A dimensão da beleza física na concepção de pessoas com cegueira congênita

Everton Luiz Oliveira, Fátima Elisabeth Denari

Resumo


Ao observar que as pessoas com cegueira congênita apresentam processos de aprendizagem e de simbolização singulares, despertou-se para a inquietação de que, em um mundo regido por formas visuais/imagéticas, estas poderiam ou não apresentar conceitos sobre beleza. Desta forma, este estudo, de caráter qualitativo e de cunho descritivo, destinou-se a investigar e compreender as representações sociais de corpo a partir da concepção de pessoas com cegueira congênita. Para obtenção dos dados optou-se por entrevista semiestruturada, permitindo que todo o conteúdo fosse analisado por meio da análise de conteúdo. Os resultados apontam para a maneira generalizante com que a beleza corporal é apreendida nas práticas cotidianas pelas pessoas com cegueira. Por fim, o tato, a linguagem e a audição se mostraram mecanismos importantes para o desenvolvimento das representações sociais de corpo e para o estreitamento com o mundo sensível sobre o qual se apresenta a beleza nas práticas e objetivações sociais de pessoas com cegueira.

Palavras-chave


Corpo; Cegueira congênita; Beleza.

Texto completo:

PDF

Referências


AMIRALIAN, M. L. T. M. Compreendendo o cego: uma visão psicanalítica da cegueira por meio de desenhos-estórias. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1997.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Tradução de Luís Antero de France. Lisboa: Edições 70, 1977.

BATISTA, C. G. Formação de conceitos em crianças cegas: questões teóricas e implicações educacionais. Psic.: Teor. e Pesq., Brasília, v. 21, n. 1, abr. 2005. Disponível em: . Acesso em: 16 de dezembro de 2016.

BERGER, M. Corpo e identidade feminina. Tese de Doutorado. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, USP, São Paulo, 2006, 295p.

BRASÍLIO, L. A. Um olhar sócio-histórico sobre a beleza: das amarras à alteridade. Tese de Doutorado. Universidade Estadual Paulista – Julio de Mesquita Filho, UNESP/Car, Araraquara, 2007, 136p.

LAPLANE, A. L. F.; BATISTA, C. G. Um estudo das concepções de professores de ensino fundamental e médio sobre a aquisição de conceitos, aprendizagem e defi ciência visual [Resumo]. Em: Associação Brasileira de Pesquisadores em Educação Especial (Org.). Anais do I Congresso Brasileiro de Educação Especial, IX Ciclo de Estudos sobre Deficiência Mental. São Carlos: UFSCar, 2003, pp. 14-15.

LEBEDEFF, T. B. Aprendendo com o toque: reflexões e sugestões para uma educação sexual adaptada ao portador de deficiência visual. Rev. Bras. Educação Especial, Marília, v. 2, n. 1, 1994, pp. 31-7.

MATTHIESEN et al. Linguagem, corpo e Educação Física. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte, São Paulo, v. 7, n. 2, 2008, pp. 129-139.

MENEZES, F. Dia do Homem: cinco erros de beleza que detonam a imagem masculina, 16 de julho de 2011. Disponível em: . Acesso em: 15 de janeiro de 2017.

MOSCOVICI, S. Representações sociais: investigações em psicologia social. Trad. Do inglês por Pedrinho A. Guareschi. 2ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2004.

MOURA, G. R. de; PEDRO, E. N. R. Adolescentes portadores de deficiência visual: percepções sobre sexualidade. Rev. Latino-Am. Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 14, n. 2, abr. 2006. Disponível em: . Acesso em 05 de janeiro de 2017.

NOVAES, J. V. Vale quanto pesa... sobre mulheres, beleza e feiúra. In: CASOTTI, Letícia; SUAREZ, Maribel; CAMPOS, Roberta Dias. O tempo da beleza: consumo e comportamento feminino, novos olhares. Rio de Janeiro: Senac Nacional, 2008, pp. 144 – 175.

NOVAES, J. V. VILHENA, J. de. De Cinderela a moura torta: sobre a relação mulher, beleza e feiúra. Interações, jan-jun. 2003, vol.8, no.15, p.9-36.

ORMELEZZI, E. M. Os caminhos da aquisição do conhecimento e a cegueira: do universo do corpo ao universo simbólico. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Educação da USP, São Paulo, 2000, f. 273.

SÁ, C. P. A construção do objeto de pesquisa em representações sociais. Rio de Janeiro: EdUERJ, 1998.

SAMPIERI, R. H.; COLLADO, C. H.; LUCIO, P. B. Metodologia de pesquisa. São Paulo: McGraw-Hill, 2006.

SOUZA, A. F. C. O percurso dos sentidos sobre a beleza através dos séculos: uma análise discursiva. Dissertação (Mestrado em Linguística). Instituto de Estudos e Linguagem, UNICAMP, Campinas, 2004, 224p.

VIGARELLO, G. História da beleza. Tradução de Léo Schlafman. Rio de Janeiro: Ediouro, 2006.

VILELAS, J. Investigação: o processo de construção do conhecimento. Lisboa: Edições Sílabo, 2009.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1984686X28535

CONTATO:

E-mail: revistaeducacaoespecial.ufsm@gmail.com

Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
Centro de Educação - Lapedoc
Av. Roraima, 1000 - Cidade Universitária
97105-900 - Santa Maria - RS, Brasil.
Telefone: +55 55 3220 8795

Link: https://periodicos.ufsm.br/educacaoespecial

 

ISSN eletrônico: 1984-686X

DOIhttp://dx.doi.org/10.5902/1984686X

Qualis/Capes: Educação A2

 

 

Periodicidade – Publicação contínua


O recebimento de artigos caracteriza-se por fluxo contínuo sem que seja possível prever a data de sua publicação.

 

 Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International (CC BY-NC 4.0)

Contador de visitas
click counter
Contador de visitas

Acessos a partir de 30/11/2016

____________________________________________________