Educação https://periodicos.ufsm.br/reveducacao <p style="text-align: justify;">A Revista <strong>Educação (UFSM)</strong> tem como escopo a publicação de trabalhos inéditos e originais na área de Educação, resultantes de pesquisas científicas e reflexões teóricas sobre práticas e políticas educacionais. Os artigos podem ser publicados em Português, Inglês e Espanhol e, excepcionalmente, pode-se publicar artigos em Italiano, Francês e Alemão.</p> Universidade Federal de Santa Maria pt-BR Educação 1984-6444 <p>Declaramos o artigo _______________________________ a ser submetido para avaliação o periódico Educação (UFSM) é original e inédito, assim como não foi enviado para qualquer outra publicação, como um todo ou uma fração.</p><p>Também reconhecemos que a submissão dos originais à Revista Educação (UFSM) implica na transferência de direitos autorais para publicação digital na revista. Em caso de incumprimento, o infrator receberá sanções e penalidades previstas pela Lei Brasileira de Proteção de Direitos Autorais (n. 9610, de 19/02/98).</p><p> </p><p> _______________________________________________________</p><p>Nome completo do primeiro autor</p><p>CPF ________________</p><p align="center"> </p><p><a title="Declaração de direitos autorais" href="https://drive.google.com/file/d/1A1QxPdagKyRUxdbQOrOiPCNJRpGSWsaW/view?usp=sharing" target="_blank">Link para declaração</a></p> Reflexividade e Pesquisa Social: a produção dialógica da realidade https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/67093 <p>Na entrevista, procuramos problematizar questões pertinentes à pesquisa social com/sobre as infâncias e juventudes, com destaque aos processos reflexivos que constituem as ações sociais contemporâneas. Dessa forma, convidamos Enzo Colombo para uma interlocução acerca de diferentes perspectivas teórico-metodológicas que trazem à tona o tema da ‘reflexividade’, considerando-a como categoria de interpretação em vista dos processos de socialização e individuação na atualidade. As contribuições versadas nas respostas de Enzo Colombo trazem-no desde críticas de ordem epistemológica e delineiam didaticamente vertentes interpretativas da ação reflexiva, a saber: a) reflexões do ator social sobre si mesmo e o contexto, em interação com códigos e atividades; b) processo recursivo de incorporação dos resultados da ação e do conhecimento; e c) prática relacional de produção de sentidos e ações na interação. Assim, encaminha seus argumentos à discussão sobre as condições sócio políticas para a produção de uma ‘reflexividade construcionista’, entrelaçada aos contextos e aos diálogos entre sujeitos, atenta à participação da pesquisa na construção da realidade social.</p> Leandro Rogério Pinheiro Enzo Colombo Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-09-04 2021-09-04 e85/ 1 36 10.5902/1984644467093 Resenha de "Lugar de fala?" https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/38948 Resenha Lucas Caregnato Deise Andreia Enzweiler Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-03-10 2021-03-10 e18/ 1 5 10.5902/1984644438948 Educação, linguagem e teatro no âmbito da formação universitária: dos lugares teóricos e práticos da cri[ação] pedagógica e artística https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/41752 <p>Trata-se de uma resenha crítica sobre o livro <em>Teatro e Universidade: Cena. Pedagogia. [Dialogismo] </em>do autor Jean Carlos Gonçalves, publicado em 2019 pela Editora Hucitec, compondo o número 23 da Coleção Pedagogia do Teatro.</p> Cristiane do Rocio Wosniak Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-06-30 2021-06-30 e57/ 1 7 10.5902/1984644441752 O golpe de 2016 e a educação no Brasil https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/47892 . Georgia Sobreira dos Santos Cêa Camila Ferreira da Silva Simone Natividade Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-07-31 2021-07-31 e75/ 1 6 10.5902/1984644447892 O elogio da Literatura https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/43344 Resenha crítica acerca do recente livro de Zygumnt Bauman e Riccardo Mazzeo, publicado pela Editora Zahar em 2020. Obra com 12 capítulos e 151 páginas dialoga sobre temáticas relacionadas à superficialização do conhecimento, da ciência e ascensão dos pensamentos centralistas, domáticos, embalados pela onda da rede mundial e globalização dos processos capitalistas do consumismo e da individualização. Tendências de desautorização das narrativas e desqualificação das metáforas, impedem o diálogo como possibilidade educadora na resistência às fragmentações da vida e à promoção da solidariedade. Claudionei Vicente Cassol Sidinei Pithan da Silva Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-07-31 2021-07-31 e77/ 1 8 10.5902/1984644443344 Mediações didáticas em uma aula de leitura na EJA – mulheres relendo suas realidades e o mundo https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/60844 <p class="Abstract">Este artigo apresenta uma reflexão sobre o ensino de Leitura da/na Educação de Jovens e Adultos (EJA), e traz como foco as mediações didáticas vivenciadas em uma aula de leitura. É recorte de uma pesquisa qualitativa, de base colaborativa (IBIAPINA, 2008), realizada em escolas públicas de Maceió, e desenvolvida no âmbito do Observatório Alagoano de Leitura na EJA (2011 a 2015), financiada pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). No percurso, dialogava-se sobre o ensino de Leitura e as didáticas/práticas desenvolvidas em sala de aula, perfil dos/as estudantes, suas histórias e necessidades de leituras, entendendo a leitura como prática social que acontece em todos os lugares: na vida, no trabalho e em diversas agências de letramento, incluindo nesse contexto a escola. Neste recorte, os resultados demonstraram que a sala de aula configurou-se como um espaço de exercício de autonomia, dos estudantes e da professora, quando puderam apropriar-se da realidade, captar as pressões, alterando-as, transformando-as em invenções cotidianas, inéditas e irrepetíveis.</p> Marinaide Lima de Queiroz Freitas Valéria Campos Cavalcante Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-03-30 2021-03-30 e30/ 1 25 10.5902/1984644460844 Manual Escolar e mudanças curriculares em Portugal: percepção dos docentes de Geografia https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/60850 <p>O artigo tem como objetivo analisar de que forma o Manual Escolar, como recurso material central do processo educativo, se tem adaptado às alterações curriculares introduzidas em Portugal com a publicação de nova legislação relacionada com as aprendizagens escolares e a formação integral dos/as alunos/as ao terminar a escolaridade obrigatória. Procurou-se conhecer a visão dos professores e professoras sobre a forma como as alterações curriculares foram (ou não) acompanhadas por uma reformulação dos manuais escolares no sentido de responder aos novos desafios colocados a docentes e discentes. A recolha de dados sobre a perceção dos/das docentes foi realizada mediante a utilização de inquéritos por questionário. Os resultados preliminares apontam para a existência de algum desfasamento entre as novas indicações curriculares e os manuais escolares que suportam o trabalho de docentes e discentes. Com efeito, a nova legislação relacionada com as aprendizagens escolares e a formação integral dos discentes não inclui uma nova visão e uso do manual escolar no sentido de responder às novas exigências do sistema educativo nacional. Apresentam-se algumas recomendações com base nas necessidades detetadas pelos/as docentes.</p> Maria Helena Esteves Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-03-30 2021-03-30 e31/ 1 21 10.5902/1984644460850 A complementaridade entre educação (formal, não formal e informal) e (auto, hetero e eco) formação: uma discussão a partir de autobiografias https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/61311 <p class="Stylepardfaut"><span lang="PT">Neste texto argumenta-se sobre a articulação entre as modalidades de educação formal, não formal e informal, sendo que esta relação se torna coerente nas biografias de sujeitos inscritas em contextos históricos específicos. Relaciona-se esta articulação com a necessária ligação entre a auto, hetero e ecoformação, quando se discutem aprendizagens desenvolvidas. Depois de uma discussão de carácter teórico, são analisadas duas autobiografias que se inscrevem no contexto da emigração portuguesa em França, nas quais os sujeitos relatam momentos-chave de educação e formação. Este debate permite responder à questão: como é que a auto, a hetero e a ecoformação se traduzem em aprendizagens? A análise de conteúdo é a técnica de discussão de dados usada. A interpretação dos dados recolhidos enfatiza a circunstância da educação e a formação, resultantes de dinâmicas individuais e coletivas, permitirem desenvolver conhecimentos que enfatizam saber aprender, saber compreender e saber projetar-se.</span></p> Paula Guimarães Clarisse Faria-Fortecoëf Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-03-30 2021-03-30 e32/ 1 22 10.5902/1984644461311 As percepções sobre os sujeitos da EJA e os materiais didáticos utilizados na mediação pedagógica na Educação de Jovens e Adultos https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/61367 <p>O presente trabalho visa realizar uma articulação teórica sobre as percepções acerca dos sujeitos da EJA e a elaboração de materiais didáticos utilizados nas mediações pedagógicas nessa modalidade de ensino. A aproximação trazida neste artigo é um desdobramento de uma pesquisa do tipo estado do conhecimento que teve como objetivo identificar os principais fundamentos teórico-metodológicos presentes nas produções resultantes das pesquisas no campo da Educação de Jovens e Adultos no Brasil e que versam sobre os sujeitos estudantes. A partir desse levantamento, outros diálogos se tornaram possíveis e se estruturaram como questão para as reflexões aqui promovidas: <em>como as percepções sobre os sujeitos estudantes, influenciam na escolha e/ou produção dos materiais didáticos utilizados nas mediações pedagógicas na EJA?</em> A articulação teórica apresentada no artigo permitiu perceber que o entendimento sobre os sujeitos com os quais se trabalha na Educação de Jovens e Adultos e a compreensão de como jovens e adultos aprendem, influencia não apenas na escolha, como na produção e nas políticas de distribuição de materiais didáticos que corroboram com uma percepção sobre os sujeitos.</p> Pollyana dos Santos Maria Hermínia Lage Fernandes Laffin Sonia Maria Chaves Haracemiv Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-03-30 2021-03-30 e33/ 1 24 10.5902/1984644461367 As matrículas na Educação de Jovens e Adultos no Ensino Médio em meio à crise da ideologia neodesenvolvimentista https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/61413 <p>O propósito deste artigo é compreender a redução das matrículas na Educação de Jovens e Adultos (EJA) no ensino médio na última década. Especificamente, investiga a oferta de EJA/ensino médio no Brasil, de 2009 a 2019, relacionando-a com alguns dos suportes que guiaram as políticas públicas para a modalidade nessa etapa da educação básica: a forma de lidar com a demanda, a flexibilização do tipo de oferta e a ampliação da certificação. Em seguida, analisa algumas das implicações dessas políticas para a educação da classe trabalhadora, em um período que abarca a crise e o colapso da ideologia neodesenvolvimentista e a ascensão dos ultraliberais ao poder. Com base nos dados quantitativos, em documentos oficiais e na literatura especializada, busca desvelar alguns dos aspectos da correlação de forças responsáveis pela redução e pela estagnação das matrículas na EJA/ensino médio no período, que resultaram no fortalecimento de ações educacionais como, por exemplo, elaborar e/ou aprimorar exames nacionais. O itinerário das políticas públicas constituído nessa correlação de forças demonstrou que tais ações incentivaram a certificação, potencializando o mercado da educação não formal. Conclui-se, portanto, que, seja por meios como o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) ou o Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos (Encceja), o neoliberalismo e o neodesenvolvimentismo contribuíram para esvaziar o direito à escolarização de ensino médio de jovens e adultos da classe trabalhadora e fortaleceram os vínculos do potencial estudante da EJA com a educação não formal e, em sentido mais amplo, com o mercado de certificação.</p> Jaqueline Pereira Ventura Francisco Oliveira Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-03-30 2021-03-30 e34/ 1 26 10.5902/1984644461413 Formação continuada de professores para as escolas em unidades de privação de liberdade https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/61420 <p>O presente artigo apresenta resultados de pesquisa que teve como objetivo investigar as necessidades formativas de professores da EJA que atuam em salas de aula de unidades de privação de liberdade. Insere-se no entrecruzamento das temáticas de formação continuada, docência e educação, fundamentada na Pedagogia Libertadora de Paulo Freire. Trata-se de pesquisa de natureza qualitativa na perspectiva dialógica da observação participante em reuniões formativas com os professores e de entrevistas narrativas. Após a coleta e organização dos dados em notas de campo, recorreu-se à análise de conteúdo, utilizando-se dos passos sugeridos por Bardin (2016): pré-análise; exploração do material; tratamento dos resultados, inferência e interpretação. Emergiram com base nos indicadores de frequência dois focos de análise do estudo: os dizeres dos professores sobre a formação continuada e as expectativas de aprendizagem dos docentes. Elegeram-se para as reflexões deste artigo os dizeres dos professores para a busca da formação continuada e que indicam a melhoria da prática educativa, novos conhecimentos e a permanência ou ascensão no mercado de trabalho. Os professores sinalizam como referenciais específicos para a docência nas salas de aula de unidades prisionais o amor e o sonho, que, compartilhados nos encontros formativos, potencializam o compromisso e engajamento para dar continuidade, apesar dos desafios e condições objetivas e subjetivas do trabalho, à atividade docente com pessoas momentaneamente afastadas do convívio social.</p> Luciana Ferreira da Silva Moraes Elenice Maria Cammarosano Onofre Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-03-30 2021-03-30 e35/ 1 22 10.5902/1984644461420 Estado y educación en tiempos de la crisis neoliberal: Venezuela, un espacio de resistencia https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/61900 <p>El presente ensayo tiene como eje reflexivo la relación entre el Estado y la educación a partir de la problematización de las políticas públicas bajo la impronta neoliberal, la crisis por la cual atraviesa y sus implicaciones generales y específicas, en un escenario concreto como es el contexto venezolano. Para este propósito se indaga sobre la situación del sistema – mundo gobernado por una suerte de caos ordenado en el que lo ha sumido la hegemonía cultural y material del neoliberalismo. Esta crisis ha tenido impactos asimétricamente adversos en la región y, de manera específica, en Venezuela; donde pese a las medidas coercitivas unilaterales de bloqueo impuesta por la administración Obama e incrementadas por la actual gestión de Donald Trump, más la sumisión colonizada de la mayoría de los países que están bajo la órbita de la Organización de Estados Americanos (OEA) a la política injerencista de Washington comprometido en la política de “cambio de régimen”, el país ha mantenido el proyecto de transformación estructural de la sociedad venezolana, con la Constitución de la República Bolivariana de Venezuela y el Plan de la Patria (2019 – 2025) como referentes teleológicos y programáticos del proyecto de políticas públicas garantista de derechos económicos, políticos, sociales y culturales, entre ellos el de la educación.</p> Samuel Hilcías Carvajal Ruiz Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-03-30 2021-03-30 e36/ 1 23 10.5902/1984644461900 Leitura de história em quadrinhos: entre Shakespeare e Mauricio de Sousa https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/38119 <p>A leitura de história em quadrinhos, de natureza literária, pressupõe vários desafios ao leitor iniciante de modo que as práticas educativas deveriam contemplar estratégias de mediação que atentem para as peculiaridades do gênero. Este artigo investiga a construção de uma narrativa <em>Turma da Mônica: Romeu e Julieta</em>, de Mauricio de Sousa (2009), selecionada pelo Programa Nacional Biblioteca da Escola (PNBE 2012). O caráter descritivo-analítico predomina no estudo e contempla aspectos visuais e verbais. Para compor a análise, são tomados aspectos do âmbito da visualidade, como tipos de quadros; cenários; marcação temporal; e, quanto aos personagens, é priorizada a sua vestimenta e a mescla entre comportamentos peculiares de Mônica e Cebolinha e de Romeu e Julieta. O estudo fundamenta-se, entre outros, em Eisner (2012), e aponta a intertextualidade como traço marcante na composição do enredo, de modo que o leitor deve ser orientado acerca de peculiaridades dos personagens de Shakespeare para potencializar a leitura da obra.</p> Flávia Brocchetto Ramos Eliana Buffon Eliana Rela Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-01-31 2021-01-31 e1/ 1 22 10.5902/1984644438119 Diálogo Intercultural no currículo para a efetivação da Educação em Direitos Humanos: possibilidades e limites https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/39257 <p>A Educação em Direitos Humanos está no cerne da problemática deste artigo, dada a relação dialógica entre as políticas educacionais, currículos e percepções dos estudantes. O método dialético orientou essa pesquisa, com base em uma abordagem qualitativa que incluiu pesquisas empíricas, integrando a escuta de percepções de mais de quatrocentos estudantes do ensino médio e a análise de documentos de políticas públicas e projetos pedagógicos de nove escolas de educação básica. A análise de documentos e percepções de jovens ajuda a identificar a fragilidade da aprendizagem e da experiência dos Direitos Humanos nas escolas brasileiras. Os alunos demonstram suas expectativas em relação à Educação em Direitos Humanos, exigindo maior espaço para participação, tratamento igualitário, liberdade de expressão e questionamento. A Educação em Direitos Humanos no currículo também permitiria um diálogo entre igualdade e diferença na perspectiva crítica intercultural.</p> Ana Maria Eyng Jéssica Adriane Pianezzola da Silva João Casqueira Cardoso Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-01-31 2021-01-31 e2/ 1 20 10.5902/1984644439257 Juventudes rurais e educação na produção do conhecimento das pós-graduações das áreas de ciências humanas e sociais aplicadas do nordeste brasileiro https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/38667 <p>O artigo tem como objetivo discutir, sob os processos educacionais, as produções do conhecimento sobre as juventudes rurais, particularmente entre os anos de 2007 e 2016. Estes recortes de pesquisa procuram situar o processo social de um rumo científico ligado à produção de pesquisadores dos programas de pós-graduação do Nordeste do Brasil das áreas de ciências humanas e sociais aplicadas, especificamente, as características que possibilitam mostrar o perfil dos autores com a temática, bem como as estratégias utilizadas, teórico-metodologicamente, na compreensão desse grupo social, em seu vínculo com a educação. Para isso, buscou-se realizar um estudo do tipo Estado da Arte, sob a abordagem qualitativa, com instrumentos de coleta – diário de campo e questionário aberto; e de interpretação – a técnica da Análise de Conteúdo de Bardin e os <em>softwares</em> IRAMUREQ e EXCEL. Na trajetória dos autores das teses e dissertações, eles têm se dedicado a trabalhar na pesquisa sobre o tema de forma diversa ao longo de sua carreira, mas pouco às atividades de ensino e extensão. As temáticas dos estudos revelam singularidades, mas também linhas mestras que possibilitam situar teórico-metodologicamente, desde correntes que ultrapassam às estrutural-funcionalistas, fenomenológicas e pós-estruturalistas. Portanto, observou-se a procedência autoral dos trabalhos acadêmicos, com discussões que têm trazido novos caminhos para a produção dos Programas de Pós-Graduação, possibilitando repensar os campos de conhecimentos das áreas de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas.</p> Samuel Pires Melo Thais Maria Santos Macedo Isabela Maria do Nascimento Chaves Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-01-31 2021-01-31 e3/ 1 29 10.5902/1984644438667 Professores iniciantes em cursos de licenciatura: história de vida, formação e desenvolvimento profissional https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/40380 <p>O trabalho teve por objetivo compreender a constituição das trajetórias formativas de professores formadores iniciantes em instituições federais de Educação superior na região Norte do Brasil. A abordagem metodológica foi vinculada ao campo da história oral de vida. Os colaboradores foram seis formadores, em fase inicial da carreira docente na universidade, atuantes em cursos de licenciatura em História, Pedagogia e Educação do Campo, de duas instituições de Educação superior. Empregou-se a entrevista narrativa, abordando a história de vida, a formação e o desenvolvimento profissional dos professores. Para a análise das narrativas, utilizou-se uma leitura Interpretativa-Compreensiva. As experiências narradas revelaram que a fase inicial na docência universitária foi compreendida pelos professores como um tempo de validação dos aprendizados apreendidos no decorrer da trajetória formativa de vida e profissional. Compreendeu-se no estudo que a constituição das trajetórias formativas dos formadores iniciantes atuantes nos cursos de licenciatura estava diretamente relacionada às histórias de vida, à formação e à profissão.</p> Sebastião Silva Soares Selva Guimarães Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-01-31 2021-01-31 e4/ 1 26 10.5902/1984644440380 Ecovilas e educação sentipensante: Saberes e educação popular na Ecovila Vraja Dhama do movimento Hare Krishna. https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/40494 <p>Esta pesquisa aborda sobre uma educação sentipensante em saberes e práticas de educação popular presentes na comunidade <em>Hare Krishna,</em> chamada Ecovila <em>Vraja Dhama</em>, situada na zona rural da cidade de Caruaru - PE. O objeto de estudo são os saberes e práticas pedagógicas tecidas pelos(as) moradores(as) da Ecovila, campo no qual acontece a educação popular, entendendo que ela acontece em um chão concreto. Como metodologia, servimo-nos da revisão bibliográfica e da observação participante. Como categorias de análise, utilizamos “Ecovilas”, “Educação popular” e “Educação e o Movimento Hare Krishna”. Nos resultados, destacamos que é importante ampliarmos a nossa visão para que consigamos perceber e viver saberes outros. Esses saberes geram um estranhamento do olhar e, por conseguinte, práticas outras do sentipensar. É uma forma de descolonizar o olhar patriarcal, dualista, opressor e vertical na produção do conhecimento e, assim, perceber outros olhares em uma construção e vivência de uma educação sentipensante.</p> Otávio Augusto Chaves Rubino dos Santos Everaldo Fernandes da Silva Ivan Nicolau Corrêa Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-01-31 2021-01-31 e5/ 1 27 10.5902/1984644440494 Memória Educativa como dispositivo de pesquisa: tecendo laços na Universidade https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/40682 <p>O objetivo deste trabalho é apresentar a memória educativa como um dispositivo de pesquisa, fundamentado no aporte teórico da psicanálise, articulado com a educação. Para tanto, fez-se o levantamento das produções acadêmicas do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade de Brasília, no período de 2007 a 2019, disponíveis no repositório da instituição. Foram utilizados os descritores memória educativa, psicanálise e educação, que resultaram na identificação de 23 dissertações de mestrado e 2 teses de doutorado. Todas usaram a memória educativa sob o enfoque psicanalítico com a educação. As análises qualitativas foram organizadas em eixos e categorias temáticas. Os resultados indicaram que o uso do dispositivo, em que os sujeitos escrevem suas memórias, associadas ao contexto pedagógico e de formação, favoreceu a reflexão não só dos sujeitos das pesquisas como também dos próprios pesquisadores. A escrita sobre as experiências escolares, a relação com os professores, o contexto sociocultural associado a essa trajetória revelou diferentes dimensões na atuação pessoal e profissional. Refletir sobre a própria trajetória escolar e de formação contribuiu para melhor compreensão do processo reflexivo e constitutivo da subjetividade docente. Com base no olhar psicanalítico foi possível inferir que a escrita da memória educativa fez emergir uma compreensão sobre a própria atuação docente, com possíveis repercussões na subjetividade dos sujeitos. Esses achados apontam para a contribuição desse dispositivo de pesquisa no campo da educação, em especial para os estudos sobre a formação do professor.</p> Cleonice Pereira do Nascimento Bittencourt Inês Maria Marques Zanforlin Pires de Almeida Claudia Marcia Lyra Pato Katilen Machado Vicente Squarisi Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-01-31 2021-01-31 e6/ 1 24 10.5902/1984644440682 Preciso fazer estágio professora? – Estágio como experiência formativa primordial https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/41063 <p>Mesmo sendo assumido, há algum tempo pela literatura da área, como campo promissor de efetivação da <em>práxis </em>na formação de professores, o não reconhecimento do importante papel do estágio nos cursos de licenciatura, infelizmente, ainda não foi superado. Na tentativa de retomar a discussão sobre sua importância no processo formativo dos futuros professores e assumindo um desenho que busca um processo reflexivo partilhado e colaborativo entre universidade e escola, trago como disparador do debate trechos do diário de campo de um estudante de Pedagogia de uma universidade pública paulista. Tomando de Freire a defesa de passarmos de uma “curiosidade ingênua” a uma “curiosidade epistemológica”, o estágio é visto como espaço primordial para a construção do “pensar certo”, em que as mobilizações experienciadas auxiliam na investigação de diferentes temáticas e na construção de sínteses a partir do já estudado e do descoberto/percebido pela vivência na escola, permitindo um salto formativo a todos os envolvidos.</p> Luana Costa Almeida Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-01-31 2021-01-31 e7/ 1 20 10.5902/1984644441063 Elaboração de um material educativo para subsidiar a prática de professores de educação física no trabalho com alunos com perda auditiva https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/41141 <p>No contexto educacional evidencia-se a necessidade de materiais educativos sobre a temática da perda auditiva que auxiliem professores de educação física em sua prática. O objetivo deste estudo foi elaborar e validar um material educativo para subsidiar a prática de professores de educação física nas atividades com alunos com perda auditiva. Foi construído um instrumento contendo assertivas sobre temas que poderiam ser abordados no material educativo. As assertivas foram acompanhadas por escala Likert. O item foi validado quando atingiu índice de concordância de 80%. Os temas foram avaliados por juízes especialistas, das áreas de Fonoaudiologia (n=4), Pedagogia (n=2) e Educação Física (n=2). Posteriormente foi elaborada uma versão preliminar do material validada pelos mesmos juízes e mais dois professores de educação física com experiência com alunos com perda auditiva. Nesta etapa a validação abordou aspectos do conteúdo, linguagem, ilustrações, layout, motivação e cultura, que deveriam atingir o índice de concordância de 80%. Dentre os dez temas propostos, nove foram considerados pertinentes. O item não validado referia-se ao uso de figuras com a Língua Brasileira de Sinais. Na segunda etapa do estudo, os únicos itens que não atingiram o índice de concordância mínimo referiam-se ao layout. As sugestões dos juízes relacionavam-se ao tamanho da letra e cores de fundo de algumas ilustrações. Foram realizadas as adequações sugeridas pelos juízes. O delineamento utilizado nesta pesquisa permitiu elaborar um material educativo validado com critérios metodológicos, contendo informações objetivas e ilustrações que poderão subsidiar professores de educação física na atuação com alunos com perda auditiva. </p> Luciano Coelho Romera Eliane Maria Carrit Delgado-Pinheiro Flávia Rodrigues dos Santos Osni Lázaro Pinheiro Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-01-31 2021-01-31 e8/ 1 27 10.5902/1984644441141 Infraestrutura das creches e pré-escolas em Belo Horizonte: condições de oferta e distribuição territorial https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/42721 Este artigo tem como objetivo discutir as condições de oferta da educação infantil em Belo Horizonte no tocante à sua estrutura física e distribuição territorial. Foram utilizados como fontes de dados o Censo Escolar do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira do ano de 2018 e o Atlas Brasil. A construção dos indicadores de adequação das condições de oferta foi feita por uma escala numérica contínua aferida para melhor se adequar aos propósitos deste estudo tendo como unidade de análise as escolas de educação infantil públicas e privadas (conveniadas ao poder público ou não) e sua relação com a Unidade de Desenvolvimento Humano à qual pertencia. Este trabalho tem como principais achados a constatação da precariedade das condições de oferta das escolas de educação infantil de Belo Horizonte. Por outro lado, evidenciou-se que a distribuição territorial das creches e pré-escolas corresponde satisfatoriamente a demanda assim como as escolas públicas estão presentes nas áreas com maiores necessidades de atendimento por parte do Estado. Franceline Rodrigues Silva Daniel Santos Braga Lívia Maria Fraga Vieira Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-01-31 2021-01-31 e9/ 1 28 10.5902/1984644442721 Princípios da Didática Freireana: subsídios para uma prática didático-pedagógica na educação superior https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/40439 <p>O presente estudo apresenta uma releitura do pensamento de Paulo Freire, referente ao processo ensino-aprendizagem, com o objetivo de contribuir para os estudos da Didática. Integra uma pesquisa, cujo objetivo foi investigar as possibilidades e os limites de se construir e vivenciar uma prática didático-pedagógica subsidiada pelos princípios freireanos. O referencial teórico apoia-se em uma trama conceitual freireana que assume a categoria ensino-aprendizagem como central e define como essencial, para esse estudo, a relação com os conceitos de participação, diálogo, investigação temática, conhecimento e “Ser Mais”. Adotou-se a abordagem qualitativa. A proposta de pesquisa concretizou-se na disciplina “Formação Didático-pedagógica em Saúde”, desenvolvida em dez aulas, com trinta e um estudantes de pós-graduação de cursos<em> strito sensu</em> da área da saúde do <em>campus</em> São Paulo da Universidade Federal de São Paulo. Na produção dos dados foram utilizados questionário aberto e fechado, áudio de aula, atividades escritas desenvolvidas no decorrer da disciplina e diário de campo. A leitura e análise dos dados mostrou a importância da necessidade de se criarem condições concretas para que ocorra a discussão e a reflexão sobre aspectos do contexto profissional dos educandos; e, o reconhecimento da dimensão coletiva na construção do conhecimento individual.</p> Patricia Lima Dubeux Abensur Ana Maria Saul Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-01-31 2021-01-31 e10/ 1 26 10.5902/1984644440439 A odisseia da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional no Brasil (1945-1964) https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/38609 <p>Atualmente, a educação brasileira vem sendo atacada pelo governo federal em muitas frentes: tentativa de desqualificação do trabalho docente e dos profissionais da educação (técnicos de todas as áreas), cortes nos recursos da educação, tentativa de censura à liberdade de cátedra etc. Esta pesquisa tem como objetivos a) apresentar a trajetória da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, no período de 1945 a 1964; b) expor os bastidores da disputa política no Congresso Nacional no que tange a aprovação da Lei Diretrizes e Bases da Educação Nacional, no período de 1945 a 1964; c) fomentar a reflexão sobre as relações entre política, ideologia econômica e políticas públicas para a educação. Metodologicamente, esta pesquisa é bibliográfica e documental, qualitativa e exploratória; teoricamente, fundamenta-se nas obras de Boris Fausto (2013), Thomas E. Skidmore (2010) e Evaldo Vieira (2015). No campo da História da Educação, trabalhamos com Dermeval Saviani (1998). Além disso, como suporte teórico suplementar, visitamos as obras de István Mészáros (2015), Steven Levitsky e Daniel Ziblatt (2018), entre outras. A pesquisa demonstra que grupos políticos e sociais distintos disputaram, por razões distintas, o controle sobre a educação brasileira. Em meio a divergências e convergências entre esses grupos, o projeto de Lei que fixa as Diretrizes de Bases Nacional tramitou no Congresso Nacional durante dezesseis anos. Concluímos que é necessário refletir sobre os caminhos que percorremos, as estratégias que adotamos, as alianças que estabelecemos para enfrentar os problemas da educação.</p> Alexandre Macedo Pereira Margarete Von Mühlen Poll Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-01-31 2021-01-31 e11/ 1 21 10.5902/1984644438609 Discernimento médico e práxis dialógica: O tratamento como cura de si mesmo https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/38548 <p>O ensaio investiga a ideia hermenêutica de saúde e a noção formativa de tratamento dela resultante. Diagnostica, no primeiro passo, com base em alguns textos do filósofo alemão Hans-Georg Gadamer, a tecnologização crescente das profissões contemporâneas e, especificamente no caso da medicina, o risco de desaparecimento do autotratamento que tal tecnologização provoca. Além da Medicina, também toma brevemente a psicanálise e a pedagogia para exemplificar o risco da profissionalização excessivamente especializada. No segundo passo, busca ancorar duplamente a ideia hermenêutica de saúde: por um lado, na herança da medicina hipocrática que sustenta o ponto de vista de Gadamer e, por outro, na práxis dialógica, considerando-a como núcleo da própria hermenêutica filosófica. Interpreta, ainda no segundo passo, três aspectos constituintes do diálogo gadamereano, vertendo-os para a prática profissional médica. Por fim, debruça-se em mostrar, no terceiro e último passo, que o tratamento médico compreendido hermeneuticamente conduz ao autotratamento, o qual é condição indispensável, embora não suficiente, da cura do paciente. Em síntese, quando o paciente é mobilizado pela práxis dialógica do discernimento médico, possui mais condições de compreender a importância dele mesmo assumir o tratamento como autotratamento.</p> Cláudio Almir Dalbosco Francisco dos Santos Filho Renata Maraschin Luciana Oltramari Cezar Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-01-31 2021-01-31 e12/ 1 24 10.5902/1984644438548 Estado da arte de pesquisas junto a Matemática Financeira e a Educação Financeira entre 2010 a 2017 https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/38576 <p>O trabalho apresenta o estado da arte, sobre pesquisas que estão relacionadas à educação financeira e a Matemática Financeira no ambiente escolar entre os anos de 2010 a 2017. Pesquisou-se sobre o que foi publicado desde a educação básica até a educação superior, buscando estudos relacionados à História da Matemática Financeira como disciplina escolar nos cursos de Licenciatura em Matemática. A investigação foi dividida em três momentos: no primeiro, foram realizadas pesquisas junto ao site da CAPES e do CNPq; em um segundo momento, pesquisou-se na <em>web</em> de um modo geral; e o terceiro, buscou-se livros que tratassem da matemática financeira, que não trouxessem apenas os conteúdos a serem trabalhados na educação básica ou superior, mas que tivessem outros elementos, como a história da matemática financeira ou como trabalhar a Matemática Financeira nos cursos de Licenciatura. Ao todo foram levantados sessenta e seis trabalhos compostos de artigos, monografias, dissertações, teses e capítulos de livros que abordam a matemática financeira e a educação financeira no âmbito escolar. Em todos os trabalhos pesquisados nenhum trata a história da Matemática Financeira como disciplina escolar, seja na educação básica ou na educação superior.</p> Liceia Alves Pires Rosa Lydia Teixeira Corrêa Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-01-31 2021-01-31 e13/ 1 32 10.5902/1984644438576 Docência e a aula como ensaio https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/39574 <p>Na atualidade, temos uma das políticas nacionais de formação de professores se efetivando via Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência Programa (Pibid)1. Por meio dessa macropolítica, o projeto Práticas curriculares de escrita e leitura e a formação de professores participa desse espaço político, articulando a pesquisa universitária e a escola pública. O artigo versa sobre o tema aula a partir do aporte conceitual dos filósofos Nietzsche e Deleuze. Com eles, na primeira parte do artigo, definimos a docência como vontade criadora e a articulamos à noção de aula como ensaio. Apresentamos, em seguida, a operação da crítica genealógica como um dos principais elementos didáticos da aula como ensaio. A pesquisa, ao assumir esse posicionamento conceitual, apresenta, na terceira parte do texto a experimentação do elemento didático da crítica genealógica na aula intitulada “Oficinando com as bruxas: entre o bem e o mal”, desenvolvida junto a uma turma dos anos iniciais de uma escola pública via o Pibid. A partir disso, a personagem bruxa foi levada ao território da crítica genealógica como elemento didático da aula como ensaio, possibilitando a problematização da valoração dos valores e a desnaturalização de estereótipos.</p><p> </p><div><p> </p></div> Sônia Regina da Luz Matos Betina Schuler Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-02-25 2021-02-25 e14/ 1 22 10.5902/1984644439574 A escola como espaço de formação para a autonomia numa perspectiva existencialista https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/39817 <p>O presente artigo integra uma investigação teórica ampla que visa a uma revisão do conceito de formação em bases filosóficas contemporâneas. Nesta etapa pontual da pesquisa, a investigação volta-se a algumas contribuições do existencialismo sartreano, em especial à concepção de liberdade e suas implicações na formação para a autonomia. Assim, o texto aborda a formação do sujeito autônomo no contexto escolar, considerando a condição relacional em que acontece a educação, bem como o que implica a existência do conflito nessas relações. Propõe-se, com a análise de aspectos da obra de Jean-Paul Sartre, uma análise do conflito como propulsor da constituição da liberdade e da autonomia. Tanto a perspectiva do aluno, quanto a do professor nas relações interpessoais na escola são objeto desta análise conceitual. Destacam-se os desafios ao aluno e ao professor em suas responsabilidades frente à constituição da autonomia. Nesse percurso argumentativo, o texto propõe a presença do professor como sujeito de referência para o desenvolvimento da autonomia dos educandos. Justifica-se, assim, a posição de afastamento das perspectivas idealistas de viés unitário, e a decorrente exigência formativa de que se assuma a pluralidade como condição original da educação.</p> Vanderlei Carbonara Altemir Schwarz Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-02-25 2021-02-25 e15/ 1 21 10.5902/1984644439817 Bibliotecas universitárias federais brasileiras: acessibilidade/avaliação do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP) https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/40029 <p>O presente estudo discorre sobre indicadores de acessibilidade em bibliotecas universitárias federais brasileiras e processos avaliativos no contexto da inclusão realizados pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP). Nesse sentido, o objetivo geral foi avaliar as políticas públicas de inclusão efetivadas em bibliotecas universitárias e as questões avaliativas pertinentes à acessibilidade. Os dados da pesquisa foram coletados por meio de questionário online enviados a 25 (vinte e cinco) coordenadores de Sistemas de Bibliotecas de universidades federais brasileiras e 31 (trinta e um) avaliadores do INEP. Também a diretoria de Avaliação de Educação Superior (DAES) e a Coordenadoria Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e Instituições de Ensino Superior do INEP, por meio de entrevista semiestruturada. Foram analisados, contextualizados e interpretados com base em fundamentos da análise de conteúdo, resultando nas categorias; concepção acerca da política de inclusão nas bibliotecas universitárias; acessibilidade física; acessibilidade informacional; acessibilidade nos serviços; acessibilidade atitudinal; avaliação do INEP e política institucional inclusiva. Avanços, fragilidades de acessibilidade, inclusão e avaliação nas bibliotecas universitárias apontaram para a necessidade de efetivação de uma política institucional inclusiva nos Sistemas de Bibliotecas das universidades federais brasileiras, de modo a eliminar barreiras e garantir o direito de oportunidades iguais a todos.</p> Eliane Maria Stroparo Laura Ceretta Moreira Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-02-25 2021-02-25 e16/ 1 20 10.5902/1984644440029 A formação de professores e as contribuições do pensamento complexo https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/40066 O pensamento complexo busca uma tomada de consciência, propondo uma nova organização dos saberes no sistema de ideias, interligando assim os conhecimentos. Deste modo, questiona-se: de que forma se articulam os elementos que emergem do campo de estudos da formação inicial de professores e como se forma a tessitura de relações presentes nos fenômenos educacionais? O objetivo geral deste trabalho é mapear os elementos constituintes da formação inicial a fim de demonstrar essa articulação. A pesquisa é qualitativa, exploratória e descritiva, prevê uma reflexão analítica e crítica. Como resultados alcançados, apresentam-se; a elaboração de um diagrama, a indicação de informações que compõem a concepção de homem, a teoria de educação e a concepção de sociedade nos aspectos que se mostram coerentes com o pensamento complexo; a consideração de que as percepções, experiências, crenças e valores do pesquisador influenciam na pesquisa, a necessidade de uma reforma do pensamento que possibilite religar e interligar conhecimentos, a compreensão de que a condição humana como indivíduo/espécie/sociedade, exige atenção com relação ao seu convívio e vida no planeta; ter como princípios os fundamentos da teoria de sistemas, da cibernética e do conceito de organização com base na complexidade e aceitar o conhecimento sujeito à incerteza e ao inesperado. Mônica Aparecida Rodrigues Luppi Marilda Aparecida Behrens Ricardo Antunes de Sá Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-02-25 2021-02-25 e17/ 1 27 10.5902/1984644440066 O pensamento da filosofia da diferença que sonha signos do arquivo da Educação https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/39484 <p>Via a Filosofia da Diferença, este artigo ensaia dobras conceituais de sonho e escrita, e transcria a docência-pesquisa desejosamente em seu direito de sonhar o Arquivo da Educação em sua poesia curricular. Apresenta problematizações ao aprendizado pela lógica do sonho rumo à poética da tradução. Em seu desenvolvimento empírico, introduz os conceitos de Sonhografias e de Aulas-Sonho como gatilhos ao pensamento. Permanece inconcluso e aberto no sonho do arquivo em seus signos desejosos por invenção docente.</p> Marina dos Reis Sandra Mara Corazza Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-03-10 2021-03-10 e19/ 1 18 10.5902/1984644439484 Mercantilização da educação: do gerencialismo ao empresariamento da oferta escolar https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/37100 <p>O presente trabalho buscou analisar processos de mercantilização da educação pública a partir da discussão teórica com pesquisadores críticos sobre as reformas na educação e sua relação com um caso específico. Metodologicamente, dialogamos com a produção acadêmica para articular com uma análise documental de publicações na imprensa e dados da rede escolar. Os dados desta pesquisa apontam que a combinação entre a austeridade e a focalização do ensino orientado para o desempenho escolar ao mesmo tempo em que projeta nacionalmente o governo do estado do Espírito Santo podem estar aprofundando características cada vez mais mercantis e antidemocráticas da educação. Nesse movimento que vai do gerencialismo ao empresariamento na prática, muito ao contrário do aparente êxito na gestão, políticas derivadas de reformas neoliberais na realidade analisada esvaziam o sentido público e democrático da gestão educacional além de corroer as bases do direito a educação.</p> Marcelo Lima Tatiana Gomes dos Santos Peterle Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-03-10 2021-03-10 e20/ 1 22 10.5902/1984644437100 A pesquisa na formação do professor universitário: competências na produção e transmissão do conhecimento https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/38695 <p><span>Este artigo traz a produção de pesquisa como uma das mais importantes atribuições do professor universitário. A formação universitária do profissional de Educação, como professor de graduação, não é considerada suficiente para o desenvolvimento da capacidade de produzir e tornar o grupo de professores em pesquisadores. As formações e pós-graduações possibilitam reflexões acerca da formação dos professores universitários e suas atribuições e enfatizam discussões sobre a pesquisa na universidade. Este é</span><span> um artigo de reflexão teórica</span><span> que teve como objetivo relatar os fundamentos teóricos de Perrenoud (2001), Tardif e Lahaye, (1991), Ramos (2010), Pimenta (2009), </span><span>Gerhardt e Silveira (2009), Soares (2018),</span><span> que nortearam as discussões ocorridas no Curso de Formação Continuada “Atuação e Competências do Professor Universitário” do Curso de Pós-graduação em Educação, na disciplina Metodologia do Ensino Superior com Tecnologias da Informação e Comunicação da Universidade Federal de Alagoas (UFAL) durante o primeiro semestre de 2018. Como forma de elucidar o percurso de uma formação que favoreça a habilidade de desenvolver pesquisa na universidade, apresentamos a construção de um Curso de Formação para </span><span>professores universitários como pesquisadores e orientadores de pesquisas. Os resultados deste estudo podem ser utilizados como percurso de <span>formação de professores com ênfase na pesquisa. A</span><span> pesquisa na formação docente fomenta inovação na prática pedagógica no intuito de fornecer subsídios para a produção do conhecimento, o qual induz progressão positiva na prática pedagógica e promove uma formação reflexiva sob a óptica da transmissão do conhecimento.</span></span></p> Jenekesia Lins Silva Ana Paula Monteiro Rêgo Luís Paulo Leopoldo Mercado Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-03-10 2021-03-10 e21/ 1 20 10.5902/1984644438695 Educação intercultural e Lócus de enunciação: inspirado em uma experiência educativa no México https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/39190 <span>O presente artigo aborda uma experiência político-educativa vivida no México e que corresponde a reflexões de questões emergentes de processos formativos de professores indígenas. Estes processos sugerem correlações da interculturalidade crítica com o bem viver, da decolinialidade do saber e do poder e das políticas epistêmicas. Essa experiência formaliza-se no projeto de pesquisa intitulado “<em>Milpas Educativas: Laboratorios socionaturales vivos para el buen vivir</em>”. Ele é capitaneado pelos membros integrantes da <em>Red de Educación Inductiva Intercultural</em> (REDIIN) no interior do <em>Centro de Investigaciones y Estudios Superiores en Antropología Social</em> (CIESAS) e da <em>Universidad Iberoamericana</em> (UIA), em parceria com a <em>Unión de los Maestros para una Nueva Educación en México</em> (UNEM/EI). O objetivo é analisar como circularam algumas enunciações sobre o campo de</span><span> estudos da educação intercultural que formou significados observados nesses espaços formativos, especificamente no projeto de pesquisa. A metodologia usa a perspectiva de<em> </em>lócus de enunciação para explicar uma aproximação analítica conjugada com as </span><span>concepções do método indutivo intercultural e do pensamento decolonial, para entender como a interculturalidade crítica reverbera em três encontros ocorridos e pertinentes a cinco estados mexicanos, quais sejam: Chiapas, Yucatán, Puebla, Oaxaca e Mochoacán, em 2017. A investigação indica que as repercussões foram conduzidas para um processo formativo que procurou compreender distintas dimensões que caracterizaram a</span><span> interculturalidade e apresentaram indícios nessa formação de pensamentos e práticas contra-hegemônicos. O estudo aponta para uma abertura de novos horizontes de aprendizados e para uma possível elaboração da proposta que denominamos de Política de Resistência.</span> Lucilene Julia da Silva Adir Casaro Nascimento Maria Bertely Busquets Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-03-10 2021-03-10 e22/ 1 25 10.5902/1984644439190 Educação popular e infância: princípios, concepções e práticas educativas https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/39376 <p>O presente texto discute a relação entre Educação Popular e Infância a partir de sua compreensão como práxis social, vivenciada por grupos populares e determinada pela realidade numa perspectiva histórica. Tratou-se de apreendê-las como construtos sociais e históricos que se dão nos planos objetivos e subjetivos. Neste sentido, buscou problematizar temas como direitos, cidadania e participação a partir da experiência do Movimento de Adolescentes e Crianças (MAC). Entre o proclamado e o efetivado, este estudo percorreu fontes legais (Estatutos, Declarações), documentos oficiais do Movimento, bem como escutou os sujeitos (crianças e adultos) envolvidos na experiência. Objetivou, portanto, analisar as concepções, princípios e práticas da educação popular, vivenciadas por crianças e adultos a partir do projeto sócio-político-educativo do MAC e investigar como tais valores contribuem para o reconhecimento da criança como sujeito de direitos no contexto da Educação Popular. A análise explicita que o exercício de construção de uma educação crítica, sobretudo de uma educação popular, deve ser permanentemente revisitado. A despeito de o MAC pautar-se nos princípios de uma Educação Popular, tanto esta experiência quanto outras que assim se denominam, precisam reconsiderar o estatuto da infância como condição para o reconhecimento da criança como sujeito com voz e participação. Isto implica revisitar o lugar do adulto na relação com a criança a partir de uma perspectiva dialógica, colaborativa e política numa ruptura com práticas de uma participação decorativa em direção a uma participação protagônica.</p> Vilma Ribeiro de Almeida Romilson Martins Siqueira Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-03-10 2021-03-10 e23/ 1 24 10.5902/1984644439376 Direito ao uso do nome social por estudantes transgêneros em contraposição ao poder familiar https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/40406 <p>Fruto do apelo de movimentos sociais, em decisão recente, o Supremo Tribunal Federal julgou possível a alteração do prenome e sexo nos assentos civis de todo o país, sem que para isso seja necessária a cirurgia de transgenitalização ou laudo médico, bastando, apenas, a autodeclaração. Porém, o Conselho Nacional de Justiça estipulou que apenas os maiores de 18 anos podem requerer a alteração do prenome e sexo sem a necessidade de autorização judicial. Persiste, assim, o imbróglio jurídico acerca da possibilidade de alteração do prenome e sexo e do uso do nome social em indivíduos menores de 18 anos, principalmente quando os pais são contrários à utilização do nome social, já que os primeiros dependem da representação ou assistência de seus genitores, ou responsáveis. Assim, o objetivo desse artigo é analisar as implicações e as possibilidades jurídicas da adoção do nome social por menores de idade em instituições de ensino, uma vez que essas instituições são as que possuem as mais estreitas relações, após a família, nessa fase da vida. Trata-se de um estudo qualitativo documental que buscou revisar a doutrina, a jurisprudência e os normativos legais e administrativos que versam sobre o tema. Como resultado, observou-se que o norte sempre será o melhor interesse da criança e do adolescente, prevalecendo, inclusive, sobre o poder familiar exercido pelos pais, e que as escolas possuem um papel fundamental na busca por garantir esse direito aos estudantes transgêneros menores de 18 anos de idade.</p> Bruno Cleiton Macedo do Carmo Neiza de Lourdes Frederico Fumes Wlademir Paes de Lira Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-03-10 2021-03-10 e24/ 1 26 10.5902/1984644440406 Tecnologias digitais, formação de professores e de pesquisadores na pós-graduação: relações entre as iniciativas brasileiras e internacionais https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/41203 <p>Esse artigo faz parte da pesquisa intitulada “Tecnologias digitais, docência universitária e formação do professor da educação básica: efetividade das políticas educacionais brasileiras”. O objetivo geral é compreender a dimensão da formação tecnológica do docente nos currículos da educação básica e nos cursos de licenciatura, bem como analisar a relação desses currículos com a formação tecnológica de professores universitários da área de Educação. Buscamos neste texto dialogar com as políticas educacionais que visam formar tecnologicamente o professor da educação básica e do ensino superior, relacionando-as às iniciativas internacionais, sobretudo da Organização para a Cooperação do Desenvolvimento Econômico (OCDE), de maneira a problematizar as lacunas encontradas nas propostas brasileiras. Realizamos uma análise documental das políticas de formação em nível de pós-graduação stricto sensu (Mestrado e Doutorado), de maneira a problematizar como se tem dimensionado a formação tecnológica nesses níveis, sendo nosso foco os pesquisadores que futuramente se tornam formadores de professores da educação básica. Os resultados demonstram que em todos os níveis de formação docente há certa incipiência no que tange à formação tecnológica do docente e pesquisador, que possivelmente apresenta implicações na formação do jovem brasileiro na educação básica obrigatória.</p><p><strong> </strong></p> Eucidio Pimenta Arruda Daniel Ribeiro Silva Mill Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-03-10 2021-03-10 e25/ 1 23 10.5902/1984644441203 A Convenção sobre os direitos da criança e o direito à educação no Brasil https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/41231 <p>Este trabalho tem por objetivo discutir a Convenção Sobre os Direitos da Criança com foco no direito à educação. Estuda-se este direito a partir da perspectiva da criança como sujeito de direitos no direito internacional e nacional e da interpretação dada pelo Comitê Sobre os Direitos da Criança ao direito à educação (artigo 29). É uma pesquisa bibliográfica e documental. Elege-se como principais fontes: a Convenção Sobre os Direitos da Criança, o Comentário Geral nº 1 (2001) do Comitê Sobre os Direitos da Criança, os relatórios periódicos enviados pelo Brasil (2003, 2012) ao Comitê, a Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 e o Estatuto da Criança e do Adolescente. Percebe-se que há uma preocupação com a educação da Criança perante os tratados internacionais de direitos humanos, a legislação nacional, e, também, por meio de agendas de desenvolvimento que pautam a educação como centro para a efetivação dos demais direitos. </p> Celeida Maria Costa de Souza e Silva Ariadne Celinne de Souza e Silva Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-03-10 2021-03-10 e26/ 1 23 10.5902/1984644441231 Uso do Ensino Híbrido na disciplina Teorias de Aprendizagem: uma experiência no Curso de Pedagogia https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/42008 <p>As mudanças sociais transformaram as relações humanas, as formas de aprender e ensinar. O Ensino Híbrido ou Blended Learning, modalidade de ensino que combina atividades presenciais e <em>on-line,</em> é uma maneira de adaptar-se a este novo cenário social. O objetivo geral deste artigo é apresentar as percepções de licenciandos de Pedagogia sobre a disciplina Teorias de Aprendizagem na modalidade híbrida. O trabalho revela-se de natureza qualitativa, dos tipos: bibliográfica, exploratória e intervenção pedagógica. Na primeira parte da pesquisa, de caráter exploratório, foi aplicado um questionário (questionário 1) a 23 alunos que cursaram a disciplina no período anterior à intervenção. As respostas evidenciaram: i) a necessidade de mudança das práticas; ii) que o uso das Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação poderia tornar as aulas mais interessantes; iii) que Teorias de Aprendizagem é uma disciplina importante na formação do pedagogo. A partir da análise destes dados, foi planejada a segunda parte da pesquisa, que se caracterizou por uma intervenção pedagógica nas aulas da disciplina em questão. Estas aulas passaram a ser mediadas por um Ambiente Virtual de Aprendizagem, o Schoology, na modalidade Híbrida e utilizando metodologias ativas. Participaram da intervenção 21 alunos do 4º período de Pedagogia. Para coleta de dados, foram utilizados os instrumentos: observação, questionário e grupo focal. Os resultados evidenciam que a intervenção contribuiu para a formação dos participantes, considerando o conhecimento construído sobre as teorias de aprendizagem e as práticas caracterizadas pelos alunos como inovadoras e inspiradoras de seu desenvolvimento profissional ou acadêmico.</p> Shayane Ferreira dos Santos Gilmara Teixeira Barcelos Angellyne Moço Rangel Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-03-10 2021-03-10 e27/ 1 29 10.5902/1984644442008 Educação e didática no Ensino Fundamental: aprendendo geociências com kits de minerais e rochas https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/42481 <p>Este artigo apresenta uma ferramenta didática para o ensino de geociências no Ensino Fundamental, difundindo o conhecimento sobre o patrimônio geológico do Rio Grande do Norte (RN) e auxiliando os professores na construção de aulas práticas-teóricas sobre minerais, rochas e estudo do planeta Terra. O trabalho está baseado em três processos: elaboração, aplicação e análise sobre os kits. Os kits foram elaborados em cinco etapas: levantamento bibliográfico; coleta de amostras representativas da geologia do RN; caracterização e documentação dos minerais e rochas; montagem dos kits. A aplicação foi realizada em quatro etapas: visita guiada na exposição do “Museu de Minérios do RN”; oficina prático-expositiva com os kits; aplicação de teste para verificação da aprendizagem; e, entrega dos kits às escolas. A análise foi realizada mediante três técnicas de análise estatística para avaliar a aprendizagem e a descrição do caso estudado. Os 248 questionários aplicados revelaram o maior índice de acerto para questões que associavam minerais e rochas com aplicações cotidianas e tinham relação com o que foi apresentado nos kits, já questões respondidas com maior aleatoriedade contavam com conteúdos sobre gênese de rochas e aplicação industrial de minerais. A participação e interação são pontos positivos vistos na aplicação dos kits, os quais podem ser utilizados em sala de aula como material didático para aprimoramento de aprendizagem, dando suporte para conteúdos previstos na Base Nacional Comum Curricular (BNCC).</p> Silas Samuel do Santos Costa Narla Sathler de Oliveira Musse Rafael Rabelo Fillippi Lucas dos Santos Costa Mayara Maria Mendes da Silva Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-03-10 2021-03-10 e28/ 1 29 10.5902/1984644442481 O caráter performativo das ocupações estudantis https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/42474 <p class="LO-Normal">O artigo analisa as ocupações secundaristas que ocorreram no ano de 2015 no estado de São Paulo, como reação à proposta de reorganização escolar que previa o fechamento de 94 escolas e a transferência compulsória de 311 mil alunos e 74 mil professores. Foi realizada uma pesquisa bibliográfica e uma análise teórica das ocupações destacando sua dimensão performativa. Esta chave de análise é sustentada a partir de autores como Ernesto Laclau, Chantal Mouffe e Judith Butler, que enfatizam o caráter relacional e contingente das identidades, e a importância do corpo na gramática atual dos conflitos sociais. As conclusões indicam que as ocupações dos secundaristas foram atos performativos em três dimensões: na emergência dos sujeitos (a identidade secundarista que emergiu com a ocupação); no modo de apresentar algumas demandas educacionais (a produção de novas práticas escolares que materializavam as mudanças desejadas); na inversão do assujeitamento administrativo pela criação de outro “corpo estudantil” visível, vibrante e atuante. As ocupações extravasaram os canais tradicionais e consagrados de reivindicação previstos pela democracia representativa, tornando-se um movimento disruptivo, com forte teor transgressivo dos poderes instituídos e que, por isso, desencadearam forte repressão por parte do Estado. Ao mesmo tempo, foram espaços de produção de novas formas de educação e de uma vida escolar com mais liberdade, autonomia e sentido, corporificando críticas que os jovens vêm fazendo há muitos anos a respeito das políticas públicas e dos modelos de escolarização que lhes são oferecidos.</p> Ana Paula Corti Leonardo Crochik Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-03-10 2021-03-10 e29/ 1 28 10.5902/1984644442474 O financiamento da alimentação escolar em tempo integral: o real em pratos limpos https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/48198 <p class="Default">O presente trabalho, que traz, em seu título, a metáfora “o real em pratos limpos” como forma provocativa de evidenciar conhecimentos sobre a política de financiamento da alimentação escolar no Brasil, analisa o processo de correção do valor <em>per capita</em> do Programa Nacional de Alimentação escolar – PNAE, na Educação Básica pública brasileira em tempo integral (2013/2018). Foi elaborado, a partir da análise de dados dos valores <em>per capita</em> do PNAE repassados aos entes federados, conforme o número de matrículas nas escolas públicas e conveniadas em tempo integral, um estudo documental da legislação educacional brasileira para a alimentação escolar, para isso, recorreu-se a autores do campo da política de financiamento da alimentação escolar. Constatou-se que há a necessidade de um maior valor financeiro <em>per capita</em> ao PNAE para a educação em tempo integral, com correção anual e definição/regulamentação clara da complementação por parte dos estados, Distrito Federal e municípios.</p> Francisco Adaylson Abreu Oliveira Fabrício Aarão Freire Carvalho Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-05-05 2021-05-05 e37/ 1 25 10.5902/1984644448198 Revisão sistemática sobre as vantagens e desafios no uso de realidade aumentada como ferramenta pedagógica no ensino médio https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/42392 <p>O processo de ensino é dinâmico e desde o princípio se adapta a realidade de uma determinada época. A educação vem sendo muito influenciada pelo crescimento de novas tecnologias, dentre as quais se destaca a Realidade Aumentada (inserção de elementos virtuais no mundo real), pela sua capacidade de ilustrar conceitos muito abstratos. Para compreender como esta nova tecnologia vem sendo empregada como ferramenta pedagógica no Ensino Médio e os resultados obtidos, este trabalho realiza uma revisão sistemática sobre artigos encontrados em diversas bases de dados científicas. Por meio da análise dos documentos obtidos, este estudo exibe um panorama das pesquisas que vem sendo realizadas sobre Realidade Aumentada, aplicadas ao Ensino Médio, em todo o mundo, suas técnicas, áreas de interesse, desafios e oportunidades. Com base nos resultados encontrados observa-se que a melhora na aprendizagem e a motivação em apreender se destacam nos trabalhos analisados e estes corroboram os resultados encontrados em pesquisas iniciais nesta área.</p> Luiz Gustavo Pereira da Silva Hugo Leonardo Pereira Rufino Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-05-05 2021-05-05 e38/ 1 31 10.5902/1984644442392 Ensino fundamental e as relações de sociabilidades: os adolescentes e a diversidade na escola https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/40743 <p class="ydpdad118d9msonormal"><span>Este artigo advém de uma pesquisa realizada com o fomento do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), que contou com a participação de 175 (cento e setenta e cinco) adolescentes, de duas escolas públicas. Em relação aos objetivos deste texto, priorizamos analisar as relações de sociabilidades estabelecidas entre 111 (cento e onze) estudantes, do 6.º ao 9.º ano, em uma dessas escolas com vínculo ao Ensino Fundamental, em Belém, no Pará. Para a análise pretendida, utilizamos as noções conceituais de violência simbólica, hierarquia e <em>habitus</em>, de Pierre Bourdieu (1996; 2002; 2010), e representação, de Roger Chartier (1982; 1991). No que tange à literatura especializada sobre sociabilidades adolescentes, relações étnico-raciais e relações sociais, adotamos as formulações de Wilma Coelho e Mauro Coelho (2016), Wilma Coelho e Carlos Silva (2015; 2017; 2018; 2019) e Nicelma Soares (2010). As formulações conceituais de Laurence Bardin (2010), Marli André (2003) e Heraldo Vianna (2003) auxiliaram no trato e na sistematização dos dados, na etnografia escolar e nas observações. Os resultados apontam para: a) a centralidade das redes sociais para o estabelecimento, manutenção e rompimento das relações de sociabilidades; b) a necessidade de atenção sobre as redes sociais na experiência escolar – o conteúdo veiculado por meio da experiência online assume lugar secundário em relação às redes de sociabilidades, pois esses estudantes pensam no hoje; c) na percepção desses estudantes sobre o espaço escolar, o gosto pelo estudo e tudo que a ele se relaciona figuram como menos relevantes. Recomendamos uma ampliação dos investimentos pedagógicos da escola em relação aos interesses discentes na conformação de suas sociabilidades.</span></p> Wilma de Nazaré Baía Coelho Nicelma Josenila Costa de Brito Patrícia Simith dos Santos Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-05-05 2021-05-05 e39/ 1 25 10.5902/1984644440743 Docência em movimento: a transitividade no fazer docente https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/40170 <p>O presente texto versa a respeito da docência e seus processos de transitividade. O objetivo é tecer uma reflexão sobre a importância da transitividade na docência, tendo em vista as contribuições de Paulo Freire no que tange ao pensar certo e à reflexão sobre a ação. Além disso, outros autores são evocados para a escrita, tais como Pimenta (2002, 2010), Freitas (2018), Charlot (2000), Cunha (1999). O argumento principal desenvolvido no texto é que ao pensar certo o docente pensa sobre, ao pensar sobre, reflete sobre sua prática, e a reflexão sobre a prática o coloca em processo de ação-reflexão-ação, isso caracteriza a docência em movimento. A pesquisa é o elemento central para a transitividade na docência, a postura investigativa do professor, que reflete sistematicamente sobre sua prática, o coloca em constante movimento. Esse movimento é provocado pelos professores, por meio de saberes docentes como a reflexão, a pesquisa, a tomada de decisão e o pensar certo. </p> Isadora Alves Roncarelli Nilda Stecanela Fabiana Pauletti Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-05-05 2021-05-05 e40/ 1 18 10.5902/1984644440170 Regulação por resultados: leitura de pressupostos teóricos educacionais aliada a um documento do Banco Mundial https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/40558 <p>O trabalho tem por objetivo refletir sobre pressupostos teóricos educacionais considerados fundamentais para a regulação por resultados. São focalizados pressupostos modernos e contemporâneos, bem como é abordado um documento do Banco Mundial, com objetivo de perceber o tom dos pressupostos assumidos por essa organização que exerce interferência na formação humana. Quanto aos procedimentos metodológicos, a seleção do documento também está vinculada uma pesquisa maior em processo, na qual se problematiza a regulação por resultados. Considera-se que os pressupostos da modernidade mascaram a fragmentação de saberes sob ênfase de especialidade. Já os contemporâneos convidam a outros pensares, como oportunidade de fazer frente e resistir às lógicas de servidão e de (de)formação humana, além de enriquecer as vivências investigativas com outras reflexões. Quanto ao documento, percebe-se o predomínio da linguagem da empresa, cujo tom sinaliza aportes teóricos modernos. Assim, traduzir o conhecimento em resultados quantificáveis é uma preocupação central da agência, de modo a conservar as relações capitalistas de produção.</p> Roque Strieder Aline Bettiolo dos Santos Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-05-05 2021-05-05 e41/ 1 23 10.5902/1984644440558 Práticas pedagógicas interculturais: (re)conhecendo as diferenças em sala de aula https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/40573 <p>A revisão bibliográfica proposta neste artigo dialoga com as contribuições de Candau (2008; 2011; 2012); Moreira (2008; 2012; 2013) e Walsh (2009), desenvolvendo uma reflexão sobre a escola básica e as diferentes culturas que habitam seus espaços. Este trabalho reflete sobre os papeis desenvolvidos na escola e sobre os aspectos culturais que permeiam esses espaços, os quais podem variar entre uma educação monocultural e/ou intercultural. Aponta a interculturalidade como uma forma diferenciada de elaborar teorias e práticas educativas, problematizando-se a urgência da valorização da diversidade cultural presente nos espaços escolares, (re)conhecendo e valorizando as culturas trazidas pelos sujeitos ao espaço escolar, estimulando comunicações dialógicas entre elas. Torna-se necessário que a igualdade e as diferenças sejam valorizadas, empoderadas e estimuladas a comunicarem-se democraticamente, despertando o interesse dos indivíduos, sujeitos do processo escolar, no sentido de compreender que não é possível resolver as diferenças e muito menos padronizar a igualdade como acontece nas práticas monoculturais. Nesse sentido, a escola tem o papel desafiador de tornar professores e alunos agentes multiplicadores de ideias e práticas mais inclusivas dentro e fora dos espaços escolares através de seus currículos prescritivos. Diante desse cenário, conclui-se que a interculturalidade surge como uma alternativa viável para que os conteúdos pedagógicos não homogeinizem a aprendizagem conforme analisado ao longo do artigo. Propõe-se que, através do diálogo e do reconhecimento das diferentes identidades em níveis de igualdade e diferença, seja possível constituir uma sociedade democrática a partir do <em>chão da escola</em>.</p> Rosane Barreto Ramos dos Santos Paulo Pires de Queiroz Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-05-05 2021-05-05 e42/ 1 18 10.5902/1984644440573 Metacognição, programação de computadores e robótica: um mapeamento de teses em língua portuguesa no campo educacional https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/40698 <p>Objetiva-se analisar que aspectos teóricos e práticos da metacognição, da programação de computadores e da robótica estão sendo abordados em teses produzidas em língua portuguesa no campo da Educação. À vista disso, procede-se a uma abordagem quali-quantitativa, exploratória, por meio de procedimentos predominantemente bibliográficos, do tipo estado do conhecimento. Para delimitação do corpus documental, filtraram-se as teses no período de 2013 a 2017, que constam no Catálogo de Teses e Dissertações da Capes, Programas de Pós-Graduação em Educação com nota 7 no sistema de Avaliação Capes, RCAAP e B-On. Em um processo de <em>ruptura dos pré-conceitos</em>, 57 pesquisas foram filtradas, resultando-se em 17 teses para analisá-las. Para isso, utilizaram-se três categorias gerais: programação de computadores, metacognição; scratch, metacognição; e robótica, metacognição. Além dessas, outras quatro específicas: programação de computadores; robótica; scratch; e metacognição. Em síntese, por meio da análise do título, das palavras-chave, do resumo e do sumário, 13 teses contemplaram as categorias, sendo três consideradas como gerais e que agregam as temáticas em investigação. O estudo associando tais temáticas revela-se incipiente, porém promissor, pois, diante das fontes pesquisadas, mostra carência de pesquisas nessa esfera. Por outro lado, possibilita a ampliação para um estado da arte que poderá validar o resultado obtido.</p> Fernanda Batistela Adriano Canabarro Teixeira Cleci Teresinha Werner da Rosa Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-05-05 2021-05-05 e43/ 1 27 10.5902/1984644440698 Smartphone no campo escolar: análise do discurso científico produzido nos artigos disponíveisna base de dados da Red de Revistas Científicas de América Latina y el Caribe, España y Portugal (REDALYC) https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/53236 <p>A escola do século 21 está passando por um processo de mutação único; A entrada em cena do digital (em termos genéricos) e do smartphone (em termos particulares), permitiu o surgimento de uma série de novas realidades cujas principais características se constituíram, nas últimas décadas, no campo escolar. Para tanto, o discurso científico vem produzindo algumas regularidades enunciativas, na intersecção temática do smartphone-escola, um topoi que passou a definir os limites do enunciável/pensável no marco daquele determinado campo de conhecimento que mescla o tecnológico com a escola. Nesse sentido, o presente trabalho examina através da Análise Crítica do Discurso (ACD), 28 artigos que fazem parte do banco de dados da Red de Revistas Científicas da América Latina e Caribe, España y Portugal (REDALYC). Foram identificadas as regularidades discursivas que tipificam a intersecção temática smartphone-escola (objeto de interesse), delineando de forma preliminar o campo enunciativo instrumental-utilitário a partir do qual se constituem as relações de saber-poder através das quais o científico-escolar vem pensando, enunciando, o eixo temático em consideração.</p> Rafael Alberto González González María Helena Silveira Bonilla Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-05-05 2021-05-05 e44/ 1 29 10.5902/1984644453236 Jung, Hillman e a educação: por outras lógicas na formação docente https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/48055 <p>Como profissão relacional, a docência convoca à ampliação do olhar e da escuta para suspeitar dimensões além das fronteiras demarcadas pela unilateralidade da função pensamento. Que formação poderia contribuir para abrir passagens nessas fronteiras? Este artigo tematiza a formação docente, baseando-se em dados de duas pesquisas que, desenvolvidas com autorias e tempos distintos, privilegiaram o encontro com professoras em exercício e/ou em formação inicial, mediado pelas linguagens artístico-expressivas, propondo e discutindo perspectivas de formação estética. Um fio que atravessa as duas pesquisas é o conceito junguiano de <em>arquétipo da criança</em> e, com ele, o núcleo da discussão proposta para o artigo é tecido, visando apresentar as contribuições de Carl Gustav Jung e James Hillman para a educação e, sobremaneira, para a formação docente. Acolher a teoria dos arquétipos, visibilizar a criança simbólica que habita o indivíduo e destacar a função sentimento, conteúdos presentes na teoria dos referidos autores, possibilitou refletir e perspectivar sobre a necessária (res)significação da jornada de formação e reafirmar: é preciso abrir espaço a outras lógicas, de modo a aproximar consciente e inconsciente, cultivar e agregar outras forças que influenciam a ação humana, integrar pensamento e sensibilidade, poesia e saber científico.</p> Luciana Esmeralda Ostetto Cristiana Garcez dos Santos Seixas Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-05-05 2021-05-05 e45/ 1 25 10.5902/1984644448055 Interfaces entre educação profissional em alternância e formação integrada omnilateral: reflexões a partir da experiência da Escola Família Agrícola de Natalândia/MG https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/41651 O presente trabalho tem como tema a reflexão do processo educativo do curso técnico em alternância da Escola Família Agrícola de Natalândia-MG. O objetivo aqui proposto é analisar as aproximações entre a Pedagogia da Alternância, realizada na EFAN e a formação integrada omnilateral. Trata-se de um trabalho que se desenvolve nos marcos da pesquisa qualitativa, tendo como procedimentos técnicos o estudo de caso e como instrumentos de coleta de dados a observação livre; a pesquisa documental, utilizando como fontes de coletas de dados o Projeto Político-Pedagógico e o Plano de Formação; a entrevista semiestruturada direcionada aos pais e aos professores/monitores e o grupo focal realizado com estudantes do curso técnico em agropecuária integrado ao ensino médio. Como resultado deste estudo, é possível notar que há evidenciado, nos documentos orientadores da EFAN e no processo educativo por ela desenvolvido, preocupação em desenvolver o pensamento crítico-reflexivo, a criatividade e a curiosidade dos estudantes com vistas à formação integral. Além disso, observa-se o estabelecimento do vínculo entre formação geral e formação profissional, a fim de permitir que os estudantes possam se apropriar das técnicas produtivas e de seus respectivos fundamentos científicos. Neste sentido, observa-se que o modo educativo da EFAN dialoga com a perspectiva da formação integrada omnilateral. Daiane Aparecida Ribeiro Queiroz Mad'Ana Desirée Ribeiro de Castro Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-05-05 2021-05-05 e46/ 1 26 10.5902/1984644441651 A branquitude como entrave a implementação da Lei Federal 10.639/03 na educação infantil https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/44389 <p>Este artigo tem por eixo central apresentar reflexões sobre os entraves a implementação da Lei Federal 10.639/03, no contexto da educação infantil. Nesse sentido, toma-se como referência a pesquisa realizada, em 2017, com crianças de quatro a seis anos e suas professoras. Os aportes teóricos foram construídos a partir de uma reflexão dialógica entre o campo das relações raciais, sociologia da infância e branquitude, os e as autoras Gomes (2005), Silva (2007), Cardoso (2008), Munanga (2010) e Bento (2014) orientaram a análise. O foco principal foi compreender a branquitude como prática de poder expressa nas experiências educativo-pedagógicas da educação infantil. A partir da etnografia, buscou-se apreender as linguagens, as ações pedagógicas, as materialidades, sobretudo, como eram vividas as dimensões raciais. Os resultados apontaram que a branquitude pode ser considerada um empecilho à promoção de uma educação plural e democrática no cotidiano da instituição analisada.</p> Cintia Cardoso Lucimar Rosa Dias Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-05-28 2021-05-28 e47/ 1 28 10.5902/1984644444389 Organizando os usos e funções dos vegetais: a etnobotânica auxiliando na prevenção e diminuição da cegueira botânica. https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/40631 <p><span>O surgimento da espécie humana inaugurou diversos usos dos vegetais, que se perpetuam até hoje, embora as plantas não recebam a devida importância. Essa falta de reconhecimento chega muitas vezes à cegueira botânica, termo criado para definir a dificuldade das pessoas notarem a flora no seu ambiente e reconhecerem sua relevância para a vida na Terra. O objetivo dessa pesquisa foi reunir alguns usos dos vegetais pelos seres humanos e algumas de suas funções no ambiente, que se encontravam dispersos e passavam despercebidos. O método empregado foi a pesquisa em fontes bibliográficas, por meio da qual as categorias mais comuns da Etnobotânica foram incluídas e foram ampliadas com a inclusão de categorias de outras ciências ou criação de novas categorias. <s>Após</s>, Para isso, selecionou-se pelo menos um vegetal e uma fonte que referenciasse o uso ou função dessa categoria. O resultado foi a organização de um quadro contendo vinte nove categorias de usos e funções, com potencial para serem utilizadas no ensino de Botânica. O resultado dessa pesquisa, junto com ações e estratégias integradas, que estão relacionadas ao encantamento, afetividade e contextualização do ensino/aprendizagem, talvez possa contribuir para a prevenção e tratamento da cegueira botânica. Nesse sentido, o esperado é auxiliar na valorização e conservação das plantas, uma vez que quase <span>todo ser vivo depende do reino vegetal para sobreviver, inclusive o ser humano, embora aja como se não dependesse.</span></span></p> André Micaldas Corrêa Luiz Anastácio Alves Joyce Alves Rocha Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-05-28 2021-05-28 e48/ 1 26 10.5902/1984644440631 Vozes de Professores: Política Municipal de Alfabetização de Manaus em Debate https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/55163 <p><span>Este artigo apresenta os resultados parciais das ações do movimento de resistência denominado Política Municipal de Alfabetização de Manaus em debate, organizado por professores da Educação Infantil, dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental, pedagogos da Secretaria Municipal de Educação de Manaus (SEMED), Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado do Amazonas (SINTEAM), professores e pesquisadores da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Amazonas diante da Minuta de Lei da Política Municipal de Alfabetização, apresentada pela SEMED/Manaus. O estudo partiu da análise proposta na Minuta, considerando seu aspecto teórico-metodológico, bem como do contexto de sua apresentação (em uma pandemia da COVID-19), tempo destinado para análise e ausência de representatividade de profissionais da educação nas discussões. A proposta da SEMED se alinha às proposituras do Decreto Federal n° 9.765, de 11 de abril de 2019, que institui a Política Nacional de Alfabetização, que neste estudo também será analisada, à luz das considerações críticas, que apontam seus limites e problemas conceituais, epistemológicos, políticos, pedagógicos e metodológicos levantados pelos principais pesquisadores brasileiros no campo da alfabetização e discutidos no Dossiê “Política Nacional de Alfabetização em foco: olhares de professores e pesquisadores”, organizado pela Associação Brasileira de Alfabetização. Os resultados evidenciam a necessidade do fortalecimento de uma ação coletiva com </span><span>participação de representantes das universidades, associações científicas, professores e outros representantes da sociedade civil brasileira para o surgimento de políticas educacionais que considerem as experiências em andamento, as vozes dos professores e o desejo da escuta de suas reais necessidades, emancipação e valorização docente.</span></p> Raiolanda Magalhães Pereira de Camargo Selma Suely Baçal Oliveira Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-05-28 2021-05-28 e49/ 1 25 10.5902/1984644455163 Avaliação da formação inicial em Educação Física: percepções de egressos de uma universidade pública do Estado de Santa Catarina https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/41376 <p>Este estudo de métodos mistos investigou percepções de graduados em Educação Física (EF) sobre sua formação inicial, realizada em uma universidade pública do Estado de Santa Catarina. Aplicou-se um questionário on-line para coletar informações sobre a formação inicial de 94 egressos (50 bacharéis e 44 licenciados) formados sob nova proposta curricular implementada em 2008 na instituição. As atividades de extensão (8,35 ± 1,51) e atividades de pesquisa (8,24 ± 1,66) obtiveram as maiores pontuações, com ênfase na diversidade de estruturas e opções oferecidas. Os colegas de graduação (7,45 ± 1,73), devido à falta de comprometimento com o curso, e a estrutura curricular (7,64 ± 1,59), devido aos problemas na organização dos cursos, receberam as classificações mais baixas. Os licenciados avaliaram seu curso melhor que os bacharéis, especialmente nos componentes <em>docentes</em> (T = 8,55 ± 1,02; B = 7,28 ± 1,37), <em>colegas de classe</em> (T = 7,91 ± 1,60; B = 7,04 ± 1,76), <em>infraestrutura física</em> (T = 8,30 ± 1,69; B = 7,64 ± 1,34), <em>estágios supervisionados</em> (T = 8,61 ± 1,45; B = 7,72 ± 1,73) e <em>avaliação geral do curso</em> (T = 8,64 ± 1,10; B = 7,82 ± 1,35). Os estágios supervisionados, a estrutura curricular, o corpo docente e as atividades de extensão explicaram 59,0% da variação da avaliação geral do curso. Considerando esses resultados, os responsáveis pela estruturação da formação inicial em EF podem consolidar as práticas e componentes que foram bem avaliados, bem como pensar em alternativas para reduzir as fragilidades e os aspectos negativos percebidos pelos egressos.</p> William das Neves Salles Samara Escobar Martins Maria Eduarda Tomaz Luiz Adriana Coutinho de Azevedo Guimarães Alcyane Marinho Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-05-28 2021-05-28 e50/ 1 22 10.5902/1984644441376 Teoria dos letramentos críticos aplicada no ensino de língua inglesa para formação integral dos discentes https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/41233 <p><span>O Decreto 5.154/04, que regulamenta a Educação Profissional Técnica de Nível Médio, é considerado um avanço em relação aos anteriores por permitir que a Educação Profissional Técnica seja ofertada na modalidade Integrada ao Ensino Médio sob a articulação dos eixos trabalho, ciência, tecnologia e cultura. Assim, possibilita que as práticas pedagógicas para essa modalidade de ensino superem os conhecimentos puramente técnicos e sejam encaminhadas com vistas à formação ampla dos sujeitos. Nesse sentido, as Orientações Curriculares para o Ensino Médio, na sessão Língua Estrangeira – OCEM-LE, (BRASIL, 2006), sugerem que as práticas de ensino de língua estrangeira sejam embasadas na teoria dos Letramentos Críticos buscando formar indivíduos criativos, críticos e de mente aberta para o exercício de cidadania plural. Assim, esta pesquisa investigou de que modos, ao serem balizadas na teoria dos Letramentos Críticos, as práticas docentes em aulas de Língua Inglesa do Curso Técnico em Agropecuária Integrado ao Ensino Médio podem contribuir para a formação integral dos alunos do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará (IFPA) – <em>Campus</em> Castanhal. Os dados coletados provêm de observação participante e gravação de áudio das aulas de Língua Inglesa durante a execução de uma sequência didática elaborada para a pesquisa com base nesses princípios teóricos e utilizando textos multimodais. A investigação demonstrou que práticas pedagógicas direcionadas por princípios dos Letramentos Críticos podem contribuir com uma formação para além da </span><span>instrumentação linguística e a preparação para o mercado de trabalho, pois estimulam os alunos a lerem a si mesmos e ao mundo criticamente.</span></p> Veronica Damasceno de Souza Feitoza Simone Batista da Silva Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-05-28 2021-05-28 e51/ 1 29 10.5902/1984644441233 Notas sobre os saberes disciplinares do Curso Normal da Escola Superior de Educação Física do Rio Grande do Sul (1940-1956) https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/41338 <p><span>O presente estudo tem por objetivo compreender como ocorreu a organização dos saberes disciplinares do Curso Normal, da Escola Superior de Educação Física (ESEF), do estado do Rio Grande do Sul, durante o período em que este permaneceu em atividade (1940-1956). <a name="_Hlk44517107"></a>A narrativa historiográfica, guiada por Certeau (2017) e Chartier (2017), foi sustentada pelos pressupostos teórico-metodológicos dos saberes docentes, especialmente aqueles compreendidos por Desbiens (2005) e Tardif (2014) como saberes disciplinares e saberes curriculares. Este referencial foi articulado com a bibliografia sobre planejamento pedagógico, sobretudo aquela empregada por Libâneo (2012). <a name="_Hlk44517441"></a>O processo de análise e enfrentamento dos distintos documentos históricos utilizados pela pesquisa foi orientado pela técnica de análise documental, conforme descrita por Cellard (2012). Os resultados obtidos sustentaram a construção de uma leitura sobre a organização dos saberes disciplinares do Curso Normal de Educação Física da ESEF, os quais </span><span>foram diferenciados, inicialmente, por suas características de ensino prático e teórico. Intrinsecamente a essas diferenciações, foi possível demarcar características do perfil profissional forjado pelo referido curso. Neste cenário, os(as) professores(as) que frequentaram e concluíram o Curso Normal de Educação Física na ESEF, ao inserirem-se nas escolas primárias, conduziram o ensino de uma Educação Física voltada ao <em>saber fazer</em>, característica esta que permeava a formação profissional da área, durante o período (1940-1957).</span></p> Tuany Defaveri Begossi Janice Zarpellon Mazo Cibele Biehl Bossle Vanessa Bellani Lyra Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-05-28 2021-05-28 e52/ 1 21 10.5902/1984644441338 Efeitos dos modelos econômicos nas políticas de distribuição de bens linguísticos no Brasil https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/42037 <p>Com o objetivo de contribuir para a compreensão dos processos de distribuição de bens linguísticos na sociedade brasileira, são observadas, neste trabalho, as mudanças que se operaram nas bases econômicas de produção capitalista, a partir da década de 1970, e os projetos políticos, sociais e educacionais definidos para o país em diferentes conjunturas históricas desde então constituídas. A não consideração mais detalhada das mudanças nas bases econômicas e de seus efeitos para a manutenção ou amplificação da desigualdade social dificulta a observação mais atenta do funcionamento, nessa ordem, dos projetos oficiais para o ensino de língua portuguesa no Brasil. Nesse sentido, são evidenciadas, com base em conceitos da análise do discurso de linha francesa, as tensões resultantes da concorrência entre modelos político-econômicos implantados no país, nas três últimas décadas do século XX e nas décadas iniciais do século XXI, e suas relações com a constituição de concepções concorrentes de língua e de sujeito da aprendizagem, estabelecidas, no período observado, em políticas públicas de educação e materializadas em documentos de parametrização curricular. Os resultados apontam para a necessidade de questionar os efeitos da implantação de um currículo nacional comum para o ensino de língua portuguesa quando são mantidas as condições desiguais de escolarização, em um contexto de destruição de políticas sociais e de fortalecimento das bases concorrenciais na ordem econômica do país, expandidas agora para as classes mais pobres.</p> Emerson de Pietri Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-05-28 2021-05-28 e53/ 1 25 10.5902/1984644442037 Logística reversa como instrumento de sustentabilidade ambiental em uma escola pública https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/42622 <p>A logística reversa é uma estratégia que operacionaliza o retorno de resíduos sólidos ao ambiente de negócios e produtivo. Promover esse trabalho em escolas é algo novo, já que a comunidade escolar e parte da sociedade desconhecem os malefícios que os componentes presentes em pilhas e baterias causam ao meio ambiente e à saúde humana. Este<strong> </strong>estudo objetivou promover a logística reversa de pilhas e baterias, através de ações realizadas com alunos na Escola de Referência em Ensino Médio Frei Epifânio, no estado de Pernambuco, assim como desenvolver práticas educativas para sensibilizar a comunidade escolar em relação ao descarte correto do lixo eletrônico. Tratou-se de um estudo de campo descritivo, com base quali-quantitativa, no qual foi aplicado um questionário aos professores e alunos do 1º ao 3º do ensino médio e da Educação de Jovens e Adultos. A partir das respostas obtidas os dados foram compilados e analisados e foram apresentados em uma tabela, utilizando a frequência relativa (FR). Os resultados apontam que a temática logística reversa, nessa escola, ainda não foi alvo de ações relacionadas à Educação Ambiental e que muito há de ser feito para poder despertar nos discentes, docentes e comunidade a mudança de hábitos e atitudes, <span>principalmente, no descarte desses resíduos e práticas de Educação Ambiental. Nesse sentido, são ações de logística reversa como essa que muitas escolas deveriam fazer, pois podem contribuir não apenas para um meio mais equilibrado, mas também para o desenvolvimento de projetos de Educação Ambiental e escolas mais sustentáveis.</span></p> André dos Santos Aurea do Nascimento Siqueira Mesquita Mércia Cristina de Magalhães Caraciolo Valéria Sandra de Oliveira Costa Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-05-28 2021-05-28 e54/ 1 19 10.5902/1984644442622 Currículo de formação docente inicial e inclusão de estudantes PAEE: uma análise do Projeto Imersão Docente https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/45309 <p>Este artigo analisa os saberes e as práticas disponibilizados no currículo de formação inicial docente do Projeto Imersão Docente (PID), no que se refere à inclusão de estudantes público-alvo da educação especial (PAEE), com base nos significados atribuídos por aqueles/as que participaram do Projeto. O PID constitui-se como uma possibilidade de formação inicial de professores/as que opera por meio da inserção de futuros/as docentes em turmas de ensino fundamental de uma escola de tempo integral que funciona em uma Universidade Federal. Nesse Projeto, os/as estudantes de graduação têm a possibilidade de atuarem como mediadores/as do processo de inclusão de alunos/as PAEE, sendo orientados/as pela equipe docente que atua na instituição. Com base na perspectiva pós-crítica e, particularmente, nos conceitos desenvolvidos por Michel Foucault, compreende-se que o currículo desse Projeto disponibiliza certos saberes e demanda que os/as graduandos/as exerçam certas práticas sobre si mesmos/as a fim de constituírem-se como futuros/as professores/as que tomam a inclusão como aspecto central de suas ações docentes. Por meio da análise de entrevistas realizadas com treze graduandos/as que atuaram no Projeto entre 2016 e 2018, argumenta-se que esse currículo opera com saberes que proporcionam o questionar(-se) constante, a compreensão da “diferença dentro da diferença” e a crença no potencial de todos/as para a permanente aprendizagem. Dessa forma, esse currículo reativa o <em>imperativo da inclusão</em> que opera na atualidade e produz docentes que acreditam na potencialidade da educação inclusiva para a promoção de uma educação mais justa e igualitária.</p> Maria Carolina da Silva Caldeira Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-06-30 2021-06-30 e55/ 1 27 10.5902/1984644445309 Competências desenvolvidas no processo de formação profissional dos técnicos de enfermagem da região sul do Rio Grande do Sul https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/41514 <p>Estudo desenvolvido nos cursos Técnicos de Enfermagem da região sul do estado do Rio Grande do Sul, objetivando analisar o processo de formação profissional formal dos futuros técnicos em enfermagem, nesta localidade, se faz por meio do desenvolvimento de competências, assim como conhecer as competências que estão sendo desenvolvidas nestes cursos. O significado sobre desenvolvimento de competências no âmbito educacional e profissional está alicerçado nas ideias de Philippe Perrenoud. A metodologia é uma abordagem qualitativa, de natureza exploratória e caráter descritivo. A coleta dos dados primários foi mediada pela aplicação de instrumento semiestruturado, com perguntas abertas e fechadas, aos discentes e docentes, no segundo semestre de 2018. E os dados secundários foram obtidos através de pesquisa documental. O estudo foi desenvolvido em quatro instituições distribuídas em três municípios, participando 64 discentes e cinco docentes. Os resultados foram extraídos com base no método de análise de conteúdo. Foram encontrados elementos constitutivos que indicam que o processo formativo nestes espaços está alicerçado nas noções de competências de acordo com referencial teórico adotado. Assim, o processo de ensino aprendizagem ao contemplar o desenvolvimento de competências, adquire um sentido mais amplo do que apenas a formação profissional e inserção no mercado de trabalho. Tem como possibilidades a contribuição com a produção de saúde individual, coletiva e pública e formação humana e cidadã de seus integrantes. </p> Carla Regina Andre Silva Deise Lima Righi Marlene Teda Pelzer Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-06-30 2021-06-30 e56/ 1 23 10.5902/1984644441514 As implicações do Programa de Residência Pedagógica para formação docente: das narrativas à (re)elaboração do trabalho pedagógico no ensino da Educação Física https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/42561 <span>O artigo cotejou as implicações do Programa Residência Pedagógica (desenvolvido no núcleo de Educação Física, sob os cuidados de uma instituição de educação superior federal), em relação à formação continuada e a organização do trabalho pedagógico desenvolvido por três (3) docentes atuantes em escolas públicas, numa cidade sul mineira. Tratou-se de uma investigação de natureza qualitativa, sob um desenho narrativo. Quanto aos procedimentos metodológicos, utilizou-se para a coleta de dados, entrevistas com base em questionário semiestruturado, com efeito, explorando o significado das ações desses docentes, a partir do teor narrativo que expuseram. Para erigir as categorias de análise, empregou-se a técnica de triangulação dos dados,</span><span>observando, no primeiro processo interpretativo, a valorização fenomênica e a técnica dos dados primários, em seguida, num segundo movimento perscrutador, as informações foram contextualizadas, criticadas, comparadas e trianguladas. Por fim, na qualidade de última ação analítica, formulamos três categorias de análise, relacionando o conteúdo das entrevistas e a literatura pertinente. Os resultados evidenciaram que o programa fora auspicioso, em virtude de suas especificidades e de sua organização pedagógica, notadamente em relação à proposta de planificação dos conteúdos. De igual modo, demonstraram </span>que os depoentes desfrutaram de formações distintas e encontravam-se em momentos díspares da carreira docente. Além disso, revelaram também que a formação continuada, proporcionada no interior do referido programa, suscitou interação (formativa) entre a educação básica e a superior, por efeito, pode-se rechaçar a dicotomia entre teoria e prática pedagógica, o que por sua vez afetou a disposição e o desdobramento do trabalho pedagógico realizado pelos pesquisados. Kleber Tüxen Carneiro Bruno Adriano Rodrigues da Silva Fábio Pinto Gonçalves dos Reis Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-06-30 2021-06-30 e58/ 1 33 10.5902/1984644442561 Formação acadêmica e vida independente: um diálogo a ser construído https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/43012 <p>Muito discute-se a inclusão escolar do sujeito com deficiência, mas pouco pensa-se o momento pós-escola, quais estratégias devem ser construídas para que ele termine sua escolarização com condições para esta nova etapa. Nesta direção, o presente artigo tem como finalidade discutir a construção de um Plano Individualizado de Transição, como uma estratégia pedagógica para auxiliar o processo de transição da escola para vida independente para jovens e adultos com deficiência. Este documento configura-se como um instrumento norteador do trabalho do professor, de forma a organizar a ação pedagógica e o atendimento educacional especializado, com o objetivo de auxiliar o processo de transição da escola para vida independente para estudantes com deficiência. Pensando a saída do aluno da escola, de forma que este seja capaz de inserir-se socialmente na comunidade, decidir seu percurso formativo, modalidades de Educação Profissional e inserção no mundo do trabalho. Nesse sentido, conclui-se que a individualização do ensino aliada à acessibilidade pedagógica, uma equipe capacitada e com um trabalho colaborativo, é possível que estes educandos trilhem seus caminhos nos mais diferentes níveis de ensino e vida independente.</p> Annie Gomes Redig Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-06-30 2021-06-30 e59/ 1 26 10.5902/1984644443012 Igualdade é uma palavra que o sonho humano alimenta: Rancière e a crítica aos discursos pedagógicos contemporâneos https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/45306 <p>Em <em>O Espírito da Leis</em>, Montesquieu atribui à educação – e, em particular, à sua forma escolar – a tarefa de difundir e cultivar o amor à igualdade, por ele concebido como a virtude política por excelência e como o princípio afetivo que sustenta o regime republicano como modo de vida. O desafio que sua obra lança aos educadores – o de viabilizar uma educação comprometida com o <em>amor à igualdade –</em> mobiliza os discursos educacionais republicanos que, desde então, procuraram conceber meios de efetivar o princípio da igualdade no âmbito das instituições educativas. O presente artigo analisa diferentes formas pelas quais os discursos educacionais se propuseram a operacionalizar esse princípio no plano das relações educativas. Partimos da análise da escola pública como esforço de efetivação do princípio liberal da igualdade de oportunidades e apresentamos, a seguir, as críticas a ela endereçadas pelas teorias reprodutivistas e pelas correntes pedagógicas autoproclamadas histórico-críticas. Em um terceiro momento, buscamos articular as críticas de Jacques Rancière a ambas as correntes, apresentando uma perspectiva na qual o compromisso com a igualdade não é concebido como um objetivo da ação educativa a ser alcançado no futuro, mas como um axioma capaz de produzir efeitos igualitários em suas ações presentes.</p> José Sérgio Fonseca de Carvalho Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-06-30 2021-06-30 e60/ 1 22 10.5902/1984644445306 Narrativas na (e para a) formação de professores: algumas mobilizações no âmbito do Pibid-UFSCar https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/44169 <p>Apresentar e discutir alguns modos de mobilização de narrativas na (e para a) formação de professores no Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (Pibid) da Universidade Federal de São Carlos, UFSCar, é o objetivo deste artigo. Para isso, nos respaldamos em narrativas - produzidas no âmbito de uma pesquisa de doutorado - de oito coordenadores de área de subprojetos e de dois ex-coordenadores institucionais do Pibid-UFSCar, bem como em documentos oficiais que versam sobre o programa desta instituição. Trata-se, portanto, de um trabalho qualitativo cujo movimento analítico foi inspirado no modelo de <em>análise narrativa</em>. Isto porque, optou-se por assumir as narrativas como foco do estudo, sobretudo, por defendermos que nossos interesses de pesquisa estavam pautados na subjetividade dos sujeitos e, nessa direção, as narrativas podem ser tomadas como espaços nos quais eles tecem sentidos, criam significados e se constituem nos diferentes espaços e tempos. A partir disso, apresentaremos uma versão possível para o Pibid-UFSCar bem como alguns modos de mobilização de narrativas na (e para a) formação docente, enfatizando o trabalho com portfólios por eles desenvolvidos. De modo geral, chamaremos atenção do leitor para algumas das potencialidades do trabalho narrativo percebidos nesse cenário como, por exemplo, a criação de um espaço menos verticalizado para discussões e problematizações de temas e ideias, a possibilidade de acompanhamento do processo de tornar-se professor, a contribuição para o desenvolvimento da Língua Portuguesa, da escrita, da oralidade, dentre outros aspectos. </p> Ana Claudia Molina Zaqueu-Xavier Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-06-30 2021-06-30 e61/ 1 24 10.5902/1984644444169 Cenários virtuais de aprendizagem como recurso pedagógico diante da pandemia do novo coronavírus: relatos das experiências docentes https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/44201 <p>O distanciamento físico causado pela pandemia da COVID-19 (Novo Coronavírus), em pleno ano de 2020, tem (re)configurado o processo de ensino e aprendizagem por meio do ambiente virtual como cenário educativo nas modalidades de ensino presencial, inclusive na Educação Básica. Este estudo tem como principal objetivo descrever a utilização dos Cenários Virtuais de Aprendizagem como recurso pedagógico implementado por escolas da rede pública de ensino no município de Jeremoabo/BA. Trata-se de uma pesquisa qualitativa com viés descritivo, caracterizada como estudo de caso. A produção de dados se deu a partir da análise dos informes publicados em redes sociais das instituições, assim como da realização de entrevista semiestruturada <em>online</em>, que contou com a participação de 10 (dez) professores pertencentes ao quadro efetivo de funcionários, tanto na rede municipal quanto estadual de educação, atuantes em escolas do município. Como resultado, ficou evidenciada a contribuição dos cenários virtuais na prática docente para o prosseguimento do ano letivo diante da pandemia, mesmo sem formação específica para lidar com as tecnologias digitais no ensino; além disso, a dificuldade dos professores está centrada na inclusão do aluno no espaço digital, considerando-se a escassez dos recursos e a indisponibilidade de conexão estável com a <em>internet</em>.</p> Willian Lima Santos Anne Alilma Silva Souza Ferrete Manoel Messias Santos Alves Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-06-30 2021-06-30 e62/ 1 27 10.5902/1984644444201 Avaliação do nível da proficiência nas competências digitais dos docentes do ensino superior em Portugal https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/61414 <p>O objetivo deste estudo é avaliar o nível de competência digital dos docentes do ensino superior em Portugal. A metodologia utilizada foi um survey, envolvendo um questionário online de autoavaliação, baseado no DigCompEdu, <em>framework</em> desenvolvido e validado na União Europeia. O survey coletou dados em três dimensões: pessoal (gênero, nível de formação, faixa etária e tempo de carreira), docência (ciclo de ensino e modalidade de ensino) e institucional (tipo de ensino, tipo de estabelecimento e região administrativa). O questionário foi respondido por 695 participantes. A análise de dados envolveu a aplicação de técnicas estatísticas como teste t-student e ANOVA. Os resultados apontaram um nível de proficiência intermediário nas competências digitais dos docentes. Não foram detectados efeitos estatisticamente significativos de variáveis como: gênero, faixa etária, tempo de carreira, tipo de estabelecimento e região administrativa. Entretanto, professores com maior nível de formação e que lecionam em níveis de ensino superiores (mestrado e doutorado), a distância e em estabelecimentos politécnicos apresentaram maior nível de competência digital. O estudo identificou necessidades relativas ao desenvolvimento de <em>frameworks</em> que contemplem a educação superior online e o desenvolvimento de formação continuada de professores para promover melhorias no nível de proficiência digital dos docentes.</p> Cassio Cabral Santos Neuza Sofia Guerreiro Pedro João Mattar Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-06-30 2021-06-30 e63/ 1 37 10.5902/1984644461414 Estressores e crença de autoeficácia em universitários negros https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/42452 <p><span>A literatura científica destaca que maiores níveis de autoeficácia estão associados a um desempenho acadêmico mais satisfatório. Entre as variáveis que podem afetar esse fenômeno, destaca-se que o preconceito racial sofrido por estudantes negros pode constituir-se como um fator estressor capaz de impactar na crença de autoeficácia no contexto universitário. O objetivo deste estudo foi caracterizar a percepção de estressores e a crença de autoeficácia de estudantes universitários autodeclarados negros e pardos. Trata-se de estudo <em>survey</em> descritivo, preditivo, comparativo e correlacional. Participaram 60 estudantes universitários com idade média de 23,1 anos, sendo 45 mulheres e 15 homens, autodeclarados pardos/negros. Por meio de uma coleta de dados online, foram empregados instrumentos para caracterização de rendimento acadêmico, de avaliação de autoeficácia em situações acadêmicas e de sintomas de estresse. A amostra enfrentou maior estresse no tocante às demandas acadêmicas em comparação com outros contextos. A crença de autoeficácia teve impacto significativo na percepção de estressores na maioria dos contextos. Outro estressor refere-se às relações com família e colegas. Diante disso, sugere-se o desenvolvimento de políticas institucionais que permitam ao aluno desenvolver suas potencialidades, </span>especialmente sua crença de autoeficácia, buscando amenizar a percepção de estressores. Tais políticas devem dialogar diretamente com as possíveis necessidades trazidas pelos estudantes negros.</p> Marta Regina Gonçalves Correia-Zanini Adalberto Moretti Brito Fabio Scorsolini-Comin Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-06-30 2021-06-30 e64/ 1 27 10.5902/1984644442452 O modelo integrativo para o espaço semântico da música e um processo educacional musical contemporâneo: a herança científica e criativa de Mikhail Borisovich Ignatyev https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/53329 <p>O advento da tecnologia da computação levou à criação e ao desenvolvimento de novas formas de ensino da arte musical. O surgimento das tecnologias de computação musical (MCT) foi a base para a criação tanto de novas formas no processo educacional quanto de novos sujeitos, o surgimento de novas disciplinas e novas tendências educacionais no sistema de uma educação musical contemporânea. Esses novos assuntos, como "Informática Musical", "Trabalho Criativo de Música de Computador", "Arranjo e Composição de Computador, Programação de Som e Timbre", "Instrumentos Musicais Eletrônicos" e muitos outros, refletem totalmente a essência das mudanças que ocorreram em abordagens para o estudo da arte musical. Este artigo analisa a possibilidade de incluir um modelo integrativo para o espaço semântico da música, desenvolvido com a participação do destacado cibernético, o cientista Mikhail Borisovich Ignatyev, em um processo educacional musical contemporâneo.</p> Irina Gorbunova Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-06-30 2021-06-30 e65/ 1 23 10.5902/1984644453329 Relações entre trabalho infantil e educação escolar: contribuições para o debate https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/42475 <p>Tendo como orientação teórico-metodológica o materialismo histórico e dialético, o presente texto tem por objetivo apresentar as relações entre o trabalho infantil e a educação escolar a partir de pesquisa realizada em município que se dedica ao cultivo do tabaco e que ainda convive com situações desse tipo de trabalho. Para tanto, apresenta alguns fundamentos que têm orientado ações governamentais para o enfrentamento do trabalho infantil, as principais políticas sociais para o setor e a (im) possibilidade de sua superação por meio da educação escolar. Ao final, conclui que as tentativas de ruptura do trabalho infantil fracassam diante da desigualdade irrevogável do sistema capitalista.</p> Tânia Parolin da Cruz Simone de Fátima Flach Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-07-31 2021-07-31 e66/ 1 26 10.5902/1984644442475 Retrato do campo da didática das ciências humanas no ensino fundamenta (primário) após a publicação do relatório da Comission Parent em 1964 no Quebec https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/61431 <p>O artigo apresenta uma análise preliminar da literatura científica sobre o ensino das ciências humanas e sociais no ensino fundamenta (primário) publicada no Québec após a difusão do <em>Relatório da Comissão Real de Educação</em> em 1964. Para tanto, 83 documentos publicados ao longo dos últimos sessenta anos foram revisados por meio de uma análise temática mista de conteúdo com base nos questionamentos e no quadro conceitual que sustentam as pesquisas anteriores do autor do texto. Destaca, assim, as tendências, perspectivas, tensões e pontos de ruptura no que tange aos fundamentos e à estrutura conceitual específicos ao campo da didática das ciências humanas e sociais no Québec. Ora influenciada pelas chamadas teorias personalistas e tecnológicas, ora pela chamadas teorias construtivistas (e mesmo socioconstrutivistas), a evolução desse campo testemunha da diversidade de concepções e pontos de vista que são diretamente relacionados aos fundamentos subjacentes do pensamento daqueles que a implementam coletiva e historicamente.</p> Anderson Araújo-Oliveira Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-07-31 2021-07-31 e67/ 1 22 10.5902/1984644461431 A influência do estilo de aprendizagem no desempenho escolar e a percepção sobre interdisciplinaridade de discentes de uma escola pública profissionalizante https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/43675 <p><span>O conhecimento do estilo de aprendizagem dos estudantes possibilita ajustar a metodologia adotada pelos docentes, considerando-se que a diversidade e a flexibilidade são aspectos a serem observados no processo ensino-aprendizado e na formação de cidadãos conscientes. Somado a isso, a interdisciplinaridade conecta disciplinas distintas despertando o interesse dos estudantes. O objetivo deste estudo foi avaliar a influência do estilo de aprendizagem no desempenho escolar e a contribuição da interdisciplinaridade no processo de ensino, conforme a percepção dos discentes. Foram aplicados dois instrumentos, sendo um questionário para determinação do estilo de aprendizagem dos discentes e de seus professores de Biologia e Física e outro, na escala de Likert, para avaliar a percepção sobre interdisciplinaridade após aplicação de uma sequência didática sobre biofísica da respiração. Foram avaliados 32 discentes de uma turma de 2<sup>a</sup> série de uma escola pública profissionalizante e os docentes das disciplinas de Biologia e Física. Foi observado que o estilo de aprendizagem geral da turma é, predominantemente, sensorial/visual/ativo e reflexivo/sequencial e coincide com o desses professores, </span><span>corroborando para um bom desempenho escolar. Entretanto, no grupo de discentes que ficou em recuperação na primeira etapa do ano letivo, metade tem preferência pelo polo global, o que é discordante do estilo de aprendizagem de seus professores, que são sequenciais. Possivelmente, essa discordância teve algum impacto no aprendizado desses estudantes. Também foi verificado que, na percepção dos estudantes, as atividades interdisciplinares, especialmente práticas, facilitam a compreensão de um conteúdo. Esses achados permitem uma reflexão sobre como a prática cotidiana dos professores pode contribuir para o aprendizado. </span></p> Januária Fonseca Matos Wendel Coura-Vital Elisângela Silva Pinto Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-07-31 2021-07-31 e68/ 1 25 10.5902/1984644443675 Os espaços de atuação profissional do licenciado em Ciências da Natureza no Brasil: um delineamento a partir da compreensão dos sistemas estaduais de ensino https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/43625 <span>Este texto discute os espaços de atuação profissional dos licenciados em Ciências Naturais/da Natureza nos sistemas estaduais de ensino do Brasil. O trabalho teve como objetivo conhecer e compreender como os sistemas estaduais de ensino, por meio de seus entendimentos legais, reconhecem e definem os espaços de atuação profissional dos licenciados em Ciências Naturais/ da Natureza. Foi realizada uma pesquisa documental, em que foram identificadas as manifestações de sete conselhos estaduais, por meio de resoluções, pareceres e outros documentos. A partir dos documentos analisados, foi possível perceber que aqueles conselhos que se pronunciaram sobre o tema estabelecem um rol de várias formações, que, segundo esses órgãos, formam profissionais aptos a lecionar a disciplina de Ciências nos anos finais do ensino fundamental. Apesar da licenciatura em Ciências Naturais/da Natureza figurar entre essas formações, parece haver uma predileção </span><span>dos sistemas de ensino por cursos de licenciatura que formam para campos disciplinares específicos. Nessa perspectiva, eles buscam atender às suas necessidades de gestão, em detrimento das necessidades formativas da disciplina de Ciências. Por conseguinte, a prioridade dada pelos sistemas de ensino às suas demandas operacionais e o aparente desconhecimento destes sobre as licenciaturas em Ciências Naturais/da Natureza fazem com que os profissionais egressos desses cursos tenham dificuldades para ter o seu espaço profissional reconhecido nesses sistemas de ensino.</span> Jéferson Pereira da Silva Natália Silva Neris Marcos Vinícius Ferreira Vilela Leandro Carbo Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-07-31 2021-07-31 e69/ 1 27 10.5902/1984644443625 Práticas escolares no Ginásio Dom Bosco (1937-1945): em estudo o periódico escolar O Ginásio https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/43247 <p>O presente estudo tem como objetivo analisar as práticas escolares do Ginásio Dom Bosco, instituição salesiana em Campo Grande, no sul do antigo Mato Grosso entre os anos de 1937 a 1945, presentes nas publicações do periódico escolar <em>O Ginásio</em>. A delimitação temporal da pesquisa compreende o marco cronológico da ação editorial do impresso escolar salesiano. A investigação de caráter bibliográfico e documental incursionou em um diálogo com estudos da área da História da Educação e subárea de Impressos escolares. As análises contaram com o aporte teórico-metodológico de Pierre Bourdieu, no intento de alcançar a compreensão de como estava acenada a relação entre a estrutura escolar e seus agentes, no que tange à produção e reprodução das práticas do Ginásio. Os resultados sinalizaram que as práticas escolares estavam atreladas ao desenvolvimento de uma educação preocupada com a formação integral da juventude, principalmente, pelo modelo educacional religioso do Sistema Preventivo. A imprensa escolar salesiana desenvolveu-se como instrumento de mudanças pedagógicas em um período de maior participação dos estudantes no processo educacional. O impresso emergiu, nesse cenário, como uma prática escolar em que estudantes, professores e gestores expressavam os ideais do Ginásio em seções e colunas com ênfase na proposta educativa, seus métodos, suas atividades, seus anseios e suas conquistas.</p> Jéssica Lima Urbieta Jacira Helena do Valle Pereira Assis Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-07-31 2021-07-31 e70/ 1 28 10.5902/1984644443247 Potencialidades da iniciação científica no ensino superior para a formação docente https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/42749 <p>Considerando a relevância que têm adquirido os estudos acerca da Iniciação Científica no Ensino Superior, conforme pode ser visto na literatura especializada sobre o tema, pretende-se, neste artigo, analisar sua importância para a formação docente. Em função dessa análise, também se tem a intenção de apontar as potencialidades que podem ser desenvolvidas pelos futuros docentes e comparar as situações vivenciadas pelos pesquisados. Na investigação realizada, foram entrevistados 20 professores da carreira do Magistério público federal, todos com a titulação mínima de Mestrado, e o método utilizado foi o de análise do conteúdo. Os resultados indicaram que, dentre outras, as seguintes potencialidades: promover o domínio de métodos e técnicas de pesquisa, compreender todas as etapas de construção do conhecimento científico, preparar o futuro docente para que seja capaz de desenvolver pesquisas em nível de pós-graduação, dar segurança ao estudante de Iniciação Científica (IC) para que, ingressar no mundo do trabalho, ele possa enfrentar os desafios da sala de aula com inteligência emocional, dominando o conteúdo e compreendendo como o saber foi construído.</p> Mayara Lopes de Freitas Lima Eliane Matheus Plaza Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-07-31 2021-07-31 e71/ 1 24 10.5902/1984644442749 Estratégias grupais para promoção de saúde em universitários https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/42800 <p>A saúde mental dos estudantes universitários tem representado uma preocupação crescente por parte dos gestores educacionais. Entre as estratégias de atenção a essa população, as intervenções grupais emergem como possibilidade de prestar atendimento a um maior número de jovens, bem como desenvolver aspectos como sociabilidade, aprendizado mútuo e formação de redes de apoio. Este estudo teve por objetivo caracterizar os estudos científicos sobre intervenções grupais realizadas para promoção e prevenção de saúde mental em universitários por meio de uma revisão integrativa da literatura científica nacional e internacional. Foram consultadas as bases/bibliotecas PsycINFO, PubMed, SciELO, LILACS e CINAHL. Foram recuperados 41 artigos publicados entre janeiro de 2009 e dezembro de 2019, a maioria quantitativa. Predominaram estudos com grupos focados em promoção de saúde, sendo os Estados Unidos o país com maior número de pesquisas nesta área. Acerca dos sintomas específicos, o mais comum foi a depressão, ainda que a maioria dos grupos descritos fosse de promoção de saúde mental geral. Os estudos com comparação pré e pós-teste evidenciaram a eficácia da maioria das intervenções grupais. Foi uníssona a recomendação desses estudos acerca da ampliação de programas que incentivem e promovam a saúde mental dos universitários e dos possíveis benefícios oferecidos pelos grupos em ambiente acadêmico.</p> Deise Coelho de Souza Daniela Braga Favarin Fabio Scorsolini-Comin Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-07-31 2021-07-31 e72/ 1 24 10.5902/1984644442800 O ensino de História e a Educação Especial na formação inicial de professores https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/42847 <p>O artigo tematiza o ensino de História e a Educação Especial, considerando desafios de grupos historicamente excluídos dos processos de escolarização e que, mesmo após inserção nas escolas, sofrem a negação das condições elementares de acesso, permanência e do direito às aprendizagens em História. Parte dos pressupostos da Teoria Histórico-cultural, notadamente do pensamento de Vygotski (1989; 1994; 1997), para problematizar a produção social da deficiência e noções fundamentais para pensar os processos de desenvolvimento e de aprendizagem. Ademais, compõe o escopo do texto uma abordagem a respeito do ensino de História e a elaboração dos conceitos considerados fundamentais para as aprendizagens históricas (BITTENCOURT, 2009; SCHIMDT, 1999). Há ainda muitas lacunas e fragilidades que distanciam o estudante com deficiência dos saberes escolares e acadêmicos, e tais aspectos passam pelas políticas públicas, formação docente, infraestrutura das instituições e dos espaços educativos, em geral. As alternativas aqui apontadas sinalizam ações promovidas em direção a um ensino de história menos excludente e mais sensível aos diferentes percursos de aprendizagens.</p> Douglas Christian Ferrari Miriã Lúcia Luiz Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-07-31 2021-07-31 e73/ 1 26 10.5902/1984644442847 Formação professores e processo educativo: a Companhia de Jesus nos clássicos da educação brasileira https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/43020 <p>O presente artigo analisa três obras clássicas da educação brasileira, <em>A Cultura Brasileira: Introdução ao estudo da cultura no Brasil </em>(1943), de autoria de Fernando de Azevedo; O método pedagógico dos jesuítas: o <em>Ratio Studiorum (1952), de</em> Leonel Franca e História da Educação Brasileira (1972), de José Antonio Tobias, fazendo um movimento em direção à tradição e refletindo acerca da formação de educadores e os processos educativos ao (re)visitar a tradição da Companhia de Jesus. Objetiva-se, desse modo, dialogar com a tradição para compreender o legado, mas fundamentalmente, o que podemos aprender dela sobre a formação de professores e o processo educativo. O estudo está organizado em dois movimentos: primeiro, a contextualização histórica do período jesuítico, em seguida, o aprofundamento do método pedagógico dos jesuítas e a formação de seus educadores, referida pelo <em>Ratio Studiorum</em>. Do ponto de vista teórico e metodológico, situa-se no âmbito da linguagem e da teoria de recepção e a recontextualização do conhecimento educativo.</p> Patrícia Fontana Martin Kuhn Tatiane de Freitas Ermel Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-07-31 2021-07-31 e74/ 1 22 10.5902/1984644443020 “Gritos, tiros, sangue e muito medo” – violência contra as pessoas LGBTQIA e o processo educativo https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/45264 <p><span>Considerando os casos de violência e morte contra as pessoas LGBTQIA que têm acontecido no Brasil, este trabalho, redigido por meio de pesquisa bibliográfica e documental, tem por objetivo discorrer acerca de expressões odiosas contra a comunidade LGBTQIA e como isso interfere nas relações sociais, focando a área educacional. Para atingir o objetivo, o manuscrito volta a atenção a um fenômeno particular, que é o ataque a uma boate em Orlando/EUA, em 2016. Para tanto, buscamos respaldos nos Estudos de Gênero e Feministas, em especial, nas/os autoras/res Saffioti (2013), hooks (2017), Butler (2015), Louro (2008a; 2008b), Meyer (2009), Junqueira (2010; 2015; 2018) entre outras/os. Com base nos dados, consideramos que é necessário que as esferas governamentais organizem políticas públicas específicas de combate à LGBTQIAfobia e as efetivem, sendo fundamentais ações de variados movimentos sociais que buscam combater a violência contra essa população; junto a isso, é basilar o trabalho docente democrático e científico com o intuito de contribuir no combate de todas as formas de violência, de modo que o processo educativo seja parte de uma formação ética e preventiva, de reconhecimento </span><span>das diferenças, de acolhimento.</span></p> Márcio de Oliveira Reginaldo Peixoto Eliane Rose Maio Lucimar da Luz Leite Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-07-31 2021-07-31 e76/ 1 30 10.5902/1984644445264 Acolhimento aos ingressantes na Universidade Federal de Santa Catarina - Campus Florianópolis: percepção dos estudantes https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/47406 <p class="Corpo">Práticas de acolhimento podem representar importante estratégia de prevenção à evasão no Ensino Superior. O presente artigo apresenta os resultados de uma pesquisa de opinião com estudantes de uma universidade federal, realizada a fim de conhecer a percepção dos mesmos a respeito destas ações e identificar fatores tidos como favoráveis e desfavoráveis à ambientação à universidade, tais como: as informações consideradas relevantes para a ambientação acadêmica, as formas de acesso a elas e os principais agentes envolvidos neste processo. Participaram do estudo 718 estudantes - não identificados - de diversos cursos de graduação através de pesquisa de opinião por um questionário online. Os resultados indicam o protagonismo dos próprios estudantes no processo de acolhimento e uma parcela significativa de estudantes sem acesso às atividades de acolhimento. A partir da percepção dos estudantes, são discutidos o papel institucional no acolhimento aos ingressantes ao Ensino Superior e possíveis estratégias para sua melhoria.</p> Lara Simone Dias Edmilson Rampazzo Klen Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-09-04 2021-09-04 e78/ 1 19 10.5902/1984644447406 Estudos sobre Pedagogia Universitária e Didática do/no Ensino Superior: itinerários de uma experiência em tempos de pandemia https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/61310 <p>Conferir à Didática um lugar de centralidade no contexto da formação docente para o Ensino Superior constitui-se em uma demanda atual e urgente. Pensar esta demanda em meio a cenários de interrupção e (re)estruturação das atividades presenciais de ensino, em função da pandemia da Covid-19, a torna ainda mais desafiadora. Por essa razão, o presente trabalho busca compreender e discutir a experiência de ensino remoto da disciplina “Pedagogia Universitária e Didática do/no Ensino Superior”, a qual se configurou em um laboratório para experimentações coletivas que, atravessadas pelas especificidades do contexto pandêmico, puseram em articulação o estudo dos temas programáticos e modos alternativos de ensinar e aprender remotamente. Ou seja, permitiram, ao docente e às/aos discentes, aproximarem-se criticamente do ensino remoto, na medida em que se exercitaram diálogos teóricos e experiências de mediação tecnológica que sinalizaram a importância da Didática como espaço para pensar as finalidades, mediações e condicionantes do ensino, especialmente nesse contexto. Assim, consiste num Relato de Experiência, pautando-se por dados coletados junto aos/às discentes por meio de um questionário virtual e em registros vivenciais das/o autoras/or. Consideramos que a transição para o ensino remoto nos auxilia a recuperar as práticas desenvolvidas na sala de aula presencial e confrontá-las com a necessidade de configurar novos modos de estruturação didático-curricular que propiciem condições para o desenvolvimento da aprendizagem pelo engajamento, construção e compartilhamento de saberes em redes colaborativas com o suporte de tecnologias educativas.</p> José Leonardo Rolim de Lima Severo Rayssa Maria Anselmo de Brito Gabriela da Nóbrega Carreiro Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-09-04 2021-09-04 e79/ 1 26 10.5902/1984644461310 Encontros e desencontros entre professores e o ensino remoto emergencial https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/64258 <p>Em meados de março de 2020 ocorreu a suspensão das atividades educacionais presenciais nas redes de ensino pública e privada, em decorrência do afastamento social provocado pela pandemia de Covid-19, motivo pelo qual as instituições educacionais tornaram-se adeptas do ensino remoto emergencial (ERE). Considerando este cenário, ainda em movimento, este texto busca: 1) apresentar trabalhos desenvolvidos por pesquisadores de diferentes países neste curto espaço de tempo, no intuito de entender o que representou a suspensão das atividades escolares presenciais e a continuidade do calendário via ERE; e 2) apresentar dados de pesquisa de campo desenvolvida com professores da Educação Básica e Superior, na qual participaram 321 docentes de 14 Estados brasileiros. Por meio da aplicação de questionários digitais investigou-se, junto a esses professores, suas experiências, desafios, sentimentos, reflexões e como se objetivava a docência em formato remoto. Evidenciaram-se depoimentos de descontentamento e impotência frente às condições atuais do trabalho docente, grande angústia relacionada à aprendizagem dos estudantes e, também, relatos de esforços individuais e coletivos em prol de ações pedagógicas que desenvolvam o ERE do melhor modo possível.</p> Lara Carlette Thiengo Maria Fernanda Diogo Lucídio Bianchetti Kaue Tortato Alves Neiva de Assis Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-09-04 2021-09-04 e80/ 1 26 10.5902/1984644464258 Juventude e educação: a militarização das escolas em Goiás https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/62013 <p>O artigo analisa as consequências do processo de implementação dos Colégios da Polícia Militar do Estado de Goiás, Brasil, a partir dos conceitos de controle do corpo e de instituições totais, mostrando como esse modelo autoritário está intimamente ligado à política de restrição da liberdade de expressão da comunidade escolar. O texto analisa os argumentos dos agentes públicos para a vertiginosa expansão desse modelo educacional e faz uma leitura crítica das regras de conduta aplicadas às unidades educacionais militarizadas no Estado. Constata-se que as normas aplicadas à comunidade escolar nestas unidades – como, por exemplo, a presença cotidiana de uma sequência de atividades garantidas por mecanismos de punição estabelecidos por uma hierarquia e o conjunto de regras que padronizam o visual dos estudantes e causam a perda de identidade – permitem controle rígido das ações de docentes e discentes, regrada a partir da tutela de oficiais designados pelo comando-geral da Polícia Militar, limitando inclusive a liberdade de expressão, considerado como preceito fundamental para uma educação cidadã.</p> Flávio Munhoz Sofiati Caio Henrique Salgado Barbosa Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-09-04 2021-09-04 e81/ 1 25 10.5902/1984644462013 O processo de escolha dos dirigentes escolares em Londrina: a implementação da meta 19 do Plano Nacional de Educação 2014-2024 https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/38789 <p>O presente texto discute a experiência vivenciada pelo município de Londrina – PR, quanto à implementação da meta 19 do Plano Nacional de Educação (2014-2024). O objetivo geral é discutir os retrocessos da meta 19 do PNE, ao associar a gestão democrática aos critérios técnicos de mérito e desempenho, como forma de acesso à função de dirigente escolar. Pretende, especificamente, (i) demonstrar como este critério foi interpretado e implementado no Município de Londrina, e (ii) analisar a implementação do processo de escolha de dirigentes escolares neste município, com base no determinado pela Lei 13.005/2014. O estudo pautou-se no desenvolvimento de pesquisa bibliográfica e análise documental. Conclui que cabe aos municípios e estados, no cumprimento do dispositivo legal, encontrar caminhos para que a democracia ultrapasse a dimensão procedimentalista apresentada pelo PNE, e encontre força para se fortalecer, enquanto princípio constitucional da escola pública, sob a forma de participação e exercício da cidadania.</p> Viviane Barbosa Perez Aguiar Maria José Ferreira Ruiz Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-09-04 2021-09-04 e82/ 1 19 10.5902/1984644438789 A arte da desaparição como experimentação tateante de pensamento: contribuições à pesquisa educacional https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/44292 <p>O artigo tem como objetivo discutir as implicações da forma ensaística de pensamento para o campo da pesquisa educacional. A partir da triangulação de forças entre o pensamento de Michel de Montaigne, Enrique Vila Matas e Gilles Deleuze-Félix Guattari, o estudo explora de que modo, na aurora da subjetividade moderna, certa arte do retrato, produzida a partir da forma ensaística desenvolvida por Montaigne, permitiu a emergência de um modo de experimentação tateante do pensamento, cujo horizonte se volta a uma condição de desaparição. O trabalho visa esmiuçar essa distinta arte do retrato dedicada à desaparição, focando-se em sua potência fabulatória, bem como explorar suas ressonâncias nos modos como concebemos o ofício do pesquisador, sobretudo no campo educacional, em contraposição a outra arte de retrato denominada cartesiana. Por fim, a discussão aponta que a desaparição, ao instaurar outra geografia de pensamento, possibilita ao pesquisador educacional mobilizar procedimentos outros tendo em vista ensaiar o impensável.</p> Christian Fernando Ribeiro Guimarães Vinci Cintya Regina Ribeiro Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-09-04 2021-09-04 e83/ 1 23 10.5902/1984644444292 Educação em tempos de COVID: o que as instituições de ensino estão fazendo de acordo com a mídia online https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/48369 <p>A situação vivenciada com a pandemia da Covid-19 no primeiro semestre de 2020 no mundo impactou praticamente todas as atividades humanas, inclusive a educação, que em sua modalidade presencial se tornou inviável. Foi realizada uma pesquisa documental nas mídias <em>online</em> em jornais, revistas e portais de notícias com o objetivo de verificar se o que está sendo implementado pelas instituições de ensino no Brasil, em meio à pandemia, condiz com as etapas sugeridas pela literatura, sendo elas: a análise da organização, o diagnóstico do público-alvo, a definição do projeto pretendido, a elaboração dos materiais didáticos, a preparação do ambiente virtual, e o controle e a avaliação da experiência por parte dos alunos e docentes. Além disso, verificou-se também se as dificuldades enfrentadas estão presentes em outros estudos. Observou-se que as etapas necessárias para a implementação da educação a distância (EaD) presentes na literatura não estão sendo seguidas em sua totalidade (com foco na criação de materiais didáticos) e que as dificuldades enfrentadas mais citadas também são distintas: preocupação com os alunos mais pobres, mais jovens e adaptação por parte dos pais. Por fim, uma matriz tendo como eixos preparo/antecedentes com EaD vs. a complexidade do processo de ensino-aprendizagem é apresentada direcionando para possíveis estratégias de ensino.</p> Eduardo Henrique Celestino Adriana Backx Noronha Viana Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-09-04 2021-09-04 e84/ 1 24 10.5902/1984644448369 Mapeamento das medidas de exigibilidade coletiva para garantia do direito à educação infantil no Paraná https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/43035 <p>Nos últimos anos tem crescido o envolvimento do sistema de justiça para a exigibilidade do direito à educação, entendido como judicialização da educação. A literatura do campo tem discutido a ampliação desse fenômeno, relacionado a uma convergência de fatores, como a crescente juridificação da educação, o fortalecimento e a ampliação de instituições como o Ministério Público e a insuficiência das políticas públicas. Considerando estes fatores, o presente artigo objetiva apresentar e analisar um mapeamento das medidas de exigibilidade coletivas judiciais e extrajudiciais para garantia do direito à Educação Infantil no estado do Paraná, buscando identificar possíveis fatores explicativos para esse fenômeno em tal contexto. Para a concretização de tal objetivo, foram analisadas 71 medidas de exigibilidade em 60 municípios, localizadas no sistema de justiça do estado, no período entre 2005 e 2016. Os dados sobre os procedimentos coletivos foram cotejados com o perfil dos municípios de acordo com seu porte, faixa de rendimento médio e taxa de urbanização. Ainda foi analisada a relação da existência de procedimentos com variáveis institucionais do sistema de justiça e taxas de atendimento em creche e pré-escola. Conclui-se que, no Paraná, a requisição coletiva do direito à Educação Infantil tem se dado exclusivamente por iniciativa do Ministério Público, possuindo uma forte <span>relação com suas variáveis institucionais, com maior incidência em municípios não tão pequenos, com maior taxa de urbanização e renda média.</span> </p> Adriana Aparecida Dragone Silveira Barbara Cristina Hanauer Taporosky Marina Feldman Lusiane Gonçalves Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-09-04 2021-09-04 e86/ 1 34 10.5902/1984644443035 Internacionalização do ensino superior e a mobilidade acadêmica https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/43070 <p>Este estudo retrata e discute a globalização e a internacionalização do ensino superior com ênfase em um dos principais aspectos da internacionalização da educação - a mobilidade acadêmica. Pesquisas nessa área têm crescido substancialmente nos últimos anos e alguns autores têm se destacado no cenário internacional como Altbach e Knight (2007); Gacel-Ávila (2005); Knight (2003, 2005, 2012) e Wilkins e Hubman (2012). No Brasil, diversos autores também têm se dedicado a essa temática, a exemplo de Carvalho e Maia (2014); Dias Sobrinho (2010); Lima e Contel (2011); Lima e Maranhão (2009, 2011); Miura (2006); Morosini (2006, 2014); Silva (2018); Stallivieri (2009, 2017) entre outros, e os dados dos relatórios da OCDE e da UNESCO fundamentam esse estudo. Assim, partir da visão de diferentes autores, esse trabalho visa contribuir para a discussão dos aspectos positivos e negativos da internacionalização, as contradições que esse tema suscita e as suas implicações para as universidades.</p> Rosemeire Bom Pessoni Arquimedes Pessoni Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-09-04 2021-09-04 e87/ 1 32 10.5902/1984644443070 Prazer-sofrimento no trabalho: um estudo de caso com professores de escolas rurais https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/43100 <p><span>Este estudo analisa as percepções dos professores que atuam em escolas rurais em relação ao prazer-sofrimento no contexto de trabalho, tendo por referência a teoria da Psicodinâmica do Trabalho. A pesquisa da literatura contemplou trabalhos sobre o mal-estar docente e as contribuições teóricas da psicodinâmica do trabalho para o entendimento das vivências de prazer e de sofrimento no trabalho. <span>Investigou-se o contexto de trabalho desses professores nas seguintes dimensões: Organização do Trabalho (OT), Condições de Trabalho (CT), Relações Socioprofissionais (RSP) e Prazer-Sofrimento no Trabalho (PST). Trata-se de uma pesquisa</span></span><span> qualitativa, com </span><span>delineamento de estudo de caso</span><span>, em que foram utilizadas entrevistas semiestruturadas e abertas e submetidas à análise de conteúdo. </span><span>A pesquisa foi realizada com 20 professores de duas escolas rurais do interior paulista (SP). <span>Os resultados indicaram que os professores vivenciam prazer e sofrimento no trabalho, sendo o sofrimento predominante.</span> <span>Por um lado, as vivências de prazer desses professores estão associadas à própria atividade educacional e ao relacionamento com os alunos, familiares e outros professores. Por outro lado, as vivências de sofrimento no trabalho são relativas a exorbitante jornada de trabalho, falta de apoio, dificuldade de acesso às escolas e relacionamentos conflituosos. Espera-se, com este estudo, poder </span></span><span>contribuir para o entendimento das vivências de prazer e sofrimento no trabalho e dos reflexos dessas vivências na saúde dos professores e das instituições escolares.</span></p> Paulo Roberto Ribeiro Marinho Maria Luiza Gava Schmidt Mário Sérgio Vasconcelos Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-09-04 2021-09-04 e88/ 1 27 10.5902/1984644443100 Educação em Direitos Humanos e Educação Intercultural: apontamentos e aproximações freireanas https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/44454 <p>O artigo tem como objetivo delinear as peculiaridades da Educação em Direitos Humanos e da Educação Intercultural, ao tempo em que busca estabelecer suas convergências através da pedagogia freireana. Trata-se de uma pesquisa de cunho bibliográfico, com aporte teórico em documentos da Organização das Nações Unidas – ONU (1948, 1966a, 1966b, 1993) e da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura – Unesco (2002, 2006), dos teóricos Boaventura de Sousa Santos (2014), Vera Maria Candau (2013), Paulo Freire (1987, 1999, 2011), entre outros. A Educação em Direitos Humanos e a Educação Intercultural constituem-se em um projeto educacional democrático, includente e libertador, que materializado no currículo aponta perspectivas para a equidade social. Espera-se que o trabalho possa contribuir para a ampliação do debate acerca de uma educação cidadã, que reconheça e valorize as diferenças e a diversidade.</p><p> </p> Márcia Maria Rodrigues Uchôa Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-09-30 2021-09-30 e89/ 1 25 10.5902/1984644444454 Pensamento pedagógico-geográfico de professor e a autonomia docente https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/42506 <p>O artigo apresenta como proposta debater o conceito de pensamento pedagógico-geográfico de professor como constructo do profissional necessário à autonomia docente. Parte-se da seguinte questão: de que maneira, na formação do professor de Geografia, o Pensamento Pedagógico-geográfico é constituído e como contribui à autonomia docente? Este artigo resulta de um recorte da tese de doutorado e propõe um debate teórico que relaciona referenciais teóricos e elementos originados da pesquisa empírica realizada com professores que atuam na educação básica, anos finais do ensino fundamental. Utilizou-se a entrevista semiestruturada como recurso e a Análise de Conteúdo de Laurence Bardin (2011) como metodologia de análise dos dados para a construção das categorias, as quais foram interpretadas a partir da Teoria Crítica e da Hermenêutica. Resulta, nesse processo, um movimento inicial de reflexão sobre pensamento geográfico e pensamento geográfico de professor e, posteriormente, reflexões sobre o conceito de pensamento pedagógico-geográfico como uma estrutura necessária à construção da autonomia docente do professor de Geografia.</p> Carina Copatti Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-09-30 2021-09-30 e90/ 1 27 10.5902/1984644442506 DoMi-BEBÊ: instrumento de observação das expressões musicais de bebês e crianças pequenas em contextos de aprendizagem https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/43121 <p>Apresenta-se nesse artigo o percurso de reelaboração e descrição de um instrumento pedagógico para a observação e acompanhamento das expressões musicais de bebês e crianças pequenas denominado na atual versão: <em>DoMi-bebê </em>(<em>Evidências do domínio musical dos bebês e crianças pequenas</em>). A sua primeira versão foi elaborada para ser utilizada em contextos de aprendizagem musical com base na Teoria da Aprendizagem Musical de Edwin Gordon. A proposta pretende contribuir para o aprimoramento dos professores relativamente à observação e reflexão sobre os aspectos musicais e interacionais presentes nos processos de aprendizagem musical. Considera-se a avaliação como meio de promover a aprendizagem da criança, e para além, como parte de um processo que envolve aspectos como a qualidade dos ambientes, das propostas pedagógicas e da formação dos professores. Os resultados se referem à revisão e ampliação teórica que embasou a primeira versão do instrumento, com vista ao seu aprimoramento. Sobre o desenvolvimento musical dos bebês foram analisadas e categorizadas três obras da Teoria da Aprendizagem Musical (TAM) de Edwin Gordon com o uso do programa de análise de conteúdo Atlas.TI8. Orientam a reestruturação do instrumento aspectos da TAM, assim como os processos da comunicação inicial nos bebês e a discussão sobre avaliação na educação infantil, sobretudo, ao que se refere às metodologias em participação. As abordagens teóricas se mostraram adequadas para a construção de critérios e para a estruturação do instrumento. A próxima etapa do estudo será a realização da pesquisa empírica para a validação dessa versão.</p> Fabiana Leite Rabello Mariano Ricardo José Dourado Freire Sandra Ferraz de Castilho Dourado Freire Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-09-30 2021-09-30 e91/ 1 29 10.5902/1984644443121 A predição da formatura e da evasão em uma universidade pública a partir de um modelo logístico https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/43159 <p>O tema deste estudo são os percursos terminativos da educação superior, que são a evasão e a formatura. Tendo isso em vista, objetiva-se construir modelos logísticos preditivos desses dois desfechos em relação aos estudantes que ingressaram na Universidade Federal de Goiás em 2010, em cursos na modalidade presencial, os quais foram acompanhados por um período de oito anos. Para isso, foi feita consulta a microdados do Censo da Educação Superior Brasileira, de 2010 a 2017, publicados pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais “Anísio Teixeira”. Para entender esses dois fenômenos - formatura e evasão - recorreu-se à técnica estatística da regressão logística e, além disso, foi feita pesquisa bibliográfica, em consulta a autores que fundamentam a técnica. Como resultado, verificou-se que a técnica estatística permite identificar variáveis que são fatores de risco ou protetivos para a formatura e a evasão; comparar categorias de uma mesma característica por meio da razão de chances; bem como avaliar a probabilidade de qualquer aluno se formar ou evadir. Trata-se, portanto, de uma ferramenta fundamental para a tomada de decisão dos gestores educacionais.</p> Chaiane de Medeiros Rosa Fabiano Fortunato Teixeira dos Santos Eder Angelo Milani Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-09-30 2021-09-30 e92/ 1 21 10.5902/1984644443159 Som, luzes, câmera, audiodescrição: modos de audiodescrever em sala de aula https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/43219 <p>Este ensaio foi elaborado com o intuito de contribuir à discussão a respeito da importância da interpretação audiodescritiva para a fruição de obra visual, seja ela um vídeo, um espetáculo de dança ou teatro. O trabalho é destinado a docentes que lidam com essas linguagens e dialogam com estudantes cegos ou com baixa visão, mas pode vir a ajudar na reflexão sobre a audiodescrição em outras áreas de atuação profissional. Para que haja efetividade no uso dessa ferramenta de mediação, como deve se dar a realização da audiodescrição, com a expressão de emoções do/a audiodescritor/a? Com uma leitura não pessoal da imagem? Para responder a essas perguntas, são realizadas reflexões a partir de uma experiência com a audiodescrição vivida pelo autor, dialogando com referenciais teóricos (BRAUN, 2008, COSTA, 2012, FRANCO, 2010, POZZOBON, 2010) e normas de realização da audiodescrição (<em>Audio Description Coalition</em>, <em>American Council Of The Blind’s Audio Description Project</em>, ABNT). Conclui-se que a audiodescrição, como modo de tradução, é realizada por sujeitos intérpretes imbuídos de experiências e características que podem ser os diferenciais de valorização de seu trabalho.</p> Jéssica Mami Makino Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-09-30 2021-09-30 e93/ 1 17 10.5902/1984644443219 Práticas digitais, sexualidade e educação numa escola pública de ensino fundamental https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/43284 <p>O presente artigo se inspirou na seguinte questão: quais são as práticas digitais relacionadas à sexualidade de adolescentes de 12 a 15 anos de idade, do ensino fundamental? O objetivo foi compreender os usos, os sentidos e as relações sociais que emergem de práticas relacionadas à sexualidade mediadas pelas mídias digitais de adolescentes de uma escola pública de ensino fundamental de tempo integral. A partir de uma pesquisa de campo de caráter etnográfico, percebeu-se que os/as adolescentes acessam e compartilham, intencionalmente ou não, uma grande quantidade de conteúdo relativo à sexualidade. São discutidas as formas de acesso, as consequências e os conflitos relacionados a tais práticas, além de reflexões sobre tipos de mediação que escola e famílias têm utilizado para lidar com essa questão.</p> Guilherme Carvalho Franco da Silveira Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-09-30 2021-09-30 e94/ 1 24 10.5902/1984644443284 Base Nacional Comum Curricular de Educação Física: tensionamentos e demarcações https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/43325 <p>A Base Nacional Comum Curricular de Educação Física (BNCC-EF) tem provocado a formulação de inúmeras críticas por parte dos profissionais da área. O objetivo central deste ensaio consiste em identificar os discursos que permeiam o campo da Educação Física, os quais pretendem obter legitimidade por meio da sua inserção no mencionado documento. A Análise do Discurso (AD) foucaultiano foi a ferramenta teórico-metodológica utilizada, com a intenção de compreender as formas pelas quais diferentes agentes ligam-se a determinados discursos, na tentativa de produzir efeitos de verdade. A política educacional em curso no Brasil colocou em prática um projeto de poder, com vistas a inculcar e consolidar determinado discurso-prática (habilidades e competências), o que transparece na estruturação do documento. Diante do jogo de forças existentes, avaliamos que a BNCC-EF não gerou apenas uma crise capaz de catalisar a corrente crítica, mas colocou em evidência um campo que ainda permanece em constante disputa.</p> Alexandre Paulo Loro Meire Aparecida Lóde Nunes Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-09-30 2021-09-30 e95/ 1 21 10.5902/1984644443325 O discurso da comodificação da Educação na relação universidade acadêmica e universidade corporativa https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/43455 <p>Para contribuir com estudos que visam apreender determinantes das dinâmicas das práticas discursivas e sociais contemporâneas, identificando relações permeadas por ideologias gerencialistas, características dos discursos da educação corporativa (EC), na educação acadêmica; este ensaio teórico tem o objetivo de contextualizar o fenômeno da comodificação da educação superior, sob a ótica de Norman Fairclough e da teoria social do discurso. Explora construções discursivas em estudos que representam reflexões sobre esse fenômeno na educação superior. Discute como argumentos e formas de concepção sobre universidades corporativas cruzaram o discurso da educação corporativa com a educação acadêmica e como defensores da primeira começaram a argumentar a possibilidade desses centros de treinamento corporativos representarem um modelo alternativo, com fins lucrativos, baseado no mercado e em parcerias entre as instituições de ensino superior, empresas e governos. Conclui com indicação da formação de indústria de produção e difusão de práticas discursivas e sociais da EC; o que faz da EC também um negócio com a comercialização de cursos e outros produtos de gestão, incluindo políticas públicas direcionadas a inovação educacional.</p> Anicleide Pereira da Silva Florence Cavalcanti Heber Pedreira de Freitas Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-09-30 2021-09-30 e96/ 1 24 10.5902/1984644443455 A construção dos relatórios dos estágios supervisionados nas licenciaturas: indagações e desafios da experiência docente-discente https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/43390 <p>Neste artigo, buscou-se discutir a construção dos relatórios dos estágios supervisionados nos cursos de licenciatura a partir de quatro indagações e desafios postos aos docentes-discentes no contexto dos estágios. A primeira indagação proposta busca justamente investigar os motivos para se registrar a experiência de estágios. Em seguida, buscou-se compreender como a construção desses relatórios pode colaborar para que licenciandos se inscrevam na docência. Na terceira indagação, tomou-se como ponto de partida o entendimento de que a construção dos relatórios exige criatividade, materiais e estratégias diversas, bem como um arsenal teórico-epistemológico construído e (re)elaborado ao longo do curso de licenciatura. Por fim, a quarta indagação diz respeito a uma necessária articulação fundante entre ensino e investigação no contexto dos estágios supervisionados e a construção dos relatórios. Ao final, espera-se suscitar uma interlocução crítica e contributiva para a construção de uma relação muito mais íntima entre a elaboração dos relatórios de estágio supervisionado e a formação dos licenciandos pela integração entre docência, pesquisa e reflexão.</p> Osmar Hélio Alves Araújo Ivan Fortunato Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-09-30 2021-09-30 e97/ 1 23 10.5902/1984644443390 O que é educação personalizada, afinal? https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/43799 <p>Este artigo tem como objetivo discutir o conceito de educação personalizada a partir de concepções similares, a fim de evitar ambiguidades. Para alcançar esse objetivo, teve-se como método de investigação científica a pesquisa bibliográfica. Para operacionalizá-la, recorreu-se às bases de dados digitais e às obras de referências. As fontes selecionadas têm como parâmetro cronológico o período entre 1988 e 2017, e como parâmetro linguístico, os idiomas português, espanhol e inglês. Os principais autores consultados foram Hoz (1988), Escobar (1966), Bray e McClashey (2017), além de relatórios internacionais. Os resultados da pesquisa demonstraram que os elementos constituintes da educação personalizada definem uma concepção de educação fundamentalmente alicerçada na compreensão do estudante como ser autônomo, autogestor e metacognitivo, com perfis de aprendizagem que reverberam em interesses, ritmos e tempos diferenciados. Também se constataram as distinções entre os conceitos de individualização, de diferenciação e de educação personalizada, assim como as perspectivas avaliativas assumidas em cada conceito. Por fim, discutiram-se os apanhados da pesquisa e as possibilidades de implementação da educação personalizada na realidade brasileira.</p> Afonso Barbosa de Lima Júnior Lebiam Tamar Gomes Silva Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-09-30 2021-09-30 e98/ 1 20 10.5902/1984644443799 Digital competence of teachers and students in Yakutia: problems and prospects of e-learning during the pandemic https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/66423 Under self-isolation and quarantine measures during the COVID-19 pandemic in 2020, distance learning is urgent at every educational level. These events affected the digital competence of teachers and students of pedagogical specialties who teach students and schoolchildren. The article analyzes the digital competencies required for a modern teacher to successfully implement students’ educational needs when using distance educational technologies and e-learning. The research objective is to increase the level of digital competence by assessing this level and identifying problems in the e-learning usage. The study was carried out through a questionnaire developed by the National Agency for Financial Research (NAFR) analytical center Russian Teachers’ Digital Literacy, allowing identification of the main competencies required for a modern teacher, such as work in distance learning environments, knowledge of the basics of cloud technologies, and the ability to organize online and offline interaction, using various services. According to the calculation of Kendall’s concordance coefficient, a ranking of the plus and minus sides identified in the organization of remote interaction among teachers and students of the Republic of Sakha (Yakutia) during the pandemic was made. The study outcomes allowed increasing the efficiency of work with students and teachers and organizing refresher courses and support in the e-learning implementation Maksim Anatolyevich Sorochinsky Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-09-30 2021-09-30 e99/ 1 16 10.5902/1984644466423 Relações entre currículo e gestão escolar na perspectiva da democracia e da interculturalidade https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/61383 <div id="janelamailtopopupMail" style="z-index: 1;"><div id="janelamailtocontentPopupModalMail"><div id="janelamailtomailClosePopup"> <p>O objetivo deste ensaio é tecer relações entre currículo e gestão no âmbito da escola, sem desconsiderar o plano maior da política educacional em que se insere. Defende-se a escola pública como protagonista da recontextualização de políticas públicas e capaz, portanto, de construir relações genuinamente democráticas entre currículo e gestão. Considera-se que o currículo em ação com vistas à emancipação humana vincula-se diretamente aos conceitos de democracia e de cultura, na perspectiva da interculturalidade. Entende-se a função administrativa / gestora tanto na dimensão concernente à administração escolar propriamente dita quanto na dimensão pedagógica, visto que a razão de ser, ou o fim por excelência da escola é a educação dos estudantes, o que a dota de finalidade e natureza peculiares e supõe critérios especiais de organização. Tais critérios precisam ser estabelecidos em conformidade com as caraterísticas do trabalho nela desenvolvido, ou seja, o trabalho pedagógico. Considerando-se ser este último da alçada do currículo, fica evidenciada a inevitável existência de relações entre ele e a administração/gestão, ideia que o texto defende e referencia teoricamente.</p></div></div></div><div id="janelamailtopopupMail" style="z-index: 1;"><div id="janelamailtocontentPopupModalMail"><div id="janelamailtomailClosePopup"> </div><div id="janelamailtopopupMailModal">What do you want to do ?</div><a id="janelamailtobuttonOpenEmailAppNew">New mail</a><button id="janelamailtoclipboardButtonCopyEmail">Copy</button><textarea id="janelamailtotoSelectClipboardCopyText"></textarea></div></div><div><img src="/reveducacao/author/saveSubmit/" alt="" /></div><div id="janelamailtopopupMail" style="z-index: 1;"><div id="janelamailtocontentPopupModalMail"><div id="janelamailtomailClosePopup"> </div><div id="janelamailtopopupMailModal">What do you want to do ?</div><a id="janelamailtobuttonOpenEmailAppNew">New mail</a><button id="janelamailtoclipboardButtonCopyEmail">Copy</button><textarea id="janelamailtotoSelectClipboardCopyText"></textarea></div></div><div><img src="/reveducacao/author/submit/" alt="" /></div> Emília Freitas de Lima Celso Luiz Aparecido Conti Renata Maria Moschen Nascente Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-11-04 2021-11-04 e100/ 1 20 10.5902/1984644461383 Prolegômenos de uma teoria enunciativa da educação popular https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/43454 A Educação Popular (EP) é uma pedagogia que aparece na teia social da América Latina. Do ponto de vista da experiência histórica, seus princípios sustentam os trabalhos de base nos anos 1960 e 1970, conforme Freire (1987), Brandão (2006) e Carrillo (2013) afirmam. Este escrito objetiva compartilhar alguns resultados da tese de doutoramento Elementos para uma Teoria Enunciativa da Educação Popular. No plano teórico/metodológico a análise toma por base algumas das ideias de Michel Foucault (2008) e está centrada nos elementos constitutivos em um conjunto de enunciados da EP. Dessa análise resulta a ideia de que o discurso atravessa a camada linguística e sócio-histórica desses enunciados. Verifica-se que o discurso analisado produz modos de falar, de articular e de escrever sobre EP, identificáveis mediante uma série de signos, vinculados à EP. Os resultados apontam, portanto, que o discurso da EP na América Latina se assenta em uma série de princípios éticos, políticos e epistemológicos que lhe conferem um modo de existência particular. Marcos Angelus Miranda de Alcantara Erenildo João Carlos Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-11-04 2021-11-04 e101/ 1 24 10.5902/1984644443454 Base Nacional Comum Curricular (BNCC), bilinguismo, leitura em língua adicional e estratégias: abordagens e discussões https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/48573 <p class="CorpoA">Esta pesquisa, de caráter bibliográfico e documental, visa esclarecer se e de que forma a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) aborda os temas <em>bilinguismo</em>,<em> leitura em L2 </em>e<em> estratégias de leitura </em>no corpo do documento<em>. </em>Para tanto, foram analisados os cinco eixos organizadores da regulamentação: oralidade, leitura, escrita, conhecimentos linguísticos e dimensão intercultural, com foco na leitura e nos seus desdobramentos: as unidades temáticas, os objetos de ensino e as habilidades, além das competências específicas de língua inglesa para o Ensino Fundamental. As conclusões apontam que o documento apresenta um debate válido sobre as habilidades que precisam ser desenvolvidas em sala de aula com relação ao desenvolvimento bilíngue, uma vez que traz ideias para o professor expandir as potencialidades linguísticas dos alunos. Todavia, o documento demonstra falhas quando não demonstra ter embasamento científico em suas afirmações, não desenvolve com propriedade os conceitos relacionados à leitura, bem como não deixa claro quais são os objetivos a partir da leitura em Língua Adicional. Além disso, o caráter normatizador do documento faz com que o professor fique com a sua prática, de certa maneira, limitada, uma vez que a BNCC determina quais os conteúdos inerentes a cada ano escolar. Participam do debate teórico autores como Kleiman (1985; 2011; 2013), Souza e Garcia (2012), Alliende e Condemarín (2005), Craik, Bialystok e Freedman (2010), Godoy e Dias (2014), Santos (2013) e Grosjean (1997; 2012).<strong></strong></p> Aline Casagrande Rosso Ana Beatriz Arêas da Luz Fontes Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-11-04 2021-11-04 e102/ 1 29 10.5902/1984644448573 Ontología de la educación inclusiva: devenires neo-materialistas https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/66885 <p>La educación inclusiva como proyecto político y ontológico trabaja a favor de la creación de nuevas subjetividades y singularidades, produce una ontología procesal que tiene como misión desestabilizar y desplazar las concepciones y significantes canónicos acerca de la noción de ser humano y aquello que gravita en torno a este. Es una ontología que encarna una comprensión multidimensional y situada del tiempo, de la historia y del espacio, hablamos así, de una ontología en transición y alteración continua de las múltiples capas de regulación del sistema-mundo y de las estructuras de escolarización. Su propósito consiste en explorar diversas perspectivas que contribuyan a resignificar los sentidos ontológicos determinados por la educación inclusiva para alterar la matriz de esencialismos-individualismos que reglan los criterios de legibilidad del ser en la experiencia social, político-cultural y pedagógica. El encuadre metodológico empleado fue el de revisión documental crítica. Una de las tareas ontológicas de la educación inclusiva consiste en consolidar un entendimiento diferente acerca de la diferencia, propone una noción positiva de la diferencia o la <em>potentia</em> –ética diferencial–. Una ontología de lo menor reafirma un carácter neo-materialista y un sistema de producción de la subjetividad no-unitaria que materializa nuevos modos de relacionamientos y un particular mecanismo de reapropiación colectivo de la singularidad. Esta ontología se abre al encuentro con la complejidad del ser humano. El sintagma ‘singularidades múltiples’ nos habla acerca del propósito inacabado e inacabable del ser, se abre a la comprensión de los pequeños mundos que atraviesan su experiencia subjetiva, un sistema de acumulación caracterizado por una totalidad en la que nada esta fijo y completo de ante mano. La comprensión ontológica de las singularidades múltiples construye un diagrama de relaciones alterativas, un dispositivo de pensamiento crítico y una praxis política crucial para reconfigurar los horizontes de la educación inclusiva.</p> Aldo Ocampo González Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-11-04 2021-11-04 e103/ 1 22 10.5902/1984644466885 Letramentos dos corpos: direitos linguísticos e existenciais das pessoas negras surdas https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/64791 O capitalismo, criado com a colonialidade, utiliza-se da dominação da natureza e tudo o que dela faz parte para a manutenção desse sistema econômico mundial. A colonialidade implementa a tecnologia da dominação e da exploração dos corpos e com suas intersecções, uma vez que é impossível a fragmentação do corpo. O objetivo central desta discussão é suscitar a reflexão sobre como os corpos de pessoas negras surdas, situados no sistema-mundo, estruturado pela colonialidade e pelo capitalismo neoliberal, enunciam sentidos, tencionando, assim, as relações de poder nas quais se envolvem. O sistema-mundo é opressor e subalterniza as pessoas negras surdas, impondo-lhes visões branco-ouvintistas para a manutenção da supremacia da colonialidade. Nosso pressuposto é que a subalternização e a dominação de seus corpos estão ligadas à negação dos direitos linguísticos e existenciais da população negra surda brasileira, como um todo. Esse pressuposto se sustenta na revisão da literatura que aborda a intersecção das questões de raça, surdez e direitos linguísticos. A partir das referências selecionadas, foram sintetizadas reflexões teóricas que possibilitam evidenciar a colisão das estruturas de cultura/linguagem/epistemologia, raça/cor, gênero/sexualidade, classe e outras categorias de classificação de identificação sociais. No final, foi possível constatar que a opressão e marginalização dos corpos das pessoas negras surdas são resultantes das colisões criadas pelo racismo estrutural, criado pela colonialidade e mantido pelo capitalismo globalizado, reverberando, assim, a negação dos direitos linguísticos e existenciais de pessoas negras surdas. Icaro Augusto Santos Tânia Ferreira Rezende Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-11-04 2021-11-04 e104/ 1 23 10.5902/1984644464791 Usos das avaliações externas em larga escala em escolas da Rede Municipal de Ensino de Campinas: relações com a Avaliação Institucional Participativa https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/43882 <p>O artigo apresenta uma pesquisa que teve por objetivo analisar as repercussões da política de Avaliação Institucional Participativa (AIP) no uso das avaliações externas por escolas da Rede Municipal de Ensino de Campinas (RMEC). Quatro escolas com diferentes cenários de enraizamento da AIP foram acompanhas e seus Orientadores Pedagógicos e professores foram entrevistados. Foram consideradas as análises das avaliações externas presentes nos Projetos Pedagógicos, os tempos e espaços destinados para a discussão dessas avaliações e as práticas pedagógicas adotadas. Percebe-se que o uso das avaliações externas para favorecer a formação humana ainda é uma aprendizagem a ser desenvolvida mesmo pela escola com processos potencializados de AIP.</p> Luana Ferrarotto Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-11-04 2021-11-04 e105/ 1 24 10.5902/1984644443882 Uma análise da implementação do contraturno nas escolas municipais de Belo Horizonte https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/43534 <p>Os programas de contraturno desenvolvidos nas escolas municipais de Belo Horizonte/MG, mais especificamente, os Programas Escola Integrada e Segundo Tempo interagem com a dinâmica escolar e, por vezes, provocam justaposição na concretização de suas ações. O objetivo deste estudo foi investigar a implementação desses programas por meio de pesquisa bibliográfica e estudo de caso. A técnica de coleta foi a entrevista com coordenadores dos programas, pais, estudantes e educadores. A pesquisa baseou-se no ciclo de política e estudos do discurso para refletir as práticas políticas e sociais desenroladas na dinâmica escolar. Na análise da implementação os vínculos profissionais podem oferecer fragilidades na efetivação da política bem como provocar tensões no universo da gestão local e central dos programas que estruturam o contraturno escolar. Ademais, as concepções dos sujeitos envolvidos impactam nos resultados da política. Nesse sentido, este estudo contribui para as possibilidades de abertura de interpretações dos diversos sujeitos que participam da comunidade escolar oportunizando a autoria das vozes e protagonismo coletivo no caminho da construção de “encontros potentes”.</p> Marcília de Sousa Silva Hélder Ferreira Isayama Luciana Assis Costa Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-11-04 2021-11-04 e106/ 1 29 10.5902/1984644443534 Literatura infantil: expressão artística que coloca os discursos sobre idosos em movimento https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/43584 <p>O cenário de envelhecimento populacional e a complexidade das mudanças socioeconômicas, tecnológicas e culturais desafiam a educação brasileira à leitura de um mundo “grávido” de um novo fenômeno: a diversidade dos modos de viver a velhice. As crianças precisam ler o mundo que envelhece, ao mesmo tempo em que passam por experiências intergeracionais nas suas comunidades, para evitar a discriminação etária (<em>ageism</em>). O foco temático é a literatura infantil. Os objetivos desse estudo são: levantar obras de literatura infantil, disponíveis em língua portuguesa, que tragam personagens idosos; analisar o que seus discursos expressam; e pensar uma <em>geroalfabetização.</em> As questões de pesquisa foram: Quais discursos aparecem na literatura infantil que traz personagens idosos? A literatura infantil guarda em si as potencialidades para a construção de outros discursos sobre a velhice? Como a linguagem literária pode ser um instrumento educativo para uma <em>geroalfabetização</em>? O método previu uma pesquisa bibliográfica. Os resultados revelaram que a expressão artística literária cria palavras, frases e orações, se organizando em textos veiculadores de discursos que, nem sempre, revelam a diversidade da identidade etária numa única obra. Conclui-se que partilhar diferentes obras que trazem personagens idosos na literatura infantil, como instrumento educativo, pode potencializar, nas crianças, a construção de novas concepções de velhice, visto que é pelas linguagens que expressamos pensamentos e sentimentos.</p> Monica de Avila Todaro Meire Cachioni Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-11-04 2021-11-04 e107/ 1 21 10.5902/1984644443584 Um diálogo entre Bilinguismo, Legislação e Educação Inclusiva no Brasil https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/43774 <p>O presente estudo ancora-se em reflexões pertencentes à tese de doutorado “Ser professora em área de fronteira bilíngue no Brasil: desafios e possibilidades”, a qual discorre sobre as questões pedagógicas que envolvem a inclusão de imigrantes nas escolas de fronteira brasileira. Neste artigo, faremos um recorte da temática apresentada na tese, com o propósito de sinalizar a importância de compreender as questões políticas que direcionaram o processo de ensino e aprendizagem de imigrantes em nossas escolas ao longo dos anos. Nosso intuito é demonstrar que esses alunos sempre estiveram presentes em nosso convívio social e educacional, porém poucas foram as propostas que lhes possibilitaram uma efetiva inclusão educacional. Como aportes teóricos para discutir essas questões, pautamo-nos em documentos oficiais como: Constituição Federal de 1988; Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB), Lei n.º 9.394, de 20 de dezembro de 1996; Lei nº 10.436 do ano de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS; Estatuto da Pessoa com Deficiência (Lei nº 13.146); Estatuto do Estrangeiro (Lei n.º 6.815/80); Lei de Migração (Lei nº <a title="LEI Nº 13.445, DE 24 DE MAIO DE 2017." href="about:blank">13.445</a>/17); na Declaração de Incheon (2015) e em pesquisadores da área da linguística e da educação que reconhecem a necessidade de reflexões pontuais para de atender às peculiaridades sociolinguísticas existentes num país de tanta diversidade como o Brasil.</p> Janaína Moreira Pacheco de Souza Luiz Antonio Gomes Senna Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-11-04 2021-11-04 e108/ 1 20 10.5902/1984644443774 Neuroeducação e a construção de indicadores de habilidades cognitivas https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/43817 <p>Este estudo apresenta proposições de um instrumento de análise por meio dos pressupostos da Neuroeducação, evidenciando como Indicadores de Habilidades Cognitivas podem ser percebidos em falas e atitudes de alunos durante as aulas. Assumimos uma abordagem metodológica qualitativa, na qual desenvolvemos uma revisão bibliográfica em artigos científicos, teses e livros publicados em periódicos da área da educação em ciências. Elaboramos categorias denominadas de Bases Organizacionais das Habilidades Cognitivas, que resultam em alguns Indicadores de que essas Habilidades ocorrem em contextos reais e podem ser identificadas. Os resultados apontam que a Neuroeducação compreende um novo ramo de estudos que propõe aproximar a educação em ciências de estudos relacionados a neurociência e a psicologia. Deste modo, este instrumento possibilita análise de categorias que identifiquem Habilidades Cognitivas, compreendendo que o trabalho pedagógico promovido de maneira colaborativa e interativa auxilia na forma como o aluno adquire a manifesta aprendizagem.</p> Antonia Ediele de Freitas Coelho João Manoel da Silva Malheiro Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-11-04 2021-11-04 e109/ 1 29 10.5902/1984644443817 Clima organizacional em uma instituição de Ensino Superior https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/43820 <p>O Clima Organizacional de uma instituição de ensino superior foi analisado a partir da metodologia de abordagem qualitativa. O objetivo do estudo foi de compreender a percepção dos professores frente ao Clima Organizacional da instituição pesquisada. Os instrumentos utilizados possibilitaram ouvir os participantes e evidenciaram os fatores determinantes deste objeto de estudo. Para este artigo foram escolhidos para análise, quatro fatores relacionados ao Clima Organizacional. As escolhas desses fatores se pautaram na sua prevalência nas falas dos sujeitos pesquisados. Assim, as análises se realizaram a partir dos seguintes fatores: relacionamento e cooperação; oportunidade de crescimento e incentivos profissionais; política, economia local, nacional e internacional e saúde física e mental. Os resultados evidenciaram a coesão nas falas dos participantes, que expressaram a satisfação de fazer parte da instituição, mesmo diante de alguns empecilhos. Nos relacionamentos e cooperações se mostraram significativos para os pequenos grupos e departamentos, e menos constantes para o coletivo da instituição. Em relação a oportunidade de crescimento e incentivos profissionais os participantes ressaltaram a importância desse fator, para a formação e qualificação dos profissionais que nela atuavam. Já o fator relacionado à política e a economia local, nacional e internacional deixou as evidências da insegurança diante do cenário de trabalho. Nas percepções dos professores, a saúde física e mental, frente ao Clima Organizacional tiveram dubiedade de perspectivas. As considerações desta pesquisa ressaltaram a importância de compreender o Clima Organizacional da instituição educacional e interferência com o intuito de torná-lo cada vez mais agradável.</p> Jussara Bueno de Queiroz Paschoalino Maria Auxiliadora Monteiro de Oliveira Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-11-04 2021-11-04 e110/ 1 22 10.5902/1984644443820 Análise de trabalhos que abordam a relação entre Neurociências e Educação no período de 2014 a 2019 e suas interfaces com o Ensino de Ciências/Química https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/44048 <p>Pesquisas recentes indicam que as Neurociências podem trazer importantes contribuições à Educação, disponibilizando conhecimentos com base científica que fomentam reflexões sobre os processos de ensino e aprendizagem e, consequentemente, a busca por aprimorar práticas pedagógicas instituídas em Escolas e Universidades. Nesse sentido, o presente trabalho analisou algumas publicações que propuseram relacionar as Neurociências com a Educação e o ensino de Ciências. Para tal, realizou-se inicialmente um levantamento bibliográfico utilizando a plataforma Google Acadêmico e o Portal de Periódicos CAPES, sendo definidas as palavras-chaves para efetuar tais buscas. Em seguida, delimitou-se a amostra a ser analisada, que teve como recorte as publicações entre 2014 e 2019 resultantes apenas do Portal da CAPES, considerando o vasto retorno obtido no Google Acadêmico e a necessidade de limitar os dados. Posteriormente, os trabalhos selecionados foram analisados e classificados como alinhados ou não às temáticas de busca, sendo esta seleção validada pela triangulação dos dados entre os pesquisadores. Os trabalhos da amostra classificados como não alinhados foram submetidos à análise de conteúdo proposta por Bardin, gerando categorias que evidenciaram a importância das Neurociências como campo de conhecimento que integra diferentes áreas. Por fim, os dados selecionados foram dispostos em gráficos e tabelas para, em seguida, discutir os resultados apontando as possíveis implicações da interface entre Neurociências e Educação com o Ensino de Ciências, além deprojetar perspectivas futuras de pesquisas. A partir dos resultados, constatou-se a necessidade de estimular um maior diálogo entre essas áreas de conhecimento, buscando contemplar a formação dos professores em geral.</p> Amanda Cristina Magalhães Costa Vinícius Catão de Assis Souza Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-12-31 2021-12-31 e111/ 1 25 10.5902/1984644444048 Educação Física decolonial: análise, desafios e perspectivas em Paulo Freire e Frantz Fanon https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/44110 <p>O objetivo do presente ensaio teórico é apresentar a perspectiva a Educação Física decolonial, inspirada na teoria de Paulo Freire e Frantz Fanon, possibilitando uma reflexão teórica diante da justiça social e o reconhecimento da identidade negra na sociedade e, ainda, verificar se existem discussões teóricas nessa área sobre a temática. O estudo em questão está amparado especialmente em uma visão crítica de mundo e educacional, no qual está estreitamente apoiada nos conceitos de educação popular e justiça social, amparada na visão decolonial de Freire e Fanon e não tem a pretensão de apresentar um modelo curricular para o componente curricular Educação Física. No entanto, entendemos que é necessário realizar uma reflexão sobre autores e perspectivas teóricas que ainda não adentraram nas discussões desta área do conhecimento. Os resultados da literatura permitiram constatar que a perspectiva decolonial de Freire e Fanon ainda não foram estudadas e introduzidas no debate da área de Educação Física. Concluímos que, é a partir do reconhecimento de uma perspectiva decolonial para a Educação Física que as oportunidades de emancipação social e libertação do sistema colonial poderão oferecer subsídios de esperança para as pessoas subalternas da sociedade.</p> Cláudio Aparecido Sousa Thiago Batista Costa Mônica Caldas Ehrenberg Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-12-31 2021-12-31 e112/ 1 27 10.5902/1984644444110 Espiritualidade no ensino: a perspectiva dos discentes de uma universidade pública da área da saúde https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/43450 <p>A espiritualidade é uma parte complexa e multidimensional da experiência humana, com base inerente de cada pessoa do significado e do propósito de vida, encontrada em todas as culturas. A consideração do ser humano de forma integral, representa um aspecto importante da formação dos profissionais da saúde. Tem crescido o reconhecimento da importância da espiritualidade na saúde, mas pouco se ensina ou se aplica na prática aos profissionais desta área. Os cursos de graduação e de pós-graduação, na sua grande maioria, não desenvolvem conteúdos relacionados à espiritualidade nos seus currículos. Assim, o objetivo do estudo foi investigar a compreensão dos discentes da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre a respeito do tema espiritualidade na educação e na saúde, por meio da análise de presença ou ausência da abordagem do tema espiritualidade no currículo acadêmico, e de como estes avaliam a pertinência do tema. Trata-se de um estudo transversal que tem como população os discentes dos Cursos de Graduação e Pós-Graduação da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre. Realizou-se a coleta de outubro de 2016 a novembro de 2019, utilizando-se questionários em formato impresso. Um total de 632 alunos responderam ao questionário, e 65,7% destes entendem que é pertinente abordar aspectos relacionados à “espiritualidade” na formação acadêmica. Conclui-se que os discentes dos diferentes cursos e séries reconhecem a relevância do estudo da espiritualidade na saúde, entretanto, a carência deste conteúdo durante a formação acadêmica resulta em desconhecimento e insegurança para abordar o tema com os pacientes. </p> Lahanna da Silva Ribeiro Émilly Giacomelli Bragé Bruna Luísa Ribeiro de Almeida Eliane Goldberg Rabin Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-12-31 2021-12-31 e113/ 1 24 10.5902/1984644443450 Concepções do ensino da Educação Física na Educação Infantil a partir do olhar de estagiários https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/44153 <p>O artigo teve como objetivo discutir a concepção de ensino da Educação Física na Educação Infantil a partir do olhar de estagiários da Licenciatura. Participaram dessa pesquisa quatro estagiários matriculados na disciplina de Estágio Supervisionado do curso de Licenciatura Educação Física de uma Universidade da zona da mata mineira. O instrumento metodológico para a produção dos dados foi a entrevista semiestruturada, e a técnica para o trato dos dados foi a Análise de Conteúdo. Identificou-se que, dentre os entrevistados, dois conceberam o papel do ensino do componente curricular sob a perspectiva biologizante, um se ancorou na Pedagogia Histórico-Crítica e um último acreditava na combinação das duas anteriores. Concluiu-se que apenas a fala de um estagiário corroborava com os estudos contemporâneos do ensino na Educação Infantil e da Educação Física Escolar e que, para alterar este quadro, é fundamental que os cursos de Licenciatura da área invistam em projetos de ensino e extensão que voltem os olhares aos aspectos da cultura e da sociologia, bem como, considerem as crianças como seres históricos e sociais.</p> Pedro de Oliveira Milagres Natália Franciele Lessa Soraya Dayanna Guimarães Santos Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-12-31 2021-12-31 e114/ 1 23 10.5902/1984644444153 John Dewey: educação, democracia e coesão social https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/44319 <p>Este artigo aborda as relações entre educação, democracia e coesão social, tomando por base as ideias do filósofo e educador estadunidense John Dewey. Esse tema assume especial relevância na atualidade, quando a ideia de democracia enfrenta graves desafios. O artigo discorre primeiramente sobre as propostas apresentadas por Dewey no livro <em>Democracia e educação</em>, publicado em 1916, sua mais importante obra educacional. O propósito dessa análise é mostrar que as teses do autor sobre educação são estreitamente vinculadas às suas teses políticas. Em seguida, são examinadas as reflexões feitas por Dewey no livro <em>The public and its problems</em>, publicado em 1927, desenvolvidas em confronto com as ideias do jornalista Walter Lippmann. Enquanto Lippmann defende que a democracia requer a formação de um corpo de especialistas para comandar a vida social, Dewey enfatiza a necessidade de valorizar o público, isto é, os diversos agrupamentos que compõem a sociedade e que são atingidos pela ação do estado.</p> Marcus Vinicius Cunha Horacio Héctor Mercau Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-12-31 2021-12-31 e115/ 1 20 10.5902/1984644444319 Luz, câmera, ação: práticas de professores de História com o cinema na sala de aula https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/44434 <p>Este artigo tem como objetivo analisar as práticas de professores de História, que atuam nos anos finais do ensino fundamental, com a utilização do cinema na sala de aula. Para tanto, realizamos uma pesquisa de abordagem qualitativa, utilizando como técnica de construção de dados a entrevista semiestruturada com seis professores do quadro efetivo da Rede Municipal de Ensino de Fortaleza, Ceará, que fazem uso de filmes em suas práticas de ensino. No que concerne ao aporte teórico, nos apoiamos nos estudos de Napolitano (2013), Bittencourt (2011), Kornis (1992, 2008), dentre outros, por esboçarem pressupostos teórico-metodológicos para a utilização da linguagem cinematográfica no ensino de História. Os resultados da investigação apontaram que as práticas dos professores investigados se encontram ancoradas nos referidos pressupostos por trabalharem o questionamento, a crítica e a ideia de que o filme apresenta uma representação do acontecimento histórico.</p> Antonio Ivanilo Bezerra de Oliveira Fátima Maria Leitão Araújo Luiz Botelho Albuquerque Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-12-31 2021-12-31 e116/ 1 18 10.5902/1984644444434 Experiência, Juventude e o estar-junto em processos de aprendizagem em dança: por uma Pedagogia Performativa https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/44577 <p>Este trabalho parte de reflexões sobre experiências docentes no curso de Licenciatura em Dança do Instituto Federal de Goiás/ Campus Aparecida de Goiânia, no contexto específico das disciplinas <em>Ateliê de criação em dança I e II</em>, onde propõem-se o estudo e vivências de diferentes acervos de dança e seus processos de ensino-aprendizagem a partir da criação artística como eixo norteador das relações entre os sujeitos e o <em>estar-junto </em>como paradigma ético e estético. Metodologicamente trabalhamos com a revisão de literatura que tenta dar conta das questões que envolvem a dança e a Pedagogia performativa levando em consideração as experiências nos Ateliês de criação. A presente reflexão aponta para a possibilidade da construção de novos olhares em torno dos saberes formativos na trajetória a partir da perspectiva da Experiência e da Pedagogia Performativa pensadas em contextos de Juventude. Tais processos são experimentados em uma Instituição Pública de Ensino que se compromete com a problematização e a recriação de práticas específicas e modos de ser no seio dos diversos grupos sociais. O contato sistemático e criativo com a diversidade cultural presente nesses acervos de dança a partir da utilização de metodologias coletivas e participativas sob a perspectiva da Pedagogia Performativa tem contribuído para um processo sistemático e multidimensional orientado à formação do sujeito de direito e a promoção de uma socialidade ativa e participante.</p> Roberto Rodrigues Paulo Petronilio Correia Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-12-31 2021-12-31 e117/ 1 25 10.5902/1984644444577 O papel das adaptações e transcrições braille na contextualização do ensino de química: levantamento sócioestatístico do centro de apoio pedagógico ao deficiente visual do Estado do Amapá https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/45787 <p>A presente pesquisa experimental traz a temática de inclusão dos Deficientes Visuais no ensino regular. Objetivando analisar o processo de inclusão de alunos com deficiência visual, suplementados com transcrições braille e material didático adaptado na disciplina de química, produzidos pelo Centro de Apoio Pedagógico da Pessoa com Deficiência Visual do Amapá, Brasil, no último quinquênio, bem como refletir a respeito do processo educativo desses indivíduos, levando em consideração a compreensão de conceitos químicos nos diferentes Níveis do Ensino. Metodologicamente o estudo pauta-se na Teoria Gestaltista, onde não se pode conhecer o todo através das partes, e sim as partes por meio do conjunto de ações realizadas. Dentre os procedimentos metodológicos, destacam-se a catalogação do atendimento educacional voltados aos alunos DVs, quantificações das transcrições e adaptações braille por área de conhecimento e intervenções pedagógicas. A análise evidenciou que a disciplina de Química é responsável por 24% das adaptações braille no centro, contribuindo para complementação didática de 70% dos educandos matriculados na rede básica do Amapá. Evidenciando a necessidade de acompanhamento físico-pedagógico, aos DVs, pois aqueles com suplementação apropriada alcançaram rendimento na disciplina de Química de 65% por grupo pesquisado. A disparidade, quanto aproveitamento no ensino de Química, significa não dar para os Deficientes a possibilidade de inclusão, já quando se eleva o rendimento escolar, desenvolve-se o lado interpessoal dos indivíduos, tornando-os sujeitos ativos na sociedade.</p> Agerdânio Andrade de Souza Ana Paula da Silva Freire Oberdan José Teixeira Chaves Solange Rodrigues da Silva Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-12-31 2021-12-31 e118/ 1 30 10.5902/1984644445787 Feminismos contemporâneos: mediações e potências do ciberativismo feminista e transfeminista https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/46906 <p>O estudo objetivou refletir acerca das expressões contemporâneas dos feminismos, demarcando mediações e potências do ciberativismo feminista e transfeminista. O artigo abordou o pensamento feminista como movimento histórico, político e filosófico-epistemológico e as “ondas” do feminismo; discutiu a respeito das redes de ciberativismo feminista e transfeminista; expôs o retrato da pesquisa sobre feminismo e transfeminismo no Brasil entre 2015 e 2019; e apresentou as expressões dos ciberativismos feministas e transfeministas. Configurou-se uma pesquisa feminista no caráter teórico-metodológico e da práxis, na perspectiva de fortalecer a relação teoria/prática e Universidade/sociedade; qualitativa do tipo bibliográfica e documental; referenciou-se em teorias críticas do feminismo, transfeminismo e marxismo. Recorreu-se à busca <em>on-line</em>: no Portal da Capes pelos descritores <em>feminismo</em>, <em>transfeminismo</em>, <em>ciberativismo feminista</em>, filtrada por Área Avaliação <em>Comunicação e Informação</em>; <em>Educação</em>; e <em>Serviço Social</em>, constatando 324 pesquisas; nas redes sociais do Facebook, Instagram e Twitter com os termos <em>Marcha</em>, <em>Coletivo Feminista</em> e <em>Transfeminista</em>, <em>Frente Feminista</em> e <em>Transfeminista</em>, localizando 438 páginas. A nova “onda” dos feminismos contemporâneos impulsiona novos redesenhos de premissas teóricas e movimentos feministas e transfeministas, estruturados em fronteiras interseccionais, transversais e transdisciplinares de gênero, raça, sexualidade, classe, geração, territorialidade, entre outros marcadores. As produções acadêmicas apontam a apropriação das teorias como subsídio para as práticas sociais, políticas e educativas; e fortalecimento das epistemologias feministas e transfeministas, das agendas reivindicatórias dos feminismos e transfeminismos e das transformações provocadas. Os ciberativismos feministas e transfeministas intensificam a organização, a mobilização e as resistências das mulheres, culminando em maior diversidade e potência dos levantes nas redes e nas ruas.</p> Maria Helena Santana Cruz Ana Paula Leite Nascimento Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-12-31 2021-12-31 e119/ 1 28 10.5902/1984644446906 Educação e Agroecologia: apontamentos sobre a experiência de formação humana no curso do SERTA. https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/46853 <p>Este artigo apresenta os elementos sobre a teoria e a prática da proposta educacional do curso de técnico em agroecologia do Serviço de Tecnologia Alternativa – SERTA. No primeiro momento, destacam-se alguns elementos da metodologia de ensino do SERTA, no qual se procura um aprofundamento no que diz respeito a influência das propostas de educação popular, especialmente a pedagogia de Paulo Freire. No segundo momento, é apresentada nossa prática do estágio supervisionado, reconhecida como um momento de troca de saberes e aprendizado no tocante as técnicas de agroecologia, bem como de aproximação da luta social no campo. O objetivo do artigo é trazer à tona a filosofia e a metodologia educacional do SERTA e sua proposta de articulação com os movimentos sociais do campo no Nordeste do Brasil. Para tanto, destacamos a importância que o curso dá aos saberes dos camponeses na constituição da agroecologia, culminando numa educação voltada para a formação humana. Em termos metodológicos, tratamos nossa experiência de formação no curso como um momento rico para reflexões em torno da educação popular.</p> Rodrigo José de Góis Queiroz Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-12-31 2021-12-31 e120/ 1 25 10.5902/1984644446853 A influência das tecnologias da informação nas experiências vivenciadas no espaço da educação infantil https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/47099 <p>O objetivo deste ensaio é problematizar as possíveis influências das tecnologias da informação nas percepções de tempo e espaço na Educação Infantil, vivenciadas por crianças e professores. Pressupõe-se que na atualidade, vivencia-se um tempo e um espaço mediados pelas tecnologias da informação, que constroem formas de ser e estar no mundo em que efeitos da globalização são percebidos em diferentes esferas, como a Educação, desde a Educação Infantil até o Ensino Superior. A atual sociedade fornece tecnologias da informação à disposição dos professores e demais integrantes das equipes profissionais das instituições educativas. Com os Estudos Culturais, procurou-se compreender o conceito de globalização e problematizá-lo acerca das influências para o professor, especificamente aquele da Educação Infantil, examinando os mecanismos de consumo acelerado de informação nos tempos atuais. Busca-se na trajetória da Educação Infantil no Brasil, o cenário para ensaiar as influências das tecnologias da informação em espaços educativos, observando suas influências sobre as crianças e adultos inseridos nestes locais.</p> George Saliba Manske Luciane Wayss Staffen Copyright (c) 2021 Educação (UFSM) 2021-12-31 2021-12-31 e121/ 1 16 10.5902/1984644447099