Narrativas de professores e pedagogos sobre a deficiência: implicações no acesso ao currículo escolar

Alexandro Braga Vieira, Ines de Oliveira Ramos, Renata Duarte Simões

Resumo


As narrativas de professores e pedagogos têm indicado pistas para compreensão sobre como os alunos com deficiência vêm sendo significados e como essa significação tem produzido barreiras para o acesso ao currículo escolar. A reflexão crítica dessas narrativas tem apontado possibilidades para os professores reverem seus posicionamentos sobre a escolarização dos alunos, potencializando os saberes-fazeres docentes e as práticas pedagógicas. Objetivou-se, com este estudo, problematizar a maneira como os profissionais da Educação vêm significando os modos de ser/estar de estudantes com deficiência na escola regular, o que traz implicações no acesso ao conhecimento. Este estudo se constitui como uma pesquisa de campo, realizada em uma escola de Ensino Fundamental de Vila Velha – ES, pautada nos pressupostos da pesquisa-ação colaborativo-crítica. O processo de pesquisa se organizou por meio de quatro frentes de trabalho: a) observação do cotidiano escolar para capturar as narrativas dos professores; b) organização de momentos de formação continuada para reflexão crítica dessas narrativas; c) ações de colaboração entre pesquisadores e professores em sala de aula; d) realização de entrevistas com os sujeitos envolvidos. Concluiu que, no interior da escola, as relações que se estabelecem na sociedade também são reproduzidas, reafirmando os processos de exclusão de sujeitos que não se adéquam aos padrões de comportamento considerados normais. Em contrapartida, o debate crítico sobre as narrativas dos professores e o investimento na formação continuada podem contribuir para a superação de práticas excludentes e para a ressignificação dos alunos com deficiência, favorecendo a aprendizagem e o envolvimento nos currículos escolares.

 

 


Palavras-chave


Educação Especial; Currículo; Formação Continuada.  

Texto completo:

PDF

Referências


BAPTISTA, C. R. Ação Pedagógica e educação especial: a sala de recursos como prioridade na oferta de atendimentos especializados. Revista Brasileira de Educação Especial. v. 17, p. 59-76, maio/ago. 2011.

BARBIER, Renné. A pesquisa-ação. Tradução de Lucie Didio. Brasília: Líber Livro Editora, 2004.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição [da] República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, 1988.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, 23 de dez. 1996. Seção 1.

BRASIL, Ministério da Educação. Política pública de educação especial na perspectiva da educação inclusiva, 2008. Disponível em: . Acesso em: 10 mar. 2016.

GOULART, Cecília. Letramento e modos de ser letrado: discutindo a base teórico-metodológica de um estudo. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v.11, n. 33, set./dez. 2006.

KASSAR, Mônica de Carvalho Magalhães; REBELO, Andressa Santos. O “especial” na educação, o atendimento especializado e a educação especial. In: SEMINÁRIO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL. PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO ESPECIAL: MULTIPLICIDADE DO ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO, 6., 2011, Nova Almeida. 2011. Anais... Nova Almeida: Snpee, 2011. v. 1, p. 1-17, 1 CD-ROM.

MORIN. Edgar. O método 5: a humanidade da humanidade. Porto Alegre: Sulina, 2005.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A gramática do tempo: para uma nova cultura política. São Paulo: Editora Cortez, 2006.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Renovar a teoria crítica e reinventar a emancipação social. São Paulo: Boitempo, 2007.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A filosofia à venda, a douta ignorância e a aposta de Pascal. Revista crítica de ciências sociais, Coimbra, Portugal, n. 80, p. 11-43, mar. 2008.

VIEIRA, Alexandro Braga. Táticas e estratégias constituídas por professores para articulação do currículo escolar e o atendimento educacional especializado. 2015. Relatório de Pós-Doutorado (Pós-Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2015.

VYGOTSKY, Lev Semenovich. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores, São Paulo: Martins Fontes, 1998.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1984686X27314

CONTATO:

E-mail: revistaeducacaoespecial.ufsm@gmail.com

Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
Centro de Educação - Lapedoc
Av. Roraima, 1000 - Cidade Universitária
97105-900 - Santa Maria - RS, Brasil.
Telefone: +55 55 3220 8795

Link: https://periodicos.ufsm.br/educacaoespecial

 

ISSN eletrônico: 1984-686X

DOIhttp://dx.doi.org/10.5902/1984686X

Qualis/Capes: Educação A2

 

 

Periodicidade – Trimestral

Primeiro trimestre, jan./mar., limite para publicar a edição 31 março.

Segundo trimestre, abr./jun., limite para publicar a edição 30 junho.

Terceiro trimestre, jul./set., limite para publicar a edição 30 setembro.

Quarto trimestre, out./dez., limite para publicar a edição 31 dezembro.

Os dizeres acima dizem respeito somente à data de publicação da edição e não ao envio de artigos.

O recebimento de artigos caracteriza-se por fluxo contínuo sem que seja possível prever a data de sua publicação.

 

 Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International (CC BY-NC 4.0)

Contador de visitas
click counter
Contador de visitas

Acessos a partir de 30/11/2016

____________________________________________________