REGENERAÇÃO NATURAL EM UMA FLORESTA COM ARAUCÁRIA: INFERÊNCIAS SOBRE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DA COMUNIDADE DE ESPÉCIES ARBÓREAS

Guilherme Neto dos Santos, Pedro Higuchi, Ana Carolina Silva, Klerysson Julio Farias, Felipe Domingos Machado, Edilaine Duarte, Caroline Fernandes, Francielle Vieira, Rafaela Schröeder Amaral, Vanessa de Aguiar, Felipe Fornara Walter, Bruna Mores, Miguel Angelo Reis

Resumo


O presente estudo teve como objetivo caracterizar a composição florística do componente regenerante e relacioná-la ao componente arbóreo adulto de um fragmento de Floresta Ombrófila Mista no Sul do Brasil, com o propósito de inferir sobre os processos de construção da comunidade de espécies arbóreas na área. Para isto, foram utilizadas cinco transecções de 100 x 20 m, alocadas em um fragmento florestal localizado no município de Lages-SC. Cada transecção foi formada por cinco parcelas, distantes 20 m entre si, subdividas em tamanhos distintos de acordo com a classe de tamanho da planta avaliada. Os componentes regenerante e adulto foram comparados quanto à organização florístico-estrutural (Análise de Variância Multivariada Permutacional e Análise de Espécies Indicadoras), riqueza (rarefação), distribuição espacial dos indivíduos das populações (Índice de Morisita Padronizado) e padrões de coexistência e segregação das espécies nas parcelas (Índice de C-score). Os resultados demonstraram diferenças significativas entre adultos e regenerantes em relação à similaridade florístico-estrutural e riqueza. O componente adulto apresentou maior proporção de populações com distribuição espacial aleatória e menor coexistência de espécies nas parcelas, em relação ao componente regenerante. Infere-se que a construção da comunidade está sujeita a processos ecológicos distintos, cujas intensidades de atuação dependem do estágio ontogenético considerado.


Palavras-chave


Floresta Ombrófila Mista; organização florístico-estrutural; padrões de distribuição espacial; coexistência de espécies

Texto completo:

PDF

Referências


AIDE, T. M. et al. Forest regeneration in a chronosequence of tropical abandoned pastures: implications for restoration ecology. Restoration ecology, Hoboken, v. 8, n. 4, p. 328-338, 2000.

ANGIOSPERM PHYLOGENY GROUP. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG III. Botanical Journal of the Linnean Society, Londres, v. 161, n. 2, p. 105-121, 2009.

CALDATO, S. L. et al. Estudo da regeneração natural, banco de sementes e chuva de sementes na Reserva Genética Florestal de Caçador, SC. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 6, n.1, p. 27-38, 1996.

CALLEGARO, R. M. et al. Regeneração natural de espécies arbóreas em diferentes comunidades de um remanescente de Floresta Ombrófila Mista, Ciência Rural, Santa Maria, v. 45, n. 10, 1795-1801, 2015.

CAPITÁN, J. A.; CUENDA, S.; ALONSO, D. How similar can co-occurring species be in the presence of competition and ecological drift? Journal of the Royal Society Interface, London, v. 12, n. 110, 2015.

CARUSO, T; POWELL, J. R.; RILLIG, M. C. Compositional divergence and convergence in local communities and spatially structured landscapes. PloSone, San Francisco, v. 7, n. 4, p. e35942, 2012.

GAMA, J. R. V.; BOTELHO, S. A.; BENTESGAMA, M. M. Composição florística e Estrutura da regeneração natural de floresta secundária de Várzea Baixa no Estuário Amazônico. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 26, n. 5, p. 559-566, 2002.

GANDOLFI, S.; JOLY, C. A.; RODRIGUES, R. R. Permeability-impermeability: canopy trees as biodiversity lter. Sciencia Agricola, Piracicaba, v. 64, n. 4, p. 433-438, 2007.

GAVIN, D. G.; PEART, D. R. Spatial structure and regeneration of Tretamerista glabra in peat swamp rain forest in Indonesian Borneo. Plant Ecology, New York, v. 131, n. 2, p. 223-231, 1997.

GOTELLI, N. J.; ENTSMINGER, N. J. Swap algorithms in null model analysis. Ecology, Hoboken, v. 84, n. 2, p. 532-535, 2003.

GÖTZENBERGER, L. et al. Ecological assembly rules in plant communities-approaches, patterns and prospects. Biological Reviews, Hoboken, v. 87, n. 1, p. 111-127, 2012.

HIGUCHI, P. et al. Fatores determinantes da regeneração natural em um fragmento de floresta com araucária no planalto catarinense. Scientia Forestalis, Piracicaba, v. 43, n. 106, p. 251-259, 2015.

HIGUCHI, P. et al. Florística e estrutura do componente arbóreo e análise ambiental de um fragmento de Floresta Ombrófila Mista Alto-Montana no município de Painel, SC. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 23, n. 1, p. 153-164, 2013.

HIGUCHI, P. et al. Floristic composition and phytogeography of the tree component of Araucaria Forest fragments in southern Brazil. Brazilian Journal of Botany, São Paulo, v. 35, n. 2, p. 145-157, 2012a.

HIGUCHI, P. et al. Influência de variáveis ambientais sobre o padrão estrutural e florístico do componente arbóreo, em um fragmento de Floresta Ombrófila Mista Montana em Lages, SC. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 22, n. 1, p. 79-90, 2012b.

IBGE. Manual técnico da vegetação brasileira. Rio de Janeiro: Fundação IBGE, 2012. 271 p.

JABOT, F.; ETIENNE, R. S.; CHAVE, J. Reconciling neutral community models and environmental filtering: theory and empirical test. Oikos, Hoboken, v. 117, n. 9, p. 1308-1320, 2008.

JANZEN, D. H. Herbivores and the number of tree species in tropical forests. The American naturalist, Chicago, v. 104, n. 940, p. 501-528, 1970.

KANIESKI, M. R. et al. Diversidade e padrões de distribuição espacial de espécies no estágio de regeneração natural em São Francisco de Paula, RS, Brasil. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 42, n.3, p. 509-518, 2012.

KERSTEN, R. A.; GALVÃO, F. Suficiência amostral em inventários florísticos e fitossociológicos. In: FELFILI, J. M. et al. (Org.). Fitossociologia no Brasil: métodos e estudos de casos. Viçosa, MG: Editora UFV, 2011. p. 156-173.

LEYSER, G. et al. Regeneração de espécies arbóreas e relações com componente adulto em uma floresta estacional no vale do rio Uruguai, Brasil. Acta Botanica Brasilica, Belo Horizonte, v. 26, n. 1, p. 74-83, 2012.

LIEBSCH, D.; ACRA, L. A. Riqueza de espécies arbóreas de sub-bosque de um fragmento de Floresta Ombrófila Mista em Tijucas do Sul, PR. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 14, n. 1, p. 67-76, 2004.

LÔBO, D. et al. Forest fragmentation drives Atlantic forest of northeastern Brazil to biotic homogenization. Diversity and Distributions, Hoboken, v. 17, n. 2, p. 287-296, 2011.

MARCON, A. K. et al. Variação florístico-estrutural em resposta à heterogeneidade ambiental em uma Floresta Nebular em Urubici, Planalto Catarinense. Scientia Forestalis, Piracicaba, v. 42, n. 103, p. 439-450, 2014.

MARTINS, S. V.; RODRIGUES, R. R. Gap-phase regeneration in a semideciduous mesophytic forest, south-eastern Brazil. Plant Ecology, New York, v. 163, n. 1, p. 51-62, 2002.

METZ, M. R.; SOUSA, W. P.; VALENCIA, R. Widespread density-dependent seedling mortality promotes species coexistence in a highly diverse Amazonian rain forest. Ecology, Hoboken, v. 91, n. 12, p. 3675-3685, 2010.

MEYER, L. et al. Regeneração natural da Floresta Ombrófila Mista em Santa Catarina. In: VIBRANS, A. C. et al. (Ed.). Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina. Blumenau: Edifurb, 2013. p. 191-222.

MORISITA, M. Id-index, a measure of dispersion of individuals. Researches on Population Ecology, New York, v. 4, n. 1, p. 1-7, 1962.

NARVAES, I. S.; BRENA, D. A.; LONGHI, S. J. Estrutura da regeneração natural em Floresta Ombrófila Mista na Floresta Nacional de São Francisco de Paula, RS. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 15, n. 4, p. 331-342, 2005.

NASCIMENTO, A. R. T.; LONGHI, S. J.; BRENA, A. D. Estrutura e padrões de distribuição espacial de espécies arbóreas em uma amostra de Floresta Ombrófila Mista em Nova Prata, RS. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 11, n. 1, p. 105-119, 2001.

NATHAN, R.; MUELLER-LANDAU, H. C. Spatial patterns of seed dispersal, their determinants and consequences for recruitment. Trends in Ecology and Evolution, Amsterdam, v. 15, n. 7, p. 278-285, 2000.

NEGRINI, M. et al. Dispersão, distribuição espacial e estratificação vertical da comunidade arbórea em um fragmento florestal no Planalto Catarinense. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 36, n. 5, p. 919-930, 2012.

NEGRINI, M. et al. Heterogeneidade florístico-estrutural do componente arbóreo em um sistema de fragmentos florestais no Planalto Sul catarinense. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 38, n. 5, p. 779-786, 2014.

OKSANEN, J. et al. Vegan: Community Ecology Package. [s. l.: s. n], 2016. Disponível em: . Acesso em: 08 fev. 2016.

OLIVEIRA FILHO, A. T. et al. Delving into the variations in tree species composition and richness across South American subtropical Atlantic and Pampean forests. Journal of Plant Ecology, Oxford, v. 8, n. 3, p. 242, 2015.

PAISE, G.; VIEIRA, E. M. Produção de frutos e distribuição espacial de angiospermas com frutos zoocóricos em uma Floresta Ombrófila Mista no Rio Grande do Sul, Brasil. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 28, n. 3, p. 615-625, 2005.

POLISEL, R. T. et al. Structure of understory community in four stretches of Araucaria forest in the state of São Paulo, Brazil. Acta Botanica Brasilica, Belo Horizonte, v. 28, n. 1, p. 86-101, 2014.

PSCHEIDT, F. et al. Variações florístico-estruturais da comunidade arbórea associadas à distância da borda em um fragmento florestal no Planalto Sul-Catarinense. Revista Floresta, Curitiba, v. 45, n. 2, p. 421-430, 2015.

R DEVELOPMENT CORE TEAM. R: a language and environment for statistical computing. [s. l.]: R Foundation for Statistical Computing, 2016. Disponível em: . Acesso em: 08 fev. 2016.

RIBEIRO, T. M. et al. Mixed rain forest in southeastern Brazil: tree species regeneration and floristic relationships in a remaining stretch of forest near the city of Itaberá, Brazil. Acta Botanica Brasilica, Belo Horizonte, v. 27, n. 1, p. 71-86, 2013.

ROBERTS, D. W. Labdsv: ordination and multivariate analysis for ecology. [s. l.: s. n.]: 2016. Disponível em: . Acesso em: 08 fev. 2016.

RONDON NETO, R. M.; WATZLAWICK, L. F.; CALDEIRA, M. V. W. Diversidade florística e síndromes de dispersão de diásporos das espécies arbóreas de um fragmento de Floresta Ombrófila Mista. Revista Ciências Exatas e Naturais, Curitiba, v. 3, n. 2, p. 210-216, 2001.

SANTOS, K. F. et al. Regeneração natural do componente arbóreo após a mortalidade de um maciço de taquara em um fragmento de Floresta Ombrófila Mista em Lages -SC. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 25, n. 1, p. 107-117, 2015.

SAMPAIO, M. B.; GUARINO, E. S. G. Efeitos do pastoreio de bovinos na estrutura populacional de plantas em fragmentos de Floresta Ombrófila Mista. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 31, n. 6, p. 1035-1046, 2007.

SCHNITZER, S. A.; DALLING, J. W.; CARSON, W. P. The impacts of lianas on tree regeneration in tropical forest canopy gaps: evidence for an alternative pathway of gap-phase regeneration. Journal of Ecology, London, v. 88, n. 2, p. 655-666, 2000.

SILVA, A. C. et al. Relações florísticas e fitossociologia de uma Floresta Ombrófila Mista Montana Secundária em Lages, Santa Catarina. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 22, n. 1, p. 193-206, 2012.

SMITH-GILL, S. J. Cytophysiological basis of disruptive pigmentary patterns in the leopardo frog, Rana pipiens. II. Wild type and mutant cell specific patterns. Journal of Morphology, Hoboken, v. 146, n. 1, p. 35-54, 1975.

SOUZA, R. P. M. et al. Estrutura e aspectos da regeneração natural de Floresta Ombrófila Mista no Parque Estadual de Campos do Jordão, SP, Brasil. Hoehnea, São Paulo, v. 39, n. 3, p. 387-407, 2012.

STONE, L.; ROBERTS, A. The checkerboard score and species distributions. Oecologia, New York, v. 85, n. 1, p. 74-79, 1990.

VIEIRA, D. L. M.; SCARIOT, A. Principles of natural regeneration of tropical dry forests for restoration. Restoration Ecology, Hoboken, v. 14, n. 1, p. 11-20, 2006.

VOLPATO, M. M. L. Regeneração natural em uma floresta secundária no domínio de Mata Atlântica: uma análise fitossociológica. 1994. 123 f. Dissertação (Mestrado em Ciência Florestal) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG, 1994.

WEBB, C.O.; PEART, D. R. Seedling density dependence promotes coexistence of Bornean rain forest trees. Ecology, Hoboken, v. 80, n. 6, p. 2006-2017, 1999.

WHITMORE, T. C. Canopy gaps and the two major groups of forest trees. Ecology, Hoboken, v. 70, n. 3, p. 536-538, 1989.

WRIGHT, S. J. et al. Gap-dependent recruitment, realized vital rates, and size distributions of tropical trees. Ecology, Hoboken, v. 84, n. 12, p. 3174-3185, 2003.




DOI: https://doi.org/10.5902/1980509832029

Licença Creative Commons