FLORÍSTICA E ESTRUTURA DO COMPONENTE ARBÓREO E RELAÇÃO COM VARIÁVEIS AMBIENTAIS EM UM REMANESCENTE FLORESTAL EM CAMPOS NOVOS - SC

Pedro Higuchi, Ana Carolina da Silva, Tiago de Souza Ferreira, Sheila Trierveiler de Souza, Juliano Pereira Gomes, Karina Montibeller da Silva, Kristiana Fiorentin dos Santos, Eduardo Jocimar Berndt, Janir de Oliveira Souza Junior, Deise Tatiani de Gois, Felipe Weiduschat

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/1980509821089

O presente estudo objetivou conhecer os padrões da composição florística e estrutural do componente arbóreo de um trecho de remanescente de Floresta Ombrófila Mista Montana em Campos Novos - SC e determinar as variáveis ambientais que influenciam estes padrões. Para isso, foi amostrado 1 ha de floresta por meio de 50 parcelas de 10 × 20 m dispostas de forma sistemática, distanciada 30 m entre si, no remanescente florestal. Dentro das parcelas foram identificados e mensurados (circunferência medida a altura do peito, CAP, e altura total) de todos os indivíduos arbóreos vivos com CAP ≥ 15,7 cm. Os dados ambientais relacionados às propriedades químicas e físicas dos solos e à topografia também foram coletados em cada parcela. Foram calculados o índice de Shannon-Wiener (H’), a equabilidade de Pielou (J’) e os estimadores fitossociológicos. A organização florístico-estrutural do fragmento foi analisada por meio de uma NMDS (Nonmetric multidimensional scalling). As variáveis ambientais foram ajustadas a posteriori a ordenação produzida, sendo aquelas significativas (p<0,05) plotadas na forma de vetores. Foram amostrados 1.027 indivíduos, que totalizaram uma área basal de 43,57 m2, distribuídos em 88 espécies e 41 famílias botânicas. A diversidade do remanescente estudado foi relativamente alta (H’=3,59) e a dominância baixa (J’=0,80). A espécie de maior VI foi Araucaria angustifolia (Bertol.) Kuntze (14,44%). A análise multivariada NMDS indicou um gradiente florístico-estrutural relacionado à cota média (altitude), saturação de bases, pH e teores de P nos solos.


Palavras-chave


floresta de araucária; NMDS; variáveis ambientais.

Texto completo:

PDF

Referências


ANGIOSPERM PHYLOGENY GROUP. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG III. Botanical Journal of the Linnean Society, London, v. 161, n. 2, p. 105-121, 2009.

BABWETEERA, F.; BROWN, N. Can remnant frugivore species effectively disperse tree seeds in secondary tropical rain forests? Biodiversity and Conservation, v. 18, n. 6, p. 1611-1627. 2009.

BROWER, J. E.; ZAR, J. H. Field and laboratory methods for general ecology. Duduque: W. M. C. Brow Publishers, 1984. 84 p.

CLARK, D. B. Los fatores edáficos y la distribución de las plantas. In: GUARIGUATTA, M. R.; KATTAN, G. H. Ecología y conservación de bosques neotropicales. Cartago: Ediciones LUR, 2002, p. 192-221.

CORDEIRO, J.; RODERJAN, C.V.; CURCIO, G.R. Espécies lenhosas de um remanescente de Floresta Ombrófila Mista na região Centro-Sul e análise florística entre áreas florestais no Paraná. Ambiência, Guarapuava, v. 9, n. 3, p. 563-588, Set.-Dez., 2013.

EMBRAPA - EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA. Manual de métodos de análises de solo. Rio de Janeiro: Centro Nacional de Pesquisa de Solos, 1997. 212 p.

ESPÍRITO-SANTO, F. et al. Variáveis ambientais e a distribuição de espécies arbóreas em um remanescente de floresta estacional semidecídua montana no campus da Universidade Federal de Lavras, MG. Acta Botanica Brasilica, Feira de Santana, v. 16, n. 3, p. 331-356, jul.-set. 2002.

FERREIRA, P.I. et al. Espécies potenciais para recuperação de áreas de preservação permanente no Planalto Catarinense. Floresta e Ambiente, Seropédica, v. 20, n. 2, p. 173-182, abr.-jun, 2013.

HIGUCHI, P. et al. Influência de variáveis ambientais sobre o padrão estrutural e florístico do componente arbóreo, em um fragmento de Floresta Ombrófila Mista Montana em Lages, SC. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 22, n. 1, p. 79-90, jan.-mar. 2012a.

HIGUCHI, P. et al. Floristic composition and phytogeography of the tree component of Araucaria Forest fragments in southern Brazil. Brazilian Journal of Botany, São Paulo, v. 35, n. 2, p. 145-157, abr.-jun. 2012b.

HIGUCHI, P. et al. Florística e estrutura do componente arbóreo e análise ambiental de um fragmento de Floresta Ombrófila Mista Alto-montana no município de Painel, SC. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 23, n.1 p. 153-164, jan.-mar. 2013.

HIJMANS, R. et al. Very high resolution interpolated climate surfaces for global land areas. International Journal of Climatology, v. 25, n. 15, p. 1965-1978. 2005.

IBGE. Manual técnico da vegetação brasileira. Série: Manual Técnico da Vegetação Brasileira. 2 ed. Rio de Janeiro: IBGE, 2012. 271p.

JARENKOW, J.; WAECHTER, J. Composição, estrutura e relações florísticas do componente arbóreo de uma floresta estacional no Rio Grande do Sul, Brasil. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 24, n. 3, p. 263-272, jul./set. 2001.

KLEIN, R. Mapa fitogeográfico de Santa Catarina. In: REITZ, P. Flora Ilustrada de Santa Catarina. Itajaí: Herbário Barbosa Rodrigues, 1978, p. 1-24.

KOZERA, C. et al. Fitossociologia do componente arbóreo de um fragmento de Floresta Ombrófila Mista Montana, Curitiba, PR, BR. Floresta, Curitiba, v. 36, n. 2, p. 225-237, mai.-ago. 2006.

LINGNER, D. et al. Caracterização da estrutura e da dinâmica de um remanescente de Floresta com Araucária no Planalto Catarinense. Pesquisa Florestal Brasileira, Colombo, v. 55, p. 55-66, jul.-dez. 2007.

MINCHIN, P. R. An evaluation of relative robustness of techniques for ecological ordinations. Vegetatio, v. 71, p. 145-156. 1987.

MULLER-DOMBOIS, D.; ELLENBERG, H. Aims and of vegetation ecology. New York: John Wiley & Sons, 1974. 547 p.

NASCIMENTO, A. R. T. et al. Estrutura e padrões de distribuição espacial de espécies arbóreas em uma amostra de Floresta Ombrófila Mista em Nova Prata, RS. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 11, n. 1, p. 105-119, jan.-jun. 2001.

OKSANEN, J. et al. Vegan: community ecology package. R package version, v.1, p. 8-8. 2009.

OLIVEIRA FILHO, A. T. et al. Differenciation of streamside and upland vegetation in an area of montane semideciduous Forest in southeastern Brasil. Flora, v. 189, p. 1-19, 1994.

PUCHALSKI, Â. Variações edafo-climáticas e ocorrência natural de Araucaria angustifolia (Bert.) O. Kuntze no Estado de Santa Catarina. 2004. 85 f. Dissertação (Mestrado em Recursos Genéticos Vegetais), Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

R DEVELOPMENT CORE TEAM. R: A language and environment for statistical computing. R Foundation for Statistical Computing, 2008. Disponível em: <(http://www.R-project.org)> Acesso em: 18 de fevereiro de 2011.

SEGER, C. et al. Levantamento florístico e análise fitossociológica de um remanescente de floresta ombrófila mista localizado no município de Pinhais, Paraná-Brasil. Floresta, Curitiba, v. 35, n. 2, p. 291-302, mai.-ago. 2005.

SILVA, A. C. et al. Relações florísticas e fitossociologia de uma Floresta Ombrófila Mista Montana secundária em Lages, Santa Catarina. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 22, n. 1, p. 193-206, jan.-mar. 2012.

SILVA, A. C. et al. Caracterização fitossociológica e fitogegráfica de um trecho de floresta ciliar em Alfredo Wagner, SC, como subsídio para restauração ecológica. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 23, n. 4, p. 579-593, out.-dez., 2013.

SILVESTRE, R. et al. Análise estrutural e distribuição espacial em remanescente de Floresta Ombrófila Mista, Guarapuava (PR). Ambiência, Guarapuava, v. 8, n. 2, p. 259-274, mai.-ago., 2012.

SOUZA, C. G. Manual técnico de pedologia. Rio de Janeiro: Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Manuais Técnicos em Geociências, v. 4, 2007. 104 p.

SOUZA, J. et al. Análise das variações florísticas e estruturais da comunidade arbórea de um fragmento de Floresta Semidecídua às margens do rio Capivari, Lavras-MG. Revista Árvore, Viçosa, v. 27, n. 2, p. 185-206, mar.-abr. 2003.

VACCARO, S. et al. Aspectos da composição florística e categorias sucessionais do estrato arbóreo de três subseres de uma floresta estacional decidual, no município de Santa Tereza–RS. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 9, n. 1, p. 1-18, jan.-jun. 1999.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1980509821089

Licença Creative Commons