A singularidade dos estudantes com deficiência intelectual frente ao modelo homogeneizado da escola: reflexões sobre o processo de inclusão

Roseane Cunha, Maristela Rossato

Resumo


O presente trabalho tem por objetivo refletir sobre a singularidade dos estudantes com deficiência intelectual frente ao modelo homogeneizado da escola de conceber os processos de aprendizagem. A deficiência intelectual assume, neste cenário, um caráter restritivo, anulando a construção histórica das pessoas com deficiência. Teoricamente, recorremos à Teoria da Subjetividade de González Rey visando ter uma base que possibilitasse recuperar o caráter dialético e complexo da expressão do sujeito na produção de sentido subjetivo. Metodologicamente recorremos à Epistemologia Qualitativa que tem como base o caráter dialógico, construtivo-interpretativo e singular na produção do conhecimento. Trabalhamos com estudo de caso múltiplo, por meio da observação da prática pedagógica, análise documental e indutores orais para a expressão dos participantes. No presente artigo a discussão está orientada pelo movimento empírico de uma professora na busca de condições para promover a inclusão de estudantes das classes especiais para o ensino regular.  É possível concluir que os estudantes com deficiência intelectual produzem sentidos subjetivos sobre sua aprendizagem escolar, podendo mobilizá-la ou limitá-la, a depender das produções simbólico-emocionais do processo.


Palavras-chave


Deficiência intelectual; Sujeito; Inclusão; Aprendizagem.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1984686X16288

CONTATO:

E-mail: revistaeducacaoespecial.ufsm@gmail.com

Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
Centro de Educação - Lapedoc
Av. Roraima, 1000 - Cidade Universitária
97105-900 - Santa Maria - RS, Brasil.
Telefone: +55 55 3220 8795

Link: https://periodicos.ufsm.br/educacaoespecial

 

ISSN eletrônico: 1984-686X

DOI10.5902/1984686X

Qualis/Capes: Educação A2

 

 

Periodicidade – Trimestral

Primeiro trimestre, jan./mar., limite para publicar a edição 31 março.

Segundo trimestre, abr./jun., limite para publicar a edição 30 junho.

Terceiro trimestre, jul./set., limite para publicar a edição 30 setembro.

Quarto trimestre, out./dez., limite para publicar a edição 31 dezembro.

Os dizeres acima dizem respeito somente à data de publicação da edição e não ao envio de artigos.

O recebimento de artigos caracteriza-se por fluxo contínuo sem que seja possível prever a data de sua publicação.

 

 Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International (CC BY-NC 4.0)

Contador de visitas
click counter
Contador de visitas

Acessos a partir de 30/11/2016

____________________________________________________