The Importance of the Rescue and Preservation of Medicinal Plants in the North region in the last twenty years

Renato Abreu Lima, Reinato Andrade Tembo Xavier, Felipe Sant' Anna Cavalcante

Abstract


The objective of this research was to survey published works on medicinal plants in the North Region, analyzing their use and preparation. Given its importance for human beings as well as for other living beings, the preservation of this precious asset on our planet Earth is very pertinent. The method for this study was quantitative, based on works published in the period from 1999 to 2019 with an emphasis on medicinal plants used in the treatment and cure of diseases. Visits to the communities, in the work under study, were analyzed for consultations in the region in order to improve capacities and data on medicinal plants. We found that the most used vegetable species were Lamiaceae, Asteraceae, Fabaceae, Rutaceae, Poaceae, Acanthaceae, Allismataceae, Amarantaceae, Anacardiaceae, Annonaceae, Meliaceae, Musaceae, Myrtaceae, Lauraceae, Malvaceae, Bromeliaceae, Cactaceae, Araceae, Apiaceae, Apocynaceae, Aristolochiaceae and others. Other records were people planting medicinal plants, collecting plant seeds, are used to make infusions to treat toothache, cough, flu, diarrhea and skin diseases.


Keywords


Conservation. Sustainable development. Medicinal plants.

Full Text:

HTML

References


ALARCÓN JGS. Levantamento florístico e etnobotânico em um hectare de floresta de terra firme na região do Médio Rio Negro, Roraima, Brasil. [Dissertação] Instituto de Pesquisa Jardim Botânico do Rio de Janeiro, Escola Nacional de Botânica Tropical, 2005, 101 p.

ALBUQUERQUE UP, HANAZAKI N. As pesquisas etnodirigidas na descoberta de novos fármacos de interesse médico e farmacêutico: fragilidades e pespectivas. Revista Brasileira de Farmacognosia. 2006; 16(1): 678-689.

ALMEIDA IA, SOUSA RT. O Benefício das Plantas Medicinais na utilização pelos Professores em Uma Escola Pública. Volume I. Universidade Estadual Londrina – Paraná; 2015, 5p.

BORBA AM, MACEDO M. Plantas medicinais usadas para a saúde bucal pela comunidade do bairro Santa Cruz, Chapada dos Guimarães, MT. Brasil. Acta botânica Brasilica. 2006; 20(4): 771-782.

BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística-IBGE. Os indígenas no Censo Demográfico 2010, primeiras considerações com base no quesito corou raça. Rio de Janeiro, 2012.

BRASIL. Fundação Nacional do Índio – FUNAI. Índios no Brasil - Quem São?. Acesso em: 10 de fevereiro de 2020.

CAJAIBA RL, SILVA WB, SOUSA RDNS, ALEX SD. Levantamento etnobotânico de plantas medicinais comercializadas no município de Uruará, Pará. Revista Biotemas. 2016; 29(1): 115-131.

CARNEIRO DB, BARBOZA MSL, MENEZES MP. Plantas nativas úteis na Vila dos Pescadores da Reserva Extrativista Marinha Caeté-Taperaçu, Pará, Brasil. Revista Acta botânica brasílica. 2010; 24(4): 1027-1033.

CASTRO AV, PINTO MN, LIMA RA. A importância de pesquisas fitoquímicas para a Amazônia Brasileira. In: SILVA, JRC, VIANA ÁL, LINS-NETO NFA. editors. Percepção socioambiental nas múltiplas áreas do conhecimento. 1ed. Curitiba: CRV, 2019, p. 201-210.

COSTA RGA. Os Saberes Populares da Etnociência no Ensino das Ciências Naturais: Uma Proposta Didática para Aprendizagem Significativa. Revista Didática Sistêmica. 2008; 8(1): 162-172.

DUTRA MG. Plantas medicinais, fitoterápicos e saúde pública: um diagnóstico situacional em Anápolis, Goiás, Brasil. [Dissertação] Centro Universitário de Anápolis – UniEvangélica. Anápolis; 2009. 30 p.

FILHO RB. Contribuição da Fitoquímica Para o Desenvolvimento de um País Emergente. Química Nova. 2010; 33(1): 229-239.

HAVERROTH M. Ensino e a pesquisa em Etnoecologia e Etnobiologia na Região Norte do Brasil. Ethnoscentia. 2018; 3(2): 1-6.

LEANDRO YAS, JARDIM IN, GAVILANES ML. Uso de Plantas Medicinais nos Cuidados de Saúde dos Moradores de Assentamento no Município de Anapu, Pará, Brasil. Biodiversidade. 2017; 16(2): 30-44.

LIMA RA, MAGALHÃES SA, SANTOS, MRA. Levantamento Etnobotânico de Plantas Medicinais Utilizadas na Cidade de Vilhena, Rondônia. Revista Pesquisa & Criação. 2011; 10(2): 165-179.

LIMA RA, PIRES LSS, VIERA NG. A educação ambiental e o uso de plantas medicinais utilizadas pela população do distrito de União Bandeirante-Rondônia. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental. 2014; 18(4): 1351-1360.

LÖBLER L, SANTOS D, RODRIGUES EDS, SANTOS NRZD. Levantamento etnobotânico de plantas medicinais no bairro Três de Outubro da cidade de São Gabriel, RS, Brasil. Revista Brasileira de Biociências. 2014; 12(2): 81-89.

MACIEL MAM, PINTO AC, VEIGA JR, GRYNBERG NF, VALDIR FAE. Plantas Medicinais: A Necessidade de Estudos Multidisciplinares. Química Nova. 2002; 25(3): 429-438.

MERA JCE, ROSAS LV, LIMA RA, PANTOJA TMA. Conhecimento, percepção e ensino sobre plantas medicinais em duas escolas públicas no município de Benjamin Constant-AM. Experiências em Ensino de Ciências. 2018; 13(2): 62-79.

OLIVEIRA FCD, ALBUQUERQUE UP, FONSECA-KRUEL, VIVIANE SD, HANAZAKI N. Avanços nas pesquisas etnobotânicas no Brasil. Acta Botânica Brasília. 2009; 23(2): 590-605.

OLIVEIRA-MELO, PAULA MCD, KRUEL-FONSECA, VIVIANE AS, LUCAS FCA, FERREIRA-CEOLHO M. Coleções etnobotânicas no Brasil frente à estratégia global para a conservação de plantas. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. 2019; 14(2): 665-676.

ROCHA R, MARISCO G. Estudos etnobotânicos em comunidades indígenas no Brasil. Revista Fitos. 2016; 10(2): 155-162.

RUZZA DAC, GÖTTERT V, ROSSI AAB, DARDENGO JDFE, SILVA IVD. Levantamento Etnobotânico no Municipio de Alta Floresta, Mato Grosso, Brasil. Revista Enciclopédia biosfera. 2014; 10(18): 3331-3343.

SALES MDC, SARTOR EB, GENTILLI RML. Etnobotânica e etnofarmacologia: medicina tradicional e bioprospecção de fitoterápicos. Revista Salus Journal of Health Scienses. 2015; 1(1): 17-26.

SOARES FP, FRAGA AF, NEVES JPO, ROMERO NR, BANDEIRA MAM. Estudo etnofarmacológico e etnobotânico de Himatanthus drasticus (Mart.) Plumel (janaguba). Revista Brasileira de Plantas Medicinais. 2015; 17(4): 900-908.

TOMCHINSKY B, MING LC, KINUPP VF, HIDALGO AF, CHAVES FCM. Ethnobotanical study of antimalarial plants in the middle region of the Negro River. Acta Amazonica. 2017; 47(3): 1-10.

VÁSQUEZ SPF, MENDONÇA MSV, NODA SDN. Etnobotânica de plantas medicinais em comunidades ribeirinhas do Município de Manacapuru, Amazonas. Acta Amazonica. 2014; 44(4): 1-16.

VEIGA JB, ESCUDELLER VV. Etnobotânica e medicina popular no tratamento de malária e males associados na comunidade ribeirinha Julião – baixo Rio Negro (Amazônia Central). Revista Brasileira de Plantas Medicinais. 2015; 17(4): 737-747.

VICENTINI A. As Florestas de Terra Firme. In: OLIVEIRA AA, DALY D. (ed.). Florestas do Rio Negro. The New York Botanical Garden, New York; 2001. 143-177.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2179460X40129

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Copyright (c) 2020 Ciência e Natura

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.