A influência do Banco Mundial e da OCDE na educação básica no Brasil e no ensino de geografia

Fabiana Pegoraro Soares

Resumo


Desde a década de 1960, organizações internacionais como a ONU, UNESCO, PNUD, Banco Mundial, FMI, OCDE entre outras, passaram a adotar um discurso que relaciona a educação ao desenvolvimento socioeconômico dos países. Entre as organizações internacionais cujos interesses são estritamente econômicos, mas com atuação relevante na área da educação, destacam-se o Banco Mundial (BM) e a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Considerando que o Brasil apresenta problemas sociais graves, principalmente no tocante à desigualdade, este artigo tem como objetivos apontar como o Banco Mundial e a OCDE se envolveram na área de educação, ressaltar algumas de suas recomendações para o país, discutir seus objetivos e seus possíveis resultados, implicando o ensino da Geografia escolar. As questões relacionadas à participação dessas organizações nos assuntos ligados à educação são aqui analisadas à luz da Geografia Crítica, e baseiam-se em documentos e relatórios destas. Como resultado, observou-se um alinhamento do discurso de ajuste de gastos públicos do Banco Mundial com os resultados do PISA/OCDE, classificando a educação brasileira como cara e ineficiente, sugerindo redistribuições orçamentárias e ajustes curriculares. É possível verificar que algumas dessas recomendações têm sido aplicadas e impactam diretamente a Geografia escolar do país, prejudicando a formação social do estudante.


Palavras-chave


Banco Mundial; Educação; Ensino de geografia; OCDE

Texto completo:

HTML PDF

Referências


ALTMANN, Helena. Influências do Banco Mundial no projeto educacional brasileiro. In: Educação e Pesquisa, v.28, n.1, p. 77-89, São Paulo, jan./jun. 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ep/v28n1/11656.pdf Acesso em: 15 out. 2018.

BANCO MUNDIAL. Um ajuste justo - Análise da eficiência e equidade do gasto público no Brasil. Banco Mundial. 2017. Disponível em:

http://documents.worldbank.org/curated/en/884871511196609355/pdf/121480-REVISED-PORTUGUESE-Brazil-Public-Expenditure-Review-Overview-Portuguese-Final-revised.pdf Acesso em: 19 nov. 2018.

BANCO MUNDIAL. Achieving World Class Education in Brazil: The Next Agenda. 2010. Disponível em: http://siteresources.worldbank.org/BRAZILINPOREXTN/Resources/3817166- 1293020543041/FReport_Achieving_World_Class_Education_Brazil_Dec2010.pdf Acesso em: 21 fev. 2018.

BERNUSSI, Mariana Medeiros. Instituições internacionais e educação: a agenda do Banco Mundial e do Education for All no caso brasileiro. Dissertação (mestrado). Instituto de Relações Internacionais. Universidade de São Paulo. 2014.

BOURDIN, Jean Yves. Violência e crise da escola dos pobres. In: Revista Pedagógica do SNES (Sindicato Nacional de Ensino Secundário, FSU). Paris. 1996.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988. São Paulo: Saraiva, 1988.

BRASIL. MINISTÉRIO DE EDUCAÇÃO E CULTURA (MEC). Banco Mundial analisa a evolução e os desafios da educação brasileira. 13 de dezembro de 2010. Disponível em http://portal.mec.gov.br/ultimas-noticias/222-537011943/16156-banco-mundial-analisa-a-evolucao-e-os-desafios-da-educacao-brasileira Acesso em 12 jan. 2019.

BRASIL. MINISTÉRIO DE EDUCAÇÃO E CULTURA (MEC). Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Brasília. MEC. 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/a-base Acesso em: 12 jan. 2019.

CANAN, Silvia Regina. Influência dos organismos internacionais nas políticas educacionais - só há intervenção quando há consentimento? Campinas: Mercado das Letras. 2016.

CORAGGIO, José Luis. Propostas do Banco Mundial para a educação: sentido oculto ou problemas de concepção? In: TOMMASI, Livia de; WARDE, Mirian Jorge e HADDAD, Sergio (org.). O Banco Mundial e as políticas educacionais. São Paulo: Cortez. 1998.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS (INEP). PISA – Programa Internacional de Avaliação de Estudantes. [2019]. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/pisa Acesso em: 09 jan. 2019.

LACOSTE, Yves. A Geografia – isso serve, em primeiro lugar, para fazer a Guerra. 19 ed. São Paulo: Papirus, 2015.

Lei n. 9394 de 20 de Dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/setec/arquivos/pdf_legislacao/tecnico/legisla_tecnico_resol02_26junho_1997.pdf Acesso em: 09 jan., 2019.

MORAES, Antonio Carlos Robert. Geografia: pequena história crítica. São Paulo: Annablume. 2005

OECD (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico). Programme for International Student Assessment (PISA) – Results from PISA 2018 – Brazil. [2019a]. https://www.oecd.org/pisa/publications/PISA2018_CN_BRA.pdf Acesso em: 04 dez. 2019.

OECD (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico). History. [2019a]. Disponível em: http://www.oecd.org/about/history/ Acesso em: 09 jan. 2019.

OECD (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico). Who drives the OECD’s work? [2019b]. Disponível em: http://www.oecd.org/about/whodoeswhat/ Acesso em: 09 jan. 2019.

OECD (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico). What is PISA? [2019c]. Disponível em: http://www.oecd.org/pisa/aboutpisa/ Acesso em: 09 jan. 2019.

VESENTINI, José William. Para uma Geografia crítica na escola. São Paulo: Ática. 2001.




DOI: https://doi.org/10.5902/2236499441843

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Indexações e Bases Bibliográficas