Composição florística e estrutura da comunidade arbórea de um fragmento florestal no município de Santa Maria, Brasil.

Solon Jonas Longhi, André R. Terra Nascimento, Frederico Dimas Fleig, Jocelaine Bolzan Della-Flora, Rosane Amaral de Freitas, Leandro Schwertner Charão

Resumo


O presente estudo objetiva descrever a composição florística e a estrutura de uma comunidade arbórea em um fragmento florestal e discutir algumas características dendrométricas das espécies componentes do mesmo. Esta comunidade enquadra-se na região da Floresta Estacional Decidual, estando localizada no Município de Santa Maria, na região da Depressão Central do Estado do RS. Foram locadas, de maneira sistemática, 18 parcelas de 200 m² no interior do fragmento. Na área amostrada foram mensuradas 56 espécies vegetais com CAP ³ 15 cm, distribuídas em 46 gêneros e 28 famílias botânicas. As famílias Rutaceae, Rubiaceae, Flacourtiaceae e Myrsinaceae apresentaram as maiores riquezas em relação ao número de espécies e indivíduos. Helietta apiculata, Casearia sylvestris, Faramea  marginata, Myrsine umbellata, Chomelia obtusa e Cabralea canjerana foram as espécies mais importantes da comunidade vegetal estudada. As alturas variaram de 3,5 m, para árvores do estrato inferior até 22 m, para árvores emergentes. A maior parte das árvores vegetam em baixa competição, pois apresentam relação h/d igual ou inferior a 1. Pela distribuição das freqüências das circunferências, verifica-se que 42,25% dos indivíduos tem CAP entre 15 e 25 centímetros e que somente 4,25% tem CAP superior a 65 cm.

Palavras-chave


Composição Florística; Dendrometria; Floresta Estacional Decidual.

Texto completo:

PDF

Referências


ABETZ, P. Beitrage zum Baumwaschstums der h/d-wert. FHW, v 19, n 31, p.103-107, 1976.

BARBOSA, L.M. Ecological significance of Gallery Forests, including biodiversity. In: INTERNATIONAL SIMPOSIUM ON ASSESMENT AND MONITORING OF FORESTS IN TROPICAL DRY REGIONS WITH SPECIAL REFERENCED TO GALLERY FORESTS, 1996, Brasília. Proceedings ... Brasília: UNB, 1997, p.158-181.

CAIN, S. A.; CASTRO, G.M.O., PIRES, J.N.; SILVA, N.T. Application of some phytossociological thechiniques of Brazilian Rain Forest. Amer. J. Bot., v. 7, n. 2, p.91-106, 1956.

CLUTER, A. Nested faunas and extinction in fragmented habitats. Corservation Biology, v. 5, p. 496-505, 1991.

COSTA, L.G.S.; MANTOVANI, W. Flora Arbustiva-arbórea de um trecho de mata Mesófila Semidecídua, na Estação Ecológica de Ibicatu, Piracicaba (SP). Hoehnea, v. 22, n. 12, p. 47-49, 1995.

CURTIS, J.T. & MACINTOSH, R.P. The interrelation of certain analytic and synthetic phytossociological characters. Ecology, v. 31, p. 345-355, 1951.

DAUBENMIRE, R. Plant communities- a textbook of plant synecology. New York: Harper & row, 1968. 300 p.

DILLENBURG, C.R.; PORTO, M.L. Flora ilustrada do Rio Grande do Sul: Rubiaceae. Porto Alegre: Instituto de Biociências, 1985. 76 p.

FINOL, H. Nuevos parametros a considerarse en el analisis de las selvas virgenes tropicales. Ver. For. Venez. , Mérida, v. 14 , n . 21, p. .29-42, 1971.

FONT-QUER, P. Dicionário de Botânica Barcelona: Labor, 1975. 1244 p.

FÖERSTER, M. Strukturanalyses eines tropischen Regenwaldes in Kolumbien. Allg Forst-uj-ztg, Wien, v. 14, n. 1, p. 1-8, 1973.

BRASIL. Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Florestal. Inventário Florestal Nacional - Florestas Nativas do Rio Grande do Sul. Brasília: Ed. Gráfica Brasileira Ltda., 1983. 345 p.

KAGEYAMA, P.Y. Conservação “In situ” de recursos genéticos de plantas. IPEF, v. 35, p.7-40, 1987.

KELLMAN, N.C. Plant geography. London: Meethmen, 1975. 135 p.

KLEIN, R.M. Importância sociológica das mirtáceas nas florestas rio-grandenses In: CONGRESSO NACIONAL DE BOTÂNICA, 34., 1984, Manaus. Anais..., Manaus: 1984, p..367-375.

LAMPRECHT, H. Ensaio sobre unos metodos para el analisis estructural de los bosques tropicales. Rev. For. Venez., Mérida, v. 13, n. 2, p. 57-65, 1962.

LAMPRECHT, H. Ensaio sobre la estrutura floristica de la parte sur-oriental del Bosque Universitário “El Caimital”-Estado de Barinas. Rev. For. Venez., Mérida, v. 7, n. 10-11, p.77-119, 1964.

LEITE, P.F. & KLEIN, R.M. Vegetação In: IBGE Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Geografia do Brasil: Região Sul. Rio de Janeiro: IBGE, 1990. p. 113-150.

LONGHI, S.J. A estrutura de uma floresta natural de Araucaria angustifolia (Bert.) O. KTZE. no sul do Brasil. Curitiba: 1980 198 p. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais) - Setor de Ciências Agrárias, Universidade Federal do Paraná.

LONGHI, S.J.; SELLE, G.L.; RAGAGNIN, L.I.M.; DAMIANI, J.E. Composição florística e estrutura fitossociológica de um “Capão “ de Podocarpus lambertii Klotz, no Rio Grande do Sul Ciência Florestal, Santa Maria, v. 2, p. 9-26, 1992.

MARTINS, F.R. Estrutura de uma floresta mesófila. Campinas: UNICAMP, 1991. 246 p.

MOGROVEJO, R.K. & CABALLERO, J.D. Algunas caracteristicas dasonomicas en los diferentes estadios del bosque secundario In: SIMPÓSIO DO TRÓPICO ÚMIDO, 1., 1986, Belém. Anais... Belém: EMBRAPA-CPATU, 1986. p.185-195.

MONTOYA-MAQUIN, J.M. El acuerdo Yangambi (1956) como base para una nomenclatura de tipos de vegetacion en el trópico americano. Turrialba, v. 16, n. 2, p. 169-180, 1966.

MOSER, J.M. Solos In: IBGE. Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Geografia do Brasil: Região Sul. Rio de Janeiro: 1990. p. 85-111.

MUELLER-DOMBOIS, D. & ELLEMBERG, H. Aims and methods of vegetation ecology. New york: John Wiley & Sons, 1974. 547 p.

NASCIMENTO, A.R.T.; LONGHI, S.J.; ALVAREZ-FILHO, A.; GOMES, G.S. Análise da diversidade florística e dos sistemas de dispersão de sementes em um fragmento florestal na região central do estado do RS. NAPAEA, n. 12, 1998 (no prelo).

NIMER, E. Clima In: IBGE Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Geografia do brasil: Região Sul. Rio de Janeiro: 1990. p.151-187.

OOSTING, H.J. The study of plant communities. 2 ed. San Francisco: W H Freeman and Company, 1956. 440 p.

PIELOU, E.C. Ecological Diversity. New York: Jonh Wiley, 1975. 165 p.

RANKIN-DE-MERONA, J.M. & ACKERLY, D. Estudos populacionais de árvores em Florestas fragmentadas e as implicações para conservação “in situ” das mesmas na Amazônia Central. IPEF, Piracicaba, v. 35, p. 47-59, 1987.

REED, R. A.; JOHNSON-BARNARD, J.; BAKER, W. Fragmentation of a Forested Rocki Mountain Landscape, 1950-1993. Biological Conservation, n. 75, p. 267-277, 1996.

SCHMIDT, M.V.C.; MARCHIORI, J.N.C.; NASCIMENTO, A.R.T.; ALVAREZ-FILHO, A. Relações histórico-florísticas, fotossociologia e aspectos ecológicos do alecrim (Holocalix balansae Mich.) em floresta primária na região de Formigueiro-RS. Ciência e Natura, Santa Maria, v. 15, p. 161-183, 1993.

TABARELLI, M. Flora arbórea da Floresta Estacional Baixo-montana no município de Santa Maria, RS. In: CONGRESSO NACIONAL SOBRE ESSÊNCIAS NATIVAS, 2., 1992, São Paulo. Anais..., São Paulo: Instituto Florestal, 1992. p.260-268.

TOMÉ, M.V.D.F. & VILHENA, A.H.T. Estrutura diamétrica como índice de regeneração de algumas espécies do estrato arbóreo do Parque Estadual Mata São Francisco. In: FOREST`96: SIMPÓSIO INTERNACIONAL SOBRE ECOSSISTEMAS FLORESTAIS, 4., 1996, Belo Horizonte. Anais..., Belo Horizonte: 1996. p.14-15.

VACCARO, S. Caracterização fitossociológica de três fases sucessionais de uma floresta Estacional Decidual, no município de Santa Tereza - RS. Santa Maria: 1997. 92 p. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais) - Centro de Ciências Rurais, Universidade Federal de Santa Maria.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/19805098371

Licença Creative Commons