Avaliação da educação infantil: um subcampo social em disputa

Raquel Hissae Nagase, Amir Limana, Mário Luiz Neves de Azevedo

Resumo


O objetivo deste artigo é analisar a avaliação da educação infantil, com base nas perspectivas indicadas por Souza (2014): uma com ênfase nas condições de oferta e outra com foco no desempenho dos alunos. Inicialmente, são apresentados alguns conceitos que fundamentam a análise, cuja base se encontra na teoria de campo, de Pierre Bourdieu, e na tese de Agenda Globalmente Estruturada para a Educação (AGEE), de Roger Dale. Tratar sobre esses conceitos contribui para compreender a importância que a avaliação da educação passa a ter no contexto de reestruturação do Estado, bem como a preocupação da implementação de uma avaliação da primeira etapa da educação com caráter gerencialista. Posteriormente, o objetivo é apontar alguns retrocessos envolvendo a educação infantil que, de certo modo, convergem com uma das perspectivas propostas. Ao mostrar o debate sobre a avaliação dessa etapa, percebe-se que a avaliação da educação infantil é um objeto em disputa no campo educacional, mas também é um subcampo em que instrumentos, metodologias e resultados estão em disputa.


Palavras-chave


Avaliação; Educação infantil; Campo educacional.

Texto completo:

PDF HTML

Referências


ARELARO, Lisete Regina Gomes; JACOMINI, Márcia Aparecida; KLEIN, Sylvie Bonifácio. O ensino fundamental de nove anos e o direito à educação. Revista Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 37, n. 1, 220p. 35-51, jan./abr. 2011.

AZEVEDO, Mário Luiz Neves de. As formas não conformadas do pensamento de Pierre Bourdieu: uma análise de certas categorias. In: TASSO, Ismara (org.). Estudos do texto e do discurso: interfaces entre a língua(gens), Identidade e memória. São Carlos: Editora Claraluz, 2008. p. 229-240.

AZEVEDO, Mário Luiz Neves de. Educação e Benchmarking: meta-regulação e coordenação de políticas baseadas em indicadores e nas chamadas ‘boas-práticas’. Anais do XXIV Seminário Nacional UNIVERSITAS/BR. Universidade Estadual de Maringá, 18 a 20 de maio de 2016. Disponível em: http://www.ppe.uem.br/xxivuniversitas/anais/trabalhos/e_6/6-008.pdf. Acesso em: 30 maio 2018, p. 1407-1442.

AZEVEDO, Mário Luiz Neves de. de. Educação superior: bem público ou mercadoria? In: OLIVEIRA, Dalila Andrade; FELDFEBER, Myriam; MARTÍNEZ, Deolidia (orgs.). Nuevas regulaciones educativas en América Latina: universidad y docencia. Lima: UCH, 2010. p. 159-191.

BARBIERI, Aline Fabiane; AZEVEDO, Mário Luiz Neves de. A mercadorização da educação superior no Brasil: reflexões e apontamentos a partir de Albert Hirschman – saída, voz e lealdade. In: AZEVEDO, Mário Luiz Neves de; VOLSI, Maria Eunice França; MIRANDA, Paula Roberta (Orgs.). Educação Superior: as diversas faces da expansão. Maringá: Eduem, 2017. p. 67-84.

BOURDIEU, Pierre. Razões práticas: sobre a teoria da ação. Tradução: Mariza Corrêa. 11. ed. Campinas, SP: Papirus, 2011.

BOURDIEU, Pierre. Questões de sociologia. Rio de Janeiro: Editora Marco Zero Limitada, 1983.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso: 6 jan. 2017.

BRASIL. Plano Nacional de Educação (PNE). Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Brasília, DF. 2014. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13005.htm. Acesso em: 30 maio 2018.

BRASIL. MEC, Secretaria da Educação Básica. Indicadores da Qualidade na Educação Infantil. Brasília: MEC/SEB, 2009.

BRASIL. MEC. SEB. Monitoramento do uso dos Indicadores da Qualidade na Educação Infantil. Brasília: MEC/SEB, 2011a.

BRASIL. MEC. Portaria nº 1.747, de 16 de dezembro de 2011. Institui Grupo de Trabalho de Avaliação da Educação Infantil. Brasília: MEC, 2011b.

BRASIL. Contribuições para a Política Nacional: a avaliação em educação infantil a partir da avaliação de contexto. Curitiba: Imprensa/UFPR; Brasília: MEC/SEB/COEDI, 2015.

BRASIL. MEC. Educação Infantil: subsídios para a construção sistemática de avaliação. Brasília: MEC/SEB/COEDI, 2012.

BRASIL. MEC. Portaria nº 826, de 7 de julho de 2017. Dispõe sobre o Pacto Nacional pela Alfabetização – PNAIC, suas ações, diretrizes gerais e a ação de formação no âmbito do Programa Novo Mais Educação PNME. Brasília: MEC, 2017. Disponível em: http://pacto.mec.gov.br/images/pdf/legislacao/portaria_mec_826_alterada.pdf. Acesso em 30 maio 2018.

CAMPOS, Maria Malta. Entre as políticas de qualidade e a qualidade das práticas. Cadernos de Pesquisa, v. 43, n. 148, p. 22-43, jan./abr. 2013.

CATANI, Afrânio Mendes. Pierre Bourdieu: um estudo da noção de campo e de suas apropriações brasileiras nas produções educacionais – propostas de trabalho. In: AZEVEDO, M. L. N. de. Políticas públicas e educação: debates contemporâneos. Maringá: Eduem, 2008. p. 231-250.

CORREA, Bianca Cristina. Educação infantil e ensino fundamental: desafios e desencontros na implantação de uma nova política. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 37, n. 1, p. 105-120, jan./abr. 2011.

CORREA, Bianca Cristina; ANDRADE, Érika Natacha F. de. Infância e vivências formativas na educação infantil: qual o sentido das avaliações padronizadas nessa etapa educacional? Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 5, n. 9, p. 275-289, jul./dez. 2011.

CORRÊA, Bianca Cristina. A educação infantil. In: OLIVEIRA, Romualdo Portela de; ADRIÃO, Theresa.; CATANI, Afrânio Mendes; et. al. (org.). Organização do ensino no Brasil: níveis e modalidades na Constituição Federal e na LDB. 2. ed. São Paulo: Xama, 2007. p. 13-30.

CORRÊA, Bianca Cristina. Considerações sobre qualidade na educação infantil. Cadernos de Pesquisa, n. 119, p. 85-112, jul. 2003.

DALE, Roger. Globalização e educação: demonstrando a existência de uma “cultura educacional mundial comum” ou localizando uma “agenda globalmente estruturada para a educação”?. Educação & Sociedade, Campinas, v. 25, n. 87, p. 423-460, maio/ago. 2004.

DALE, Roger. A sociologia da educação e o Estado após a globalização. Educação & Sociedade, Campinas, v. 31, n. 113, p. 1099-120, out.-dez. 2010.

DIAS SOBRINHO, José. Avaliação como instrumento da formação cidadã e do desenvolvimento da sociedade democrática: por uma ético-epistemologia da avaliação. In: RISTOFF, Dilvo; ALMEIDA

JÚNIOR, Vicente de Paula (org.). Avaliação participativa: perspectivas e desafios. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2005. p. 15-38.

DIAS SOBRINHO, José. Avaliação educativa: produção de sentidos com valor de formação. Avaliação, Campinas; Sorocaba, SP, v. 13, n. 1, p. 193-207, mar. 2008.

ESTEBAN, Maria Teresa. Considerações sobre a política de avaliação da alfabetização: pensando a partir do cotidiano escolar. Revista Brasileira de Educação, v. 17, n. 51, p. 573-743, set.-dez., 2012.

FILGUEIRAS, Alberto. Adaptação transcultural e avaliação psicometrica do Ages and Stages Questionnaires (ASQ) em creches públicas da cidade do Rio de Janeiro. 2011. 170f. Dissertação (Mestrado em Psicologia). Pontifícia Universidade Católica, Rio de Janeiro, 2011.

FREITAS, Luiz Carlos de. PNE: mesmo caminho, mesmo buraco. Avaliação educacional – blog do Freitas. 2014. Disponível em: https://avaliacaoeducacional.com/2014/11/22/pne-mesmo-caminho-mesmo-buraco/. Acesso em: 30 maio 2018.

FREITAS, Luiz Carlos de. Vem aí PISA para as crianças de 5 anos. In: FREITAS, Luiz Carlos de. Avaliação educacional – blog do Freitas. 2017. Disponível em: https://avaliacaoeducacional.com/2017/12/07/vem-ai-pisa-para-criancas-de-5-anos/. Acesso em: 30 maio 2018.

MACÊDO, Lenilda Cordeiro de; DIAS, A. A. A educação da primeira infância no Brasil entre os séculos XIXI e XX. Anais do IX Seminário Nacional de Estudos e Pesquisas “História, Sociedade e Educação no Brasil”. Universidade Federal da Paraíba. João Pessoa, 31 de julho a 3 de agosto de 2012.

RIO DE JANEIRO (Cidade). Secretaria Municipal de Educação. Manual de uso do ASQ-3. Guia rápido para aplicação do ASQ-3. Rio de Janeiro: SME, 2010.

ROBERTSON, Susan L. “Situando” os professores nas agendas globais de governança. Rev. Teoria e Prática da Educação, v. 15, n. 2, p. 09-24, maio./ago. 2012.

ROSEMBERG, Fúlvia. Políticas de educação infantil e avaliação. Cadernos de Pesquisa, v. 43, n. 148, p. 44-75, jan./abr. 2013.

ROSEMBERG, Fúlvia. Qualidade na educação infante: uma perspectiva internacional. In: Simpósio Nacional de Educação Infantil, I. Anais... Brasília, 1994, p. 154-156.

SOUZA, Sandra Zákia. Avaliação da educação infantil: propostas em debate no Brasil. Interacções, n. 32, p. 68-88, 2014.




DOI: https://doi.org/10.5902/1984644433550

CONTATO:

E-mail: revistaeducacaoufsm@gmail.com

Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
Centro de Educação - Lapedoc - Prédio 16
Av. Roraima, 1000 - Cidade Universitária
97105-900 - Santa Maria - RS, Brasil.
Telefone: +55 55 3220 8795

Link: https://periodicos.ufsm.br/reveducacao


ISSN Eletrônico: 1984-6444

DOI: http://dx.doi.org/10.5902/19846444

Qualis/Capes: Educação A1

Periodicidade: Publicação contínua

O recebimento de artigos caracteriza-se por fluxo contínuo sem que seja possível prever a data de sua publicação.

 

A Revista Educação (UFSM) agradece auxílio recebido por meio do Edital Pró-Revistas, da Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa, da Universidade Federal de Santa Maria. 

This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International (CC BY 4.0).

Contador de visitas
click counter
Contador de visitas

Acessos a partir de 30/11/2016

____________________________________________________

    

SalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvar