Caracterização da vegetação e espécies para recuperação de mata ciliar, Ijuí, RS

Angela Luciana de Avila, Maristela Machado Araujo, Solon Jonas Longhi, Ezequiel Gasparin

Resumo


As matas ciliares constituem corredores ecológicos e possibilitam a preservação da biodiversidade e dos recursos hídricos. A manutenção dessas funções ecológicas, muitas vezes, necessita da recuperação ambiental desses ecossistemas. Dessa forma, este estudo teve como objetivo caracterizar a vegetação arbórea e identificar espécies para a recuperação em áreas de mata ciliar. O estudo foi realizado em dois fragmentos nas margens direita e esquerda do rio Ijuí, município de Ijuí, RS. A vegetação foi inventariada em dez faixas sistemáticas, com comprimento variando de 17 a 35 m, perpendiculares ao rio, com distância de 50 m entre si, as quais foram subdivididas em parcelas de 10 x 10 m, totalizando 21, onde foram identificados e medidos todos os indivíduos com circunferência a 1,3 m do solo (CAP) ≥ 15 cm. Os dados obtidos no inventário foram utilizados na caracterização florística e estrutural da vegetação, na análise de agrupamento (TWINSPAN) e serviram de base na indicação de espécies para recuperação. Nos dois fragmentos, foram identificadas 38 espécies distribuídas em vinte famílias botânicas. Os três agrupamentos formados caracterizaram diferentes estágios sucessionais. Para a recuperação ambiental de áreas perturbadas, com características ambientais semelhantes, sugere-se o uso de Ateleia glazioviana, Helietta apiculata, Dalbergia frutescens e Parapiptadenia rigida como facilitadoras da sucessão. O plantio de Eugenia uniflora e Prunus myrtifolia pode auxiliar na atração da fauna dispersora. As espécies Cupania vernalis e Pilocarpus pennatifolius podem ser utilizadas no enriquecimento de áreas em estágio mais avançado da sucessão florestal.

Palavras-chave


Floresta Estacional Decidual; fitossociologia; TWINSPAN; espécies indicadoras

Texto completo:

PDF

Referências


ARAUJO, M. M. et al. Análise de agrupamento da vegetação de um fragmento de Floresta Estacional Decidual Aluvial, Cachoeira do Sul, RS, Brasil. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 14, n. 1, p. 133-147. 2004.

ATTANASIO, C. M. Manual Técnico: Restauração e monitoramento da Mata Ciliar e da Reserva Legal para a Certificação Agrícola – Conservação da Biodiversidade na Cafeicultura. Piracicaba: IMAFLORA, 2008. 60 p.

BACKES, P.; IRGANG, B. Árvores do Sul: guia de identificação e interesse ecológico. Santa Cruz do Sul: Instituto Souza Cruz, 2002. 326 p.

BOURGERON, P. S. Spatial aspects of vegetation structure. In: GOLLEY, F. B. (Org.) Tropical rain forest-ecosystems: structure and function. Amsterdam: Elsevier Scientific Publishing, 1983. Cap.3, p. 29-47.

BROWER, J. E.; ZAR, J. H. Field and laboratory methods for general ecology. 2nd ed., Iowa: Brown Publishers, 1984. 226 p.

BUDKE, J. C. et al. Florística e fitossociologia do componente arbóreo de uma floresta ribeirinha, arroio Passo das Tropas, Santa Maria, RS, Brasil. Acta Botanica Brasílica, São Paulo, v. 3, n. 18, p. 581-589, 2004.

CARPANEZZI, A. A. Fundamentos para a reabilitação de ecossistemas florestais. In: GALVÃO, A. P. M.; PORFÍRIO-DA-SILVA, V. (Orgs.) Restauração Florestal: Fundamentos e Estudos de Caso. Colombo: Embrapa Florestas, 2005. Cap.2, p. 27-45.

CARVALHO, P. E. R. Espécies Arbóreas Brasileiras. Colombo: Embrapa Florestas, 2003. 1039 p. v. 1.

DAJOZ, R. Princípios de Ecologia. Porto Alegre: ARTMED, 2006. 519 p.

DURLO, M. A. et al. A composição e estrutura da mata secundária no vale do rio Jacuí, RS. Ciência e Natura, n. 4, p. 129-139, 1982.

FELFILI, J. M.; VENTUROLI, F. Tópicos em análise de vegetação. Brasília: Universidade de Brasília/Departamento de Engenharia Florestal, 2000. 34 p.

FERRETTI, A. R. Modelos de Plantio para a Restauração. In: GALVÃO, A. P. M.; MEDEIROS, A. C. de S. (Editores Técnicos). Restauração da Mata Atlântica em Áreas de sua Primitiva Ocorrência Natural. Colombo: Embrapa Florestas, 2002. Cap. 4, p. 35-43.

KENT, M.; COKER, P. Vegetation description analyses. London: Behaven Press, 1992. 363 p.

KILKA, R. V. Alguns aspectos florísticos e estruturais de uma floresta de galeria no sul da Planície Costeira do Rio Grande do Sul. 2002. 74 f. Monografia (Bacharelado em Ciências Biológicas)–Universidade Federal de Pelotas, 2002.

LEITE, P. F. Contribuicão ao conheciemento Fitoecológico do Sul do Brasil. Ciência & Ambiente, Santa Maria, v. 1, n. 1, p. 51-73, 2002.

MARIOT, A. A biodiversidade em usinas hidrelétricas. Meio Ambiente. 28 jun. 2007. Online. Disponível em: http://www.revistameioambiente.com.br/2007/06/28/a-biodiversidade-em-usinas-hidreletricas/. Acesso em: 28 de abril 2009.

MATTEUCCI, S. D.; COLMA, A. Metodologia para el estudio de la vegegetación. Washington: Secretaria General de la Organización de los Estados Americanos – Programa Regional de Desarrollo y Tecnológico, 1982. 169 p.

MORENO, J. A. Clima do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Secretaria da Agricultura, 1961. 42 p.

QUADROS, F. L. F. de; PILLAR, V. de P. Transições floresta-campo do Rio Grande do Sul. Ciência & Ambiente, Santa Maria, v. 1, n. 1, p. 109-118, 2002.

RAMBALDI, D. M.; OLIVEIRA, D. A. S. (Orgs.). Fragmentação de ecossistemas: causas, efeitos sobre a biodiversidade e recomendações de políticas públicas. 2. ed. Brasília: MMA/SBF, 2005. 510 p.

REITZ, P. et al. Projeto Madeira do Rio Grande do Sul. Itajaí: Herbário Barbosa Rodrigues, 1983. 525 p.

RICKLEFS, R. E.; MILLER, G. L. Ecology. 4. ed. New York: W. H. Freeman and Company, 1999. 821 p.

RIO GRANDE DO SUL. Governo do Estado, Secretaria Especial do Meio Ambiente. Diretrizes ambientais para restauração de Matas Ciliares. Porto Alegre: SEMA/DEFAP, 2007. 32 p.

ROSA, S. F. et al. Aspectos florísticos e fitossociológicos da Reserva Capão de Tupanciretã, RS, Brasil. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 18, n. 1, p. 15-25, 2008.

SANTOS, R. F. (Org.) Vulnerabilidade Ambiental. Brasília: MMA, 2007. 192 p.

SEMA/UFSM-RS. Governo do Estado. Secretaria Estadual do Meio Ambiente. Relatório Final do Inventário Florestal Contínuo do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, Santa Maria: 2002. 706 p.

SOBRAL, M. et al. Flora arbórea e arborescente do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Rima-NovoAmbiente, 2006. 350 p.

STRECK, E.V. et al. Solos do Rio Grande do Sul. 2. ed. Porto Alegre: EMATER/RS–ASCAR, 2008. 222 p.

TOWNSEND, C. R. et al. Fundamentos em Ecologia. Porto Alegre: ARTMED, 2006. 592 p.

VACCARO, S. et al. Aspectos da composição florística e categorias sucessionais do estrato arbóreo de três Subseres de uma Floresta Estacional Decidual, no município de Santa Tereza – RS. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 9, n. 1, p. 1-18, 1999.

VACCARO, S.; LONGHI, S. J. Análise fitossociológica de algumas áreas remanescentes da Floresta do Alto Uruguai, entre os rios Ijuí e Turvo, no Rio Grande do Sul. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 5, n. 1, p. 33-53, 1995.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/198050983229

Licença Creative Commons