Educação Especial e Projetos Pedagógicos Curriculares dos cursos de licenciaturas da Universidade Federal do Acre

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5902/1984686X65323

Palavras-chave:

Educação Especial, Projetos Pedagógicos Curriculares, Licenciaturas.

Resumo

Os Projetos Pedagógicos Curriculares das licenciaturas pressupõem formações inspiradas em concepções inclusivas, conforme a legislação vigente. Esta pesquisa objetivou analisar os projetos dos cursos de licenciaturas da Universidade Federal do Acre, quanto aos aspectos facilitadores da formação para o trabalho, com base nos pressupostos da Educação Especial. Seis projetos foram analisados, por meio de estudos descritivos e bibliográficos. Os resultados evidenciaram concepções e perspectivas de práticas inclusivas nos componentes curriculares, nas referências básicas e complementares, bem como nos estágios supervisionados, realizados após a formação em componentes curriculares de Fundamentos da Educação Especial e da Língua Brasileira de Sinais. A formação docente foi uma proposta advinda dessas análises, visando à incorporação dos pressupostos da Educação Especial às práticas educativas dos professores da Educação Superior. Os documentos legais que davam suporte a alterações nesse sentido datam de 2015. Entretanto, em 2019, o advento de alterações nas Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação docente constitui um desafio para outras alterações nos projetos desses cursos.

Biografia do Autor

Geisa Cristina Batista, Universidade Federal do Acre, Rio Branco, AC

Professora mestra da Universidade Federal do Acre, Rio Branco, AC, Brasil e doutoranda na Universidade Federal de São Carlos, São Paulo, Brasil.

Marlene Rodrigues, Universidade Federal de Rondônia, Porto Velho, RO

Professora doutora da Universidade Federal de Rondônia, Porto Velho, RO, Brasil.

Fátima Elisabeth Denari, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, SP

Professora doutora da Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, SP, Brasil.

Referências

APPLE, M. A educação pode mudar a sociedade? Petrópolis, RJ: Vozes, 2017.

ARROYO, M. G. Os Movimentos Sociais e a construção de outros currículos. Educar em Revista, Curitiba, n. 55, Editora UFPR, p. 47-68, jan./mar. 2015. Disponível em: https://bit.ly/3txvHmm. Acesso em: 28 fev. 2021.

BRASIL, Presidência da República. Decreto n.º 72.425, de 03 de julho de 1973. Cria o Centro Nacional de Educação Especial (Cenesp), e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 04 jul. 1973. Disponível em: https://bit.ly/3vEGZHl. Acesso em: 28 fev. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Parecer CNE/CP n.º 22/2019. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (BNC-Formação). Diário Oficial da União, Brasília, 20 dez. 2019. Disponível em: https://bit.ly/3eL7fKi. Acesso em: 13 out. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP n.º 2/2015, de 09 de junho de 2015. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Diário Oficial da União, Brasília, 02 jul. 2015. Disponível em: https://bit.ly/2QfQOvk. Acesso em: 13 out. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP n.º 2/2019, de 20 de dezembro de 2019. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e institui a Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (BNC-Formação). Diário Oficial da União, Brasília, 15 abr. 2020a. Disponível em: https://bit.ly/3tv6xVB. Acesso em: 25 jun. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria n.º 1679/1999, de 02 de dezembro de 1999. Dispõe sobre requisitos de acessibilidade de pessoas portadoras de deficiências, para instruir os processos de autorização e de reconhecimento de cursos, e de credenciamento de instituições. Diário Oficial da União, Brasília, 03 dez. 1999. Disponível em: https://bit.ly/3f3HEwr. Acesso em: 28 fev. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão. Grafia Braille para a Língua Portuguesa. 3. ed. Mistério da Educação: Brasília, 2018.

BRASIL. Presidência da República. Decreto n.º 10.502/2020, de 30 de setembro de 2020. Institui a Política Nacional de Educação Especial: Equitativa, Inclusiva e com Aprendizado ao Longo da Vida. Diário Oficial da União, Brasília, 01 out. 2020b. Disponível em: https://bit.ly/3bWosOS. Acesso em: 13 out. 2020.

BRASIL. Presidência da República. Lei n.º 12.764/2012, de 27 de dezembro de 2012. Institui a Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista; e altera o § 3.º do art. 98 da Lei n.º 8.112, de 11 de dezembro de 1990. Diário Oficial da União, Brasília, 28 dez. 2012. Disponível em: https://bit.ly/2QhLgjW. Acesso em: 28 fev. 2021.

BRASIL. Presidência da República. Lei n.º 13.005/2014, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 26 jun. 2014. Disponível em: https://bit.ly/3tr3uO0. Acesso em: 28 fev. 2021.

CANGUILHEM, G. O normal e o patológico. 6. ed. rev. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2009.

LA Pomme. Direção: Samira Makhmalbaf. Intérpretes: Massoumeh Naderi, Ghorban Ali Naderi, Zahra Naderi e Azizeh Mohamadi. Roteiro: Mohsen Makhmalbaf e Samira Makhmalbaf. Irã, França e Holanda: Hubert Bals Fund, MK2 Productions, Makhmalbaf Productions e Rotterdam Film Festival, 1998. 1 DVD (86 min.), widescreen, color.

RANGNI, R. de A.; MASSUDA, M. B.; COSTA, M. da P. R. da. Altas habilidades/superdotação: temas para pesquisa e discussão. São Carlos: EdUFSCar, 2017.

RODRIGUES, M. Formação Docente para Inclusão de Estudantes Público-Alvo da Educação Especial em Cursos de Licenciaturas da Universidade Federal de Rondônia. 2018. 343 f. Tese (Doutorado em Educação Escolar) – Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Araraquara, 2018. Disponível em: https://bit.ly/3tzVVEK. Acesso em: 17 mar. 2021.

SACRISTAN, J. G. (org.). Saberes e incertezas sobre o currículo. Porto Alegre: Penso, 2013.

SANTAROSA, L. M. C. (org.) Tecnologias Digitais Acessíveis. Porto Alegre: JSM Comunicação, 2010.

SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL (STF). Suspensa eficácia do decreto que instituiu a política nacional de educação especial. Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 6590. Notícias STF, 01 dez. 2020. Disponível em: https://bit.ly/30SUQf7. Acesso em: 28 fev. 2021.

VILELAS, J. Investigação – O Processo de Construção do Conhecimento. Lisboa: Ed. Sílabo, 2009.

VYGOTSKI, L. S. Obras Escogidas v Fundamentos de Defectología. Volumen CXXIX de la Colección Aprendizaje. Editorial Pedagógica, Moscú, 1983. De la presente edición VISOR DIS., S.A., 1997.

VYGOTSKY, L. S. A Formação Social da Mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. 7. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

VYGOTSKY, L. S. Pensamento e Linguagem. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

Downloads

Publicado

2021-08-31

Como Citar

Batista, G. C., Rodrigues, M., & Denari, F. E. (2021). Educação Especial e Projetos Pedagógicos Curriculares dos cursos de licenciaturas da Universidade Federal do Acre. Revista Educação Especial, 34, e38/1–22. https://doi.org/10.5902/1984686X65323