Socialização de gênero na educação infantil: continuidades e rupturas vivenciadas pelas crianças na família, na igreja e na escola

Sandro Vinicius Sales Santos

Resumo


O artigo analisa a socialização de gênero vivenciada por crianças de cinco anos no interior de uma instituição de Educação Infantil. A partir de um referencial teórico-metodológico que articula os estudos de gênero e os estudos da infância discute-se as tensões e ambiguidades presentes nos diferentes processos de socialização de gênero vivenciados por meninos e meninas no interior de uma instituição de Educação Infantil situada em Belo Horizonte, Brasil. Os resultados derivam de uma etnografia que teve como principais instrumentos de produção de dados: a observação participante com registros fotográficos e notas em caderno de campo, entrevistas com crianças e adultos e desenhos conjugados com as falas de meninos e meninas. Ao longo do artigo, são descritas e analisadas as ambiguidades e as controvérsias que regem o complexo e multifacetado processo de socialização de gênero na Educação Infantil. Nesse sentido, para além dos processos de socialização de gênero vivenciados pelas crianças na interação com seus pares e com os/as docentes da instituição de Educação Infantil, verificou-se também o atravessamento de outros processos de socialização procedentes de diferentes instituições (como a família e as instituições religiosas).

Palavras-chave


Educação Infantil; socialização de gênero; crianças

Texto completo:

PDF

Referências


BEAUVOIR, Simone. O segundo sexo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1980 [1949].

BELOTTI, Elena Gianini. Educar para a submissão – o descondicionamento da mulher. Petrópolis: Vozes, 1975 [1973].

BERGO, Renata Silva; GOMES, Ana Maria Rabelo. "Eu sou muzenza": a aprendizagem no terreiro de umbanda. Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduaçâo em Ciências Sociais. Trabalho apresentado na ANPOCS. 2009.

BRUSCHINI, Maria Cristina Aranha. Trabalho e gênero no Brasil nos últimos dez anos. Cadernos de pesquisa, v. 37, n. 132, 2007. p. 537-572.

BUARQUE, Chico. Ciranda da Bailarina. In: LOBO, Edu e BUARQUE, Chico. O Grande Circo Místico. Interpretação: Coro Infantil, CD. 1, faixa 8. 1983.

COHN, Clarice. Antropologia da Criança. São Paulo: Jorge Zahar, 2005.

CONNELL, Raweyn; PEARSE, Rebecca. Gênero: uma perspectiva global. Tradução e revisão técnica de Marília Moschkovich. São Paulo: nVersos, 2015.

DURKHEIM, Émile. Educação e Sociologia. Tradução de Stephania Matousek. – Petrópolis, RJ: Vozes (coleção textos fundantes de Educação), 2011 [1922].

FINCO, Daniela. Encontro com as diferenças na Educação Infantil: meninos e meninas nas fronteiras de gênero. Leitura: Teoria & Prática, Campinas, v.31, n.61, nov. 2013. p.169-184.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas- l.ed., 13ª reimpressão. - Rio de Janeiro: LTC, 1989 [1973].

GRAUE, Elizabeth; WALSH, Daniel J. Investigação etnográfica com crianças: teoria, métodos e técnicas. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2003.

KISHIMOTO, Tizuko Morchida; ONO, Andréia Tiemi. Brinquedo, gênero e educação na brinquedoteca. Pro-Prosições. vol. 19, n.3, 2008. p. 209-223.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. 8ª ed. – Petrópolis: Vozes, 1997.

MOLLO-BOUVIER, Suzanne. Transformação dos modos de socialização das crianças: uma abordagem sociológica. Educação & Sociedade. Campinas, vol. 26, n. 91, 2005, p. 391-403.

PIRES, Flávia Ferreira. Ser adulta e pesquisar crianças: explorando possibilidades metodológicas na pesquisa antropológica. Revista de Antropologia (USP), 2007.

PROUT, Alan; JAMES, Allison. A new paradigm for the Sociology of childhood? Provenance, Promise and Problems. In: JAMES, Allison; PROUT, Alan (Ed.). Constructing and Reconstructing Childhood: Contemporany Issues in the Sociological Study of Childhood. London 1997 (second edition). The Falmer Press. p. 7-34.

SARMENTO, Manuel Jacinto. Conhecer a infância: os desenhos das crianças como produções simbólicas. In: MARTINS FILHO, Altino José; PRADO, Patricia Dias. Das pesquisas com crianças à complexidade da infância. Campinas, São Paulo: Autores Associados, 2011. p. 27-60.

SARMENTO, Manuel Jacinto. Sociologia da Infância: correntes e confluências. In: SARMENTO, Manuel Jacinto; GOUVEA, Maria Cristina Soares (orgs). Estudos da Infância: educação e práticas sociais – Petrópolis: Vozes, 2008. p. 17-39.

SILVA, Isabel de Oliveira e; LUZ, Iza Rodrigues da. Meninos na Educação Infantil: o olhar das educadoras sobre a diversidade de gênero. Cadernos Pagu. 2010, n.34, p. 17-39.

WEST, Candace; ZIMMERMAN, Don H. Zimmerman. Doing Gender. Gender and Society, Vol. 1, No. 2, 1987. p. 125-151.




DOI: https://doi.org/10.5902/1984644428325

CONTATO:

E-mail: revistaeducacaoufsm@gmail.com

Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
Centro de Educação - Lapedoc - Prédio 16
Av. Roraima, 1000 - Cidade Universitária
97105-900 - Santa Maria - RS, Brasil.
Telefone: +55 55 3220 8795

Link: https://periodicos.ufsm.br/reveducacao


ISSN Eletrônico: 1984-6444

DOI: http://dx.doi.org/10.5902/19846444

Qualis/Capes: Educação A1

Periodicidade: Publicação contínua

O recebimento de artigos caracteriza-se por fluxo contínuo sem que seja possível prever a data de sua publicação.

 

A Revista Educação (UFSM) agradece auxílio recebido por meio do Edital Pró-Revistas, da Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa, da Universidade Federal de Santa Maria. 

This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International (CC BY 4.0).

Contador de visitas
click counter
Contador de visitas

Acessos a partir de 30/11/2016

____________________________________________________

    

SalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvar