Por uma escola territorialmente situada: contribuições geográficas em uma experiência extensionista de Educação do Campo no Oeste de Santa Catarina

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5902/2236499453271

Palavras-chave:

Geografia e Educação do Campo, Escola do Campo, Educação de Tempo Integral,

Resumo

O presente artigo objetiva socializar estudos e resultados oriundos de uma experiência extensionista que vem ocorrendo desde o ano de 2018 junto a uma escola do campo localizada no espaço rural do município de Nova Itaberaba, Região Geográfica Imediata de Chapecó, Oeste de Santa Catarina. Ancora-se em uma perspectiva dialógica de trabalho extensionista e interdisciplinar de produção do conhecimento em que contribuições teórico-conceituais da Geografia se fazem presentes e estão entrelaçadas a referenciais do campo intelectual da Educação do Campo. A situação geográfica em questão, neste artigo, tem como ponto de partida a vontade comunitária de manter a referida escola no espaço rural do município supramencionado. Desafio este que resultou em um processo de reformulação curricular e sua transformação em uma escola do campo de tempo integral, por isso entendemos ser uma experiência emblemática a ser socializada. Argumentaremos ao longo do texto que a experiência em andamento tem possibilitado construir uma proposta de escola territorialmente situada, cujo processo de escolarização se propõe a ser mais articulado e compromissado com os sujeitos do campo, seus territórios de vida e suas territorialidades específicas.

Palavras-chave: Geografia e Educação do Campo; escola do campo; escola de tempo integral; territórios educativos. 

Biografia do Autor

Willian Simões, Universidade Federal da Fronteira Sul

Doutor em Geografia pela UFPR. Professor dos programas de Graduação e Pós-Graduação em Geografia na Universidade Federal da Fronteira Sul, Campus Chapecó-SC. Membro do Grupo de Pesquisa "Espaço, Tempo e Educação".

Referências

ALBA, R. S. (Org.) Estudos de geografia agrária do oeste catarinense. 173p. Chapecó-SC: Argos, 2008.

ANDRADE, E. O.; FILHO, C. J. B.; FARIA, M. V. O fechamento de escolas do campo como política de governo: experiências vivenciadas em Carangola/MG. ReDiPE: Revista Diálogos e Perspectivas em Educação, Marabá, v. 2, n. 1, p. 267-282, jan-jun. 2020. Disponível em: https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/ReDiPE/article/view/1263/524. Acesso em 31/05/2021.

ARROYO, M. G. Currículo, território em disputa. 2ª ed. 374p. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Resolução CNE/CEB 1, de 3 de Abril de 2002. Brasília:, 2002. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=13800-rceb001-02-pdf&category_slug=agosto-2013-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 18/03/2020

BRASIL. Gabinete da Presidência da República. Decreto Nº 7.352, de 4 de Novembro de 2010. Brasília:, 2010. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/marco-2012-pdf/10199-8-decreto-7352-de4-de-novembro-de-2010/file. Acesso em 18/03/2020.

CALDART, R. S. Elementos para a construção de um projeto político pedagógico da Educação do Campo. In. MOLINA, M. C.;

JESUS, S. M. S. A. de (Org.). Contribuições para a construção de um projeto de Educação do Campo. 133p. Brasília, DF: Articulação Nacional “Por uma Educação do Campo”, 2004.

CATAIA, M. A.; RIBEIRO, L. H. L. Análise de situações geográficas: notas sobre metodologia de pesquisa em Geografia. Revista da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Geografia (Anpege), [S.l.], n. 15, p. 9-30, v. 11, jan-jun. 2015. Disponível em: http://ojs.ufgd.edu.br/index.php/anpege/article/view/6445. Acesso em 17/03/2020.

CORÁ, E. J.; LOSS, A. S.; BEGNINI, S. (Org.). Contribuições da UFFS: para a educação integral em jornada ampliada. 440p. Chapecó: Palotti, 2012.

CORAZZA, G. O modelo de Desenvolvimento Regional do Oeste Catarinense. In. CORAZZA, G.; RADIN, J. C. (Org.). Fronteira Sul: ensaios socioeconômicos. 320p. Florianópolis: Insular, 2016.

FALS BORDA, O. Aspectos teóricos da pesquisa participante: considerações sobre o significado e o papel da ciência na participação popular. In. BRANDÃO, C. R. (Org.). Repensando a pesquisa participante. 211p. São Paulo: Brasiliense, 1984.

FREIRE, P. Extensão ou comunicação? 7ª ed. 93p. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

GHEDINI, C. M. A Produção da Educação do Campo no Brasil: das referências históricas à institucionalização. 400p. Jundiaí: Paco Editorial, 2017.

GROFF, A.; MEURER, A. C. A desterritorialização das escolas no campo do município de Dona Francisca. 136p. São Leopoldo: Oikos, 2018.

GROSFOGUEL, R. Para descolonizar os estudos de economia política e os estudos pós-coloniais: transmodernidade, pensamento de fronteira e colonialidade global. In. SANTOS, B. de S.; MENESES, M. P. (Org.). Epistemologias do Sul. 637p. São Paulo: Cortez, 2010.

LEITE, S. C. Escola rural: urbanização e políticas educacionais. 120p. São Paulo: Cortez, 1999.

LOSS, A. S. et al. Construindo projetos pedagógicos: em escolas de educação integral em jornada ampliada. Volume 2. 225p. Tubarão, SC: Ed. Copiart. Erechim-RS: UFFS, 2016.

MACHADO, R. das D. A nuclearização de escolas rurais no município de Tijucas do Sul. Cadernos de Pesquisa: Pensamento Educacional, Curitiba, v.11, Número Especial, p. 151-165, 2016. Disponível em: http://universidadetuiuti.utp.br/Cadernos_de_Pesquisa/cad_pesq_esp_2016/pdf_especial_2016/art_7.pdf. Acesso em 18/03/2020.

MARIANO, A. S.; SAPELLI, M. L. S. Fechar escola é crime social: causas, impactos e esforços coletivos contra o fechamento de escolas no campo. In. SEMINÁRIO NACIONAL ESTADO E POLÍTICAS PÚBLICAS SOCIAIS, 6; SEMINÁRIO DE DIREITOS HUMANOS, 2, Toledo, Anais[...] Toledo: Unioeste, 2014.

MELLO, M. A. Transformações sociais recentes no espaço rural do oeste de Santa Catarina: migração, sucessão e celibato. In: CONGRESSO DA SOBER, 44, 2006, Fortaleza Anais [...] Fortaleza: Sociedade Brasileira de Economia e Sociologia Rural, 2006.

MORA-OSEJO, L. E.; FALS BORDA, O. A superação do eurocentrismo. Enriquecimento do saber sistêmico e endógeno sobre o nosso contexto tropical. In: SOUSA SANTOS, B. de. Conhecimento Prudente para uma vida decente: um discurso sobre as ciências “revisitado”. 2. ed. 821p. São Paulo: Cortez, 2006.

OLIVEIRA, A. U. de. Geografia Agrária: perspectivas no início do século XXI. In. OLIVEIRA, A. U. de; MARQUES, M. I. M. (Org.). O campo no século XXI: território de vida, de luta e de construção da justiça social. 372p. São Paulo: Ed. Casa Amarela e Ed. Paz e Terra, 2004.

PERTILE, N. O capital agroindustrial catarinense e o Estado. Geotextos, Salvador, v. 7, n. 1, p. 13-30, jul. 2011. Disponível em: file:///C:/Users/ClienteCNG/Downloads/5267-13966-1-PB%20(1).pdf. Acesso em 24/03/2020.

PICOLI, B. A. Sob os desígnios do progresso. 275p. Xanxerê: News Print, 2012.

PORTO-GONÇALVES, C. W. A Reinvenção dos Territórios: a experiência latino-americana e caribenha.In: CECEÑA, Ana Esther (Org.). Los desafíos de las emancipaciones en un contexto militarizado. CLACSO, Argentina: Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales, Ciudad Autónoma de Buenos Aires, 2006. p. 151-197. Disponível em: http://biblioteca.clacso.edu.ar/clacso/gt/20101019090853/6Goncalves.pdf. Acesso em 24/03/2020.

RENK, A. A colonização do oeste catarinense: as representações dos brasileiros. Cadernos do CEOM, Chapecó. v.5, n.7, p. 221-258, 1991.

SACRISTÁN, J. G. O que significa o currículo? In. SACRISTÁN, J. G. (Org.) Saberes e incertezas sobre o currículo. 542p. Porto Alegre: Penso-Artmed, 2013.

SAQUET, M. A. Por uma abordagem territorial. In. SAQUET, M. A.; SPOSITO, E. S. (Org.). Territórios e territorialidades: teorias, processos e conflitos. 368p. São Paulo: Expressão Popular: UNESP. Programa de Pós-Graduação em Geografia, 2009.

SAQUET, M. A.. Contribuições teórico-metodológicas para uma abordagem territorial multidimensional em Geografia Agrária. In. SAQUET, M. A.; SUZUKI, J. C.; MARAFON, G. J. (Org.). Territorialidades e diversidade nos campos e nas cidades latino-americanas e francesas. 1ª ed. 412p. São Paulo: Outras expressões, 2011.

SAQUET, M. A. Abordagens e concepções de território. 3ª Ed. 192p. São Paulo: Outras Expressões, 2013.

SCHWENDLER, S. F. Principais problemas e desafios da educação do campo no Brasil e no Paraná. In. PARANÁ. Secretaria de Estado da Educação. Superintendência da Educação. Departamento de Ensino Fundamental. Cadernos Temáticos: educação do campo. 72p. Curitiba: SEED-PR, 2005.

SIMÕES, W. Comunidades tradicionais de Faxinais e gestão de políticas públicas educacionais: compreendendo territórios e territorialidades. 138 p. Dissertação (Mestrado em Gestão do Território) - Universidade Estadual de Ponta Grossa, Ponta Grossa, 2009.

SIMÕES, W. A Educação do Campo e desafios na atual conjuntura política brasileira. In. TEDESCO, J. C.; SEMINOTTI, J. J.; ROCHA, H. J. da. Movimentos e lutas sociais pela terra no sul do Brasil: questões contemporâneas. 422p. Chapecó: Ed. UFFS, 2018.

SOUZA, M. A. de. Educação e movimentos sociais do campo: a produção do conhecimento no período de 1987 a 2015. 2ª ed. 450p. Curitiba: Ed. UFPR, 2016.

SOUZA, M. A. de. Educação do Campo, Desigualdades Sociais e Educacionais. Revista Educação e Sociedade, Campinas, v. 33, n. 120, p. 745-763, jul-set, 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v33n120/06.pdf. Acesso em 24/03/2020.

VALENTINI, D. J.; RADIN, J. C. Camponeses no sertão catarinense: a colonização da região do Contestado nas primeiras décadas do século XX. In. SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA – ANPUH, 26, São Paulo. Anais [...] São Paulo: ANPUH, 2011. Disponível em: http://www.snh2011.anpuh.org/resources/anais/14/1308581578_ARQUIVO_ANPUHValentiniRadinDOC3.pdf. Acesso em 24/03/2020.

VALENTINI, D. J.; RADIN, J. C. Fronteira Sul: dos “espanhóis confinantes” à Mesorregião Grande Fronteira do Mercosul. In. CORAZZA, Gentil; RADIN, José Carlos (Org.). Fronteira Sul: ensaios socioeconômicos. 320p. Florianópolis: Insular, 2016.

Downloads

Publicado

2021-09-30 — Atualizado em 2022-01-12

Versões

Como Citar

Simões, W. (2022). Por uma escola territorialmente situada: contribuições geográficas em uma experiência extensionista de Educação do Campo no Oeste de Santa Catarina. Geografia Ensino & Pesquisa, 25, e27. https://doi.org/10.5902/2236499453271 (Original work published 30º de setembro de 2021)