As concepções da surdez na voz dos intérpretes de LIBRAS

Luciana Figueiredo de Oliveira, Ivonaldo Leidson Barbosa Lima

Resumo


Os processos educacional e de inclusão de sujeitos surdos no ensino regular, muitas vezes estão resumidos à presença do intérprete de Libras na sala de aula regular. Tais processos, via de regra, parecem estar desconsiderando as singularidades dos sujeitos surdos, e deixando de lado a importância da valorização da cultura e da constituição de identidades surdas em detrimento de práticas educativas baseadas ainda no ensino da língua como objeto pronto e acabado e do sujeito como ser passivo nesse processo. Discutir as concepções de surdez adotadas por interpretes de Libras que atuam no ensino fundamental. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, realizada a partir de entrevistas à intérpretes de Libras que atuam no ensino fundamental, com análise dos dados realizada com base nos pressupostos da análise do conteúdo proposta por Bardin (2011). Provavelmente baseadas em políticas de inclusão para surdos que privilegiam o aspecto linguístico em detrimento ao cultural e identitário, as concepções de sujeito e surdez apresentadas pelos intérpretes de Libras ainda podem ser consideradas reducionistas. Assim, a presença deste profissional no ensino fundamental, como única ou principal alternativa para a educação de sujeitos surdos, não tem possibilitado a constituição de sua identidade e a valorização da cultura surda, não contribuindo para uma educação crítica, responsável e eficaz desses sujeitos. Se faz urgente e necessária a adoção de um modelo educacional que permita o conhecimento e desenvolvimento de relações que, para além do linguístico, valorizem aspectos culturais.


Palavras-chave


Inclusão, Intérprete para surdos, surdez

Texto completo:

PDF HTML

Referências


Bauman, Z. (2005) Identidade. Tradução de Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.

Brasil. (2002) Ministério da Saúde. As Cartas da Promoção da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Projeto Promoção da Saúde.

Brasil. (2005) Ministério da Educação. Decreto n. 5.626 - Regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Brasília.

Brasil. (2008) Ministério da Educação. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva.

Brasil. (2010) Lei nº 12.319, de 1º de setembro de 2010. Regulamentação da profissão de Tradutor e Intérprete da Língua Brasileira de Sinais – LIBRAS. Brasília.

Cavalcanti, M. C. (1999) Estudos sobre educação bilíngue e escolarização em contextos de minorias linguísticas no Brasil. Documentação de Estudos em Lingüística Teórica e Aplicada. São Paulo: Delta 15, pp. 385-418.

Cuche, Denys. (2002) A noção de cultura nas ciências sociais. Trad. Viviane Ribeiro. (2ª ed.). Bauru: EDUSC.

Dorziat, A., Lima, N.M.F., Araújo, J.R. (2007). A inclusão de surdos na perspectiva dos estudos culturais. Rio de Janeiro: Espaço (INES) v. 1, pp. 16-27.

Guarinello, A.C. et al. (2008) O intérprete Universitário da Língua Brasileira de Sinais na cidade de Curitiba. Marilia: Revista Brasileira de Educação Especial, 14, 63-74.

Figueiredo, L C. (2015) O outro na escola: algumas representações a respeito das diferenças. 2015. Tese. Instituto de estudos da Linguagem – UNICAMP. Campinas – SP 2015.

Figueiredo, L.C., Guarinello, A.C. (2013). Literatura infantil e a multimodalidade no contexto de surdez: uma proposta de atuação. Revista Educação Especial (UFSM), 26, 175-192.

Figueiredo, LC. (2008). Grupo de familiares de surdos como um espaço de reflexão ara a surdez. 2008. 145p. Dissertação (Mestrado em Distúrbios da Comunicação). Universidade Tuiuti do Paraná, Curitiba.

Kelman, C. A. (2005). Os diferentes papéis do professor intérprete. Rio de Janeiro: Espaço: Informativo Técnico-Científico, 24, 25-30.

Lacerda, C. B. F. de. (2000). O intérprete de língua de sinais no contexto de uma sala de aula de alunos ouvintes: problematizando a questão. In: C.B.F. de, Lacerda, M. C. R. de., Góes (Org.). Surdez: Processo Educativos e Subjetividade. (1ª ed.). São Paulo: Lovise, pp. 51-84.

Lacerda, C.B.F. (2002) O intérprete educacional de Língua de Sinais no Ensino Fundamental: refletindo sobre limites e possibilidades. In: A.C.B. Lodi, K.M.P., Harrison, S.R.L., Campos, O., Teske (orgs). Letramento e Minorias. (2ª ed.) Porto Alegre: Mediação.

Lacerda, C.B.F., Poletti, J.E. (2009) A escola inclusiva para surdos: a situação singular do intérprete de língua de sinais. In: O., Fávero, W., Ferreira, T., Ireland, D., Barreiros (Org.). Tornar a educação inclusiva. (1ª ed.). Brasília: Unesco/ANPED, 1, 159-176.

Lodi, A.C.B.; Lacerda, C.B.F. fFrmação de professores de Língua Brasileira de Sinais: reflexões sobre o impacto desta ação para a educação. Educação e Filosofia Uberlândia, v. 29, n. especial, p. 279 - 299, 2015.

Lodi, A.C. B. Educação bilíngue para surdos e inclusão segundo a Política Nacional de Educação Especial e o Decreto nº 5.626/05. Educ. Pesqui.,São Paulo, v. 39, n. 1, p. 49 – 63, 2013.

Lopes, M. C. A. (2005) A natureza educável do surdo: a normalização surda no espaço da escola de surdos. In: A. S., Thoma, M. C., Lopes (org.). A invenção da surdez: cultura, ateridade, identidade e diferença no campo da educação. Santa Cruz do Sul: EDUNISC.

Lunardi, M. L. (2005). Educação Especial: institucionalização de uma racionalidade científica. In: A. S., Thoma, M. C., Lopes (org.). A invenção da surdez: cultura, ateridade, identidade e diferença no campo da educação. Santa Cruz do Sul: EDUNISC.

Massi G. A. (2007) A dislexia em questão. São Paulo: Plexus Editora.

Moreira, L.C.; Ansay, N.N.; FERNANDES, S.F. Políticas de acesso e permanência para estudantes surdos ao Ensino Superior. Rev. Teoria e Prática da Educação, v. 19, n.1, p. 49-60, Janeiro/Abril 2016.

Ribeiro, M. L. S., Baumuel, R. C. R. C. (Org.) (2003). Educação Especial: do querer ao fazer. São Paulo: Avercamp.

Rojo, R.H.R., Rocha, C.H.; Gribl, H.; Garcia. F.C. (2008). Gêneros de discurso nos LD de Línguas: multiculturalismo, multimodalidade e letramentos. Rio de Janeiro: Anais do II SILID/ISIMAR – II Simpósio sobre livro didático de Língua Materna e Estrangeira e I Simpósio sobre Materiais e Recursos didáticos.

Sander, R. (2003). A questão do intérprete da Língua de Sinais na universidade. In: A.C.B., Lodi, K.M.P., Harrison, S.R.L., Campos, O., Teske (orgs). Letramento e Minorias (2ª ed.). Porto Alegre: Mediação.

Santana, A.P. e Bergamo. (2005). A Cultura e identidade surdas: encruzilhada de lutas sociais e teóricas. In: Educação e Sociedade. Vol. 26, n. 91, pp. 565 – 582, Campinas-SP.

Santiago, Lacerda. (2016). O intérprete de Libras educacional: o processo dialógico e as estratégias de mediação no contexto da pós-graduação. Belas Infiéis (pp. 165-182, Vol. 5).

Santos, L.F., Lacerda, C.B.F. (2015). Atuação do intérprete educacional: parceria com professores e autoria. Cad. Trad. Florianópolis (pp. 505-533, Vol. 35).

Silva, I. R. (2005). As representações do surdo na escola e na família: entre a (in) visibilização da diferença e da “deficiência”, 2005. 274p. Campinas: Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas.




DOI: https://doi.org/10.5902/1984686X38515

CONTATO:

E-mail: revistaeducacaoespecial.ufsm@gmail.com

Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
Centro de Educação - Lapedoc
Av. Roraima, 1000 - Cidade Universitária
97105-900 - Santa Maria - RS, Brasil.
Telefone: +55 55 3220 8795

Link: https://periodicos.ufsm.br/educacaoespecial

 

ISSN eletrônico: 1984-686X

DOIhttp://dx.doi.org/10.5902/1984686X

Qualis/Capes: Educação A2

Periodicidade: Publicação contínua

O recebimento de artigos caracteriza-se por fluxo contínuo sem que seja possível prever a data de sua publicação.

 

A Revista Educação Especial agradece auxílio recebido por meio do Edital Pró-Revistas, da Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa, da Universidade Federal de Santa Maria. 

 

 Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International (CC BY-NC 4.0)

Contador de visitas
click counter
Contador de visitas

Acessos a partir de 30/11/2016

__________________________________________________