O ensino de física para jovens com deficiência intelectual: uma proposta para facilitar a inclusão na escola regular

Angela Maria dos Santos, Paulo Simeão Carvalho, Janeide Lima Alecrim

Resumo


Este trabalho é uma pesquisa que possui o intuito de encontrar e divulgar métodos que facilitem o processo de aprendizagem no ensino de Física, para jovens e adolescente, com deficiência intelectual e/ou défice cognitivo. O projeto foi desenvolvido com estudantes do terceiro ciclo do ensino público de Portugal, com idades entre quinze e dezessete anos, atendidos pela educação especial da escola, mas que frequentam sala de aula regular. O objetivo geral foi perceber quais os métodos e ferramentas pedagógicas que promovem ou facilitam a aprendizagem científica, considerando, neste caso, o ensino de Física. Foram escolhidos três estudantes de séries diferentes, com deficiências cognitivas de níveis diferentes e foram feitos encontros semanais individuais e avaliou-se, através de elementos que foram definidos como evidências do aprendizado, o que os diferentes métodos poderiam auxiliar na compreensão dos conceitos que haviam sido trabalhados em sala. Utilizou-se métodos distintos de ensino com diferentes ferramentas pedagógicas, apoiadas no trabalho de Vygotsky e, através da Taxonomia de Bloom, definiu-se o nível de aprendizagem para cada tópico trabalhado. Foi possível confirmar que para que exista realmente uma escola inclusiva é necessário que os métodos tradicionais de ensino sejam mudados, que os trabalhos em grupo e as tecnologias educacionais sejam utilizadas em sala de aula e que também sejam considerados currículos adaptados para cada caso.


Palavras-chave


Educação Inclusiva; Ensino de Física; Deficiência Intelectual

Texto completo:

PDF

Referências


ANDERSON, L.W., et al. A taxonomy for learning, teaching and assessing: a revision of Bloom's taxonomy of educational objectives. Nova York: Addison Wesley Longman. 2001.

BLOOM, B.S.; HASTINGS, J.T.; MADANS, G.F.. Handbook on Formative and Sommative Evaluation of Student Learning. New York: McGraw Hill. 1971.

CAMARGO, E.P; VIVEIROS, E.R.; NARDI. R.. Trabalhando conceitos de óptica e eletromagnetismo com alunos com deficiência visual e videntes. X Encontro de Ensino de Física. Londrina. PR. Anais. 2006.

CARVALHO, E.N.S.; MACIEL, D.M.M.A.. Nova concepção de deficiência mental segundo a American Association on Mental Retardation - AAMR:sistema 2002. Temas em psicologia. v.11, n.2, 2003.

GONÇALVES, C.E.S; VAGULA, E.. Modificabilidade cognitiva estrutural de Reuven Feuerstein: uma perspectiva educacional voltada para o desenvolvimento cognitivo autônomo. IX ANPED Sul. Seminário em Pesquisa em Educação da Região Sul. Caxias do Sul. RS. Anais. 2012.

FERNANDÉZ, A.. Os idiomas do aprendente. Porto Alegre. Artmed. 2001.

FERRAZ, A.P.C.M.; BELHOT, R.V.. Taxonomia de Bloom: revisão teórica e apresentação das adequações do instrumento para definição de objetivos instrucionais. São Carlos. Gestão e Produção. v.17, n.2, 2010.

FEUERSTEIN, R. Instrumental Enrichment – An Intervention Program for Cognitive Modificability, Glenview, Illinois: Scott, Foresman and Company, 1980.

FREIRE, P.. Pedagogia do Oprimido. São Paulo. Editora Paz e Terra. 23 impressão. 1994.

LUCKASSON, R.; BORTHWICK-DUFFY, S.; BUNTINX, W. H. H.; COULTER, D. L.; Craig, E. M.; REEVE, A.; Snell, M. E. et al.. Mental Retardation – definition, classification, and systems of support. Washington, DC: American Association on Mental Retardation. 2002

MANTOAN, M.T. E.. Educação escolar de deficientes mentais: Problemas para a pesquisa e o desenvolvimento. Scielo Brasil. CEDES. Unicamp. SP. jan/abril, 46, 1999.

MANTOAN, M.T. E.. Inclusão escolar: O que é? Por quê? Como fazer? São Paulo. Summus Editorial. 2015.

PORTUGAL, Lei de 27 de agosto de 2009 Estabelece o regime da escolaridade obrigatória e dá outras providências. Diário da República, 1a série, n. 166. Portugal. 2009.

SAMPAIO, C.T.; SAMPAIO, S. MR.. Educação Inclusiva: o professor mediando para a vida. Salvador. EDUFBA. 2009.

UNESCO, Declaração de Salamanca e Enquadramento da Acção na Área das Necessidades Educativas Especiais. Instituto de Inovação Educacional, Lisboa, 1994.

VYGOTSKY, L.S.. Mind in Society - The development of higher psychological processes. Cambridge. MA: Harvard Univesity Press. 1978.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1984686X27590

CONTATO:

E-mail: revistaeducacaoespecial.ufsm@gmail.com

Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
Centro de Educação - Lapedoc
Av. Roraima, 1000 - Cidade Universitária
97105-900 - Santa Maria - RS, Brasil.
Telefone: +55 55 3220 8795

Link: https://periodicos.ufsm.br/educacaoespecial

 

ISSN eletrônico: 1984-686X

DOIhttp://dx.doi.org/10.5902/1984686X

Qualis/Capes: Educação A2

 

 

Periodicidade – Publicação contínua


O recebimento de artigos caracteriza-se por fluxo contínuo sem que seja possível prever a data de sua publicação.

 

 Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International (CC BY-NC 4.0)

Contador de visitas
click counter
Contador de visitas

Acessos a partir de 30/11/2016

____________________________________________________