Caracterização de serviços de Intervenção e Estimulação Precoce ofertados pelas APAES do estado de São Paulo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5902/1984686X40088

Palavras-chave:

Intervenção Precoce, Estimulação Precoce, infância.

Resumo

A Intervenção Precoce (IP) ou Estimulação Precoce (EP) pode ser entendida como um conjunto de serviços e apoios, que são necessários à promoção do desenvolvimento pleno de crianças com risco identificado ao nascer ou atraso no desenvolvimento, percebido no decorrer dos primeiros anos, visando melhorar a sua qualidade de vida e de seus familiares. Considerando a importância desse serviço, o presente estudo objetivou caracterizar os serviços de IP/EP ofertados pela Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAES) do estado de São Paulo. Foi elaborado, especialmente para este estudo, um protocolo com questões estruturadas, visando obter dados que permitissem caracterizar o serviço ofertado à comunidade. Os resultados apontaram que EP é a terminologia mais utilizada para denominar os serviços, enquanto na literatura o mais frequente é IP, que foi a utilizada nesse estudo. Os profissionais participantes, responsáveis pelo serviço trabalham com IP/EP há muitos anos, mas nenhum relatou pós-graduação neste campo de atuação. Quanto ao atendimento oferecido, predominou o atendimento de crianças com idade superior a quatro anos, com pequeno número de bebês, mostrando que as crianças chegam muito tarde no serviço. No geral, os programas incluem a participação das crianças semanalmente e seus familiares são atendidos esporadicamente. Há presença de equipe multiprofissional, com atendimento interdisciplinar. Ainda que tenha sido relativamente pequeno o número de instituições ouvidas, espera-se que os resultados obtidos com esse estudo impulsionem outros pesquisadores a dar continuidade às pesquisas nessa área tão relevante para o desenvolvimento integral da criança e qualidade de vida para a família.

Biografia do Autor

Lurian Dionizio Mendonça, Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP

Doutora pela Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP, Brasil.

Paula de Marchi Scarpin Hagemann, Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP

Doutora pela Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP, Brasil.

Liene Regina Rossi, Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP

Doutoranda na Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP, Brasil.

Olga Maria Piazentin Rolim Rodrigues, Universidade Estadual Paulista, São Paulo, SP

Professora adjunta da Universidade Estadual Paulista, São Paulo, SP, Brasil.

Veronica Aparecida Pereira, Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados, MS

Professora associada da Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados, MS, Brasil.

Referências

ALMEIDA, Isabel Chaves de et al. Práticas de intervenção precoce baseadas nas rotinas: Um projecto de formação e investigação. Análise Psicológica, Lisboa, v. 29, n. 1, p. 83-98, 2011.

BAIRRÃO, Joaquim; ALMEIDA, Isabel Chaves de. Questões atuais em intervenção precoce. Psicologia, Lisboa, v. 17, n. 1, p. 15-29, 2003.

BOBREK, Andreia; GIL, Maria Stella Coutinho de Alcantara. Atuação e formação em estimulação precoce: Caracterização da percepção dos profissionais em três instituições. Revista Eletrônica de Educação, v. 10, n. 3, p. 121-137, 2016.

BOLSANELLO, Maria Augusta. Concepções sobre os procedimentos de intervenção e avaliação de profissionais em estimulação precoce. Educar em Revista, Curitiba, n. 22, p. 301-313, 2003.

BORTAGARAI, Francine Manara et al. A interconsulta como dispositivo interdisciplinar em um grupo de intervenção precoce. Distúrbios de Comunicação, v. 27, n. 2, p. 392-400, 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Brasília: Ministério da Saúde, 2012. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0466_12_12_2012.html. Acesso em: 13 ago. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Diretrizes de estimulação precoce: crianças de zero a 3 anos com atraso no desenvolvimento neuropsicomotor decorrente de microcefalia. Brasília: Ministério da Saúde, 2016. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/diretrizes_estimulacao_criancas_0a3anos_neuropsicomotor.pdf. Acesso em: 05 ago. 2019.

CARNIEL, Camila Zorzetto et al. Influência de fatores de risco sobre o desenvolvimento da linguagem e contribuições da estimulação precoce: revisão integrativa da literatura. Revista CEFAC, São Paulo, v. 19, n. 1, p. 109-118, 2017.

CORREA, Wesley; MINETTO, Maria de Fatima; CREPALDI, Maria Aparecida. Família como promotora do desenvolvimento de crianças que apresentam atrasos. Pensando famílias, Porto Alegre , v. 22, n. 1, p. 44-58, 2018.

DALMAU, Mariona et al . How to implement the family-centered model in early intervention. Análise Psicológica, Murcia, v. 33, n. 3, p. 641-651, 2017.

DUNST, Carl J. Factores de Risco e Oportunidade com Influência no Comportamento e Desenvolvimento da Criança e do Agregado Familiar. In: IV Encontro sobre Intervenção Precoce. Coimbra, 1995.

FEAPAES-SP – Federação das APAES do estado de São Paulo. A federação. Disponível em: http://feapaesp.org.br/federacao.asp?id=1. Acesso em: 07 ago. 2019.

FERREIRA, Tahena Silva et al. Intervenção precoce e a participação da família: relato de profissionais de APAES. Revista Educação Especial, Santa Maria, v. 32, p. 1-20, 2019.

FRANCO, Vitor. Dimensões transdisciplinares do trabalho de equipe em intervenção precoce. Interação em Psicologia, Curitiba, v. 11, n. 1, p. 113-121, 2007.

GARCIA, M. Pilar; MADRID, Dolores; GALANTE, Rafael. Children and Augmentative or Alternative Communication System (AACs): a perceptive vision of the role played by families and professionals. Anales de Psicologia, Murcia, v. 33, n. 2, p. 334-341, 2017.

GARCIA, Patrícia Azevedo et al. Influência de fatores de risco no desenvolvimento neuromotor de lactentes pré-termo no primeiro ano de vida. Revista Movimenta, Goiânia, v. 4, n. 2, p. 83-98, 2011.

GARCIA, Rosalba Maria Cardoso. Políticas para a educação especial e as formas organizativas do trabalho pedagógico. Revista Brasileira de Educação Especial, v. 12, n. 3, p. 299-316, 2006.

GOLLO, Cristina; GRAVE, Magali Teresinha Quevedo. Incidência de crianças participantes dos programas de estimulação precoce de cinco Associações de Pais e Amigos dos Excepcionais do vale do Taquari. Caderno pedagógico, Lajeado, v. 12, n. 1, p. 221-230, 2015.

HALPERN, Ricardo et al. Fatores de risco para suspeita de atraso no desenvolvimento neuropsicomotor aos 12 meses de vida. Jornal de Pediatria, v. 76, n. 6, p. 421-428, 2000.

HANSEL, Ana Flávia; BOLSANELLO, Maria Augusta. As abordagens explicativas do desenvolvimento aplicadas à estimulação precoce. In: IX ANPED SUL, Seminário de Pesquisa em Educação da Região Sul, p. 1-9, 2012. Disponível em: http://www.ucs.br/etc/conferencias/index.php/anpedsul/9anpedsul/paper/viewFile/2632/675. Acesso em: 13 ago. 2019.

IZIDORO, Isabela Rocha et al. Serviços especializados em intervenção precoce: elegibilidade e atuação multiprofissional. Revista CEFAC, São Paulo, v. 21, n. 4, e4919, 2019.

MARTINS, Paula Cristina. Protecção de Crianças e Jovens em Itinerários de Risco: representações sociais, modos e espaços. 2004. 492 f. Tese (Doutorado em Estudos da Criança) – Instituto de Estudos da Criança, Universidade do Minho, 2004. Disponível em: http://hdl.handle.net/1822/3238. Acesso em: 05 ago. 2019.

MENDES, Maria Elisabete da Silva Tomé. Avaliação da qualidade em intervenção precoce: Práticas no Distrito de Portalegre. 2010. 314 f. Tese (Doutorado em Psicologia) – Universidade do Porto, Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação, Porto, 2010. Disponível em: http://hdl.handle.net/10400.26/1549. Acesso em: 05 ago. 2019.

NASCIMENTO, Gabriela Cordeiro Corrêa do et al. Programas de intervenção precoce: caracterização de instituições e profissionais. Revista Educação Especial, Santa Maria, p. 431-446, 2018.

ORTIZ, Marilia Álvares; RIBEIRO, Maysa Ferreira Martins. Intervenção precoce e Síndrome de Down na APAE de Goiânia. Estudos, v. 40, n. 4, p. 461-478, 2013.

PACHECO, Raquel Cabral. Intervenção Precoce na Infância: Uma Abordagem ao Risco Ambiental na Região Autónoma dos Açores. 2013. 121 f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Educação: Necessidades Educativas Especiais – Domínio Intervenção Precoce na Infância) – Universidade Fernando Pessoa, Porto, 2013. Disponível em: https://bdigital.ufp.pt/bitstream/10284/4061/1/Disserta%C3%A7%C3%A3o%20Raquel%20Pacheco.pdf. Acesso em: 05 ago. 2019.

PADOVANI, Ricardo da Costa et al . Vulnerabilidade e bem-estar psicológicos do estudante universitário. Revista brasileira de terapias cognitivas, Rio de Janeiro, v. 10, n. 1, p. 02-10, 2014.

PEREZ-LOPES, Julio. De La estimulacion precoz a La atención temprana: nuevas alternativas de actuación profesional. In: BOLSANELLO, Maria Augusta (Org.) Atenção e estimulação precoce: bebês com deficiência. Anais do I Simpósio Nacional de atenção e estimulação precoce. Curitiba, 2008, pp. 9-20.

PIMENTEL, Júlia Serpa. Avaliação de programas de intervenção precoce. Análise Psicológica, v. 1, n. 22, p. 43-54, 2004.

RAFANTE, Heulalia Charalo; SILVA, João Henrique; CAIADO, Katia Regina Moreno. A Federação Nacional das APAES no contexto da ditadura civil-militar no Brasil: Construção da hegemonia no campo da educação especial. Arquivos Analíticos de Políticas Educativas, v. 27, n. 64, 2019.

RIBEIRO, Débora Gerardo; PEROSA. Gimol Benzaquen; PADOVANI, Flávia Helena Pereira. Mental health, mother-child interaction and development at the end of the first year of life. Paidéia (Ribeirão Preto), v. 24, p. 331-339, 2017.

RODRIGUES, Olga Maria Piazentin Rolim; BOLSONI-SILVA, Alessandra Turini. Efeitos da prematuridade sobre o desenvolvimento de lactentes. Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano, v. 21, n. 1, p. 111-121, 2011.

SAMEROFF, Arnold; FIESE, Barbara F. Transactional regulation and early intervention. In: MEISELS, Samuel J.; SHONKOFF, Jack P. (Eds.). Handbook of Early Childhood Intervention. New York: Cambridge University Press, 1990, pp. 135-159.

SCHMIDT, Carlo et al. Intervenção precoce e autismo: um relato sobre o Programa Son-Rise. Psicologia revista, Belo Horizonte, v. 21, n. 2, p. 414-430, 2015.

SIMEONSSON, Rune J.; PEREIRA, Susana; SCARBOROUGH, Anita A. Documenting delay and disability in early development with the who – ICF. Psicologia, v. XVII, n. 1, p. 31-41, 2003.

SOARES, Diogo Miguel Cordeiro et al. Intervenção Precoce: intervenção junto da criança e da família. Trabalho de Conclusão de Curso. Universidade de Évora, 2012. Disponível em: http://www.psicologia.pt/artigos/textos/TL0290.pdf. Acesso em: 13 ago. 2019.

TEGETHOF, Maria Isabel Silva Chaves de Almeida. Estudos sobre a intervenção precoce em Portugal: ideias dos especialistas, dos profissionais e das famílias. 2007. 860 f. Tese (Doutorado em Psicologia) – Universidade do Porto, Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação, Porto, 2007. Disponível em: http://hdl.handle.net/10400.12/47. Acesso em: 13 ago. 2019.

Downloads

Publicado

2021-01-20

Como Citar

Mendonça, L. D., Hagemann, P. de M. S., Rossi, L. R., Rodrigues, O. M. P. R., & Pereira, V. A. (2021). Caracterização de serviços de Intervenção e Estimulação Precoce ofertados pelas APAES do estado de São Paulo. Revista Educação Especial, 34, e3/1–23. https://doi.org/10.5902/1984686X40088

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)