A educação de surdos e cegos na França e no Brasil

Roberta Baessa Estimado, Cássia Geciauskas Sofiato

Resumo


A discussão sobre a trajetória histórica da educação de surdos e cegos no Brasil ainda é necessária, tendo em vista que o discurso que os transformou em sujeitos passivos que teriam sido agraciados pela benevolência de “grandes homens” ainda ecoa nos dias atuais. Nesse sentido, a presente pesquisa objetiva apresentar o contexto do surgimento da educação de surdos e cegos na França no século XVIII e no Brasil do século XIX e delinear os impactos que a educação francesa de surdos e cegos provocou na educação brasileira para tal público alvo. O recorte temporal estabelecido para o estudo foi de 1760 a 1890 na França e de 1854 a 1890 no Brasil. Para tanto, foi realizada uma pesquisa bibliográfica e documental. Por meio da investigação concluímos que os procedimentos estabelecidos na França, referentes à educação de surdos e cegos nas primeiras instituições educacionais destinadas a tal público, impactaram significativamente o Brasil nos aspectos administrativo, de gestão e principalmente no que tange ao trabalho pedagógico desenvolvido no período em questão.


Palavras-chave


educação de surdos, educação de cegos, educação especial

Texto completo:

PDF HTML

Referências


Referências

Archives du Musée Valentin Haüy. Carta de J. Sigaud a M. Guadet sobre a fundação do Instituto de Meninos Cegos do Rio de Janeiro, 1854.

Archives historiques de l’IJNS. Lettre du Comte de Gestas, 1826.

Archives historiques de l’INJA. Livre de distribution des prix de l’Institut National des Jeunes Aveugles, 1855-1890.

BRASIL. Lei nº 939 de 26 de setembro de 1857. Coleção das Leis do Império do Brasil. Atos do poder legislativo.

BERNARD, Yves. L’esprit des sourds : les signes de l’Antiquité au XIXe siècle. Paris : les éditions du Fox, 2014.

BÉZAGU-DELUY, Maryse. L'abbé de l'Epée : instituteur gratuit des sourds et muets (1712-1789). Éditions Seghers, Paris, 1990.

BUTON, François. Les Corps saisis par l'État : l'éducation des sourds-muets et des aveugles au XIXe siècle : contribution à la socio-histoire de l'État, 1789-1885. Thèse de Doctorat en Histoire Moderne. Paris, EHESS: 1999.

DELAPORTE, Yves. L'école des sourds : Encyclopédie historique des institutions françaises. Paris: Éditions du fox, 2016.

DETIENNE, Marcel. Construir Comparáveis, In Comparar o incomparável. São Paulo: Ideias e Letras, 2004.

DIDIER-WEYGAND, Zina. Vivre sans voir : Les aveugles dans la société française, du Moyen-Age au siècle de Louis Braille. Paris : Créaphis, 2003.

DUPRAT, Catherine. Le temps des philanthropes: Tome 1, La philanthropie parisienne des Lumières à la monarchie de Juillet. Paris : CTHS, 1995.

GUADET, Joseph. Institut des jeunes aveugles de Paris, son histoire. Paris, E. Thunot et Company, 1849.

GUILBEAU, Edgard. Histoire de L'Institution Nationale Des Jeunes Aveugles. Paris : Belin Frères, 1907, p. 19.

HENRI, Pierre. La vie et l’œuvre de Louis Braille. Paris, Presses Universitaires de France, 1952.

HENRI, Pierre. La vie et l´œuvre de Valentin Haüy. Paris, Presses Universitaires de France, 1984.

LEMOS, Edison Ribeiro. Educação de excepcionais: evolução histórica e desenvolvimento no Brasil. Tese apresentada para a habilitação à Livre Docência em História da Educação, Universidade Federal Fluminense, 1981, p. 41.

JANNUZZI, Gilberta de Martino. A educação do deficiente no Brasil: dos primórdios ao início do século XXI. Campinas (SP): Autores Associados, 2004.

L’ÉPÉE. Charles-Michel (de). Institutions des Sourds et Muets par la voie des signes méthodiques. Paris, Nyon, 1776.

MAZZOTTA, Marcos. Educação Especial no Brasil: história e políticas públicas. São Paulo: Cortez, 2001.

Museu Imperial. Arquivo da Casa Imperial do Brasil (POB). Maço 122 - Doc. 6078. Relatório, em francês, de Ernest Huet, do Instituto de Surdos-Mudos [da França?] a d. Pedro II, imperador do Brasil, sobre a criação do Instituto de Surdos-Mudos no Brasil. Rio de Janeiro, 22/06/1855.

PRESNEAU, Jean-Réné. Le son à la lettre: l’éducation des sourds et muets avant l’abbé de l’Épée, In KARACOSTAS, Alexis (dir.). Le pouvoir des signes. Paris, INJS, 1990.

REILY, Lucia Helena. Educação Inclusiva: linguagem e mediação. Campinas (SP): Papirus, 2004.

ROCHA, Solange. O INES e a educação de surdos no Brasil: aspectos da trajetória do Instituto Nacional de Educação de Surdos em seu percurso de 150 anos. Rio de Janeiro: INES, 2007.

SOARES, Maria Aparecida Leite. A educação do surdo no Brasil. Campinas, SP: Autores Associados Bragança Paulista, SP, EDUSF, 1999.

SOFIATO, Cássia. Geciauskas. Do desenho à litografia: a origem da língua brasileira de sinais. Tese (doutorado). Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Artes. – Campinas, SP: [s.n.], 2011.

VIDAL, Diana Gonçalves. História da Educação Comparada: reflexões iniciais e relato de uma experiência. História da Educação, Pelotas (RS), ASPHE/UFPel, 2001, n. 10, p. 31-42.

ZENI, Maurício. Os Cegos no Rio de Janeiro do Segundo Reinado e Começo da República. Niterói, Universidade Federal Fluminense, 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1984686X33087

CONTATO:

E-mail: revistaeducacaoespecial.ufsm@gmail.com

Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
Centro de Educação - Lapedoc
Av. Roraima, 1000 - Cidade Universitária
97105-900 - Santa Maria - RS, Brasil.
Telefone: +55 55 3220 8795

Link: https://periodicos.ufsm.br/educacaoespecial

 

ISSN eletrônico: 1984-686X

DOIhttp://dx.doi.org/10.5902/1984686X

Qualis/Capes: Educação A2

 

 

Periodicidade – Publicação contínua


O recebimento de artigos caracteriza-se por fluxo contínuo sem que seja possível prever a data de sua publicação.

 

 Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International (CC BY-NC 4.0)

Contador de visitas
click counter
Contador de visitas

Acessos a partir de 30/11/2016

____________________________________________________