Concepção do professor do ensino comum em relação à aprendizagem, currículo, ensino e avaliação do aluno com deficiência intelectual

Vera Lucia Mendonça Nunes, Eduardo Jose Manzini

Resumo


O estudo teve como objetivo identificar, a partir de relatos dos professores, as concepções favoráveis e desfavoráveis em relação ao ensino, ao currículo, à avaliação e à aprendizagem do aluno com deficiência intelectual. Quatro professoras, que trabalhavam em escolas municipais no Ensino Fundamental I, em um município do interior do estado do Paraná, participaram da pesquisa. A abordagem utilizada foi a pesquisa qualitativa descritiva, por meio de entrevista semiestruturada e cadernos de conteúdo. Um roteiro foi elaborado para a entrevista e analisado por juízes. A coleta foi efetuada em duas sessões: a primeira, por meio de entrevista semiestruturada e, a segunda, utilizando o caderno de conteúdo. As concepções identificadas, por meio da análise de conteúdo, foram separadas em favoráveis e desfavoráveis em relação à aprendizagem, ao currículo, ao ensino e à avaliação de alunos com deficiência intelectual. Na concepção dos participantes: todos os alunos conseguem aprender, mas não acompanham o ritmo dos colegas da classe; o currículo adaptado é indicado para o aluno com deficiência intelectual, porém, existe uma dicotomia entre adaptar o conteúdo ou adaptar as atividades; o ensino colaborativo é o mais eficaz; a avaliação é vista como uma falha nos sistemas de ensino e ora atribuem que a avaliação deve ser igual aos demais alunos, e ora que deveria ser diferente e específica.


Palavras-chave


Educação especial; deficiência intelectual; concepção.

Texto completo:

PDF HTML

Referências


ANACHE, Alexandra Ayach. Dimensões subjetivas envolvidas na avaliação da aprendizagem de pessoas com deficiência intelectual. In: MARTINEZ, Mitjáns Albertina; SCÓZ, Beatriz Judith Lima; CASTANHO, Marisa Irene Siqueira. Ensino e aprendizagem: a subjetividade em foco. Brasília, DF: Líber Livro. 2012. p. 219-247.

BARDIN, Laurence. Análise do conteúdo. Lisboa/ Portugal: Edições 70, 1977.

BARROCO, Sonia Mari Shima; LEONARDO, Nilza Sanches Tessaro; SILVA, Tânia dos Santos Alvarez da. Educação especial e teoria histórico cultural: em defesa da humanização. Maringá: EDUEM, 2012.

BRASIL. Adaptações curriculares em ação: estratégias para a educação de alunos com necessidades educacionais. Secretaria de Educação Especial. Brasília, DF: MEC/ SEEP, 1999.

BRASIL. Projeto Escola Viva - Garantindo o acesso e permanência de todos os alunos na escola - Alunos com necessidades educacionais especiais. Adaptações curriculares de grande porte. Brasília, DF: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial, 2000.

BRASIL. Resolução nº 2, de 11 de setembro de 2001. Institui Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Brasília, DF, 2001. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CEB0201.pdf. Acesso em: 10 dez. 2018.

BRASIL. Estratégias para a educação de alunos com necessidades educacionais especiais. Brasília, DF: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial, 2003. (Saberes e práticas da inclusão; 4).

BRASIL. Ministério da Educação. Saberes e práticas de inclusão: recomendações para a construção de escolas inclusivas. Brasília, DF: MEC, Secretaria da Educação Especial, 2006.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria Normativa nº- 10, de 24 de abril de 2007. Brasília, DF, 2007. Disponível em: http://download.inep.gov.br/educacao_basica/provinha_brasil/legislacao/2007/provinha_brasil_portaria_normativa_n10_24_abril_2007.pdf. Acesso em: 25 maio 2020.

CAPELLINI, Vera Lúcia Messias Fialho. A inclusão de alunos com necessidades educacionais especiais em classes comuns: avaliação do rendimento acadêmico. 2001. Dissertação (Mestrado em Educação Especial) - Centro de Educação e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2001.

CAPELLINI, Vera Lúcia Messias Fialho. Avaliação das possibilidades de ensino colaborativo no processo de inclusão escolar do aluno com deficiência mental. 2004. Tese (Doutorado em Educação Especial) - Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2004.

CAPELLINI, Vera Lúcia Messias Fialho. Práticas em educação especial e inclusiva na área da deficiência mental. Bauru: MEC/FC/SEE, 2008.

CARVALHO, Rosita Edler. Removendo barreiras para a aprendizagem: educação inclusiva. Porto Alegre: Mediação, 2011.

CARVALHO, Tereza Cristina de. Desafios e possibilidades de um trabalho colaborativo para a formação continuada com docentes do ensino médio público. 2018. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Filosofia e Ciências, UNESP, Marília, 2018.

DIAS, Sabrina Alves. Atuação colaborativa entre o professor do atendimento educacional especializado e do ensino regular: a importância da gestão. 2018. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Filosofia e Ciências, UNESP, Marília, 2018.

FELIPPE, Neide Maria de Andrade; CAPELLINI, Vera Lúcia Messias Fialho. O processo colaborativo entre educação especial e educação comum na inclusão escolar do aluno autista. In: RODRIGUES, Olga Maria Piazentin Rolim; CAPELLINI, Vera Lúcia Messias Fialho. (org.). Práticas inclusivas: fazendo a diferença. Rio de Janeiro: Wak Editora, 2014.

LEFRANÇOIS, Guy R. Teorias da aprendizagem: o que o professor disse. São Paulo: Cengage Learning, 2018.

LEONEL, Waléria Henrique dos Santos; LEONARDO, Nilza Sanches Tessaro. Concepções de professores da educação especial (APAEs) sobre a aprendizagem e desenvolvimento do aluno com deficiência intelectual: um estudo a partir da teoria Vygotskiana. Rev. Bras. Ed. Esp. Marília, v.20, n.4, p.541-554, 2014.

MANZINI, Eduardo José. Análise de entrevista. Marília: Abpee, 2020.

MANZINI, Eduardo José. Considerações sobre a elaboração de roteiro para entrevista semiestruturada. In: MARQUEZINE, Maria Cristina.; ALMEIDA, Maria Amélia.; OMOTE; Sadao (org.). Colóquios sobre pesquisa em educação especial. Londrina: Eduel, 2003. p.11-25.

MARCHESI, Álvaro. A prática das escolas inclusivas. In: COLL, César; MARCHESI, Álvaro; PALACIOS, Jesús (org.). Transtornos do desenvolvimento e necessidades educativas especiais. Tradução de Fátima Murad. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2004. p.31-48.

MENDES, Enicéia Gonçalves. Colaboração entre ensino regular e especial: o caminho do desenvolvimento pessoal para a inclusão escolar. In: MANZINI, Eduardo José. (org.). Inclusão e acessibilidade. Marília: Abpee, 2006. p. 29 – 41.

MUNIZ, Joice Daiane; GALVANI, Marcia Duarte. Ensino colaborativo e adaptação curricular: atuação e concepção dos professores no processo de inclusão escolar. In: MENDES, Enicéia Gonçalves et al. (org.). Da teoria à práxis: vivenciando a colaboração no dia a dia escolar, Marília: Abpee, 2020. p. 15-26.

PADILHA, Anna Maria Lunardi. Desenvolvimento psíquico e educação escolar dos estudantes com deficiência intelectual. In: ALMEIDA; Maria Amélia; MENDES, Enicéia Gonçalves; POSTALLI, Lidia Maria Marson. (org.). Práticas pedagógicas inclusivas em contextos escolares. Marília: Abpee, 2018. p.161-180

PADILHA, Anna Maria Lunardi. Desenvolvimento psíquico e elaboração conceitual por alunos com deficiência intelectual na educação escolar. Rev. Bras. Ed. Esp., Marília, v.23, n. 1, p. 9-20, 2017.

SILVA, Mariana Cesar Verçosa; MELETTI, Silvia Márcia Ferreira. Estudantes com necessidades educacionais especiais nas avaliações em larga escala: Prova Brasil e ENEM. Rev. Bras. Ed. Esp., Marília, v. 20, n. 1, p. 53-68, 2014.

STAINBACK, Susan; STAINBACK, William. Inclusão: um guia para educadores. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999. p. 230-332.

VIGOTSKII, Lev Semenovich; LURIA, Alexander Ramanovich; LEONTIEV, Alex N. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. São Paulo: ícnone; São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1988. p.103-118.




DOI: https://doi.org/10.5902/1984686X43241

CONTATO:

E-mail: revistaeducacaoespecial.ufsm@gmail.com

Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
Centro de Educação - Lapedoc
Av. Roraima, 1000 - Cidade Universitária
97105-900 - Santa Maria - RS, Brasil.
Telefone: +55 55 3220 8795

Link: https://periodicos.ufsm.br/educacaoespecial

 

ISSN eletrônico: 1984-686X

DOIhttp://dx.doi.org/10.5902/1984686X

Qualis/Capes: Educação A2

Periodicidade: Publicação contínua

O recebimento de artigos caracteriza-se por fluxo contínuo sem que seja possível prever a data de sua publicação.

 

A Revista Educação Especial agradece auxílio recebido por meio do Edital Pró-Revistas, da Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa, da Universidade Federal de Santa Maria. 

 

 Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International (CC BY-NC 4.0)

Contador de visitas
click counter
Contador de visitas

Acessos a partir de 30/11/2016

__________________________________________________