AVALIAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA E ENERGÉTICA DA MADEIRA DAS ESPÉCIES Piptadenia stipulacea (Benth.) Ducke E Amburana cearensis (Allemao) A. C. Smith DE OCORRÊNCIA NO SEMIÁRIDO NORDESTINO BRASILEIRO

Antonio Marcos César de Almeida, Elisabeth de Oliveira, Leandro Calegari, Pedro Nicó de Medeiros Medeiros Neto, Alexandre Santos Pimenta

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/1980509817474

A Caatinga é um bioma exclusivamente brasileiro, que apresenta uma grande variedade de espécies da fauna e da flora, sendo uma boa parte destas endêmicas. Ao longo dos anos, a supressão da caatinga por ação antrópica vem reduzindo bastante esse bioma. Este fato se dá, principalmente, pelo uso do potencial energético de suas espécies vegetais sem a devida preocupação com a sustentabilidade do mesmo. Um melhor conhecimento do potencial energético das espécies vegetais da caatinga possibilita um manejo mais adequado. O objetivo deste trabalho foi avaliar o potencial energético e as características físico-químicas da madeira das espécies Amburana cearensis (Allemao) A. C. Smithe Piptadenia stipulacea (Benth.) Ducke. Foram abatidas cinco árvores de cada espécie, amostradas aleatoriamente no sítio São Bento, localizado no Município de Patos - PB. As árvores foram devidamente identificadas e transportadas para o Setor de Tecnologia de Produtos Florestais (STPF) da Universidade Federal de Campina Grande. De cada árvore, foram retirados discos pequenos (5 cm de espessura) a 0 (base), 25, 50, 75 e 100% da altura comercial do tronco (até 5 cm de diâmetro) e discos grandes (15 cm espessura), antes e após cada disco pequeno, os discos pequenos foram subdividido em quatro partes, em forma de cunha, passando pela medula. Duas cunhas opostas foram utilizadas para a determinação da densidade básica, e as restantes foram reservadas para a realização das análises físicas e químicas da madeira e os discos maiores foram destinados à realização das carbonizações. A densidade básica foi determinada de acordo com o método da balança hidrostática e para a determinação da densidade básica média de cada árvore utilizou-se como fator de ponderação o volume entre seções de cada disco. Após a secagem ao ar, as amostras destinadas às análises químicas foram transformadas em serragem e feitas determinações quantitativas de extrativos total, da lignina, das cinzas, e o teor de holocelulose foi estimado por diferença em relação à massa inicial [100% – (teor de extrativos totais + teor de lignina + teor de cinzas)]. As amostras destinadas às carbonizações foram transformadas em cavacos, e carbonizadas em forno elétrico (mufla) por 5h30min. Foram feitas determinações dos rendimentos dos produtos das carbonizações, e das propriedades físicas e químicas do carvão vegetal. Médias significativamente superiores a 1% de probabilidade de teor de lignina, teor de holocelulose, extrativos totais e de cinzas da madeira foram encontradas para as espécies Amburana cearensis Piptadenia stipulacea, sendo que esta última espécie apresentou maiores médias de teor de lignina e teor de holocelulose. O rendimento gravimétrico foi semelhante para ambas as espécies, enquanto o rendimento em líquido condensado foi significativamente superior para a Amburana cearensis. Em relação à qualidade do carvão, foram observados maiores valores de poder calorífico superior e carbono fixo para a Piptadenia stipulacea, enquanto a Amburana cearensis exibiu maiores teores de materiais voláteis e de cinzas.


Palavras-chave


Cumaru; Jurema-Branca; qualidade do carvão; densidade.

Texto completo:

PDF

Referências


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR 8112: Carvão vegetal: análise imediata. Rio de Janeiro: ABNT, 1983a.6p.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR 8633: Carvão vegetal: determinação do poder calorífico. Rio de Janeiro: ABNT, 1983b. 13p.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA TÉCNICA DE CELULOSE E PAPEL. NORMAS ABTCCP. Normas Técnicas ABCTP. São Paulo, ABTCP, 1974. n.p.

ABCTP- Associação Brasileira Técnica De Celulose e Papel. NORMAS ABTCP. Normas Técnicas ABCTP. São Paulo, ABTCP, 1974. n.p.

BRASIL, M. A.; VEIGA, R. A.; FERREIRA, M. Variação da densidade básica nas seções transversais do caule da base do tronco para a copa de eucalipto. IPEF, n. 15, p. 73-82, 1977

CAATINGA. Disponível em: , acessado em 23.03.2009.

CAMPELLO, F. C. B. et al. Avaliação dos recursos florestais da área de proteção ambiental Chapada do Araripe. Projeto MMAFAO UTFBRA47, MMA-Ministério do Meio Ambiente, Secretaria da Biodiversidade e Floresta, Diretoria do Programa Nacional de Florestas, Crato-CE, 2000. 49 p.

GOLDSCHIMID, O. Ultraviolet spectra. In: SARKANEN, K. V.; LUDWWIG, C. H. (Eds) Lignins. New York: Wiley Interscience, 1971. p. 241-66.

GOMIDE, J. L.; DEMUNER, B. J. Determinação do teor de lignina em material lenhoso: método Klason modificado. O PAPEL, v. 47, n. 8, p. 36-38, 1986.

IBGE CIDADES@. Extração vegetal e silvicultura-2007. Disponível em: . Acesso: 01/04/2009.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. 4. Ed. Nova Odessa: Plantarum, 2002. 368 p. v. 1.

MORAIS, S. A. L. de; NASCIMENTO, E. A. do; MELO, D. C. de. Análise da Madeira do Pinus oocarpa Parte II: Caracterização Estrutural da Lignina de Madeira moída. Revista Árvore, Viçosa, v. 29, n. 3, p. 471-478, maio/jun. 2005.

OLIVEIRA, E. de, et al. Estrutura Anatômica da Madeira e Qualidade do Carvão de Mimosa tenuiflora (Willd.) Poir. Revista Árvore, Viçosa, v. 30, n. 2, p. 311-318, 2006.

OLIVEIRA, E. de. Características anatômicas, químicas e térmicas da madeira de três espécies de maior ocorrência no semi-árido nordestino. 2003. 122 f. Tese (Doutorado em Ciências Florestais) – Universidade Federal de Viçosa, 2003.

OLIVEIRA, J. B.; GOMES, P. A.; ALMEIDA, M. R. Estudos preliminares de normatização de testes de controle de qualidade do carvão vegetal. In: PENEDO, W. R. CARVÃO VEGETAL. Belo Horizonte, CETEC, 1982b. p. 7-38. (Série de Publicações Técnicas, 006).

OLIVEIRA, J. B.;VIVACQUA FILHO, A.; GOMES, P. A. Produção de carvão vegetal - aspectos técnicos. In: PENEDO, W. R. (Ed.). Produção e utilização de carvão vegetal. Belo Horizonte: CETEC. 1982a.p. 60-73.

PAULA, J. E.; SILVA JÚNIOR, F. G.; SILVA, A. P. P. Caracterização anatômica de madeiras nativas de matas ciliares do Centro-Oeste brasileiro. Scientia Forestalis, n. 58, p. 73-89, 2000.

QUEIROZ, Luciano Paganucci de. Leguminosas da Caatinga. 1. ed. Feira de Santana: Universidade de Feira de Santana, 2009. 467 p.

SANTOS, I. D. Influência dos teores de lignina, holocelulose e extrativos na densidade básica, contração da madeira e nos rendimentos e densidade do carvão vegetal de cinco espécies lenhosas do cerrado. 2008. 57 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais) – Universidade de Brasília, Distrito Federal, 2008.

SHIMOYAMA, V. R. S. Variações da densidade básica e características anatômicas e químicas da madeira em Eucalyptus sp. 1990. 93 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) – Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Piracicaba, 1990.

SUDEMA. Atualização do diagnóstico florestal do Estado da Paraíba. João Pessoa: 2004. 268 p.

SUDENE/EMBRAPA. Levantamento exploratório: reconhecimento de solos do Estado da Paraíba. Rio de Janeiro: 1972. 683 p. (Boletim Técnico e Série Pedologia, 8).

THECHINICAL ASSOCIATION OF THE PULP PAPER INDUSTRY – TAPPI. Tappitestmethods: 1992-1993. Atlanta, 1992.

TRUGILHO, P. F.; LIMA, J. T.; MORI, F. A.; LINO, A. L. Avaliação de clones de Eucalyptus para a produção de carvão vegetal. Revista Cerne, Lavras, v. 7, n. 2, p. 104-114, 2001.

VITAL, B. R. Métodos de determinação da densidade da madeira. Viçosa: SIF, 1984. 21 p. (Boletim Técnico, 1).

WENZL, H. F. J. The chemical technology of wood. New York: Academic Press, 1970. 692 p.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1980509817474

Licença Creative Commons