Características físico-químicas e energéticas de duas espécies de ocorrência no semiárido brasileiro

Pedro Nicó de Medeiros Neto, Elisabeth de Oliveira, Leandro Calegari, Antonio Marcos César de Almeida, Alexandre Santos Pimenta, Angélica de Cássia Oliveira Carneiro

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/198050986624

A vegetação nativa da Região Nordeste vem sendo explorada e utilizada de forma intensiva e de maneira inadequada para finalidades energéticas e nas construções rurais, tornando-se evidente a importância dos conhecimentos relativos às características da madeira. Assim, essa pesquisa teve como objetivo avaliar as características físico-químicas e energéticas da madeira, os rendimentos da carbonização e a caracterização do carvão vegetal das espécies Poincianella pyramidalis Tul. L. P. Queiroz (Catingueira) e Handroanthus impertiginosus (Mart. ex DC.) Mattos (Pau-d’arco). Para atender ao objetivo, foram abatidas cinco árvores de cada espécie, amostradas aleatoriamente na Fazenda Santa Bárbara, localizada no município de São Mamede-PB. As árvores foram devidamente identificadas e transportadas para o Setor de Tecnologia de Produtos Florestais (STPF) da Universidade Federal de Campina Grande. De cada árvore, foram retirados toretes de 30 cm de altura a 0 (base), 25, 50, 75 e 100 % da altura comercial do tronco, considerada até 5 cm de diâmetro. Da porção mediana de cada torete, foi retirado um disco de 2,5 cm de espessura, subdividido em quatro partes, em forma de cunha, passando pela medula. Duas cunhas opostas foram utilizadas para a determinação da densidade básica, e as restantes foram reservadas para a realização das análises físicas, químicas e energéticas da madeira, os rendimentos em carbonização e a caracterização do carvão produzido pelas espécies estudadas. A densidade básica foi determinada de acordo com o método da balança hidrostática e para a determinação da densidade básica média de cada árvore utilizou-se como fator de ponderação o volume entre seções de cada disco. Após a secagem ao ar, as amostras destinadas às análises químicas foram transformadas em serragem e feitas determinações quantitativas de extrativos totais, da lignina, das cinzas, e o teor de holocelulose foi estimado por diferença. As amostras destinadas à carbonização foram transformadas em cavacos, e carbonizadas em forno elétrico (mufla) por cinco horas e meia. Foram feitas determinações dos rendimentos dos produtos das carbonizações, e das propriedades físicas e químicas do carvão vegetal. De modo geral, as madeiras estudadas apresentaram características físicas semelhantes. Com relação às características químicas, o pau-d’arco apresentou maior teor de lignina (28,40 %), e não houve diferença significativa entre as espécies para o teor de holocelulose. O poder calorífico superior da catingueira exibiu os menores valores, para a madeira (4.413,50 kcal.kg-1) e carvão vegetal (6.247,80 kcal.kg-1), respectivamente. A catingueira apresentou um maior rendimento em carvão (43,03 %), mas de qualidade inferior. O carvão vegetal do pau-d’arco apresentou o maior teor de carbono fixo (67,68 %). As espécies apresentaram densidade verdadeira do carvão e rendimento em carbono fixo semelhantes. Pode-se concluir que as duas espécies de ocorrência no semiárido Nordestino, apresentam boas características para produção de carvão. De modo geral, o pau-d’arco apresentou as melhores propriedades para fins energéticos.

Palavras-chave


Caatinga; madeira; carvão vegetal

Texto completo:

PDF

Referências


ABCTP- Associação Brasileira Técnica De Celulose e Papel. NORMAS ABTCP. Normas Técnicas ABCTP. São Paulo, ABTCP, 1974. n.p.

ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas. Normas Técnicas NBR 8112. Brasília, 1983. n.p.

ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas. Normas Técnicas NBR 8633. Brasília, 1983. n.p.

ALMEIDA, A. M. C. Avaliação anatômica, físico-química e energética da madeira das espécies Piptadenia stipulacea (Benth.) Ducke e Amburana cearensis(Allemao) A. C. Smith de ocorrência no semiárido nordestino brasileiro. 2010. 40 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais)-Universidade Federal de Campina Grande, Paraíba, 2010.

AMERICAN SOCIETY FOR TESTING AND MATERIALS. ASTM. Wood. Annual Book of ASTM Standards, Philadelphia, v. 410, 1994.

ANDRADE, A. S. Qualidade da madeira, celulose e papel em Pinus taeda l: influência da idade e classe de produtividade. 2006. 94 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais)-Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2006.

ANDRADE, L. A. et al. Análise da cobertura de duas fitofisionomias de Caatinga, com diferentes históricos de uso, no município de São João do Cariri, Estado da Paraíba. Cerne, Lavras, v. 11, n. 3, p. 253-262, jul./set. 2005.

ARAÚJO, L. V. C. et al. Características dendrométricas e densidade básica da jurema-preta (Mimosa tenuiflora (Willd.) Poir.) de duas regiões do estado da Paraíba. Revista Caatinga, Mossoró, v. 20, n. 1, p. 89-96, jan./mar.2007.

ASSIS, C. O.et al. Sistema alternativo para carbonização de madeira. Scientia Forestalis, Piracicaba, v. 36, n. 78, p. 133-140, jun. 2008.

BRITO, J. O. Reflexões sobre a qualidade do carvão vegetal para uso siderúrgico. IPEF, Piracicaba, 1993. 6 p. (Circular técnica, 181).

BRITO, J. O.; BARRICHELO, L. E. G.. Correlação entre as características físicas e químicas da madeira e a produção de carvão: 1 densidade e teor de lignina na madeira de eucalipto. IPEF, Piracicaba, n. 14, p. 9-20, 1977.

BURGER, L. L.; RICHTER, H. G.Anatomia da Madeira. São Paulo: Nobel, 1991. 154 p.

CUNHA, M. P. S. C. et al. Estudo químico de 55 espécies lenhosas para geração de energia em caldeiras. In: ENCONTRO BRASILEIRO EM MADEIRAS E EM ESTRUTURAS DE MADEIRA, 3., 1989, São Carlos. Anais... São Carlos: 1989. v. 2, p. 93-121.

GOLDSCHIMID, O. Ultraviolet spectra. In: SARKANEN, K. V.; LUDWWIG, C. H. (Eds) Lignins. New York, Wiley - Interscience, 1971. p. 241-66.

GOMIDE, J. L.; DEMUNER, B. J. Determinação do teor de lignina em material lenhoso: método Klason modificado. O PAPEL, São Paulo, v. 47, n. 8, p. 36-38, 1986.

JOHNSON, D. V. Relatório sobre o manejo da caatinga, semi-árido do Nordeste Brasileiro. In: PROJETO PNUD/FAO/BRA/85/007. Natal: 1985. (Circular Técnica, 3).

LEPAGE. E.S. Química da Madeira. In: LEPAGE, E. S. (Coord.). Manual de preservação de madeira. São Paulo: IPT, 1986. v. 1, p. 69-97.

LIMA, J. T. et al. Variation in wood density and mechanical properties in Eucalyptus clones. In: THE FUTURE OF EUCALYPTS FOR WOOD PRODUCTS. 2000, Launceston. Procceedings… Launceston: IUFRO., 2000, p. 282-291.

LIMA, S. R. et al. Estudo dos constituintes macromoleculares, extrativos voláteis e compostos fenólicos da madeira de candeia – Moquinia polymorpha (Less.) DC. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 17, n. 2, p. 145-155, abr./jun.. 2007.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil, 4. ed., v. 1, Nova Odessa: Instituto Plantarum, 2002. 368 p.

MAIA, G. N. Caatinga: árvores e arbustos e suas utilidades. São Paulo: D&Z Computação, 2004. 413 p.

MEDEIROS NETO, P. N. Correlação entre teores de extrativos e a resistência natural de quatro madeiras a cupins xilófagos. 2008, 27 f.Trabalho de conclusão de curso (Graduação em Engenharia Florestal)-Universidade federal de Campina Grande, Paraíba, 2008.

MELO, R. R. et al.Estudo da variação radial da densidade básica de sete madeiras do Semi-Árido. Revista Científica Eletrônica de Engenharia Florestal, Garça, n. 7, fev. 2006.

MMA- Ministério do Meio Ambiente. Mapa de cobertura vegetal dos Biomas brasileiros. Brasília, DF, 2007. 17 p.

OLIVEIRA, A. C. et al. Parâmetros de qualidade da madeira e do carvão vegetal de Eucalyptus pellita F. Muell. Scientia Forestalis, Piracicaba, v. 38, n. 87, p. 431-439, set. 2010.

OLIVEIRA, E. Características anatômicas, químicas e térmicas da madeira de três espécies de maior ocorrência no semiárido nordestino. 2003. 122 p. Tese (Doutorado em Ciências Florestais)-Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2003.

OLIVEIRA, E.et al. Estrutura anatômica da madeira e qualidade do carvão de Mimosa tenuiflora (Willd.) Poir. Revista Árvore, Viçosa, v. 30, n. 2, p. 311-318, 2006.

OLIVEIRA, J. B. et al. Produção de carvão vegetal - aspectos técnicos. In: PENEDO, W. R. (Ed.) Produção e utilização de carvão vegetal. Belo Horizonte: CETEC. 1982a. p. 60-73.

OLIVEIRA, J. B. et al. Propriedades do carvão vegetal. In: PENEDO,W. R. (Ed.) Carvão vegetal: destilação, carvoejamento, controle de qualidade. Belo Horizonte: CETEC. 1982b. p.39-61.

OLIVEIRA, J. T. et al. Tecnologias aplicadas ao setor madereiro II. Jerônimo Monteiro : Ed. Aquarius,2007. 302 p.

PAULA, J. E.; ALVES, J. L. H. 897 Madeiras nativas do Brasil: anatomia – dendrologia - dendrometria - produção - uso. Porto Alegre, Cinco Continentes, 2007. 438 p.

PINHEIRO, P. C. C.; SÉYE, O. Influência da temperatura de carbonização nas propriedades do carvão vegetal de Eucalyptus. In: CONGRESSO ANUAL DA ABM, 53.,1998, Belo Horizonte. Disponível em:< (http://www.demec.ufmg.br/professor/paulocpinheiro/papers/abm98.pdf. ) > Acessoem: 15 de fevereiro de 2010.

SABONARO, D. Z.; GALBIATTI, J. A. Efeito de níveis de irrigação em substratos para a produção de mudas de ipê-roxo. Scientia Forestalis, n. 74, p. 95-102, 2007.

SANTOS, I. D. Influência dos teores de lignina, holocelulose e extrativos na densidade básica, contração da madeira e nos rendimentos e densidade do carvão vegetal de cinco espécies lenhosas do cerrado. 2008. 57 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais)–Universidade de Brasília, Brasília, 2008.

SARKANEN, K. V.; LUDWIG, C. H. Lignins: occurrence, formation, structure and reation. New York: John Wiley & Sons, 1971. 916 p.

SILVA, M. G. et al. Carvão de resíduos de indústria madeireira de três espécies florestais exploradas no município de Paragominas, PA. Acta amazônica, v. 37. p. 61-70, 2007.

SIQUEIRA FILHO, J. A. et al. Guia de Campo de Árvores da Caatinga. Petrolina, 2009. 64 p.

SJÖSTRÖM, E. Wood chemistry: fundamentals and applications. 2nd ed. New York: Academic Press. 1993. 293 p.

STURION, J. A. et al. Qualidade da madeira de Eucalyptus vimanalis para fins energéticos em função do espaçamento e idade de corte. Boletim de Pesquisa Florestal, Colombo, n. 16, p.55-59, 1988.

SUDEMA - Superintendência de Administração do Meio Ambiente. Atualização do diagnóstico florestal do Estado da Paraíba. João Pessoa: SUDEMA, 2004. 268 p.

TAPPI - Technical Association of the Pulp and Paper Industry. TAPPI test methods T 257 cm-85: sampling and preparing wood for analysis. Atlanta: Tappi Technology Park, 1996. v. 1

TAPPI - Technical Association of the Pulp and Paper Industry. TAPPI test methods T 264 om - 88: preparation of wood for chemical analysis. Atlanta: Tappi Technology Park, 1996. v. 1.

VALE, A. T. et al. Relações entre propriedades químicas, físicas e energéticas da madeira de cinco espécies de Cerrado. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 20, n. 1, p. 137-145, jan./mar. 2010.

VALE, A. T.; NOGUEIRA. M. Carbonização de madeiras do Cerrado e análise do carvão vegetal. Revista Arvore, Viçosa, v. 25, n. 2, p. 271-276, 2001.

VALERIO, A. F. et al. Determinação da densidade básica da madeira de peroba (Aspidosperma polineuron Muell. Arg.) ao longo do fuste. Revista Caatinga, Mossoró, v. 21, n. 3, p. 54-58, jul./set. 2008.

VITAL, B. R. Métodos de determinação da densidade da madeira. Viçosa: SIF, 1984. 21 p. (Boletim técnico, 1).




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/198050986624

Licença Creative Commons