REGENERAÇÃO NATURAL DO COMPONENTE ARBÓREO APÓS A MORTALIDADE DE UM MACIÇO DE TAQUARA EM UM FRAGMENTO DE FLORESTA OMBRÓFILA MISTA EM LAGES - SC

Kristiana Fiorentin dos Santos, Tiago de Souza Ferreira, Pedro Higuchi, Ana Carolina da Silva, Paula Búrigo Vandresen, Adriano da Costa, Grasiela Spada, Verônica Schmitz, Franciele de Souza

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/1980509817467

O presente trabalho teve como objetivo analisar a composição florística e a estrutura da regeneração natural em um setor onde ocorreu a mortalidade sincronizada de um maciço de taquara (Merostachys multiramea Hackel) (CT) e em uma área adjacente, com dossel contínuo e ausência de taquara (ST), em um fragmento de Floresta Ombrófila Mista Montana em Lages - SC. Foram alocadas 14 unidades amostrais de 5 x 5 m (seis no setor CT e oito no setor ST), nas quais todos os indivíduos arbóreos regenerantes com circunferência a altura do peito (CAP) ≤ 15 cm e altura ≥ 25 cm foram identificados e mensurados (diâmetro do colo). As famílias com maior riqueza de espécies foram: Myrtaceae (nove), Solanaceae (seis) e Aquifoliaceae (quatro). O setor ST apresentou um índice de diversidade de Shannon de 2,73 e o setor CT apresentou o valor de 2,31. Solanum variabile, Piptocarpha angustifolia, Mimosa scabrella, Jacaranda puberula e Solanum pseudoquina foram as espécies de maior valor de importância (VI) no setor CT. As espécies de maior VI no setor ST foram Myrsine lorentziana, Casearia decandra, Cinnamodendron dinisii, Drimys brasiliensis e Ilex paraguariensis. Os resultados mostraram que a mortalidade sincronizada de indivíduos de taquara influenciou na variação espacial dos descritores florísticos e estruturais da regeneração natural de espécies arbóreas.


Palavras-chave


Merostachys multiramea; componente regenerante; descritores fitossociológicos.

Texto completo:

PDF

Referências


BROKAW, N. V. L. Gap-phase regeneration of three pioneer tree species in a tropical forest. Journal of Ecology, Oxford, v. 75, p. 9-19. 1987.

BUDKE, J. C. et al. Bamboo dieback and tree regeneration responses in a subtropical forest in South America. Forest Ecology and Management, Amsterdam, v. 260, p. 1345-1349. 2010.

CALDATO, S. L. et al. Estudo da regeneração natural, banco de sementes e chuva de sementes na reserva genética florestal de Caçador, SC. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 6, n. 1, p. 27-38. 1996.

GUILHERME, F. A. G. et al. Effects of flooding regime and woody bamboos on tree community dynamics in a section of tropical semideciduous forest in South-Eastern Brazil. Plant Ecology, Dordrecht, v. 174, p. 19-36. 2004.

HIGUCHI, P. et al. Spatial patterns of a tropical tree species growing under an eucalyptus plantation in South-East Brazil. Brazilian Journal of Biology, São Carlos, v. 70, n. 2, p. 271-277. 2010.

HIGUCHI, P. et al. Influência de variáveis ambientais sobre o padrão estrutural e florístico do componente arbóreo em um fragmento de Floresta Ombrófila Mista Montana, em Lages, SC. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 22, n. 1, p. 79-90, 2012.

HIGUCHI, P. et al. Florística e estrutura do componente arbóreo e análise ambiental de um fragmento de Floresta Ombrófila Mista Alto-montana no município de Painel, SC. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 23, n. 1, p. 153-164, 2013.

IBGE. Manual técnico da vegetação brasileira. Rio de Janeiro: Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 1992. 92 p. (. Série: Manuais técnicos em geociências n.1).

LARPKERN, P.; MOE, S. R.; TOTLAND, O. Bamboo dominance reduces tree regeneration in a disturbed tropical forest. Oecologia, Berlin, v. 165, n. 1, p. 165-168. 2011.

LIEBSCH, D.; REGINATO, M. Florescimento e frutificação de Merostachys skvortzovii Sendulsky (taquara-lixa) no estado do Paraná. Iheringia, Porto Alegre, v. 64, n. 1, p. 53-56. 2009.

MAROD, D. et al. Structural dynamics of a natural mixed deciduous forest in western Thailand. Journal of Vegetation Science, v. 10, n. 6, p. 777-786. 1999.

MONTGOMERY, R. A.; CHAZDON, R. L. Light gradient partitioning by tropical tree seedlings in the absence of canopy gaps. Oecologia, Berlin, v. 131, p. 165-174. 2002.

MULLER-DOMBOIS, D.; ELLENBERG, H. Aims and of vegetation ecology. New York: John Wiley & Sons, 1974. 547 p.

NASCIMENTO, A. R. T.; LONGHI, S. J.; BRENA, A. D. Estrutura e padrões de distribuição espacial de espécies arbóreas em uma amostra de Floresta Ombrófila Mista em Nova Prata, RS. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 11, n. 1, p. 105-119. 2001.

OKSANEN, J. et al. Vegan: Community Ecology Package. R package version 1.17-2. Disponível em: <(http://CRAN.R-project.org/package=vegan)> Acesso em: 15 de dezembro de 2010.

R DEVELOPMENT CORE TEAM. R: A language and environment for statistical computing. R Foundation for Statistical Computing, 2010. Disponível em: <(http://www.R-project.org)> Acesso em: 15 de dezembro de 2010.

ROSSI, J. P. Rich: species richness estimation and comparison. R package version 0.1. Disponível em: <(http://CRAN.R-project.org/package=rich)> Acesso em 15 de abril de 2011.

SCHMIDT, R. A tribo Bambuseae Nees (Poaceae, Bambusoideae) no Rio Grande do Sul, Brasil. 2008. 137 f. Dissertação (Mestrado em Botânica) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

SCHNITZER, S.; DALLING, J. W.; CARSON, W. P. The impact of lianas on tree regeneration in tropical forest canopy gaps: evidence for an alternative pathway of gap-phase regeneration. Journal of Ecology, Oxford, v. 88, n. 4, p. 655-666. 2000.

SEGER, C. D. et al. Levantamento florístico e análise fitossociológica de um remanescente de floresta ombrófila mista localizado no município de Pinhais, Paraná-Brasil. Floresta, Curitiba, v. 35, n. 2, p. 291-302. 2005.

SILVA, M. M.; GANADE, G. M. S.; BACKES, A. Regeneração natural em um remanescentes de Floresta Ombrófila Mista, na Floresta Nacional de São Francisco de Paula, Rio Grande do Sul, Brasil. Pesquisas Botânicas, São Leopoldo, v. 61, p. 259-278, 2010.

SILVA, A. C. et al. Relações florísticas e fitossociologia de uma Floresta Ombrófila Mista Montana secundária em Lages, Santa Catarina. Ciência Florestal, Santa Maria, v.22, n.1, p. 193-206, 2012.

SWAINE, M.D.; WHITMORE, T.C. On the definition of ecological species groups in tropical rain forests. Vegetatio, Dordrecht, v. 75, n.1, p. 81-86, 1988.

TABARELLI, M.; MANTOVANI, W. Gap-phase regeneration in a tropical montane forest: the effects of gap structure and bamboo species. Plant Ecology, Dordrecht, v. 148, p. 149-155. 2000.

TER BRAAK, C. J. F. Ordination. In: JONGMAN, R. H. G.; TER BRAAK, C. J. F.; VAN TONGEREN, O. F. R. Data analysis in community and landscape ecology. Cambridge: Cambridge University Press, 1995. p. 91-173.

VEENENDAAL, E. M. et al. Response of west African forest tree seedlings to irradiance and soil fertility. Functional Ecology, London, v. 10, n. 4. p. 501-511. 1996.




DOI: https://doi.org/10.5902/1980509817467

Licença Creative Commons