Por que as escolas continuam “laudando” alunos com deficiência intelectual?

Autores

  • Márcia Denise Pletsch Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro https://orcid.org/0000-0001-5906-0487
  • Carla de Paiva Professora das Redes Públicas de Nova Iguaçu e Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.5902/1984686X32902

Palavras-chave:

Deficiência intelectual, ciclo de políticas, avaliação

Resumo

Este artigo discute a avaliação e o encaminhamento de alunos com deficiência intelectual a partir das diretrizes de educação inclusiva contidas na Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. A pesquisa foi realizada com gestores da área de Educação Especial de sete redes de ensino da Baixada Fluminense/RJ. Como referencial teórico e metodológico empregamos a abordagem do ciclo de políticas de Stephen Ball para discutir as várias dimensões que envolvem, ainda hoje, as concepções e práticas avaliativas adotadas nas redes de ensino para garantir ou não o suporte do Atendimento Educacional Especializado (AEE) para estes alunos. Os resultados, entre outros aspectos, mostraram a predominância do modelo médico com uso do laudo, em detrimento do modelo social e de direitos, nas práticas avaliativas adotadas pelas redes de ensino. A investigação também sinalizou a manutenção e, até mesmo, a ampliação das parcerias público-privado no processo de avaliação destes sujeitos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Márcia Denise Pletsch, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro

Professora Associada do Departamento Educação e Sociedade e do Programa de Pós-Graduação em Educação, Contextos Contemporâneos e Demandas Populares (PPGEduc) da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ). Jovem Cientista do Nosso Estado da FAPERJ e pesquisadora do CNPq. E-mail: marciadenisepletsch@gmail.com

Carla de Paiva, Professora das Redes Públicas de Nova Iguaçu e Rio de Janeiro

Mestre em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação, Contextos Contemporâneos e Demandas Populares (PPGEduc) da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ). Professora das Redes Municipais de Educação de Nova Iguaçu e Rio de Janeiro. E-mail: car_pv@hotmail.com

Publicado

2018-10-09

Como Citar

Pletsch, M. D., & Paiva, C. de. (2018). Por que as escolas continuam “laudando” alunos com deficiência intelectual?. Revista Educação Especial, 31(63), 1039–1054. https://doi.org/10.5902/1984686X32902

Edição

Seção

Dossiê – Avaliar, diagnosticar, medir: das práticas avaliativas a avaliações em larga escala na Educação Especial