Potencialidades da iniciação científica no ensino superior para a formação docente

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5902/1984644442749

Palavras-chave:

Iniciação Científica, Formação docente, Desenvolvimento científico

Resumo

Considerando a relevância que têm adquirido os estudos acerca da Iniciação Científica no Ensino Superior, conforme pode ser visto na literatura especializada sobre o tema, pretende-se, neste artigo, analisar sua importância para a formação docente. Em função dessa análise, também se tem a intenção de apontar as potencialidades que podem ser desenvolvidas pelos futuros docentes e comparar as situações vivenciadas pelos pesquisados. Na investigação realizada, foram entrevistados 20 professores da carreira do Magistério público federal, todos com a titulação mínima de Mestrado, e o método utilizado foi o de análise do conteúdo.  Os resultados indicaram que, dentre outras, as seguintes potencialidades: promover o domínio de métodos e técnicas de pesquisa, compreender todas as etapas de construção do conhecimento científico, preparar o futuro docente para que seja capaz de desenvolver pesquisas em nível de pós-graduação, dar segurança ao estudante de Iniciação Científica (IC) para que, ingressar no mundo do trabalho, ele possa enfrentar os desafios da sala de aula com inteligência emocional, dominando o conteúdo e compreendendo como o saber foi construído.

Biografia do Autor

Mayara Lopes de Freitas Lima, Programa de Pós-Graduação em Ensino das Ciências (PPGEC) - Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE)

Mestra pelo Programa de Pós-Graduação em Ensino das Ciências da Universidade Federal Rural de Pernambuco (PPGEC-UFRPE). Licenciada em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Pernambuco. Membro do Grupo de Pesquisa Educometria (UFPE). Bolsista da CAPES.

Eliane Matheus Plaza, Universidade Cruzeiro do Sul

Doutora em Ensino de Ciências e Matemática pela Universidade Cruzeiro do Sul. Mestre em Ensino de Ciências e Matemática pela Universidade Cruzeiro do Sul. Especialista em Psicopedagogia: Clinica e Institucional. Graduada em Pedagogia. Integrante do Grupo de Pesquisa "Conhecimentos, Crenças e Práticas de Professores que ensinam Matemática" - CCPPM da Universidade Cruzeiro do Sul.

Referências

ARAGÓN, Virgílio Alvarez (org.). O Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC) e sua relação com a formação de cientistas. Relatório Final. Brasília: UnB/NESUB, 1999.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BAZIN, Maurice Jacques. O que é a Iniciação Científica. Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 5, n. 1, p. 81-88, jun. 1983. Disponível em: http://www.sbfisica.org.br/rbef/indice.php?vol=5&num=1. Acesso em 25 ago. 2019.

BERBEL, Neusi Aparecida Navas. As metodologias ativas e a promoção da autonomia de estudantes. Semina: Ciências Sociais e Humanas, v. 32, n. 1, p. 25-40, jan./jun. 2011. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0383.2011v32n1p25. Acesso em 24 jan. 2021.

BIANCHETTI, Lucídio et al. A iniciação à pesquisa no Brasil: políticas de formação de jovens pesquisadores. Educação, v. 37, n. 3, p. 569-584, set./dez. 2012. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/5012. Acesso em 22 ago. 2019.

BRASIL. Senado Federal. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 24 dez. 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 14 ago. 2019.

BRASIL, Ministério da Ciência e Tecnologia. Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Anexo III do RN 017/2006: bolsas por quota no país; Pibic – norma específica. 2019. Disponível em: http://www.cnpq.br/view/-/journal_content/56_INSTANCE_0oED/10157/100352#rn17063. Acesso em: 11 ago. 2019.

BREGLIA, Vera Lúcia Alves. A graduação pesquisa? Na pauta, o Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (Pibic). In: MASSI, Luciana; QUEIROZ, Salete Linhares (orgs.). Iniciação científica: aspectos históricos, organizacionais e formativos da atividade no ensino superior brasileiro. São Paulo: Editora UNESP Digital, 2015. Disponível em: http://books.scielo.org/id/s3ny4. Acesso em 26 ago. 2019.

CAMPOS, Claudinei José Gomes. Método de análise de conteúdo: ferramenta para a análise de dados qualitativos no campo da saúde. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 57, n. 5, p. 611-614, 2004. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0034-71672004000500019. Acesso em 22 ago. 2019.

CNPQ. Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, 2019a. Quantitativo de bolsas por modalidade: bolsas no país: número de bolsas ano segundo modalidades. Disponível em: http://memoria.cnpq.br/series-historicas. Acesso em: 15 de ago. de 2019.

CNPQ. Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. 2019b. Gráficos: número de bolsas de iniciação científica. Disponível em: http://memoria.cnpq.br/documents/10157/fb1541e9-98dc-487e-b5e3-923b1de9eb12. Acesso em: 15 de ago. de 2019.

COSTA, Dirceu et al. Iniciação Científica e Pós-graduação: perfil do pós-graduando relacionado à sua iniciação científica. Revista Educação Brasileira, Brasília. v. 21, n. 43, p. 95-109, jul./dez. 1999.

LOVATO, Fabricio Luís; MICHELOTTI, Ângela; DA SILVA LORETO, Elgion Lúcio. Metodologias ativas de aprendizagem: uma breve revisão. Acta Scientiae, v. 20, n. 2, p. 154-171, 2018. Disponível em: https://doi.org/10.17648/acta.scientiae.v20iss2id3690. Acesso em 24 jan. 2021.

MASSI, Luciana; QUEIROZ, Salete Linhares. Estudos sobre iniciação científica no Brasil: uma revisão. Cadernos de Pesquisa, v. 40, n. 139, p. 173-197, 2010. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0100-15742010000100009. Acesso em 19 ago. 2019.

MASSI, Luciana; QUEIROZ, Salete Linhares. Pesquisas sobre Iniciação Científica no Brasil: características do seu desenvolvimento nas universidades e contribuições para os graduandos. Revista Brasileira de Iniciação Científica, v. 1, n. 01, p. 38-64, maio 2014. Disponível em: https://periodicos.itp.ifsp.edu.br/index.php/IC/article/view/1. Acesso em 20 ago. 2019.

MASSI, Luciana; QUEIROZ, Salete Linhares (orgs.). Iniciação científica: aspectos históricos, organizacionais e formativos da atividade no ensino superior brasileiro. São Paulo: Editora UNESP Digital, 2015. Disponível em: http://books.scielo.org/id/s3ny4. Acesso em 10 jan. 2020.

NOGUEIRA, Maria Alice; CANAAN, Mariana Gadoni. Os “iniciados”: os bolsistas de Iniciação Científica e suas trajetórias acadêmicas. Revista Tomo, n. 15, p. 41-70, 2009. Disponível em: https://seer.ufs.br/index.php/tomo/article/view/488. Acesso em 20 ago. 2019.

OLIVEIRA, Maria Marly de. Como fazer projetos, relatórios, monografias, dissertações e teses. 5. ed. [rev.]. Rio de Janeiro: Elsevier, 2011.

PINTO, Antônio Sávio da Silva et al. O Laboratório de Metodologias Inovadoras e sua pesquisa sobre o uso de metodologias ativas pelos cursos de licenciatura do UNISAL, Lorena: estendendo o conhecimento para além da sala de aula. Revista de Ciências da Educação, São Paulo, v. 2, n. 29, p. 67-79, jun./dez. 2013. Disponível em: https://doi.org/10.19091/reced.v1i29.288. Acesso em 24 jan. 2021.

PIRES, Regina Celi Machado. Iniciação científica e avaliação na educação superior brasileira. REXE-Revista de Estudios y Experiencias en Educación, v. 1, n. 1, p. 125-135, 2007. Disponível em: http://www.rexe.cl/ojournal/index.php/rexe/article/view/302. Acesso em 15 jan. 2020.

PRODANOV, Cleber Cristiano; FREITAS, Ernani César de. Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2. ed. Novo Hamburgo: Feevale, 2013.

SILVA, Edna Lúcia; MENEZES, Estera Muszkat. Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. 3. ed. Florianópolis: Laboratório de Ensino a Distância da UFSC, 2001.

TENÓRIO, Maria do Patrocínio; BERALDI, Gabriel. Iniciação científica no Brasil e nos Cursos de Medicina. Revista da Associação Médica Brasileira, v. 56, n. 4, p. 390-393, 2010. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0104-42302010000400007. Acesso em 23 ago. 2019.

VALENTE, José Armando; DE ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini; GERALDINI, Alexandra Fogli Serpa. Metodologias ativas: das concepções às práticas em distintos níveis de ensino. Revista Diálogo Educacional, v. 17, n. 52, p. 455-478, 2017.

VILLAS BÔAS, Gláucia K. Currículo, iniciação científica e evasão de estudantes de Ciências Sociais. Tempo Social, v. 15, n. 1, p. 45-62, abr. 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-20702003000100003. Acesso 22 ago. 2019.

VON ZUBEN, Newton Aquiles. A relevância da iniciação à pesquisa científica na universidade. Pro-posições, v. 6, n. 2, p. 5-18, 1995. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8644266. Acesso em 22 ago. 2019.

Downloads

Publicado

2021-07-31

Como Citar

Lima, M. L. de F., & Plaza, E. M. (2021). Potencialidades da iniciação científica no ensino superior para a formação docente. Educação, 46(1), e71/ 1–24. https://doi.org/10.5902/1984644442749