ANÁLISE DE AGRUPAMENTOS EM REMANESCENTE DE FLORESTA ESTACIONAL DECIDUAL

Clarice Maboni de Almeida, Maristela Machado Araujo, Solon Jonas Longhi, Ana Paula Rovedder, Marta Silvana Volpato Sccoti, Márcia d’Avila, Suelen Carpenedo Aimi, Thaíse Da Silva Tonetto

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/1980509819682

O objetivo desse estudo foi analisar a presença de agrupamentos na vegetação de um remanescente de Floresta Estacional Decidual, caracterizado como um enclave côncavo, em terreno com declividade acentuada e solo arenoso, entre campos característicos da região. As espécies arbóreas e arbustivas com CAP (circunferência a altura de 1,3 m do solo) ≥ 15 cm foram amostradas em duas classes de tamanho. Na amostragem dos indivíduos da Classe I (CAP ≥ 30 cm) foram utilizadas 14 parcelas de 20 x 100 m, divididas em subparcelas (10 x 10 m). Os indivíduos da Classe II (15 ≤ CAP < 30 cm) foram observados em 70 subparcelas. Para análise de agrupamentos foi utilizado o programa TWINSPAN, que indicou dois grupos (G1 e G2) bem definidos na Classe I e um grupo relativamente homogêneo na Classe II (sub-bosque). No grupo G1 ocorreram as espécies indicadoras Trichilia claussenii, Cupania vernalis e Crysophyllum marginatum; e no grupo G2 Luehea divaricata e Sebastiania commersoniana. Em relação à estrutura horizontal, essas espécies estiveram entre as três mais importantes nos respectivos grupos. No sub-bosque, as espécies com maior valor de importância foram Actinostemon concolor, Trichilia claussenii, Trichilia elegans, Eugenia rostrifolia e Sorocea bonplandii. Essas espécies, por predominarem na vegetação arbórea, apresentam papel fundamental na estabilização de encostas, considerando que estão adaptadas às áreas com declividade acentuada e solos rasos, destacando-se Cupania vernalis e Trichilia claussenii em ambientes menos alterados e Luehea divaricata e Sebastiania commersoniana em ambientes mais susceptíveis às interferências.


Palavras-chave


fitossociologia; espécies indicadoras; grupo ecológico.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, C. M. de. Relação solo-fitossociologia em um remanescente de Floresta Estacional Decidual. 2010. 74 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal)-Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2010.

ARAUJO, M. M.; et al. Análise de Agrupamento da Vegetação de um Fragmento de Floresta Estacional Decidual Aluvial, Cachoeira do Sul, RS, Brasil. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 14, n. 1, p. 133-147, 2004.

BACKES, P.; IRGANG, B. Árvores do sul: guia de identificação e reconhecimento ecológico. Santa Cruz do Sul: Instituto Souza Cruz, 2002. 325 p.

BROWER, J. E.; ZAR, J. H. Field and laboratory methods for general ecology. 2nd ed. Iowa: Brown Publishers, 1984. 226 p.

CARVALHO, P. E. R. Espécies Arbóreas Brasileiras. Brasília, DF: Embrapa Informação Tecnológica; Colombo, PR: Embrapa Florestas, v. 2, 2006. 627 p.

CRESTANA, M. de S. M. et al. Florestas – Sistema de Recuperação com Essências Nativas, Produção de Mudas e Legislações. 2. ed. Campinas: CATI, 2006. 248 p.

DENSLOW, J. S. Tropical rainforest gaps and tree species diversity. Annual Review of Ecology evolution and Systematics, Polo Alto, v. 18. p. 431-451. 1987.

FARIAS, J. A. et al. Estrutura fitossociológica de uma Floresta Estacional Decidual na região de Santa Maria, RS. Ciência Florestal, Santa Maria, n. 4, v. 1. p. 109-128, 1994.

FELFILI, J. M.; REZENDE, R. P. Conceitos e métodos em fitossociologia. Brasília: Universidade de Brasília, 2003. 68 p. (Comunicações Técnicas Florestais, 5)

FELFILI, J. M. et al. Análise multivariada em estudos de vegetação. Brasília: Universidade de Brasília, Departamento de Engenharia Florestal, 2007, 60 p.

HILL, M. O.; BUNCE, R. G. H.; SHAW, M. V. Indicator species analysis, a divisive polythetic metrod of classification, and its application, to a survey of native penewoods in Scotland. The Journal of Ecology, Oxford, v. 63, n. 2, p. 597-613, 1975.

HILL, M. O. TWINSPAN: a FORTRAN program for arranging multivariate data in na ordered two way table by classification of individual and attributes. Ithaca: Cornell University, 1979. 60 p.

LONGHI, S. J.; et al. Composição florística e estrutura da comunidade arbórea de um fragmento florestal no município de Santa Maria-Brasil. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 9, n. 1, p. 115-133, 1999.

LORENZI, H. Árvores Brasileiras: Manual de identificação e Cultivo de Plantas Arbóreas Nativas do Brasil. Nova Odessa SP: Instituto Plantarum, 2002a. 381 p. v.1.

LORENZI, H. Árvores Brasileiras: Manual de identificação e Cultivo de Plantas Arbóreas Nativas do Brasil. Nova Odessa SP: Instituto Plantarum, 2002b. 381 p. v. 2.

McCUNE, B.; MEFFORD, M. J. PC-ORD: multivariate analysis of ecological data. Version 5. Gle

neden Beach: MjM Software, 2006.

MORO, M. F.; MARTINS, F. R. Métodos de levantamento do componente arbóreo-arbustivo. In: FELFILI, J. M. et al. Fitossociologia no Brasil: Métodos e estudos de casos. Viçosa: Ed. UFV. 2011. 174-211.

MUELLER-DOMBOIS, D.; ELLENBERGER, H. Aims and Methods of vegetation Ecology. New York: Jonh Wiley & Sons, 1974. 547 p.

ODUM, E. Fundamentos de ecologia. 5. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1997. 927 p.

RIBEIRO, S. B.; et al. Diversidade e Classificação da Comunidade Arbórea da Floresta Ombrófila Mista da Flona de São Francisco de Paula, RS. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 17, n. 2, p. 101-108, 2007. 85-103.

RIO GRANDE DO SUL. Secretaria Estadual do Meio Ambiente. Departamento de Florestas e Áreas Protegidas. Diretrizes ambientais para restauração de matas ciliares. Porto Alegre: SEMA, 2007. 33 p.

SCIPIONI, M. C. et al. Regeneração Natural de um Fragmento da Floresta Estacional na Reserva Biológica do Ibicuí-Mirim (RS). Revista Floresta, Curitiba, v. 39, n. 3, p. 675-690, 2009.

SCIPIONI, M. C. et al. Análise dos padrões florísticos e estruturais de uma comunidade arbórea-arbustiva em um gradiente de solo e relevo. In: SCHUMACHER, M. V. et al. (Orgs.). A Floresta Estacional Subtropical: caracterização e ecologia no rebordo do Planalto Meridional. Santa Maria: Pallotti, 2011.

SCCOTI, M. S. V. et al. Mecanismos de Regeneração Natural em Remanescente de Floresta Estacional Decidual. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 21, n. 3, p. 459-472, 2011.




DOI: https://doi.org/10.5902/1980509819682

Licença Creative Commons