O ensino de filosofia no nível médio: tecnologias digitais e práticas pedagógicas inovadoras

Ademir Aparecido Pinhelli Mendes, Fábio Antônio Gabriel, Arthur Silva Araújo

Resumo


Este artigo problematiza a contribuição das tecnologias digitais no processo de ensino e de aprendizagem da filosofia no nível médio e tem como objetivo analisar a viabilidade da aprendizagem filosófica mediada por elas. A metodologia para a coleta de dados foi a pesquisa da observação participante de abordagem qualitativa. Foram realizadas observações das aulas de um professor de filosofia, em escola pública estadual do município de Curitiba-PR, por um estudante de filosofia, participante de projeto de iniciação científica, orientado por um pesquisador da área de Educação e Novas Tecnologias. Os resultados da pesquisa evidenciam que o ensino de filosofia no ensino médio pode ser mediado por recursos tecnológicos digitais, envolvendo os sujeitos no processo de ensino e aprendizagem no estudo dos temas filosóficos. No entanto, a inserção das tecnologias digitais torna-se um desafio propriamente filosófico, pois a utilização de tal ferramenta pode modificar o conteúdo e o fazer filosófico, o que, em si, representa um problema filosófico.


Palavras-chave


Ensino médio; Ensino de filosofia; Tecnologias digitais; Práticas pedagógicas inovadoras.

Texto completo:

PDF HTML

Referências


ABREU, C. N.; EISENSTEIN, E.; ESTEFENON, S. G. B. Vivendo esse mundo digital: impactos na saúde, na educação e nos comportamentos sociais. Porto Alegre: Artmed, 2013.

ALMEIDA, M. E. ProInfo: informática e formação de professores – v. 1; Brasília: MEC/Secretaria de Educação a Distância, 2000.

BENETTI, C. C. Filosofia e ensino, singularidade e diferença: entre Lacan e Deleuze. Ijuí: Unijuí, 2006.

BEHRESNS, M. A. Projetos de aprendizagem colaborativa num paradigma emergente. In: MORAN, J. M.; MASETTO, M. T.; BEHRENS, M. A. (org.). Novas tecnologias e mediação pedagógica. 21. ed. Campinas: Papirus, 2013. Cap. 2. p. 73-141.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CEB nº 2, de 30 de janeiro de 2012. Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Diário Oficial da União, Brasília, 31 jan. 2012, Seção 1, p. 20.

CARRILHO, Manuel M. Razão e transmissão da Filosofia. Lisboa: Casa da Moeda, 1987.

COLL, C.; MONEREO, C. Psicologia da educação virtual. Porto Alegre: Artmed, 2010.

D’AMBRÓSIO, U. Educação matemática: da teoria a prática. Campinas: Papirus, 2001.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. O que é a filosofia? Tradução de Bento Prado Jr. e Alberto Alonso Muñoz. Rio de Janeiro: 34, 1992.

GABRIEL, F. A. A aula de filosofia enquanto experiência filosófica: possibilitar ao estudante de filosofia “criar conceitos” e ou “avaliar o valor dos valores”. Rio de Janeiro: Editora Multifoco, 2017.

GALLO, S. Metodologia do ensino de Filosofia: uma didática para o Ensino Médio. Campinas/SP: Papirus, 2012.

HELLER, A. A Filosofia radical. Tradução Carlos Nelson Coutinho. São Paulo: Brasiliense, 1983.

HORN, G. B. ; MENDES, A. P. P. Ensino de Filosofia: método e recepção filosófica em Agnes Heller. Educar em Revista. Curitiba, n. 62, out./dez. 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-40602016000400279&lng=pt&tlng=pt. Acesso em: 11 jun. 2020.

HORN, G. B. Ensinar filosofia: pressupostos teóricos e metodológicos. Ijuí: Ed. Unijuí, 2009.

JASPERS, K. Introdução ao pensamento filosófico. Tradução Leônidas Hegenberg e Octanny Silveira da Mota. São Paulo: Cultrix, 1971.

KENSKI, V. M. Educação e tecnologias: o novo ritmo da informação. Campinas: Papirus, 2012.

LACAN J. O seminário, livro 11: os quatro conceitos fundamentais da psicanálise (M. D. Magno, Trad.). Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2015.

LEMOS, A. Cibercultura: tecnologia e vida social na cultura contemporânea. Porto Alegre: Sulina, 2015.

LITWIN, E. Tecnologia educacional: política, história e propostas. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

MOORE, M.; KEARSLEY, G. Distance Education – A Systems View. Belmont: Wadsworth, 1996.

MORAES, S. B. A. Ensino de Filosofia e as TIC: reflexões a partir de experiências do PIBID Filosofia da UFSM. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-graduação em Educação. Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria-RS, 2014.

MORAN, J. Como utilizar a Internet na educação. Ciência da Informação, v. 25, n. 02, 1997.

MORAN, J. M. Ensino e aprendizagem inovadores com apoio de tecnologias. In: MORAN, J. M.; MASETTO, M. T.; BEHRENS, M. A. (org.). Novas tecnologias e mediação pedagógica. 21. ed. Campinas: Papirus, 2013. Cap. 1. p. 11-72.

OBIOLS, Guillermo. Uma Introdução Ao Ensino da Filosofia. Ijuí: Ed. Unijuí, 2002.

SILVA, J. C. Informática e cultura profissional: o laboratório de informática da escola como espaço de formação. In: FONSECA, S. G. Currículos, saberes e culturas escolares. Campinas: Editora Alínea, 2007.

TAJRA, S. F. Informática na Educação: novas ferramentas pedagógicas para o professor da atualidade. 3. ed. São Paulo: Érica, 2001.




DOI: https://doi.org/10.5902/2448065743776

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista Digital de Ensino de Filosofia - REFilo

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

A Revista Digital de Ensino de Filosofia - REFilo agradece auxílio recebido por meio do Edital Pró-Revistas, da Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa, da Universidade Federal de Santa Maria. 

_____________________________________________________________