Da Filosofia crítica a crítica da Filosofia universitária: provocações a partir da educação filosófica

Tiago Brentam Perencini

Resumo


O propósito geral deste artigo, pensado também à maneira de um exercício espiritual, é re-pensar o paradigma de crítica no interior do bloco saber-poder que envolve o campo discursivo sobre a formação do professor em filosofia no Brasil. Enuncio e persigo o seguinte problema: De que crítica se fala quando se fala da formação crítica nos discursos acadêmicos em filosofia e que potencialidades nos são dadas para praticar uma maneira outra de exercitá-la nesse projeto de formação? Lanço a hipótese de que o pressuposto da crítica tem sido concebido a partir de um horizonte estritamente epistemológico direcionado tanto para a adequação à normativa estabelecida, quanto para uma concepção restrita de cidadania. Argumento a partir de dois eixos diretivos: (1) Analiso arqueologicamente os enunciados de “crítica” dentro do Projeto Pedagógico do curso de Filosofia da Universidade de São Paulo, tendo em vista a ordem discursiva que essa instituição aventa para os demais centros universitários no país e (2) procuro movimentar outras acepções possíveis de crítica na junção ao pensamento de Michel Foucault. Essa disposição exige colocarmos à prova os conceitos, os procedimentos de pesquisa e as atitudes pelas quais trilhamos até o presente um tipo de crítica enunciada como julgamento e emancipação da consciência do outro no interior da Universidade. A partir da presente trilha percorrida, tenho compreendido a educação filosófica como potencialidade existencial, ética e estética que visa uma maior experimentação e transformação de si dentro do campo de formação do professor em filosofia no Brasil.


Palavras-chave


Ensino de filosofia; Professor de filosofia; Didática do ensino de filosofia; Metodologia do ensino de filosofia

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, M. B. B. Epistemologia da ayahuasca e dissolução das fronteiras natureza/cultura da ciência moderna. Fragmentos de Cultura. v. 24, n. 2, p. 179-193, abr./jun. Goiânia, 2014.

ARANTES. P. E., Um departamento francês de ultramar: estudos sobre a formação da cultura filosófica uspiana. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1994.

BUTLER, J. O que é a crítica? Um ensaio sobre a virtude de Foucault. Cadernos de Ética e Filosofia Política. Nº 22, p. 159-179, São Paulo, 2013.

DREYFUS, H.; RABINOW, P. Michel Foucault: uma trajetória filosófica (para além do estruturalismo e da hermenêutica). Trad. Vera Porto Carrero. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995.

FOUCAULT, M. O que é a crítica? Trad. Gabriela Lafetá Borges, Rev. Wanderson Flor Nascimento. Vol. 82, nº 2, pp. 35 - 63, abr/jun 1990. Disponível em: http://michelfoucault.weebly.com/uploads/1/3/2/1/13213792/critica.pdf Acesso em: 21 mai 2017.

_______. A ordem do discurso: aula inaugural no Collège de France pronunciada em dois de dezembro de 1970. Trad. Laura Fraga de Almeida Sampaio. São Paulo: Loyola, 1996.

_______. As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. Trad. Salma Tannus Muchail. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

_______. A verdade e as formas jurídicas. Rio de Janeiro: NAU, 2002.

_______. A arqueologia do saber. Trad. Luiz Felipe Baeta Neves. 7.ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

FREITAS, A. S. A pesquisa em filosofia da educação como (des)encontros entre Filosofias da Educação. In: BANNEL, R. I. et al. Filosofia da Educação: entre a formação de educadores e a qualificação profissional, São Paulo: Cortez: 2017.

HADOT, P. Exercícios espirituais e filosofia antiga. São Paulo: É realizações, 2014.

LATOUR, B. Reflexão sobre o culto moderno dos deuses fe(i)tiches., trad. Sandra Moreira, Bauru: Edusc, 2002.

LAZZARATO, M. Signos, máquinas, subjetividades. Trad. Paulo Domenech Oneto, Colab. Hortência Lancastre. 1ª ed. São Paulo: Edições Sesc São Paulo, n-1 edições, 2014.

MASSCHELEIN, J. Filosofia como (auto) educação para fazer a voz do pedagogo ser ouvida. ______.; SIMONS, M. A pedagogia, a democracia, a escola. 1ª ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2014.

PAGNI, P. A. O sentido ético da dramática de si e o significado político da poética da diferença na pragmática do ensino: considerações à luz de Foucault. Espaço Pedagógico, v. 21, n. 1, p. 80-96, jan./jun., Passo Fundo, 2014.

______. Considerações sobre a educação filosófica no ensino médio e o seu sentido ético-formativo. SEVERINO, A. J.; LORIERI, M. A.; GALLO, S (orgs). O papel formativo da Filosofia. Jundiaí, Paco Editorial, 2016.

PERENCINI, T. B.; GELAMO, R. P. O “lugar” do conhecimento e da experiência no aprendizado da filosofia. Marília: Pibic/cnpq, 2011. 70 p.

______. O Ensino de Filosofia no Brasil: A recepção e o seu debate nos periódicos brasileiros. Marília: Fapesp, 2013. 177 p. PERENCINI, T. B. Uma arqueologia do ensino de filosofia no Brasil: Formação discursiva na produção acadêmica de 1930 a 1968. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2017a.

______. O enunciado no pensamento arqueológico de Michel Foucault, Kínesis, v.VII, nº 15, p. 135–150, Marília-SP, 2015.

______. A formação do professor em Filosofia no Brasil: restrição de pensamento e testemunho. Filosofia e Educação. V.9, n.2, p. 23 – 47, jun. set., 2017b.

SANABRIA DE ALELUIA, J. R. A invenção do filósofo ilustrado. Notas arqueológicas sobre o ensino de filosofia no Brasil. São Paulo, Cultura Acadêmica, 2014.

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO (USP). Projeto pedagógico (De acordo com a Deliberação da CEE nº 99, de 24/05/2010). Disponível em: http://filosofia.fflch.usp.br/departamento/projetoacademico. Acesso em: 08/09/2016. Quinquênio 2012 - 2016.

VATTER, M. Foucault e Hayek: Lei republicana e sociedade civil liberal. NALLI, M; MANSANO, S. R. V. (org). Michel Foucault: desdobramentos. 1ª ed, Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2016.

VEYNE, P. Foucault: seu pensamento, sua pessoa. Trad. Marcelo Jacques de Morais. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.




DOI: https://doi.org/10.5902/2448065730477

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

A Revista Digital de Ensino de Filosofia - REFilo agradece auxílio recebido por meio do Edital Pró-Revistas, da Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa, da Universidade Federal de Santa Maria. 

_____________________________________________________________