 Andrea Gabriela do Prado Amorim agabrielaamorim@gmail.com Fernanda Coelho Liberali liberali@uol.com.br <div> <div> <p>Este artigo surge como parte de um projeto de pesquisa mais amplo<em>, </em>financiado pelo CNPq, PIPEq, PIPAD e CAPES. E teve como foco específico as aulas ministradas pelos seus autores na pós-graduação, com o uso das Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação (TDIC) e de metodologias criativas. Objetivou investigar a construção de propostas de ensino-aprendizagem para romper limites representacionais e promover, assim, a desencapsulação dos saberes. Para tanto, visou-se responder à questão: Como desencapsular o currículo por meio das mídias? Seguindo, para tanto, o mesmo arcabouço teórico do projeto maior e a discussão sobre desencapsulação da aprendizagem e a Pedagogia dos Multiletramentos. Estruturou-se metodologicamente a partir da Pesquisa Crítica de Colaboração, compreendida como pesquisa de intervenção formativa, que permite a transformação intencional do contexto por meio da busca por soluções compartilhadas, tendo a crise como base do desenvolvimento e os agentes envolvidos como um coletivo. Os dados foram produzidos e coletados por meio de videogravação de aulas e por recuperação de dados das TDIC utilizadas. A análise do material selecionado foi feita por meio da argumentação multimodal, que permitiu combinar meios de criar e entrelaçar os significados produzidos em conjunto com os envolvidos. Os resultados apontaram que é possível ir além da teoria, na busca pela transformação dos contextos, partindo da análise e do estudo das realidades dos pós-graduandos utilizando as TDIC para alcançar os objetivos e criar propostas criativas na docência universitária.</p> </div> </div> 2022-06-29T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Educação (UFSM) https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/55281 Pressupostos teórico-metodológicos e resultados alcançados com um programa de ensino explícito de compreensão de leitura 2022-03-24T13:36:48-03:00 Dalva Maria Alves Godoy dalvagodoy@gmail.com Sandra Regina Kirchner Guimarães srkguimaraes@uol.com.br Fernanda Leopoldina Viana leopoldinaviana@gmail.com <p><strong>Este artigo apresenta perspectivas teórico-metodológicas fundamentadas em pesquisas </strong><strong>na área do ensino e aprendizagem da leitura </strong><strong>que abordam a complexidade dos elementos envolvidos nessa tarefa de ensinar a ler. Amparado nesses pressupostos apresenta a metodologia de um programa de ensino de compreensão leitora operacionalizado nas escolas portuguesas e que vem sendo adaptado ao contexto brasileiro, em que são desenvolvidas estratégias acionadas antes, durante e depois da leitura com o intuito de promover diferentes níveis de compreensão e assim elevar o nível de competência dos estudantes. O programa em adaptação ao português do Brasil dirige-se a estudantes do 3º e 4º ano da educação básica tendo sido aplicado em três estudos piloto vinculados a diferentes projetos de pesquisa desenvolvidos por duas universidades do sul do Brasil. Os resultados obtidos com a aplicação do programa em Portugal e os decorrentes da aplicação dos estudos piloto no Brasil são apresentados, evidenciando que é possível ensinar a compreender, ao mesmo tempo em que encorajam a continuidade da adaptação do programa brasileiro. </strong></p> 2022-06-29T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Educação (UFSM) https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/55124 Epistemologia da prática e da práxis: características das pesquisas sobre formação docente para Educação Profissional 2020-12-23T11:56:03-03:00 João Kaio Cavalcante de Morais kaio-ca-valcante@hotmail.com Ana Lúcia Sarmento Henrique ana.henrique@ifrn.edu.br <p>As pesquisas acerca da formação docente no Brasil estão ancoradas predominantemente nas bases epistemológicas da prática e da práxis. Nesse estudo, buscamos compreender em que base(s) se inserem os artigos publicados especificamente sobre formação docente para Educação Profissional (EP). Para isso, recorremos aos artigos científicos publicados na Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica (RBEPT), tendo em vista que é um periódico que trata exclusivamente da EP. Foram analisados 20 (vinte) textos publicados no período entre 2008 a 2019. Utilizamos o método histórico-dialético proposto inicialmente por Marx e Engels (1998), como guia para as nossas análises. Os resultados apontam para uma variação entre epistemologia da prática e epistemologia da práxis nos textos analisados. Além disso, encontramos artigos que transitam entre uma abordagem mais centrada na prática e uma abordagem da práxis. Sinalizamos que a formação docente alinhada à práxis pode contribuir na perspectiva de uma EP crítica, transformadora e emancipatória, atrelada aos interesses da classe trabalhadora. </p> 2022-06-29T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Educação (UFSM) https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/61315 A Anti-educação de Nietzsche: Assim Falou Zaratustra como um Poema de Auto-trans-formação 2021-09-24T10:44:41-03:00 Anderson Luiz Tedesco anderson.tedesco@unochapeco.edu.br Jelson Oliveira jelsono@yahoo.com.br <p class="TEXTO-CELER">Neste artigo pretende-se analisar como a obra <em>Assim Falou Zaratustra </em>pode ser entendida como um processo de auto-trans-formação, segundo a perspectiva nietzschiana. Defende-se a tese de que tal perspectiva apresenta-se, a partir dos seus requisitos centrais, como uma anti-educação, na medida em que se contrapõe ao modelo educativo tradicional. Dessa perspectiva desdobrar-se-á a análise dos quatros principais aspectos da anti-educação de Nietzsche: o ensino da solidão, o ensino da elevação, o ensino da grande razão e o ensino da afirmação. Conclui-se, que tais aspectos servem como pano de fundo para refletir sobre as quatros lições centrais da obra nietzschiana (morte de deus, super-homem, vontade de poder e eterno retorno), formando um quadro interpretativo que articula as lições filosófico-existenciais com as perspectivas educativas nelas contidas e que resultam na inversão da perspectiva tradicional da educação, geralmente orientada para a gregariedade e aquilo que o filósofo alemão chama de negação da vida.</p> 2022-06-29T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Educação (UFSM) https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/53596 Formação Continuada de Professores da Educação de Jovens e Adultos e Práxis Pedagógica: uma reflexão na perspectiva humanizadora e libertadora da educação 2021-07-05T10:34:05-03:00 Adriana Bastos Oliveira adipsic@gmail.com Eduardo Jorge Lopes da Silva ejls@academico.ufpb.br Maria Fernanda dos Santos Alencar mfsalencar@hotmail.com <p>Este ensaio teórico de análise bibliográfica trata sobre a formação continuada de professores para a Educação de Jovens e Adultos (EJA). Apresenta reflexões sobre a formação de professores e práxis pedagógica para os professores da EJA, numa perspectiva humanizadora e libertadora de educação. Neste sentido, constatou-se que: 1) a formação continuada de professores deveria ocorrer no próprio espaço da escola, balizada pelas realidades e tendo, por parte da academia e demais formadores, o reconhecimento dos saberes docentes num diálogo contínuo e formativo com aqueles que fazem a educação no chão das escolas 2) a formação continuada de professores, em destaque para o professor da EJA e a sua práxis pedagógica, deveria envolver a pesquisa/intervenção da/na realidade complexa do cotidiano escolar, com foco no compromisso político, nos valores éticos e morais favorecendo o desenvolvimento integral desse profissional da educação.</p> 2022-07-05T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Educação (UFSM) https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/67829 Trajetórias formativas com pesquisas em gênero e sexualidade na educação 2021-11-29T18:10:57-03:00 Alexandre Gomes Soares prof.alexhis@gmail.com Marlucy Alves Paraíso marlucyparaiso@gmail.com <p>A entrevista realizada com a docente e pesquisadora teve como objetivo compreender suas trajetórias formativas com pesquisas em gênero e sexualidade no campo educacional e da saúde. Buscou oferecer elementos para problematizar os marcadores de gênero e de sexualidade e sua interface com as políticas públicas de inclusão social, com derivações que permitem pensar a transversalidade de gênero na formação inicial. Uma das perspectivas da pesquisadora no campo educacional é que a atividade de educar supõe processos de ensino e de aprendizagem: o que, quem e como ensinam e o que, quem e como se aprende, extrapolando, assim, as instituições de ensino e as salas de aula. A entrevista foi realizada no âmbito de uma atividade de pesquisa<a href="#_edn1" name="_ednref1">[i]</a> de Pós-Doutoramento, na Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais.</p> <p> </p> <p><a href="#_ednref1" name="_edn1">[i]</a> Esta pesquisa teve como objetivo geral analisar as percepções de docentes e discentes sobre gênero e sexualidade no currículo de Pedagogia na formação transversal na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).</p> 2022-05-20T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Educação (UFSM) https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/70256 A pesquisa com/sobre/para crianças - descolonizando o olhar e a escuta: uma conversa com Ana Lúcia Goulart de Faria 2022-05-06T10:36:14-03:00 Ana Lúcia Goulart de Faria cripeq@unicamp.br Sueli Salva susalva@gmail.com Leandro Rogério Pinheiro leandropinheiro75@gmail.com Lucas Alexandre Pires susalva@gmail.com <p>O texto apresenta a fala da Professora Drª Ana Lúcia Goulart de Faria realizada no Seminário Especial “Reflexividade(s) e ação social: ponderações à pesquisa sobre socialização e individuação”, promovido pelo Programa de Pós-Graduação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (PPGEDU/UFRGS) e Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Santa Maria (PPGE/UFSM). O encontro realizado em 21 de outubro de 2021 teve como tema: “A pesquisa com crianças descolonizando o olhar e a escuta” e foi transmitido via redes sociais da UFRGS. O diálogo partiu da questão: em que momento e como o conceito de descolonização se tornou uma questão para as pesquisas. A pesquisadora Ana Lúcia Goulart de Faria coordena a linha Culturas Infantis do Grupo de Estudos e Pesquisa em Educação e Diferenciação Sóciocultural (GEPEDISC) da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). A partir da questão e através de outras que serão apresentadas a Professora desenvolveu seus argumentos expressando como a noção de descolonização (seu doutorado em 1994 então focado na Pedagogia Macunaímica) desde as condições para sua constituição como conceito e como processo, contribuiu e contribui na pesquisa com criança.</p> 2022-07-05T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Educação https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/69777 Infâncias, diferenças e pandemia: a exacerbação das violências sobre a vida das crianças 2022-03-30T10:38:10-03:00 Vanderlete Pereira da Silva vanderletesilva@yahoo.com.br Lucinete Gadelha da Costa lucinetegadelha@gmail.com Célia Ratusniak celiaratusnia@ufpr.br Clenio Perlin Berni clenioberni@gmail.com Sueli Salva susalva@gmail.com 2022-04-25T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Educação https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/67915 “Deus abençoe o nosso Brasil” - recomendações para o retorno às aulas presenciais das crianças: a travessia da biopolítica à necropolítica 2022-01-31T16:03:53-03:00 Célia Ratusniak celiaratusniak@ufpr.br Vanderlete Pereira da Silva vanderletesilva@yahoo.com.br <p><span>O artigo discute a travessia das escolas públicas que atendem crianças pela pandemia da COVID-19. Problematiza o discurso do ministro da educação, tomando-o como um exemplo de pós-verdade que cria um cenário de segurança sanitária para convencer o retorno às aulas presenciais. O texto mapeia as distorções, invenções e interpretações equivocadas de dados, estratégias para produzir a pós-verdade, apresentadas pelo MEC, pela SEED/PR e pela SEDUC/AM, contrapondo esses discursos com dados que apresentam o cenário real da pandemia no Brasil, retirados do Ministério da Saúde, de revistas científicas e agências oficias de notícias. Considera a decisão do retorno imediato uma tentativa de esconder a situação do ensino remoto emergencial (ERE), bem como a falta de planejamento e investimento nas condições sanitárias recomendadas, expostas em documentos e pesquisas oficiais. Para construir essa tese, busca na <em>Sinopse Estatística do Questionário Resposta Educacional à Pandemia de COVID-19 no Brasil, Educação Básica</em> dados que mostram alguns aspectos do ERE na rede municipal brasileira, paranaense e amazonense, que concentram grande parte das matrículas de crianças. Para fundamentar a análise, utiliza os conceitos de biopolítica e de necropolítica, que acionam o racismo de Estado. Conclui que o argumento da defesa do futuro das crianças legitima a exposição delas, de suas famílias e profissionais da escola onde trabalham, deixando morrer populações subalternizadas.</span></p> 2022-04-17T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Educação (UFSM) https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/68423 Violência Simbólica e Práticas Escolares: um estudo com crianças indígenas 2022-03-02T11:30:21-03:00 Roberto Sanches Mubarac Sobrinho rsobrinho@uea.edu.br <p>O objetivo deste artigo é apresentar uma reflexão acerca do trabalho de pesquisa etnográfica realizada em uma comunidade indígena na cidade de Manaus/Amazonas/Brasil, e em duas escolas públicas que atendem um grupo de 12 crianças da etnia Sateré-Mawé, residente na zona urbana da cidade. A pesquisa teve no cotidiano das crianças e na observação das práticas pedagógicas dos professores e do currículo escolar seus elementos principais de análise. Como base de fundamentação mais abrangente, procuramos trabalhar com o conceito de Violência Simbólica em Pierre Bourdieu, entrecruzando e relacionando-o com as vozes dos professores e das crianças “geradas” durante o processo da pesquisa de campo, tanto na comunidade indígena quanto na escola, o que nos possibilitou um olhar mais vigilante sobre esse grupo social da infância, e as práticas educativas destinadas a ele, em que a Violência Simbólica se faz bastante presente.</p> 2022-04-17T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Educação https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/68368 O aumento da violência intrafamiliar na França durante a pandemia. Do que estamos falando? 2022-03-01T19:44:34-03:00 Vanessa Stettinger vanessa.stettinger@univ-lille.fr <p>Vários dados estatísticos atestam um aumento da violência doméstica após o primeiro confinamento na França. Para melhor compreender esses dados, este artigo discutirá a violência que existia nas famílias pobres antes da pandemia, seja uma violencia enraizada num “habitus” de classe, consequência dos efeitos da pobreza ou do sofrimento experimentado pelos indivíduos. Consequentemente, tendo a pandemia enfraquecido as populações mais pobres, é provável que a violência ligada ao contexto social tenha aumentado mais do que outras formas de violencia desde a pandemia.</p> 2022-04-17T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Educação https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/68414 Les effets de la crise du covid-19 et des mesures de confinement sur le bien-être des enfants confiés à la protection de l'enfance 2022-02-14T20:25:44-03:00 Emmanuelle Toussaint emmanuelle.toussaint@univ-nantes.fr Daniel Rousseau emmanuelle.toussaint@univ-nantes.fr <p>A partir de 16 de marco de 2020, o confinamento instaurado na França para retardar a propagação da pandemia de COVID-19 teve implicações consideráveis. As instituições de acolhimento, como todas as outras instituições do território francês, tiveram que se reorganizar nesse período sanitário inédito. O objetivo deste artigo é relatar os efeitos da crise do covid 19 e, notadamente, das medidas de confinamento sobre o bem-estar das crianças pequenas confiadas à proteção da infância. Os resultados desse estudo exploratório revelam certas características comuns dos impactos da pandemia sobre as crianças confiadas às instituições de acolhimento, e seu bem-estar relacional, considerando vários fatores de risco ou de proteção. Por fim, discute-se as implicações destes resultados para a pesquisa e para a prática. Compreender em quê o confinamento modificou as práticas, e como elas se mostraram benéficas para melhorar o bem-estar das crianças protegidas permitem identificar os fatores ou estratégias de intervenção favoráveis à saúde mental desse público com necessidades específicas.</p> 2022-04-17T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Educação https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/68021 Educazione e cura dei bambini e delle bambine ai tempi del coronavirus. La risposta dei servizi educativi italiani 2021-11-08T10:41:39-03:00 Clara Maria Silva clara.silva@unifi.it <p>O artigo reflete sobre a forma como a crise de saúde causada pelo Covid-19 tem sido tratada em Itália no nível dos serviços de cuidado infantil. Após ter reconstruído a estrutura politica e normativa nacional, a atenção está voltada para a realidade toscana. O objetivo é ilustrar, por um lado, algumas experiências na Região Toscana durante o bloqueio para garantir uma continuidade do relacionamento educacional à distância e, por outro lado, mostrar como os serviços educacionais toscanos reagiram ao reinício do ano educacional de 2020-21. O primeiro aspecto é reconstruído através de um reconhecimento dos materiais colocados na web, enquanto o segundo aspecto é documentado através dos resultados de uma pesquisa realizada pela autora e que envolveu os serviços educacionais da Cooperativa Arca. O resultado é um quadro dinâmico que destaca os esforços do pessoal educacional tanto na gestão das rotinas como na busca de novas formas de se relacionar com as famílias.</p> 2022-04-17T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Educação (UFSM) https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/66737 Corporeidade e jogo como linguagem 2021-12-03T11:48:41-03:00 Elizara Carolina Marin elizaracarol@yahoo.com.br Trata-se de uma resenha crítica sobre o livro Corporeidade, jogo, linguagem: A Educação Física nos anos iniciais do Ensino Fundamental de autoria de Mauro Betti e Pierre Normando Gomes-da-Silva, professores universitários proeminentes da Educação Física brasileira. Faz parte da Coleção Docência em Formação, publicado em 2018 pela Editora Cortez. 2022-05-31T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Educação (UFSM) https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/48222 Provoque: Cultura Visual, Masculinidades e Ensino de Artes Visuais 2020-08-29T14:55:07-03:00 Francione Oliveira Carvalho francioneoliveiracarvalho@gmail.com Resenha da obra Provoque: cultura visual, masculinidades e ensino de artes visuais, escrita por João Paulo Baliscei e publicada pela Editora Metanoia em 2020. 2022-05-31T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Educação (UFSM) https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/61877 Apropriação cultural e o mecanismo de opressão 2020-11-13T09:37:22-03:00 Monica Abud Perez de Cerqueira Luz mapcluz@hotmail.com Flávia Abud Luz flavia.abud.luz@hotmail.com Resenha do livro: WILLIAM, Rodney. Apropriação Cultural. São Paulo: Pólen, 2019, 208 p. ( Feminismos Plurais/ coordenação de Djamila Ribeiro). 2022-06-28T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Educação (UFSM)