Cultura, educação e filosofia na perspectiva Nietzschiana

Alexsandro da Silva Marques

Resumo


O presente texto se propõe apresentar algumas reflexões acerca dos escritos nietzschianos “Sobre o futuro de nossos estabelecimentos de ensino” (1871) e “Schopenhauer Educador” (1874). As reflexões sobre educação e cultura partem das experiências do filósofo quando ensinava na universidade de Basiléia/Suíça. Segundo este filósofo, para existir cultura é preciso um projeto educativo, pois não haverá educação sem uma cultura que lhe sirva de apoio. Há uma exacerbada valorização de um tipo de saber, busca-se o acumulado em excesso e sem relação com os contextos culturais e sociais dos indivíduos. Nas críticas nietzschianas percebemos uma luta por uma concepção de educação pautada nas experiências vivas de cada indivíduo, pois a vida é percebida como propulsora de diferentes formas de pensar e conhecer. Assim, podemos extrair em Nietzsche ferramentas contraria a uma cultura de massa destinada a padronização, alienação e competitividade e o ensino de filosofia como uma aliada na denúncia e crítica de nossa sociedade e de seu povo.


Palavras-chave


Educação; Cultura; Filosofia

Texto completo:

PDF

Referências


CHAUÍ, Marilena. Cultura e democracia .En: Crítica y emancipación: Revista latino americana de Ciencias Sociales. Año 1, no. 1 (jun. 2008- ). Buenos Aires: CLACSO, 2008.

DIAS, R. M. Nietzsche educador. 2ª ed. São Paulo: Scipione, 1993.

__________. Nietzsche, vida como obra de arte. Rio de Janeiro:

Civilização Brasileira, 2011.

GALLO, Silvio. Governamentalidade democrática e ensino de Filosofia no Brasil contemporâneo In: Cad. Pesquisa. vol.42 n°.145 São Paulo Jan./Apr. 2012.

MARTON, Scarlet. Nietzsche: a transvaloração dos valores. 2ª ed. São Paulo: Moderna, 2006.

NIETZSCHE, F. W. Além do bem e do mal: prelúdio a uma filosofia do futuro. Tradução: P. C. Souza. 2ª ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

___________. O nascimento da tragédia ou helenismo e pessimismo; tradução, notas e posfácio: J. Guinsburg. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

___________. A Gaia ciência. Tradução: J. J. Faria. - São Paulo: Centauro, 2004.

___________. Aurora. Tradução: Mário D. Ferreira Santos - Petrópolis: Rio de Janeiro: Vozes, 2008.

___________. Crepúsculo dos Ídolos ou como se filosofa com o martelo. Tradução: Edson Bini, Márcio Puglies. - Hemus livraria, São Paulo [200?].

____________. Ecce Homo: como alguém se torna o que se é. Tradução: P. C. Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

____________. Sobre o futuro de nossos estabelecimentos de ensino. In: Escritos sobre Educação. Tradução: N. C. M. Sobrinho. 4ª ed., Rio de Janeiro: PUC; São Paulo: ed. Loyola, 2009.

____________. Sobre verdade e mentira no sentido extramoral. Trad. Helga Hoock Quadrado, Lisboa: Relógios D’Água, 1997.

____________III Consideração intempestiva: Schopenhauer como

educador. In: Escritos sobre Educação. Tradução: N. C. M. Sobrinho. 4ª ed., Rio de Janeiro: PUC; São Paulo: ed. Loyola, 2009.

SOBRINHO, Noéli, C, M. Apresentação: a pedagogia em Nietzsche in: Escritos sobre Educação. Tradução: N. C. M. Sobrinho. 4ª ed., Rio de Janeiro: PUC; São Paulo: ed. Loyola, 2009.

WEBER, José Fernandes. Formação (Bildung), Educação e

Experimentação: sobre as tipologias pedagógicas em Nietzsche. 2008. 172 f. Tese (doutorado em Educação) Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2008.




DOI: https://doi.org/10.5902/2448065724167

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

A Revista Digital de Ensino de Filosofia - REFilo agradece auxílio recebido por meio do Edital Pró-Revistas, da Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa, da Universidade Federal de Santa Maria. 

_____________________________________________________________