A família, como vai? Percepção de pais e mães do Programa de Atenção ao Estudante Precoce com Comportamento Superdotado

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5902/1984686X61982

Palavras-chave:

Educação Especial, Altas Habilidades/Superdotação, Família.

Resumo

Os estudantes com comportamento superdotado apresentam características que os diferenciam daqueles com desenvolvimento típico. Sabendo-se que o ambiente familiar pode contribuir de maneira significativa para o desenvolvimento da Superdotação, destaca-se a necessidade de oferecer suporte especializado não apenas aos indivíduos com comportamento superdotado, mas também às suas famílias. O objetivo desta pesquisa consistiu em analisar a percepção dos pais e mães participantes do Programa de Atenção ao Estudante Precoce com Comportamento Superdotado (PAPCS), em relação aos seus filhos. Foram entrevistados 12 pais e mães de estudantes com comportamento superdotado participantes do programa. A transcrição das falas foi realizada conforme pressupostos de Marcuschi (1986) e, posteriormente, subdivididas em quatro categorias de análise delineadas de acordo com a análise de conteúdo de Bardin (2016). Foram essas: “Nível prático”, “Nível sociofamiliar”, “Nível psicológico” e “Concepção de Superdotação”. Os dados da pesquisa indicaram que a maioria dos pais dos estudantes com comportamento superdotado manifestava sentimentos positivos como orgulho, afinidade e identificação, demonstrando aproximação, proteção e suporte. Os pais afirmaram que esses estudantes se relacionavam de maneira positiva, no ambiente familiar; mas, a maior parte deles considerava os filhos teimosos e difíceis de manejar, gerando sentimentos que podem parecer contraditórios. Os participantes revelaram muitas inseguranças e dúvidas quanto à própria capacidade e ao futuro em sociedade. Constatou-se que muitos pais tinham suas relações com o filho prejudicadas antes de obter informações sobre a temática, pois consideravam os comportamentos da criança como falta de educação, prepotência e até maldade, castigando-as, muitas vezes, por características que representavam indicadores de Superdotação, como curiosidade ou sensibilidade. Indica-se a necessidade de novas pesquisas que deem voz aos familiares, acolhendo suas angústias e expectativas.

Biografia do Autor

Clarissa Maria Marques Ogeda, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, São Paulo, SP

Doutoranda na Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, São Paulo, SP, Brasil.

Ketilin Mayra Pedro, Centro Universitário Sagrado Coração, Bauru, SP

Professora doutora do Centro Universitário Sagrado Coração, Bauru, SP, Brasil.

Referências

AZEVEDO, Tássia Lopes de et al. Avaliação das Mães de Crianças Pequenas Público-Alvo da Educação Especial sobre um Programa de Intervenção. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v. 21, n. 3, p. 377-394, 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-65382015000300377&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 17 out. 2020.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. 4 ed. Lisboa: Edições 70, 2016.

BLOOM, Benjamin. Developing talent in young people. New York: Ballantine, 1985.

BOURDIEU, Pierre. A miséria do mundo. 3. Petrópolis: Vozes, 1999.

DELOU, Cristina Maria Carvalho. O Papel da Família no Desenvolvimento de Altas Habilidades/ Superdotação. In: FLEITH, D. S. (org.). A construção de práticas educacionais para alunos com Altas Habilidades/Superdotação: volume 3: o aluno e a família. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial. 2007. p. 49-59.

DESSEN, Maria Auxiliadora. A família como contexto de desenvolvimento. In: FLEITH, D. S. (org.). A construção de práticas educacionais para alunos com altas habilidades/superdotação. O aluno e a família Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial. 2007. p.13-27.

DUARTE, R. Entrevistas em pesquisas qualitativas. Educar em Revista, v. 20, n. 24, p. 213- 225, 2004.

FLEITH, Denise de Souza. A construção de práticas educacionais para alunos com Altas Habilidades/Superdotação, volume 3: o aluno e a família. Brasília: MEC/Seesp, 2007. p. 9-11.

FLEITH, Denise de Souza; ALENCAR, Eunice Soriano de. Desenvolvimento de talentos e altas habilidades: orientação aos pais e professores. Porto Alegre: Artmed, 2007.

GOMES, Rafaela Silva; GONÇALVES, Luciene Resende; SANTOS, Vitória Régia Lopes. Vendas de metilfenidato: uma análise empírica no brasil no período de 2007 a 2014. Sigmae, Alfenas, v.8, n.2, p. 663-681, 2019. Disponível em: http://publicacoes.unifal-mg.edu.br/revistas/index.php/sigmae/article/view/1039. Acesso em: 16 mar. 2021.

GUENTER, Zenita Cunha. Capacidade e talento: um programa para a escola. São Paulo: EPU. 2006.

KREPPNER, Kurt. Social relations and affective development in the first two years in family contexts. In: VALSINER, Jann; CONNOLY, Kelvin. Handbook of developmental psychology. London: Sage. 2003. p. 194-214.

MANZINI, Eduardo José. Considerações sobre a elaboração de roteiro para entrevista semi-estruturada. In: MARQUEZINI, Maria Cristina; ALMEIDA, Maria Amélia; OMOTE, Sadao. (org.). Colóquios sobre pesquisa em educação especial. Londrina: Eduel, 2003. p. 11-25.

MANZINI, Eduardo José. Entrevista semi-estruturada: análise de objetivos e de roteiros. In: Seminário Internacional sobre Pesquisas e Estudos Qualitativos, 2, 2004, Bauru/SP. A pesquisa qualitativa em debate. Anais eletrônicos... Bauru: USC, 2004. Disponível em: https://www.marilia.unesp.br/Home/Instituicao/Docentes/EduardoManzini/Manzini_2004_ent revista_semi-estruturada.pdf. Acesso em: 31 mai. 2020.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Análise da conversação. São Paulo: Ática, 1986. (Série Princípios).

MARIUZZO, Patrícia. A busca pelo gene da superdotação. Ciência e Cultura, São Paulo, v. 61, n. 1, p. 10-12, 2009. Disponível em: http://cienciaecultura.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0009-67252009000100005&lng=en&nrm=iso. Acesso em 17 out. 2020.

MARTINS, Bárbara Amaral et al. Altas Habilidades/Superdotação: estudos no Brasil. Journal of Research in Special Education Needs, v. 16, n. 1, p. 135-139, 2016. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/epdf/10.1111/1471-3802.12275. Acesso em: 17 out. 2020.

MARTINS, Bárbara Amaral. Alunos precoces com indicadores de Altas Habilidades/Superdotação no Ensino Fundamental I: identificação e situações (des)favorecedoras em sala de aula. 2013. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Marília, 2013. Disponível em: http://hdl.handle.net/11449/91210. Acesso em 10 out. 2020.

MENDONÇA, Lurian Dionizio; MENCIA, Gislaine Ferreira Menino; CAPELLINI, Vera Lúcia Messias Fialho. Programas de enriquecimento escolar para alunos com Altas Habilidades/Superdotação: análise de publicações brasileiras. Revista Educação Especial,v. 28, n. 53, set./dez. 2015. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/educacaoespecial/article/view/15274. Acesso em. 17 mar. 2021.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 4 ed. São Paulo, 1996.

MOYSÉS, Maria Aparecida Affonso; COLLARES, Cecília Azevedo Lima. Dislexia e TDAH: uma análise a partir da ciência médica. In: CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DE SÃO PAULO; GRUPO INTERINSTITUCIONAL (org.). Medicalização de crianças e adolescentes. Conflitos silenciosos pela redução de questões sociais a doenças de indivíduos. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2010. p. 71-110.

OGEDA, Clarissa Maria Marques Ogeda. Superdotação e Transtorno de déficit de atenção/hiperatividade: um estudo de indicadores e habilidades sociais. 2020. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Marília, 2020. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/191638/ogeda_cmm_me_mar.pdf?sequence=5&isAllowed=y. Acesso em 17 out. 2020.

PEDRO, Ketilin Mayra et al. Altas Habilidades ou Superdotação: levantamento dos artigos indexados no SciELO. Interfaces da Educação, v. 7, n.19, p. 275-295, 2016.

PÉREZ, Susana Gabriela Pereira Barreira. Por uma construção sadia da identidade da pessoa com Altas Habilidades/Superdotação. In: III ENCONTRO NACIONAL DO CONBRASD; III CONGRESSO MERCOSUL SOBRE ALTAS HABILIDADES/ SUPERDOTAÇÃO; VI ENCONTRO ESTADUAL REPENSANDO A INTELIGÊNCIA, 2008, Canela (RS). Anais. São Paulo: UNIP. 2008, p.1-12.

RAGNI, Rosemeire de Araújo; COSTA, Maria da Piedade Resende da Costa; MARQUES, Danitiele Maria Calazans Marques. A relação familiar para a educação de alunos com altas habilidades/superdotação. In: 11ª REUNIÃO REGIONAL DA ANPED SUDESTE, 2014, SÃO JOÃO DEL REI, MG. Anais eletrônicos... São João Del Rei: Anped Sudeste, 2014. Disponível em: https://anpedsudeste2014.files.wordpress.com/2015/07/danitiele-maria-calazans-marques-rosemeire-de-arac3bajo-rangni-maria-da-piedade-resende-da-costa.pd. Acesso em: 18 out. 2020.

REIS, Verônica Lima; REMOLI, Tais Crema; CAPELLINI, Vera Lúcia Messias Fialho. Estratégias pedagógicas para estudantes com altas habilidades/superdotação: opinião de educadores. Revista Educação e Políticas em Debate, v. 5, n. 2, p. 184-197, ago./dez. 2016. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/revistaeducaopoliticas/article/view/45387. Acesso em: 17mar. 2021.

RENZULLI, Joseph Sebastian. A concepção de Superdotação no modelo dos três anéis: um modelo de desenvolvimento para a promoção da produtividade criativa. In: VIRGOLIM, A. (org.). Altas Habilidades/Superdotação, inteligência e criatividade: uma visão multidisciplinar. Campinas, 2014. p. 219-264.

RENZULLI, Joseph Sebastian. Reexaminando o papel da educação para superdotados e o desenvolvimento de talentos para o Século XXI: uma abordagem teórica em quatro partes. In: VIRGOLIM, Angela. (org.). Altas Habilidades/Superdotação: processos criativos, afetivos e desenvolvimento de potenciais. Curitiba: Juruá, 2018. p. 19-42.

RENZULLI, Joseph Sebastian. The three-ring conception of giftedness: a developmental model for creative productivity. In: RENZULLI, Joseph Sebastian; REIS, Sally M. (Eds.). The triad reader. Mansfield Center: Creative Learning, 1986. p. 2-19.

SAMPIERI, Roberto Hernández; COLLADO, Carlos Fernández; LUCIO, María del Pilar Baptista. Metodologia de Pesquisa. Porto Alegre: Penso, 2013.

SILVA, Paulo Vinícius Carvalho; FLEITH, Denise de Souza. A influência da família no desenvolvimento da superdotação. Psicologia escolar e educacional, Campinas, v. 12, n. 2, p. 337-346, 2008. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-85572008000200005&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 13 out. 2020.

SILVERMAN, Linda Kreger. Counseling families. In: SILVERMAN, Linda Kreger (org.). Counseling the gifted and talented. Denver, CO: Love, 1993, p. 151-177.

TERRASSIER, Jean Charles. La disincronía de los ninõs precoces. In: BENITO MATE, Yolanda (org.). Problemática del niño superdotado. Salamanca: Amarú Ediciones, 2000. p. 69-74.

WEBB, James et al. Misdiagnosis and dual diagnosis of gifted children and adults: ADHD, bipolar, OCD, Asperger's, depression, and other disorders. Scottsdale, AZ: Great Potential Press. 2005.

WINNER, Ellen. Crianças superdotadas: Mitos e realidades. Porto Alegre: Artmed. 1998.

Downloads

Publicado

2021-05-27

Como Citar

Ogeda, C. M. M., & Pedro, K. M. (2021). A família, como vai? Percepção de pais e mães do Programa de Atenção ao Estudante Precoce com Comportamento Superdotado. Revista Educação Especial, 34, e22/1–25. https://doi.org/10.5902/1984686X61982

Edição

Seção

Artigos – Demanda contínua

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)