Influência do clima e de rotas migratórias de espécies arbóreas sobre o padrão fitogeográfico de florestas na região sul do Brasil

Pedro Higuchi, Ana Carolina da Silva, Jean Carlos Budke, Adelar Mantovani, Roseli Lopes da Costa Bortoluzzi, Adriano Antonio Ziger

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/1980509812338

O presente trabalho objetivou avaliar a influência de variáveis bioclimáticas e de rotas migratórias de espécies arbóreas sobre o padrão fitogeográfico de diferentes fitofisionomias florestais da Região Sul do Brasil. Foram extraídas da literatura listas florísticas de espécies arbóreas inventariadas em Floresta Ombrófila Mista (FOM), Floresta Ombrófila Densa (FOD), Floresta Estacional Decidual (FED) e Floresta Estacional Semidecidual (FESD). Para cada área foram obtidas as coordenadas geográficas, a altitude média e as variáveis bioclimáticas associadas à temperatura e à precipitação pluviométrica. A matriz vegetacional passou por uma análise de correspondência retificada (DCA) e, posteriormente, a matriz ambiental foi ajustada à ordenação, sendo as variáveis ambientais (p ≤ 0,001) inseridas na forma de vetores. A análise da relação florística entre as áreas em função da heterogeneidade bioclimática existente foi realizada por meio de uma Árvore de Regressão Multivariada (ARM). Os autovalores para os eixos 1 e 2 da DCA foram de 0,49 e 0,25, respectivamente, indicando elevada substituição de espécies ao longo do eixo 1, fortemente associada à temperatura média do trimestre mais úmido, à temperatura mínima no mês mais frio, à altitude e à temperatura média anual. Conclui-se que (i) existe maior similaridade florística entre FOM e Florestas Estacionais e (ii) o componente arbóreo das florestas do Sul do Brasil apresenta variações florísticas e fisionômicas associadas à heterogeneidade bioclimática existente e às rotas migratórias.


Palavras-chave


Floresta Ombrófila Mista; Floresta Ombrófila Densa; Florestas Estacionais

Texto completo:

PDF

Referências


ATHAYDE, E. A. et al. Fenologia de espécies arbóreas em uma floresta ribeirinha em Santa Maria, sul do Brasil. Revista Brasileira de Biociências, Porto Alegre, v. 7, n. 1, p. 43-51. 2009.

BARDDAL, M. et al. Fitossociologia do sub-bosque de uma Floresta Ombrófila Mista Aluvial, no município de Araucária, PR. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 14, n. 1, p. 35-45. 2004.

BEHLING, H. Late Quaternary vegetation, climate and fire history of the Araucaria forest and campos region from Serra Campos Gerais, Paraná State (South Brazil). Review of Palaeobotany and Palynology, v. 97, n. 1-2, p.109-121. 1997.

BEHLING, H. et al. Late quaternary Araucaria forest, grassland (Campos), fire and climate dynamics, studied by high-resolution pollen, charcoal and multivariate analysis of the Cambará do Sul core in southern Brazil. Palaeogeography, Palaeoclimatology, Palaeoecology, v. 203, n. 3-4, p. 277-297. 2004.

BEHLING, H.; PILLAR, V. Late Quaternary vegetation, biodiversity and fire dynamics on the southern Brazilian highland and their implication for conservation and management of modern Araucaria forest and grassland ecosystems. Philosophical Transactions of the Royal Society B: Biological Sciences, v. 362, n. 1478, p. 243-251. 2007.

BERGAMIN, R.; MONDIN, C. Composição florística e relações fitogeográficas do componente arbóreo de um fragmento florestal no município de Barra do Ribeiro, Rio Grande do Sul, Brasil. Pesquisas, série Botânica, São Leopoldo, v. 57, p. 217-229. 2006.

BLUM, C. T. et al.Caracterização florística e ecológica de remanescentes florestais no Rio das Cinzas, Norte Pioneiro, PR. In: SEMINÁRIO NACIONAL DE DEGRADAÇÃO E RECUPERAÇÃO AMBIENTAL, 2003, Foz do Iguaçu.. Anais...Foz do Iguaçu: SOBRADE, 2003.

BRACK, P. et al. Levantamento preliminar da flora e da vegetação do vale do rio Pelotas, no município de Bom Jesus, RS, e a importância de sua conservação. INGA Estudo Ambientais, Relatório Técnico. 2009.

BUDKE, J.C. et al. Florística e fitossociologia do componente arbóreo de uma floresta ribeirinha, arroio Passo das Tropas, Santa Maria, RS, Brasil. Acta Botanica Brasilica, Feira de Santana, v. 18, n. 3, p. 581-589. 2004.

CARNAVAL, A. et al. Stability predicts genetic diversity in the Brazilian Atlantic Forest hotspot. Science, v. 323, n. 5915, p. 785-789. 2009.

COTARELLI, V. M. et al. Florística do Parque Municipal Arthur Thomas, Londrina, Paraná, Brasil. Acta Biológica Paranaense, Curitiba, v. 37, n. 1-2, p. 123-146. 2008.

DE’ATH, G. mvpart: Multivariate partitioning. R packageversion, v. 1, n. 2-4. 2006.

DIAS, M. et al. Composição florística e fitossociologia do componente arbóreo das florestas ciliares do rio Iapó, na bacia do rio Tibagi, Tibagi, PR. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 21, n. 2, p. 183-195. 1998.

DUARTE, L. et al.What saplings can tell us about forest expansion over natural grasslands. Journal of Vegetation Science, v. 17, n. 6, p. 799-808. 2006.

ESKUCHE, U. El bosque de Araucaria con Podocarpus y los campos de Bom Jardim da Serra, Santa Catarina (Brasil meridional). Boletín de la Sociedad Argentina de Botánica, Córdoba, v. 42, n. 3-4, p. 295-308. 2007.

FALKENBERG, D. Matinhas nebulares e vegetação rupícola dos Aparados da Serra Geral (SC/RS), sul do Brasil. 2003. 558 f. Tese (Doutorado em Biologia Vegetal) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2003.

FERNANDES, A. Conexões florísticas do Brasil. Fortaleza: Banco do Nordeste, 2003. 134 p.

FORMENTO, S. et al.Dinâmica estrutural arbórea de uma Floresta Ombrófila Mista em Campo Belo do Sul, SC. Cerne, Lavras, v. 10, n. 2, p. 196-212. 2004.

GALVÃO, F. et al. Composição florística e fitossociologia de caxetais do litoral do estado do Paraná–Brasil. Revista Floresta, Curitiba, v. 32, n. 1. p. 17-39. 2002.

HACK, C. et al. Análise fitossociológica de um fragmento de Floresta Estacional Decidual no município de Jaguari, RS. Ciência Rural, Santa Maria, v. 35, n. 5, p. 1083-1091. 2005.

HIJMANS, R. et al. Very high resolution interpolated climate surfaces for global land areas. International Journal of Climatology, v. 25, n. 15,p. 1965-1978. 2005.

IBGE. Manual Técnico da Vegetação Brasileira. Manuais Técnicos em Geociências, 1992. v. 1.

IURK, M. C. Levantamento florístico de um fragmento de Floresta Ombrófila Mista Aluvial do Rio Iguaçu, município de Palmeira - PR. 2008. 102 f. Dissertação (Mestrado em Botânica) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2008.

JARENKOW, J. A.; WAECHTER, J. Composição, estrutura e relações florísticas do componente arbóreo de uma floresta estacional no Rio Grande do Sul, Brasil. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 24, n. 3, p. 263-272. 2001.

JARENKOW, J. A.; BUDKE, J.C. Padrões florísticos e análise estrutural de remanescentes florestais com Araucaria angustifolia no Brasil. In: Floresta com Araucária: ecologia, conservação e desenvolvimento sustentável, FONSECA, C. S. D. et al., orgs.). Ribeirão Preto: Holos, 2010. p. 113-126.

JURINITZ, C.; JARENKOW, J. A. Estrutura do componente arbóreo de uma floresta estacional na Serra do Sudeste, Rio Grande do Sul, Brasil. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 26, n. 4, p. 475-487. 2003.

KAGEYAMA, P. et al. Recuperação de áreas ciliares. In: Matas Ciliares: conservação e recuperação RODRIGUES, R. R.; LEITÃO FILHO, H. L.,(eds.).São Paulo: Edusp, 2001. p.249-269.

KATAOKA-SILVA, A. M. Florística e efeito de borda em fragmentos da Floresta Ombrófila Mista na região de Guarapuava, PR. 2006. 91 f. Tese (Doutorado em Ecologia) - Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2006.

KOEHLER, A. et al. Floresta Ombrófila Densa Altomontana: aspectos florísticos e estruturais de diferentes trechos na Serra do Mar, PR. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 12, n. 2, p. 27-39. 2002.

KOZERA, C. et al. Fitossociologia do componente arbóreo de um fragmento de Floresta Ombrófila Mista Montana, Curitiba, PR, BR. Revista Floresta, Curitiba, v. 36, n. 2, p. 225-237. 2006.

LAURANCE, W. Reflections on the tropical deforestation crisis. Biological Conservation, v. 91, n. 2-3, p. 109-117. 1999.

LEDRU, M. Late Quaternary environmental and climatic changes in central Brazil. Quaternary Research, v. 39, n. 1, p. 90-98. 1993.

LIEBSCH, D.; ACRA, L. Riqueza de espécies de sub-bosque de um fragmento de Floresta Ombrófila Mista em Tijucas do Sul, PR. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 14, n. 1, p. 67-76. 2004.

LINDENMAIER, D. S.; BUDKE, J. C. Florística, diversidade e distribuição espacial das espécies arbóreas em uma floresta estacional na bacia do Rio Jacuí, Sul do Brasil.Pesquisas, série Botânica, São Leopoldo, v. 57, p. 193-216. 2006.

LINGNER, D. et al. Caracterização da estrutura e da dinâmica de um remanescente de Floresta com Araucária no Planalto Catarinense. Pesquisa Florestal Brasileira, Colombo, v. 55, p. 55-66. 2007.

LONGHI, S. Aspectos fitossociológicos dos "capões" na região de Carovi e Tupantuba, em Santiago, RS. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 1, n. 1, p. 22-39. 1991.

LONGHI, S. et al. Composição florística e estrutura fitossociológica de um “Capão” de Podocarpus lambertii Klotz, no Rio Grande do Sul. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 2, n. 1, p. 27-47. 1992.

MANTOVANI, M. et al. Diversidade de espécies e estrutura sucessional de uma formação secundária da Floresta Ombrófila Densa. Scientia forestalis, Piracicaba, v. 67, p. 14-26. 2005.

MARTINAZZO, E. G. et al.Estudo da flora de mata ciliar no município de Frederico Westphalen-RS. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE SISTEMAS AGROFLORESTAIS, 5., 2004, Curitiba. Anais... Curitiba:EMBRAPA, 2004.

MAUHS, J.; BACKES, A. Estrutura fitossociológica e regeneração natural de um fragmento de Floresta Ombrófila Mista exposto a perturbações antrópicas. Pesquisas, Botânica, São Leopoldo,v. 52, p. 89-109. 2002.

NARVAES, I. et al. Estrutura da regeneração natural em Floresta Ombrófila Mista na Floresta Nacional de São Francisco de Paula, RS. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 15, n. 4, p. 331-342. 2005.

NASCIMENTO, A. et al. Estrutura e padrões de distribuição espacial de espécies arbóreas em uma amostra de Floresta Ombrófila Mista em Nova Prata, RS. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 11, n. 1, p. 105-119. 2001.

NEGRELLE, R. Composição florística e estrutura vertical de um trecho de Floresta Ombrófila Densa de Planície Quaternária. Hoehnea, São Paulo, v. 33, n. 3, p. 261-289. 2006.

NEGRELLE, R.; SILVA, F. Fitossociologia de um trecho de floresta com Araucaria angustifolia (Bert.) O. Ktze. no município de Caçador-SC. Boletim de Pesquisa Florestal, Colombo, v. 24, n. 25, p. 37–54. 1992.

OKSANEN, J. et al.Vegan: community ecology package. R package version, 2009. v. 1, p. 8-8.

OLIVEIRA, M. L. A. A. et al. Levantamento florístico de fragmentos florestais na bacia hidrográfica do Rio Gravataí, Rio Grande do Sul, Brasil. Iheringia, sérieBotânica, Porto Alegre, v. 60, n. 2, p. 269-284. 2005.

OLIVEIRAFILHO, A. T.; FONTES, M. A. L. Patterns of floristic differentiation among Atlantic forests in southeastern Brazil and the influence of climate. Biotropica, Lawrence, v. 32, n. 4, p. 793-810. 2000.

OLIVEIRA FILHO, A. T. et al.Floristic relationships of seasonally dry forests of Eastern South America based on tree species distribution patterns. In: Neotropical savannas and seasonally dry forests: plant diversity, biogeography and conservation. Boca Raton: CRC Press, 2005b. p.151-184.

PORTES, M. C. G. O. et al.Caracterização florística e estrutural de uma Floresta Ombrófila Densa Altomontana do Morro do Anhangava, Quatro Barras–PR. Revista Floresta, Curitiba, v. 31, n. 1, p. 22-31. 2001.

R DEVELOPMENT CORE TEAM. R: A language and environment for statistical computing. R Foundation for Statistical Computing, 2008. Disponível em: <(http://www.R-project.org)> Acesso em: 18 de fev. de 2011.

RAMBO, B. A imigração da selva higrófila no Rio Grande do Sul. Anais Botânicos do Herbário Barbosa Rodrigues, Itajaí, v. 3, n. 3, p. 55-91. 1951.

RAMOS, A. J. K.; BOLDO, E. Diversidade florística e aspectos fitossociológicos de formações florestais em estágio sucessional secundário na Floresta Ombrófila Mista, município de Caxias do Sul-RS. Revista Brasileira de Agroecologia, Cruz Alta, v. 2, n. 1, p. 111-116. 2007.

REGINATO, M.; GOLDENBERG, R. Análise florística, estrutural e fitogeográfica da vegetação em região de transição entre as Florestas Ombrófila Mista e Densa Montana, Piraquara, Paraná, Brasil. Hoehnea, São Paulo, v. 34, n. 3, p. 349-364. 2007.

RONDON NETO, R. et al. Caracterização florística e estrutural de um fragmento de Floresta Ombrófila Mista em Curitiba, PR, Brasil. Revista Floresta, Curitiba, v. 32, n. 1, p. 3-16. 2002a.

RONDON NETO, R. et al.Análise florística e estrutural de um fragmento de Floresta Ombrófila Mista Montana, situado em Criúva, RS-Brasil. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 12, n. 1, p. 29-37. 2002b.

ROSÁRIO, D. Padrões florísticos e tipos funcionais em floresta com araucária e suas relações com o solo. 2001. 136 f. Dissertação (Mestrado em Ecologia) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre 2001.

RUSCHEL, A. et al. Evolução do uso e valorização das espécies madeiráveis da Floresta Estacional Decidual do Alto-Uruguai, SC. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 13, n. 1, p. 153-166. 2003.

SANQUETTA, C. et al. Dinâmica da composição florística de um fragmento de Floresta Ombrófila Mista no Centro-Sul do Paraná. Revista Ciências Exatas e Naturais, Guarapuava, v. 1, n. 2, p. 77-88. 2000.

SCHORN, L.; GALVÃO, F. Dinâmica da regeneração natural em três estágios sucessionais de uma Floresta Ombrófila Densa em Blumenau, SC. Revista Floresta, Curitiba, v. 36, n. 1, p. 59-73. 2006.

SEGER, C. et al. Levantamento florístico e análise fitossociológica de um remanescente de Floresta Ombrófila Mista localizado no município de Pinhais, Paraná-Brasil. Revista Floresta, Curitiba, v. 35, n. 2, p. 291-302. 2005.

SILVA, F. Composição florística e estrutura fitossociológica da floresta tropical ombrófila da encosta Atlântica no município de Morretes, Estado do Paraná. Acta Biológica Paranaense, Curitiba, v. 23, n. 1-4, p. 1-54. 1994.

SILVA, R. T. Florística e estrutura da sinúsia arbórea de um fragmento urbano de Floresta Ombrófila Densa do Município de Criciúma, Santa Catarina. 2006. 61 f. Dissertação (Mestradoem Ciências Ambientais) - Universidade do Extremo Sul Catarinense, Criciúma, 2006.

TABARELLI, M. et al. Effects of habitat fragmentation on plant guild structure in the montane Atlantic forest of southeastern Brazil. Biological Conservation, v. 91, n. 2-3, p. 119-127. 1999.

TER BRAAK, C. J. F. Ordination. In: Data analysis in community and landscape ecology. JONGMAN, R. H. et al.. Cambridge: Cambridge University, 1995. p. 91-173.

VACCARO, S.; LONGHI, S. Análise fitossociológica de algumas áreas remanescentes da Floresta do Alto Uruguai entre os rios Ijuí e Turvo, no Rio Grande do Sul. Ciência Florestal, Santa Maria,v. 5,n. 1,p. 33-53. 1995.

VACCARO, S. et al. Aspectos da composição florística e categorias sucessionais do estrato arbóreo de três subseres de uma floresta estacional decidual, no município de Santa Tereza–RS. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 9, n. 1, p. 1-18. 1999.

VALÉRIO, A. F. et al.Análise da composição florística e da estrutura horizontal de uma Floresta Ombrófila Mista Montana, município de Irati, PR - Brasil. Revista Acadêmica Ciências Agrárias e Ambientais, Curitiba, v. 6, n. 2, p. 137-147. 2008a.

VALÉRIO, A. F. et al.Análise florística e estrutural do componente arbóreo de um fragmento de Floresta Ombrófila Mista em Clevelândia, Sudoeste do Paraná. Revista Acadêmica Ciências Agrárias e Ambientais, Curitiba, v. 6, n. 2, p. 239-248. 2008b.

VENZKE, T. S. L. et al.Levantamento florístico de espécies arbóreas e arbustivas em uma área na planície costeira do Rio Grande do Sul. In: CONGRESSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, 14., 2005, Pelotas.. Anais... Pelotas: Universidade Federal de Pelotas, 2005.

WATZLAWICK, L. et al. Caracterização da composição florística e estrutura de uma Floresta Ombrófila Mista, no município de General Carneiro (PR). Ambiência,v. 1, n. 2, p. 229-237. 2009.




DOI: https://doi.org/10.5902/1980509812338

Licença Creative Commons