Partição espacial de espécies arbóreas em função da drenagem do solo em um fragmento de Floresta com Araucária no sul do Brasil

Pedro Higuchi, Ana Carolina da Silva, Manoela Drews de Aguiar, Álvaro Luiz Mafra, Marcelo Negrini, Diego Fernando Zech

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/1980509814580

O estudo das relações entre a vegetação e os solos pode auxiliar na compreensão da estrutura de uma comunidade florestal, dando suporte à conservação da biodiversidade. Assim, o presente estudo teve como objetivo avaliar a existência da partição espacial da comunidade de espécies arbóreas em um fragmento de Floresta com Araucária, em função da drenagem do solo. Para este propósito, foi realizada a caracterização ambiental (drenagem do solo, propriedades físicas e químicas do solo, topografia, compactação dos solos, profundidade dos solos e cobertura do dossel) em 25 parcelas de 20x20 m, onde indivíduos de espécies arbóreas, com circunferência a altura do peito (CAP) maior ou igual a 15,7 cm, foram previamente contados, medidos e identificados. Os dados foram analisados por meio do teste de Mann-Withney, análise de variância multivariada não paramétrica (NPMANOVA), análise multivariada (NMDS) e análise de espécies indicadoras. Os locais foram classificados como bem e moderadamente drenados, com diferenças ambientais que determinaram a riqueza, a partição espacial da comunidade e a ocorrência de espécies indicadoras na pequena escala espacial considerada. Desta forma, conclui-se que, no fragmento florestal estudado, as variações espaciais na drenagem do solo foram determinantes na heterogeneidade da composição florística-estrutural observada.


Palavras-chave


biodiversidade; Mata Atlântica; umidade do solo.

Texto completo:

PDF

Referências


BARDDAL, M. L. et al. Caracterização florística e fitossociológica de um trecho sazonalmente inundável de floresta aluvial, em Araucária, PR. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 14, n. 2, p. 35-70, jul-dez, 2004.

BOTREL, R. T. et al. Influência do solo e topografia sobre as variações da composição florística e estrutura da comunidade arbóreo-arbustiva de uma floresta estacional semidecidual em Ingaí, MG. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 25, n. 2, p. 195-213, jun. 2002.

BUDKE, J. C. et al. Tree community features of two stands of riverine forest under different flooding regimes in Southern Brazil. Flora, Amsterdam, v. 203, n. 2, p. 162-174, Aug./Sept.. 2008.

CARVALHO, D. A. et al. Distribuição de espécies arbóreo-arbustivas ao longo de um gradiente de solos e topografia em um trecho de floresta ripária do Rio São Francisco em Três Marias, MG, Brasil. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 28, n. 2, p. 329-345, abr./jun. 2005.

CARVALHO, J. et al. Relações entre a distribuição das espécies de diferentes estratos e as características do solo de uma floresta aluvial no Estado do Paraná, Brasil. Acta Botanica Brasilica, São Paulo, v. 23, n.1, p. 1-9, jan/mar, 2009.

CHASE, M. W. et al. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG III. Botanical Journal of the Linnean Society, Londres, v. 161, n. 2, p. 105-121, Oct. 2009.

CURCIO, G. R. et al. Compartimentação topossequencial e caracterização fitossociológica de um Capão de Floresta Ombrófila Mista. Floresta, Curitiba, v. 36, n. 3, p. 361-369, set./dez. 2006.

DUFRÊNE, M.; LEGENDRE, P. Species assemblages and indicator species: the need for a flexible asymmetrical approach. Ecological monographs, Ithaca, v. 67, n. 3, p. 345-366, Aug. 1997.

EBELING, A. G. et al. Relação entre acidez e outros atributos químicos em solos com teores elevados de matéria orgânica. Bragantia, Campinas, v. 67, n. 2, p. 429-439, abr./jun. 2008.

EMBRAPA. Manual de métodos de análise de solo. Rio de Janeiro: Serviço Nacional de Levantamento e Conservação de Solo. 1997. 212 p.

EMBRAPA. Sistema brasileiro de classificação de solos. Rio de Janeiro: EMBRAPA Solos. 2006. 306 p.

EMBRAPA. Solos do Estado de Santa Catarina. Rio de Janeiro: EMBRAPA Solos. 2004. 726 p. (Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento, 46).

GAMA, J. R. V. et al. Comparação entre florestas de várzea e de terra firme do Estado do Pará. Revista Árvore, Viçosa, v. 29, n. 4, p. 607-616, jul./ago. 2005.

GOMES, M. A. F. et al. Caracterização pedomorfoclimática das áreas de afloramento do Aquífero Guarani no Brasil: Base para uma proposta de gestão sustentável. In: GOMES, M. A. F. Uso agrícola das áreas de afloramento do Aquífero Guarani no Brasil: Implicações para a água subterrânea e propostas de gestão com enfoque agroambiental. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica, 2008. p. 47-64.

HIGUCHI, P. et al. Floristic composition and phytogeography of the tree component of Araucaria Forest fragments in southern Brazil. Brazilian Journal of Botany, São Paulo, v. 35, n. 2, p. 145-157, abr./jun. 2012a.

HIGUCHI, P. et al. Influência de variáveis ambientais sobre o padrão estrutural e florístico do componente arbóreo, em um fragmento de Floresta Ombrófila Mista Montana em Lages, SC. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 22, n. 1, p. 79-90, jan./mar. 2012b.

IBGE. Manual técnico da vegetação brasileira. Rio de Janeiro: Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 1992. 92 p. (Série: Manuais técnicos em geociências; n.1).

KOZLOWSKI, T. T. Physiological-ecological impacts of flooding on riparian forest ecosystems. Wetlands, Whashington, v. 22, n. 3, p. 550-561, Sept. 2002.

LEMMON, P. A spherical densiometer for estimating forest overstory density. Forest Science, Bethesda, v. 2, n.1, p. 314-320, June 1956.

LOGAN, M. Biostatistical design and analysis using R: a practical guide. [S.l.]: Wiley-Blackwell. 2011. 546 p.

OKSANEN, J. et al. Vegan: Community Ecology Package. Disponível em: <(http://cran.r-project.org/package=vegan)> Acesso em: 30 de julho de 2012

OLIVEIRA FILHO, A. T. et al. Differentiation of streamside and upland vegetation in an area of montane semideciduous forest in southeastern Brazil. Flora, Amsterdam, v. 189, n. 4, p. 287-305, Dec. 1994.

OLIVEIRA FILHO, A. T. et al. Tree species distribution along soil catenas in a riverside semideciduous forest in southeastern Brazil. Flora, Amsterdam, v. 192, n. 1, p. 47-64, Jan. 1997.

OLIVEIRA FILHO, A. T. et al. Variation in tree community composition and structure with changes in soil properties within a fragment of semideciduous forest in south-eastern Brazil. Edinburgh Journal of Botany, Cambridge, v. 58, n. 1, p. 139-158, Jan./Mar. 2001.

PEREIRA, J. A. A.; OLIVEIRA FILHO, A. T.; LEMOS FILHO, J. P. Environmental heterogeneity and disturbance by humans control much of the tree species diversity of Atlantic montane forest fragments in SE Brazil. Biodiversity and Conservation, London, v. 16, n. 6, p. 1761-1784, Oct. 2007.

PIMENTA, J. A. et al. Adaptations to flooding by tropical trees: morphological and anatomical modifications. In: SCARANO, F. R.; FRANCO, A. C. Ecophysiological strategies of xerophytic and amphibious plants in the neotropics. Oecologia Brasiliensis Series, Rio de Janeiro, v. 4, n. 1, p. 157-176, jan. 1998.

PRATA, E. M. B. et al.. Fitossociologia e distribuição de espécies arbóreas em uma floresta ribeirinha secundária no município de Rio Claro, SP, Brasil. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 34, n. 2, p. 159-168, abr./jun. 2011.

R DEVELOPMENT CORE TEAM. R: A language and environment for statistical computing. R Foundation for Statistical Computing, 2008. Disponível em: <(http://www.r-project.org)> Acesso em: 18 de novembro de 2011.

RIBEIRO, M. C. et al. The Brazilian Atlantic Forest: How much is left, and how is the remaining forest distributed? Implications for conservation. Biological Conservation, Amsterdam, v. 142, n. 6, p. 1141-1153, June 2009.

ROBERTS, D. W. Labdsv: Ordination and multivariate analysis for ecology. Disponível em: <(http://cran.r-project.org/package=labdsv)> Acesso em 30 de julho de 2012.

SANTOS, R. D. et al. Manual de descrição e coleta de solo no campo. 5. ed. Viçosa: SBCS. 2005. 92 p.

SILVA, A. C. et al. Comparação florística de florestas inundáveis das regiões Sudeste e Sul do Brasil. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 30, n. 2, p. 257-269, abr./jun. 2007.

SILVA, A. C. et al. Florestas Inundáveis: ecologia, florística e adaptações das espécies. Lavras: Ed. da UFLA, 2012a. 168 p.

SILVA, A. C. et al. Florística e estrutura da comunidade arbórea em fragmentos de floresta aluvial em São Sebastião da Bela Vista, Minas Gerais, Brasil. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 32, n. 2, p. 283-297, abr./jun. 2009.

SILVA, A. C. et al. Relações florísticas e fitossociologia de uma Floresta Ombrófila Mista Montana secundária em Lages, Santa Catarina. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 22, n. 1, p. 193-206, jan. 2012b.

SILVA, A. C.; HIGUCHI, P.; VAN DEN BERG, E. Effects of soil water table regime on tree community species richness and structure of alluvial forest fragments in Southeast Brazil. Brazilian Journal of Biology, São Carlos, v. 70, n. 3, p. 465-471, Aug. 2010.

SOLLINS, P. Factors influencing species composition in tropical lowland rain forest: does soil matter? Ecology, Ithaca, v. 79, n. 1, p. 23-30, Jan. 1998.

STEEGE, H. T. et al. Tropical rain forest types and soil factors in a watershed area in Guyana. Journal of Vegetation Science, Hoboken, v. 4, n. 5, p. 705-716, Sept. 1993.

TEIXEIRA, A. P.; ASSIS, M. A. Relação entre heterogeneidade ambiental e distribuição de espécies em uma floresta paludosa no Município de Cristais Paulista, SP, Brasil. Acta botânica brasilica, São Paulo, v. 23, n. 3, p. 843-853, July/Sept. 2009.

VAN DEN BERG, E.; OLIVEIRA-FILHO, A. T. Spatial partitioning among tree species within an area of tropical montane gallery forest in south-eastern Brazil. Flora, Amsterdam, v. 194, n. 3, p. 249-266, July 1999.

WEBB, C. O. et al. Phylogenies and Community Ecology. Annual Review of Ecology and Systematics, New York, v. 33, p. 475-505, Aug. 2002.




DOI: https://doi.org/10.5902/1980509814580

Licença Creative Commons