Revista Digital de Ensino de Filosofia - REFilo https://periodicos.ufsm.br/refilo <p style="text-align: justify;">A<strong> Revista Digital de Ensino de Filosofia - REFilo</strong>, ISSN 2448-0657, vinculada ao Programa de Pós-Graduação em Educação, da Universidade Federal de Santa Maria, tem como objetivo publicar produções científicas sobre <strong>Ensino e Aprendizagem de Filosofia</strong>, em diferentes perspectivas teóricas. A<strong> </strong>REFilo publica apenas textos originais, com relevância científica, abrangência do tema, inovação, boa estrutura teórica e metodológica e contribuição para a área. Por isso, a Revista não aceita trabalhos encaminhados simultaneamente para outro periódico ou livro. A Revista é digital<strong> </strong>e tem publicação contínua, assim como recebimento contínuo de artigos, o que possibilita o envio de texto a qualquer momento para avaliação. Não há cobrança de taxa para submissão, avaliação e nem publicação dos artigos. Os textos publicados apresentam resultados de experiências escolares e/ou não escolares, de pesquisas de mestrado e doutorado, assim como relatos de experiência com interlocução com obras e autores de referência da área, projetos de ensino e extensão e trabalhos de conclusão de curso. A Revista também publica dossiês, resenhas bibliográficas, entrevistas e traduções, com temáticas vinculadas aos objetivos da Revista.</p> Universidade Federal de Santa Maria pt-BR Revista Digital de Ensino de Filosofia - REFilo 2448-0657 <p><a href="http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/" rel="license"><img src="https://i.creativecommons.org/l/by/4.0/80x15.png" alt="Licença Creative Commons" /></a></p><p>Este obra está licenciado com uma Licença <a href="http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/" rel="license">Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional</a>.</p> A ANPOF - Ensino de Filosofia: por uma cidadania filosófica do campo https://periodicos.ufsm.br/refilo/article/view/69947 <p>O propósito da criação do Grupo de Trabalho (GT) da ANPOF Filosofar e Ensinar a Filosofar, em 2006, era reunir professoras e professores que, a partir de distintas regiões do país, assumem o Ensino de Filosofia como objeto de investigação filosófica; pesquisadoras e pesquisadores que problematizam o ofício e a formação docente a partir da literatura filosófica em sua interface com as questões educacionais e com a prática do filosofar nos diferentes níveis de ensino. Objetivava-se dar organicidade à área, fomentando sua potência no âmbito das pesquisas de pós-graduação.</p> Patrícia Del Nero Velasco Copyright (c) 2022 Revista Digital de Ensino de Filosofia - REFilo http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2022-06-27 2022-06-27 e7/1 71 10.5902/2448065769947 A leitura de mundo como base para o ensino de filosofia na perspectiva de Paulo Freire https://periodicos.ufsm.br/refilo/article/view/67510 <p>Este artigo procurou explorar as memórias e experiências vivenciadas pelos pesquisadores, analisando-as com a Filosofia da Educação de Paulo Freire a fim de buscar contribuições para a prática docente no ensino de Filosofia. Partindo do conceito de leitura de mundo elaborado por Freire na obra <em>A importância do ato de ler</em>, e de contribuições afins a essa concepção nas principais obras do autor, foram analisadas algumas experiências pessoais permitindo compreender o processo educacional de ensino de Filosofia como uma práxis de reconstrução crítica da experiência. O artigo resultou em uma aproximação entre a Filosofia da Educação de Freire com o ensino de Filosofia como experiência de pensamento dialógica, democrática e libertadora. Evidenciou-se a importância de proporcionar aos alunos e alunas, a experiência filosófica a partir de suas leituras de mundo.</p> Letícia Regina dos Santos Rodrigues Fucuhara Darcísio Natal Muraro Copyright (c) 2022 Revista Digital de Ensino de Filosofia - REFilo http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2022-02-09 2022-02-09 e1/1 19 10.5902/2448065767510 A interdisciplinaridade no ensino de filosofia e sociologia e sua integração como “estudos e práticas” em face da BNCC de 2018 https://periodicos.ufsm.br/refilo/article/view/65963 <p>A interdisciplinaridade no ensino da Filosofia e da Sociologia como parte da educação interdisciplinar, tem lugar dentre as Ciências Humanas, no campo das Ciências Sociais, ganhando espaço a partir de 2006, quando o Conselho Nacional de Educação (CNE) emitiu resolução determinando sua inclusão na organização curricular do ensino médio. Em 2008, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) foi alterada por força da Lei 11.684, quando tanto a filosofia quanto a sociologia ganharam <em>status</em> de disciplinas obrigatórias. Mas a nova Lei nº 13.415/2017 <em>reformou</em> a LDB e revogou essa obrigatoriedade, dando nova redação ao dispositivo legal, relegando-as à <em>estudos e práticas</em>, ao lado das artes e da educação física, abrindo espaço para a criação da nova Base Nacional Comum Curricular (BNCC) de 2018, que por fim afastou essa obrigatoriedade. O objetivo deste artigo foi analisar a interdisciplinaridade do ensino da filosofia e da sociologia e sua integração como “estudos e práticas” em face da BNCC de 2018. A metodologia empregada foi a pesquisa exploratória, de natureza qualitativa. Em que pese a mudança da BNCC revogar a obrigatoriedade de ambas as disciplinas no ensino médio, pois em cada momento político em que viveu ou vive o país, a Filosofia e a Sociologia têm seu lugar na educação e fazem parte do processo educacional, bem como da história, e podem conviver pacificamente com o saber tecnológico que tem sido privilegiado nos últimos anos, pois este não existiria sem que primeiro, não houvesse o pensamento filosófico e sua posição e importância no estudo da sociedade.</p> João Augusto Cardoso Carlos José Martins Rogério Bianchi de Araújo Copyright (c) 2022 Revista Digital de Ensino de Filosofia - REFilo http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2022-02-11 2022-02-11 e2/1 19 10.5902/2448065765963 O ensino de filosofia sob o controle da concepção de competências na BNCC https://periodicos.ufsm.br/refilo/article/view/68682 <p>O presente artigo objetiva investigar o ensino de filosofia no contexto da Lei nº 13.415/17 e da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), em especial da concepção neoliberal que carregam, expressada a partir da <em>ideologia da competência</em>. O artigo esboça, primeiramente, um breve histórico das decisões legais que interferiram no <em>status</em> curricular da filosofia desde a Ditadura Militar, em seguida analisa a BNCC e sua organização a partir da ideia competências e, finalmente, o que restou ao ensino de filosofia nesse cenário. Por meio da revisão bibliográfica e da análise documental, concluímos que a complexidade do campo filosófico não é contemplada na BNCC e sua organização por competências, uma vez que esta busca especialização e instrumentalização, e aquela pensamento crítico, reflexivo, radical e totalizante.</p> Helton Lima Soares Vilma Nonato de Brício Copyright (c) 2022 Revista Digital de Ensino de Filosofia - REFilo http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2022-04-04 2022-04-04 e3/1 19 10.5902/2448065768682 Uma reflexão butleriana acerca do sujeito do ensino de filosofia https://periodicos.ufsm.br/refilo/article/view/66505 <p>O presente trabalho tem por objetivo dissertar sobre a noção de “formação para a cidadania”, entendida como uma das finalidades, segundo alguns documentos oficiais, do ensino de Filosofia no Educação Básica, à luz da noção de “enquadramento” elaborada pela filósofa Judith Butler. O enquadramento, a partir da conceituação da filósofa, está estritamente relacionado com a noção de operações de poder. Assim, os esquemas de reconhecimento e inteligibilidade de alguém são entendidos como valorações sociais que permitem a intelecção de alguns sujeitos em detrimento de outros. Com isso, levando em conta a argumentação da filósofa, pretende-se mostrar que o sujeito formado pela filosofia para a cidadania não passa de um sujeito subalterno às valorações sociais. Entretanto, ao que tudo indica, não são todos os sujeitos que estão aptos ao vir a ser cidadão, pois nem todos são reconhecidos como vida. Esse fenômeno da não universalidade do reconhecimento revela os mecanismos nos quais uma vida é produzida.</p> Albérico Araújo Sial Neto Reginaldo Clecio dos Santos Copyright (c) 2022 Revista Digital de Ensino de Filosofia - REFilo http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2022-04-18 2022-04-18 e4/1 13 10.5902/2448065766505 A Arte de Pensar: investigações sobre os percursos da Lógica https://periodicos.ufsm.br/refilo/article/view/69353 <p>Neste estudo, pretendo apresentar um esboço histórico da lógica, construído ao colocar em evidência alguns aspectos da formação do pensamento humano que propiciaram o seu desenvolvimento, partindo da necessidade humana do bem pensar. O estudo foi realizado por meio da vertente teórico-metodológica da Análise Crítica do Discurso (ACD) de Norman Fairclough (2001) e da Análise de Conteúdo (AC) de Laurence Bardin (2010), tomando como pressuposto a concepção do texto verbal como materialidade discursiva e o discurso como a plenitude da prática social que o abrange e constitui (FAIRCLOUGH, 2001). De maneira transversal, a lógica era vista como a arte de pensar e o seu ensino realizava-se através de reflexões e discussões cotidianas, em outras palavras, o ensino da lógica não se limitava a uma exposição histórico-didática da lógica tradicional, porém, visava a formar bem a mente dos estudantes, orientando o intelecto na busca da verdade.A lógica é importante tanto como instrumento de análise de argumentos, quanto do ponto de vista histórico, porque ela foi inventada e sistematizada dentro de um contexto da Filosofia Grega, e, portanto, está aliada à história do pensamento ocidental. O ensino de lógica se faz necessário atualmente porque ela oferece ferramentas que permitem interpretar as informações que chegam até os sujeitos e perceber que elas não representam todas as realidades existentes, então não se pode moldar comportamentos, pensamentos e disseminar essas informações sem uma análise crítica, racional e cuidadosa.</p> Clarice Rosa Machado Copyright (c) 2022 Revista Digital de Ensino de Filosofia - REFilo http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2022-06-20 2022-06-20 e6/1 23 10.5902/2448065769353 Formação Ética no contexto filosófico da Educação Básica https://periodicos.ufsm.br/refilo/article/view/68992 <p>O objetivo deste artigo é apontar possibilidades de pensamento ético que possam ser apropriados pela Educação Básica de forma concreta e que auxiliem os processos de ensino e aprendizagem da Filosofia como momento ímpar da formação ética das juventudes nas escolas. Desenvolvemos uma abordagem teórica da Ética a partir conceitos fundamentais para a discussão atual, autenticidade e responsabilidade, com uma releitura para aproximar o campo teórico conceitual, próprio da filosofia, do campo vivencial tanto do professor da Educação Básica quanto dos estudantes, dado que a apropriação da atividade filosófica está estreitamente relacionada à significação da filosofia para o estudante. Buscamos também uma compreensão de Ética que possa orientar os rumos do trabalho com a Filosofia na Educação Básica, considerando para tanto, as contribuições mais recentes da Filosofia, como Charles Taylor e o desenvolvimento de uma ética para a autenticidade, corroborando para a formação dos estudantes que estão numa fase importante de formação e conhecimento de si, e Hans Jonas e a ética pensada enquanto princípio de responsabilidade para com as coisas que garantem a existência e perpetuação da vida no planeta.</p> Sandro Luiz Charnoski Copyright (c) 2022 Revista Digital de Ensino de Filosofia - REFilo http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2022-08-29 2022-08-29 e9/1 22 10.5902/2448065768992 Revista Digital de Ensino de Filosofia (ReFiLo): a mensageira santa-mariense da educação filosófica no Brasil https://periodicos.ufsm.br/refilo/article/view/69605 <p>É bastante conhecida a interrogação do filósofo Immanuel Kant a respeito da possibilidade ou não de se ensinar filosofia. Partindo-se da premissa de que não é possível dissociar a filosofia de seu ensino, este artigo se propôs a responder a seguinte questão: de que maneira a Revista Digital de Ensino de Filosofia (ReFiLo) contribui para o debate e o fortalecimento da educação filosófica no Brasil? Para responder a esta pergunta, realizou-se uma pesquisa de natureza qualitativa e quantitativa, adotando-se a pesquisa bibliométrica para caracterizar a produção científica publicada pela revista entre 2015 e 2021. Os resultados do estudo indicaram que a ReFiLo difundiu 116 publicações, as quais 76% referem-se a artigos de periódicos científicos. Os dados revelaram, ainda, que essas publicações foram produzidas por 155 filósofos e filósofas da educação com formações acadêmicas variadas, especialmente nas áreas de filosofia e educação. Os resultados mostraram, também, que a pesquisa bibliográfica e a documental foram as mais utilizadas na construção dos trabalhos publicados pela ReFiLo. As 116 publicações geraram um total de 217 palavras-chave, que representaram o conteúdo filosófico-educacional dos trabalhos comunicados. Por fim, os dados sinalizaram que as 116 publicações foram escritas, sustentando-se teórica e metodologicamente, em 1.011 obras. Esta pesquisa concluiu que a ReFiLo se caracteriza por ser um periódico filosófico-educacional aberto e democrático que recepciona, avalia e publica reflexões sobre a educação filosófica produzida por autores/as com diferentes capitais filosófico-educacionais acumulados e que promovem os movimentos de resistências para manter a filosofia viva nos currículos escolares.</p> Anderson Luis da Paixão Café Adelmária Ione dos Santos Isna Gabriel Sia Copyright (c) 2022 Revista Digital de Ensino de Filosofia - REFilo http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2022-09-02 2022-09-02 e10/1 27 10.5902/2448065769605 Um relato intempestivo https://periodicos.ufsm.br/refilo/article/view/69584 <p>O presente texto é uma versão revista do relatório que apresentei ao final do estágio supervisionado em filosofia. O detalhe é que a realização do estágio remonta aos idos de 2014 — ou seja, lá se vão pelo menos sete anos, muitas coisas não são mais as mesmas, a começar pelas políticas educacionais que estruturam o Ensino Médio: julguei, pois, que seria mais apurado qualificar meu relato como um relato intempestivo. Mas apesar dessa extemporaneidade — ou justamente por causa dela — pode ser que o texto ainda conserve algum interesse para o leitor de hoje: pois embora remonte a um contexto em que as políticas educacionais do ensino médio eram outras, muito diferentes das de agora, o presente relato trata, sobretudo, de um problema ele próprio extemporâneo, a saber, as contrariedades com que se depara um professor-aprendiz ao tentar pôr em prática tudo o que planejou.</p> Daniel Temp Copyright (c) 2022 Revista Digital de Ensino de Filosofia - REFilo http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2022-05-30 2022-05-30 e5/1 17 10.5902/2448065769584 O uso de memes no ensino de filosofia no ensino superior: um relato de experiência e uma reflexão sobre o processo de ensino aprendizagem https://periodicos.ufsm.br/refilo/article/view/69434 <p>O presente trabalho trata de relatar uma experiência positiva no ensino superior na disciplina Estudos dos saberes Filosóficos a partir do uso de memes como ferramenta útil e como metodologia ativa em sala de aula e, de modo especial, para a avaliação da aprendizagem. Faremos aqui uma análise do surgimento e evolução do termo meme, sua caracterização como gênero textual e, por fim, descrevemos a nossa prática em sala de aula destacando importantes aspectos observados. O uso dos memes em sala de aula representou uma importante experiência pedagógica e contribuiu para o atingimento dos objetivos planejados na disciplina e para o devido engajamento dos alunos nas atividades propostas.</p> Felipe Gustavo Soares da Silva Copyright (c) 2022 Revista Digital de Ensino de Filosofia - REFilo http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2022-08-24 2022-08-24 e8/1 16 10.5902/2448065769434