Estrutura da regeneração natural em Floresta Ombrófila Mista na Floresta Nacional de São Francisco de Paula, RS.

Igor da Silva Narvaes, Doádi Antônio Brena, Solon Jonas Longhi

Resumo


O presente trabalho teve por objetivo caracterizar a regeneração natural, pela análise fitossociológica, em Floresta Ombrófila Mista na Floresta Nacional de São Francisco de Paula (entre 29°23' e 29°27' S e 50°23' e 50°25' W), para fornecer subsídios à recuperação e conservação desses ecossistemas, e descrever as possibilidades de utilização futura da regeneração natural. Foram amostradas 180 subunidades de 100 m² (10 x 10 m) nas quais foram medidas a altura total (h) dos indivíduos com h  1,30 m, com circunferência mínima de 3,0 cm, até o máximo de 30,0 cm. A densidade total foi de 7.984 indivíduos/ha, pertencentes a 109 espécies, 88 gêneros e 46 famílias botânicas, além de indivíduos mortos, cipós e espécies não identificadas, com índice de diversidade de Shannon-Weaver (H') de 2,22. As espécies mais importantes foram Casearia decandra, Stillingia oppositifolia e Sebastiania brasiliensis. A Araucaria angustifolia apesar de ser a espécie fisionomicamente mais destacada e de maior interesse econômico da Floresta Ombrófila Mista apresentou valores baixos em todos os parâmetros avaliados, necessitando a implementação de tratamentos silviculturais e plantios de enriquecimento que beneficiem a sua regeneração.


Palavras-chave


regeneração natural; estrutura; <i>Araucaria angustifolia</i>; Floresta Ombrófila Mista

Texto completo:

PDF

Referências


AMADOR, D. B.; VIANA, V.M. Dinâmica de “capoeiras baixas” na restauração de um fragmento florestal. Scientia Forestalis, Piracicaba, n. 57, p. 69-85, jun. 2000.

ANDRADE, L. A.; PEREIRA, I. M.; DORNELAS,G. V. Análise da vegetação arbóreo-arbustiva, espontânea, ocorrente em taludes íngremes no município de Areia – Estado da Paraíba. Revista Árvore, Viçosa, v. 26, n. 2, p. 165-172, 2002.

ARAUJO, M. M. Vegetação e mecanismos de regeneração em fragmento de Floresta Estacional Decidual Ripária, Cachoeira do Sul, RS, Brasil. 2002. 153p. Tese (Doutorado em Engenharia Florestal) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2002.

ARAUJO, P.A. et al. Estructura diamétrica de bosques en regeneración del chaco semiarido santiagueño. SIMPÓSIO BRASILEIRO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA FLORESTAL, 2., 2001, Santa Maria. Anais... Santa Maria: UFSM, 2001. p. 211-230.

BACKES, P.; IRGANG, B. Árvores do sul: guia de identificação & reconhecimento ecológico. Porto Alegre: Ed. Pallotti, 2002. 325p.

BACKES, A.; NARDINO, M. Árvores, arbustos e algumas lianas nativas no Rio Grande do Sul. São Leopoldo: Ed. UNISINOS, 1998. 202p.

BLANC, L.; MAURY-LECHON, G.; PASCAL, J. P. Structure, floristic composition and natural regeneration in the forests of Cat Tien National Park, Vietnam: an analysis of the successional trends. Journal of Biogeography, v. 27, p. 141-157, 2000.

CALDATO, S. L.; FLOSS, P. A; DA CROCE, D. M.; LONGHI, S. J. Estudo da regeneração natural, banco de sementes e chuva de sementes na reserva genética florestal de Caçador, SC. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 6, n. 1, p. 27-38, 1996.

CALEGARI, J. Tamanho ótimo da unidade amostral para estudo da regeneração natural de uma Floresta Ombrófila Mista. Santa Maria: UFSM, 1999. 80p. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) -Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 1999.

CARVALHO, J.O.P. Inventário diagnóstico da regeneração natural da vegetação em área da Floresta Nacional de Tapajós. Belém: EMBRAPA-CPATU, 1980. 20p. (EMBRAPA-CPATU. Boletim de pesquisa, 2).

CARVALHO, P.E.R. Espécies florestais brasileiras: recomendações silviculturais, potencialidades e uso da madeira. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, Centro Nacional de Pesquisas Florestais. Colombo: EMBRAPA-CNPF; Brasília: EMBRAPA-SPI, 1994. 640p.

DANIEL, O.; JANKAUSKIS, J. Avaliação de metodologia para o estudo do estoque de sementes do solo. Série IPEF, Piracicaba, v. 41-42, p. 18-26, 1989.

ELIASSON, L.; LAGESON, H.; VALINGER, E. Influence of sapling height and temperature on damage to advance regeneration. Forest Ecology and Management, Amsterdan, v. 175, p. 217-222, 2003.

GAMA J. R. V. et al. Estrutura e potencial futuro de utilização da regeneração natural de floresta de várzea alta no município de Afuá, Estado do Pará. Ciência Florestal, v. 13, n. 2, p. 71-83, 2003.

GUARIGUATA, M. R.; PINARD, M. A. Ecological knowledge of regeneration from seed in neotropical forest trees: Implications for natural forest management. Forest Ecology and Management. Amsterdan, v. 112, p. 87-99, 1998.

HORA, R. C.; SOARES, J. J. Estrutura fitossociológica da comunidade de lianas em um floresta estacional semidecidual na Fazenda Canchin, São Carlos, SP. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 25, n. 3, p. 323-329, 2002.

IBAMA - INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS. Instrução Normativa n. 4 de 04/03/02. Brasília: IBAMA, 2002, 31p.

INOUE, M. T. Regeneração Natural: Seus problemas e perspectivas para as Florestas Brasileiras. Curitiba: FUPEF, 1979. 22p. (Série Técnica, 1).

JARDIM, F. C. S. Comportamento da regeneração natural de espécies arbóreas em diferentes intensidades de desbaste por anelamento, na região de Manaus – AM. 1995. 169p. Tese (Doutorado em Ciência Florestal) – Universidade Federal de Viçosa, Vo osa 1995.

JARENKOW, J. A. Composição florística e estrutura da Mata com Araucária na Estação Ecológica de Aracuri, Esmeralda, Rio Grande do Sul. 1985. 86p. Dissertação (Mestrado em Ciências Biológicas) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, òrto Alegre, 1985.

LADEIRA, H. P. Quatro décadas de Engenharia Florestal no Brasil. Viçosa: Sociedade de Investigações Florestais, 2002. 207p.

LAMPRECHT, H. Silvicultura nos trópicos: ecossistemas florestais e respectivas espécies arbóreas – possibilidades e métodos de aproveitamento sustentado. Dt. Ges. Für Techn. Zusammenarbeit (GTZ), 1990.

LONGHI, R. A Livro das árvores: árvores e arvoretas do sul. Porto Alegre: Ed. L&PM, 1995. 176p.

LONGHI, S. J. A estrutura de uma floresta natural de Araucaria angustifolia (Bert.) Ktze, no sul do Brasil. 1980. 198p. Dissertação (Mestrado em Ciência Florestal) – Setor de Ciências Agrárias – Universidade Federal do Paraná, Belém, 1980.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Nova Odessa: Ed. Plantarum, 1998. 352p. v. 1.

MARCHIORI, J.N.C. Dendrologia das angiospermas: das magnoliáceas as flacurtiáceas. Santa Maria: Ed. da UFSM, 1997. 271p.

MARTINS, F.R. Estrutura de uma floresta mesófila. Campinas: UNICAMP, 1991. 246p.

MAUHS, J. ; BACKES, A. Estrutura fitossociológica e regeneração natural de um fragmento de Floresta Ombrófila Mista exposta a Perturbações Antrópicas. Botânica, n. 52, p. 89-109, 2002.

MORENO, J. A. Clima do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Secretaria da Agricultura, 1961. 42p.

NARVAES, I. S. Classificação e caracterização da regeneração natural em Floresta Ombrófila Mista na Floresta Nacional de São Francisco de Paula, RS. 2004. 143p. Dissertação (Mestrado em Manejo Florestal) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2004.

NEGRELLE, R. R. B. “composição florística, estrutura fitossociológica e dinâmica de regeneração da floresta Atlântica na Reserva Volta Velha, Mun. Itapoã, SC”.São Carlos: UFSC, 1995. 225p. Tese (Doutorado em Ecologia) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos,1995.

RODERJAN, C. V. Morfologia do estágio juvenil de 24 espécies arbóreas de uma floresta de Araucária. 1983. 148p. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 1983.

REITZ, R.; KLEIN, R. M.; REIS, A. Projeto Madeira do Rio Grande do Sul. Sellowia, Itajaí, n. 34-35, p. 1-525, 1983.

ROLLET, B. Lárchitecture de forêts denses humides sempervirens de Plaine. Norgent sur Marne: Centre Technique Forestier Tropical, 1974. 297p.

SEMA/UFSM-RS. Governo do Estado. Secretaria Estadual do Meio Ambiente. Relatório Final do Inventário Florestal Contínuo do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2001. 706p. v.1, 2.

SEMA/UFSM-RS. Governo do Estado. Secretaria Estadual do Meio Ambiente. Inventário Florestal Contínuo do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2002. 14p. (Fôlder).

SILVA MENDES, I. M. aplicação do método de amostragem de strand para estimação da densidade na regeneração natural de espécies arbóreas e arbustivas tropicais na amazônia ocidental. Curitiba: UFPR, 1998. 90p. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais) –Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 1998.

SMITH, L. B.; DOWNS, R. J.; KLEIN, R. M. Euforbiáceas In: REITZ, P. R. (Ed.). Flora ilustrada Catarinense. Itajaí: Herbário Barbosa Rodrigues, 1988. 408p.

SOUZA, F. M. Estrutura e dinâmica do estrato arbóreo e da regeneração natural em áreas restauradas. 2000. 69p. Dissertação (Mestrado em Ciência Florestal) – Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Piracovaba,2000.

STRECK, E. V. et al. Solos do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: EMATER/RS, UFRGS, 2002. 107p.

VIEIRA, G. Análise estrutural da regeneração natural, após diferentes níveis de exploração em uma floresta tropical úmida. manaus: INPA, 1987. 164p. Dissertação (Mestrado em Ciências Biológicas) – Fundação Universidade do Amazonas, 1987.

VOLPATO, M. M. L. Regeneração natural em uma floresta secundária no domínio de Mata Atlântica: uma análise fitossociológica. Viçosa: UFV, 1994. 123p. Dissertação (Mestrado em Ciência Florestal) – Universidade Federal de Viçosa,Viçosa, 1994.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/198050981871

Licença Creative Commons