Discentes descritos com deficiência intelectual (DI): as permissões de suas expressões sexuais na escola e as representações existenciais de seus docentes

Hiran Pinel, Paulo Roque Colodete, Rodrigo Bravin

Resumo


Este texto objetiva descrever e analisar algumas Representações Existenciais (RE) (PINEL, 2012; 2018) de 07 (sete) professores/professoras de uma escola pública capixaba acerca da sexualidade de seus/ suas discentes jovens com deficiência intelectual. Para isso, nos apoiamos no método fenomenológico-existencial e a produção de dados aconteceu em dois momentos: no primeiro os participantes responderam em uma folha de papel como percebiam a sexualidade de um (a) estudante descrito com Deficiência Intelectual. No segundo, e a partir das respostas, foram realizadas conversas individuais com cada um deles. A Deficiência Intelectual (DI) e a sexualidade de jovens têm sido reconhecidas como experiências com as quais professores e educadores podem desvelar dificuldades em lidar na sala de aula escolar, assim como a não escolar. Tais problemáticas dos mestres podem ser alguns dos impeditivos para se promover efetivamente a inclusão. Em geral, as respostas dadas pelos professores se mostraram rígidas colocando o aluno com DI nos extremos de ser ou assexuado ou hipersexuado. Vale destacar que um dos profissionais reconheceu a sexualidade como algo comum aos seres humanos e parte de seu desenvolvimento.


Palavras-chave


Deficiência Intelectual; sexualidade; escola inclusiva.

Texto completo:

PDF HTML

Referências


AMIRALIAN, Maria Lúcia T. M. Psicologia do excepcional. São Paulo: EPU, 1986.

BRASIL. Lei n. 13.146, de 6 de jul. de 2015. Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm. Acesso: 17 de set. 2020.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos: apresentação dos temas transversais. Brasília: MECSEF, 1998.

BASTOS, Olga Maria; DESLANDES, Suely Ferreira. Sexualidade e o adolescente com deficiência mental: uma revisão bibliográfica. Ciência & saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 10, n° 2, p. 389-397. Jun. 2005. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232005000200017. Acesso em: 05 jan. 2020.

BEIRAS, Adriano; TAGLIAMENTO, Grazielle; TONELI, Maria Juracy Filgueiras. Crenças, valores e visões: trabalhando as dificuldades relacionadas a sexualidade e gênero no contexto escolar. Aletheia. Canoas, n. 21, p. 69-78, jun. 2005. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-03942005000100007. Acesso em: 23 dez. 2019.

COSTA, Juliana da Silva. Educação inclusiva e orientação sexual: dá para combinar? Psicologia: ciência e profissão. Brasília, vol. 20, n.1, p. 50-57, mar. 2000. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-98932000000100007&script=sci_arttext&tlng=pt. Acesso em: 18 dez. 2020.

DRAGO, Rogério et al. Estudos e pesquisas sobre síndromes; relatos de casos. Rio de Janeiro: WAK, 2013.

DRAGO, Rogério. A criança com deficiência mental causada pela síndrome Rubinstein-taybi: inclusão e escolarização. In: III CONGRESSO INTERNACIONAL “EDUCAÇÃO INCLUSIVA E EQUIDADE”. 3. 2013, Almada. Anais eletrônicos. Almada: Pró-inclusão, 2013. p. 236 – 253. Disponível em: http://congressopinandee2013.weebly.com/uploads/1/6/4/6/16461788/doc4-textos_completos_2_-parte_ii_-_pp_800_a_1620.pdf. Acesso em: 15 de out. 2020.

DRAGO, Rogério; PINEL, Hiran. Alunos com síndromes raras na escola comum; um olhar fenomenológico-existencial. Revista Linhas Críticas. Brasília, DF: v. 20, n. 43, p. 605-627, set./ dez. 2014. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/linhascriticas/article/view/4395. Acesso em: 18 fev. 2020.

DRAGO, Rogério; COLODETE, Paulo Roque; PINEL, Hiran. Um tema que "não ousas"; deficiência mental, representação existencial. In: RODRIGUES, Alexsandro; DALLAPÍCULA, Catarina; RODRIGO, Sérgio Rodrigo da S. (Org.). Transposições; sexualidade e educação. 2ed. Vitória: Edufes, 2015, v. 1, p. 125-149.

ERTHAL, Tereza Cristina S. Treinamento em psicoterapia vivencial. Petrópolis: Vozes, 1994.

FOUCAULT, Michel. Doença mental e Psicologia. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1975.

FORGHIERI, Yolanda Cintrão. Psicologia Fenomenológica. São Paulo: Pioneira, 2001.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

FURLANI, Jimena. Educação sexual na sala de aula. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

GIAMI, Alain. O anjo e a fera: sexualidade, deficiência mental e instituição. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2004.

GOFFMAN, Erving. Manicômios, Prisões e Conventos. São Paulo: Editora Perspectiva, 2001.

HENRY, Carl Ferdinand, Howard. Deus, revelação e autoridade. 15 teses. Vol. 2, parte 1. São Paulo: Agnos, 2017.

KEMPTON, Marc Winifred. Sexuality and mental retardation: a review of the literature. In CRAFT, Ann; CRAFT, Michael. Sex education and couselling for mentally handicapped people.Tunbridge Wells: Costelo, 1983.

KROPOTKIN, Pietr. Palavras de um revoltado. São Paulo: Ícone Editora, 2005.

LEÃO, Andreza Marques de Castro; RIBEIRO, Paulo Rennes Marçal. A orientação sexual no contexto inclusivo; um estudo teórico. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação. Araraquara, Vol. 2, n° 2, p. 1-9, abr. 2007. Disponível em: http://seer.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/465/345. Acesso em: 15 jan. 2020.

MAIA, Ana Cláudia Bortolozzi. Reflexões sobre a educação sexual da pessoa com deficiência. Revista Brasileira de Educação Especial. Marília, v.7, n.1, 2001. p. 35-46. Disponível em: https://www.abpee.net/homepageabpee04_06/artigos_em_pdf/revista7numero1pdf/3bortolozzi_maia.pdf. Acesso em 18 jan. 2020.

MAIA, Ana Cláudia Bortolozzi; CAMOSSA, Denise do Amaral. Relatos de jovens deficientes mentais sobre a sexualidade através de diferentes estratégias. Paidéia. Ribeirão Preto. vol.12, n. 24, p. 205-214, 2002. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-863X2002000300009&lng=pt&tlng=pt. Acesso em: 08 nov. 2019.

MAIA, Ana Cláudia Bortolozzi; RIBEIRO, Paulo Rennes Marça. Desfazendo mitos para minimizar o preconceito sobre a sexualidade de pessoas com deficiências. Rev. Bras. Ed. Esp., Marília, v.16, n.2, p.159-176, Mai.- Ago, 2010. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-65382010000200002&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 03 dez. 2020.

MOURA, Elizabeth Santiago; CAVALCANTI, Tícia Cassiany Ferro. Educação Inclusiva: Sexualidade e Deficiência Intelectual. 2014. Disponível em: https://www.ufpe.br/ce/images/Graduacao_pedagogia/pdf/2010.1/educao%20inclusi va%20sexualidade%20e%20deficincia%20intelectual.pdf. Acesso em: 18 dez. 2019.

OMS - ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Relatório Mundial Sobre a Deficiência. 2011. Governo do Estado de São Paulo. Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência. Disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/44575/9788564047020_por.pdf;jsessionid=DD915E1341A3C83AD7BE5AF6844B2D57?sequence=4. Acesso em: 15 de set. 2020.

PINEL, Hiran. Educação especial & klínica-ká: algumas questões históricas, princípios, métodos... São Paulo: Clube de Autores, 2012.

PINEL, Hiran, et al. Pedagogia hospitalar; um enfoque fenomenológico existencial. São Paulo: Clube de Autores, 2015.

PINEL, Hiran. Representação Existencial de "ser no mundo", o encarnado e método fenomenológico de pesquisa; experiências na classe hospitalar. Vitória: Do autor, 2018.

PRIOSTE, Cláudia Dias. Educação inclusiva e sexualidade na escola; relato de caso. Estilos da Clínica. São Paulo, Vol. 15, n° 1, p. 14-25, 2010. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-71282010000100002. Acesso em: 23 nov. 2019.

SAFRANSKI, Rüdiger. Heidegger; um mestre da Alemanha entre o bem e o mal. São Paulo: Geração Editorial, 2005.

SUPLICY, Marta; et al. Sexo se aprende na escola. São Paulo: Olhos D’água, 1999.

VASCONCELOS, Marcio Moacyr de. Retardo mental. Jornal de Pediatria. Porto Alegre. Vol. 80, Nº 2, p. (Supl), 2004. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/jped/v80n2s0/v80n2Sa09.pdf. Acesso em: 14 dez. 2019.

VIEIRA, Alexandro Braga. Currículo e educação especial; as ações da escola a partir dos diálogos cotidianos. Tese. 326 p. Doutorado em Educação. Universidade Federal do Espírito Santo. Vitória, 2012.

VOEGELIN, Eric. Reflexões autobiográficas. São Paulo: É Realizações editora, 2008.




DOI: https://doi.org/10.5902/1984686X48341

CONTATO:

E-mail: revistaeducacaoespecial.ufsm@gmail.com

Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
Centro de Educação - Lapedoc
Av. Roraima, 1000 - Cidade Universitária
97105-900 - Santa Maria - RS, Brasil.
Telefone: +55 55 3220 8795

Link: https://periodicos.ufsm.br/educacaoespecial

 

ISSN eletrônico: 1984-686X

DOIhttp://dx.doi.org/10.5902/1984686X

Qualis/Capes: Educação A2

Periodicidade: Publicação contínua

O recebimento de artigos caracteriza-se por fluxo contínuo sem que seja possível prever a data de sua publicação.

 

A Revista Educação Especial agradece auxílio recebido por meio do Edital Pró-Revistas, da Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa, da Universidade Federal de Santa Maria. 

 

 Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International (CC BY-NC 4.0)

Contador de visitas
click counter
Contador de visitas

Acessos a partir de 30/11/2016

__________________________________________________