Inclusão de alunos com deficiências em escolas da rede estadual: acessibilidade e adaptações estruturais

Autores

  • Gisélia Gonçalves de Castro Docente do Centro Universitário do Cerrado Patrocínio, Minas Gerais, Brasil
  • Cesar Augusto França Abrahão Mestre em Patologia Geral
  • Ângela Xavier e Nunes Fisioterapeuta da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais
  • Lilian Cristina Gomes do Nascimento Universidade de franca
  • Glória Lúcia Alves Figueiredo Docente do Programa de Pós-Graduação em Promoção de Saúde, Universidade de Franca, Franca, São Paulo, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.5902/1984686X13590

Palavras-chave:

Inclusão. Acessibilidade. Pessoas com Deficiência.

Resumo

Estima-se que existam no Brasil cerca de seis milhões de crianças e jovens com necessidades educacionais especiais, para um contingente oficial de matrículas em torno de 500 mil alunos, considerando o conjunto de matrículas em todos os tipos de recursos disponíveis, desde escolas especiais até escolas e classes comuns. Grande maioria dos alunos com necessidades educacionais especiais encontra-se hoje fora da escola, o que configura muito mais uma exclusão generalizada da escola, a despeito da anterior retórica da integração e/ou da recente proposta de inclusão escolar. O estudo teve como objetivo investigar a acessibilidade e adaptações estruturais em 14 escolas estaduais de um município mineiro e identificar a prevalência de alunos com deficiência. Estudo transversal, e descritivo através de um questionário e registro fotográfico. Do total de alunos matriculados, 111 possuem algum tipo de deficiência, com prevalência no sexo masculino, idade média de 13,84 ± 5,19, onde 65,77% com deficiência mental. Em relação às adaptações estruturais, 92,86% possuem rampas nas entradas das escolas, 50 % vaso sanitário adaptado com barras de segurança e acesso com corrimãos, 28,57% piso antiderrapante, 21,43% mobiliário adaptado e rampas na entrada das salas de aula. Apenas 14,29% constam com altura ideal da pia e da saboneteira, em nenhuma foi encontrado banheiros com espelhos inclinados.Conclui-se indubitavelmente que há necessidade de melhoria das condições de acessibilidade na rede educacional. Faz necessária implantação de medidas adaptativas com o intuito de tornar cada vez mais presente a inclusão e acessibilidade a pessoa com necessidades especiais. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gisélia Gonçalves de Castro, Docente do Centro Universitário do Cerrado Patrocínio, Minas Gerais, Brasil

Mestre em Promoção de Saúde 

Cesar Augusto França Abrahão, Mestre em Patologia Geral

Docente da Universidade Federal do Triângulo Mineiro, UFTM, Uberaba, Brasil

Ângela Xavier e Nunes, Fisioterapeuta da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais

Especialista em Acupuntura e Técnica de Medicina Tradicional Chinesa

Lilian Cristina Gomes do Nascimento, Universidade de franca

Bolsista Capes de Pós-doc em Promoção da Saúde.Doutora em Pomoção de Saúde pela Universidade de Franca. Mestre em Educação Física e bacharel em Fisioterapia, pela Universidade Federal do Triangulo Mineiro

Glória Lúcia Alves Figueiredo, Docente do Programa de Pós-Graduação em Promoção de Saúde, Universidade de Franca, Franca, São Paulo, Brasil

Doutora em Saúde Pública

Downloads

Publicado

2018-03-11

Como Citar

Castro, G. G. de, Abrahão, C. A. F., Nunes, Ângela X. e, Nascimento, L. C. G. do, & Figueiredo, G. L. A. (2018). Inclusão de alunos com deficiências em escolas da rede estadual: acessibilidade e adaptações estruturais. Revista Educação Especial, 31(60), 93–106. https://doi.org/10.5902/1984686X13590

Edição

Seção

Artigos – Demanda contínua

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.