SUBSTRATOS E TEMPERATURAS PARA TESTE DE GERMINAÇÃO EM SEMENTES DE MYRTACEAE

Juliano Pereira Gomes, Luciana Magda de Oliveira, Paula Iaschitzki Ferreira, Felipe Batista

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/1980509821120

As espécies brasileiras de Myrtaceae compreendem diversas plantas arbóreas e arbustivas que podem ser utilizadas na produção de frutos para consumo in natura ou para industrialização. Informações sobre avaliação da qualidade de sementes dessas espécies não estão bem definidas, principalmente as relacionadas à adequação do teste de germinação. Objetivou-se testar substratos e temperaturas para realização do teste de germinação em sementes de Acca sellowiana (O. Berg) Burret. (goiaba-serrana), Campomanesia xanthocarpa O. Berg (guabiroba), Eugenia involucrata DC. (cereja-do-mato) e Eugenia pyriformis Camb. (uvaia). Sementes, de diferentes procedências, foram submetidas ao teste de germinação em substratos areia e rolo de papel tipo germitest, umedecidos com água destilada, e nas temperaturas 15°C, 25°C, 30°C, 35°C e 20-30°C, sob luz constante, em germinadores tipo BOD.  O delineamento experimental utilizado foi o inteiramente casualizado com quatro repetições de 25 sementes/tratamento/lote/espécie, e as médias dos tratamentos foram comparadas pelo teste de Tukey (P < 0,01). O teste de germinação pode ser conduzido na temperatura de 25ºC e em substrato rolo de papel para Eugenia involucrata e Eugenia pyriformis. Ambos os substratos podem ser utilizados para o teste de germinação de Acca sellowiana, a 25ºC. A temperatura de 25ºC e alternância de 20-30ºC são indicadas para Campomanesia xanthocarpa, assim como, os substratos areia e rolo de papel.


Palavras-chave


Acca sellowiana; Campomanesia xanthocarpa; Eugenia involucrata; Eugenia pyriformis.

Texto completo:

PDF

Referências


AMARAL, D. M. I. Padronização de testes em laboratório com sementes florestais. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO SOBRE TECNOLOGIA DE SEMENTES FLORESTAIS, 1., 1984, Belo Horizonte. Anais... Brasília: ABRATES, 1986. p. 267-283.

ANDRADE, R. N. B. de; FERREIRA, A. G. Germinação e armazenamento de sementes de uvaia (Eugenia pyriformis Camb.) – Myrtaceae. Revista Brasileira de Sementes, Brasília, v. 22, n. 2, p. 118-125, 2000.

ANDRADE, A.C.S.; EREIRA, T.S. Efeito do Substrato e da Temperatura na Germinação e no Vigor de Sementes de Cedro - Cedrela odorata L. (MELIACEAE). Revista Brasileira de Sementes, Brasília, vol. 16, no 1, p. 34-40, 1994.

BARBEDO, C. J. et al. Germinação e armazenamento de diásporos de cerejeira (Eugenia involucrata DC – Myrtaceae) em função do teor de água. Revista Brasileira de Sementes, Brasília, v.20, n.1, p. 184-188, 1998.

BARROSO, G.M. Sistemática de angiospermas do Brasil. Viçosa: UFV, 1991. v.3, 326p.

BARROSO, G. M. et al. Sistemática de angiospermas do Brasil, Viçosa: UFV, 1984. v. 2 , 377p.

BEZERRA, J. E. F. et al. Pitanga (Eugenia uniflora L.), Jaboticabal: FUNEP, 2000. 30p. (Série Frutas Nativas, 1).

BORGES, E.E.L.; RENA, A.B. 1993. Germinação de sementes. In: AGUIAR, I.B.; PIÑA-RODRIGUES, F.C.M.; FIGLIOLIA, M.B. (coord.) Sementes florestais tropicais. Brasília, ABRATES. P.83-136.

BRASIL. Ministério da Agricultura e Reforma Agrária. Regras para análise de sementes. Brasília: Mapa/ACS, 2009.399 p.

CARVALHO, N. M.; NAKAGAWA, J. Sementes: ciência, tecnologia e produção. 4.ed. Jaboticabal: FUNEP, 2000. 588p.

CARVALHO, N.M., NAKAGAWA, J. Sementes: ciência, tecnologia e produção. Campinas: Fundação Cargil, 1983. 429p.

DELGADO, L. F.; BARBEDO, C. J. Tolerância à dessecação de sementes de espécies de Eugenia. Pesquisa agropecuária brasileira, Brasília, v.42, n.2, p. 265-272, fev. 2007.

DIAS et al. Influência da temperatura e substrato na germinação de sementes de jabuticabeira (Myrciaria cauliflora Berg.), IDESIA (Chile) v. 29, n 1, 2011

DIGNART, S. Análise de sementes de jatobá do cerrado [Hymenaea stigonocarpa (Hayne) Mart.] e barbatimão [Stryphnodendron adstringens (Mart.) Cov.]. 1998, 58f. Dissertação (Mestrado em Agricultura Tropical) – Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária, Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá-MT, 1998.

DONADIO, L.C.; MORO, F.V. Potential of Brazilian Eugenia (Myrtaceae) - as ornamental and as a fruit crop. Acta Horticulturae, Leuven, v.632, p.65-68, 2004.

DOUSSEAU, S. et al. Ecofisiologia da germinação de sementes de Campomanesia pubescens. Ciência Rural, Santa Maria. v.41, n.8, p.1362-1368, 2011.

DRESCH et al. Germinação de sementes de Campomanesia adamantium (Camb.) O. Berg em diferentes temperaturas e umidades do substrato, Scientia Forestalis, Piracicaba, v. 40, n. 94, p. 223-229, 2012.

FELTRIN, I. J. et al. Estudo da germinação de Eugenia involucrata DC. In: JORNADA DE PESQUISA DA UFSM, 1., 1991, Santa Maria. Anais... Santa Maria, Universidade Federal de Santa Maria, 1991. p. 312.

FIGLIOLIA, M.B. et al. Análise de Sementes. In: AGUIAR, I.B.de; PIÑA-RODRIGUES, F.C.M. e FIGLIOLIA, M.B. (coord.). Sementes florestais tropicais. Brasília: ABRATES, 1993. cap. 4, p.137-174.

GOMES, et al. Secagem e classificação de Sementes de Acca sellowiana (O. Berg) Burret - Myrtaceae quanto à tolerância à dessecação e ao armazenamento. Floresta e Ambiente, vol.20, n.2, p. 207-215, 2013.

GUEDES, R. S. et al. Substratos e temperaturas para testes de germinação e vigor de sementes de Amburana cearensis (Allemão) A.C. Smith. Revista Árvore, Viçosa, v.34, n.1, p.57-64, 2010.

GUILHERME, F.A.G. et al. Effects of flooding regime and woody bamboos on tree community dynamics in a section of tropical semideciduous forest in South-Eastern Brazil. Plant Ecology, Oxford, n.174, p.19-36,2004.

GUIMARÃES, D. M. et al. Influência de Diferentes Substratos e Níveis de Temperatura Sobre o Processo Germinativo de Sementes de Calyptranthes clusiifolia (Myrtaceae). Revista Brasileira de Biociências, Porto Alegre, v. 5, supl.2, p.816-818, 2007.

LANDRUM, L.R. ; KAWASAKI, M.L. The genera of Myrtaceae in Brazil ñ an illustrated synoptic treatment and identification keys. Brittonia v.49, p.508-536,1997.

LATTUADA, D.S. et al. Enxertia herbácea em Myrtaceae nativas do Rio Grande do Sul. Revista Brasileira de Fruticultura. Jaboticabal, v. 32, n. 4, p. 1285-1288. 2010.

LANDGRAF, P. R. C. Germinação de sementes de guarea (Guarea guidonea (L.) Sleumer), maçaranduba (Persea pyrifolia) e peito de pombo (Tapirira guianeensis Aul.). 1994. 91f. Dissertação (Mestrado em Agronomia) – Escola Superior de Agricultura de Lavras, Lavras, 1994.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Nova Odessa: Plantarum, 1992. 368p.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. 2.ed. São Paulo: Editora Plantarum,1998, v.1.

MAEDA, J.A. et al. Germinação de sementes de Craveiro-da-Índia: Efeito de temperatura, polpa do fruto e tratamento fungicida. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v.26, n. 6, p. 893-899. 1991.

MALUF, A.M. et al. Drying and storage of Eugenia involucrata DC. Scientia Agricola, Piracicaba, v.60, p.471-475, 2003.

MALUF, A.M.; PISCIOTTANO-EREIO, W.A. Secagem e armazenamento de sementes de cambuci. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v.40, n.7, p.707-714, 2005.

MARCHIORI, J. N. C.; SOBRAL, M. Dendrologia das angiospermas: Myrtales. 6 ed. Santa Maria: Editora da UFSM, 1997. 304 p.

NASCIMENTO, W. M. O. et al. Temperatura e substrato para a germinação de sementes de Parkia platycephala Benth. (Leguminoseae-Mimosoideae). Revista Agropecuária Tropical, Cuiabá, v. 7, n. 1, p. 119-129, 2003.

PACHECO, M.V. et al. Germination and vigor of Dimorphandra mollis Benth. Seeds under different temperatures and substrates. Revista Árvore, Viçosa, v.34, n.2, p.205-213, 2010.

PEREIRA, T.S.; ANDRADE, C.S. Germinação de Psidium guajava L. e Passiflora edulis Sims- Efeito da temperatura, substrato e morfologia do desenvolvimento pós-seminal. Revista Brasileira de Sementes, Brasília, v.16, n.1, p.58- 62, 1994.

RAMOS, M. B. P.; VARELA, V. P. Efeito da temperatura e do substrato sobre a germinação de sementes de visgueiro do igapó (Parkia discolor Benth) Leguminosae, Mimosoideae. Revista de Ciências Agrárias, Manaus, n. 39, p. 123-133, 2003.

REGO, S.S. et al. Germinação de sementes de Blepharocalyx salicifolius (H.B.K.) Berg. em diferentes substratos e condições de temperatura, luz e umidade. Revista Brasileira de Sementes, Brasília, v. 31, n.2, p.212-220, 2009.

REITZ, R. et al. Projeto madeira de Santa Catarina. Sellowwia, n.34/35, p. 525, 1978.

SANTOS, C.M.R. dos. et al. Características de frutos e germinação de sementes de seis espécies de Myrtaceae nativas do Rio Grande do Sul. Ciência Florestal, Santa Maria, v.14, n.2, p.13-20, 2004.

SCALON, Silvana de Paula Quintão; NEVES, Eliane Marques da Silva; MASETO, Tathiana Elisa and PEREIRA, Zefa Valdivina. Sensibilidade à dessecação e aoarmazenamento em sementes de Eugenia pyriformis Cambess. (uvaia). Rev. Bras. Frutic, vol.34, n.1, pp. 269-276, 2012.

SCALON, S.P.Q. et al. Germinação de sementes e crescimento inicial de mudas de Campomanesia adamantium Camb.: efeito da lavagem, temperatura e bioestimulantes. Revista Brasileira de Sementes, Pelotas, v.31, n.2, p.96-103, 2009.

SILVA, A; AGUIAR, I.B. Germinação de sementes de canela-preta (Ocotea catharinensis Mez – Lauraceae) sob diferentes condições de luz e temperatura. Revista Instituto Florestal, v.10, n.1, p. 17-22, 1998.

SILVA, E. A. A. da. et al. Exogenous gibberellins inhibit coffee (Coffea arabica cv. Rubi) seed germination and cause cell death in the embryo. Journal of Experimental Botany, Oxford, v. 56, n. 413, p. 1029-1038, 2005.

SILVA, A. et al. Secagem, extração e beneficiamento de semente. In: AGUIAR, I.B., PIÑA-RODRIGUES, F.C.M., FIGLIOLIA, M.B. (coord). Sementes florestais tropicais. Brasília: ABRATES, 1993. cap. 8, p. 303-332.

VALIO, I.F.M.; FERREIRA, Z.L. Germination of seeds of Myrciaria cauliflora (Mart.) Berg. (Myrtaceae). Revista Brasileira de Fisiologia Vegetal, Lavras, v.4, n.2, p.95-98, 1992.

WIELEWICKI, A. P. et al. Proposta de padrões de germinação e teor de água para sementes de algumas espécies florestais presentes na região sul do Brasil. Revista brasileira de sementes, Pelotas, vol.28, n.3, pp. 191-197, 2006.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1980509821120