Produção madeireira na região da Quarta Colônia de Imigração Italiana do Rio Grande do Sul.

Darci Alberto Gatto, Elio José Santini, Clovis Roberto Haselein, Miguel Antão Durlo, Leandro Calegari

Resumo


Este estudo foi conduzido com o objetivo de quantificar a produção madeireira na região da Quarta Colônia de Imigração Italiana do Rio Grande do Sul. Primeiramente, por meio de um questionário fez-se um censo das empresas consumidoras de madeira da região, inventariou-se, sobretudo, a quantidade, tipo, procedência da matéria-prima consumida, e a quantidade, tipo e destino da produção madeireira. Como principais resultados, verificou-se que a região da Quarta Colônia apresenta 77 empresas consumidoras e transformadoras de madeira. Estas foram classificadas em micro e pequenas empresas, com características e capital familiar, com baixa industrialização. Nas visitas feitas às indústrias, ficou evidente que muitos aspectos tecnológicos não são conhecidos ou são negligenciados, resultando em mau aproveitamento da matéria-prima e/ou na baixa qualidade dos produtos finais. Constatou-se que uma grande quantidade de matéria-prima (96,8% das tábuas e 98,9% das pranchas) provêm de outras regiões do Estado ou do País. Da mesma forma, os principais produtos são vendidos para fora da região (esquadrias 86,3%, lambris 99,7% e madeira serrada 53%).


Palavras-chave


Quarta Colônia; indústria da madeira; produção madeireira

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRAE, F. H. Carta aberta aos interessados nas questões florestais do Rio Grande do Sul. Ciência & Ambiente, n. 20, p. 113 – 125, 2000.

BRASIL. Ministério da Agricultura. Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Florestal. Departamento de Economia Florestal- UFSM. Inventário florestal nacional. Brasília, 1983.

BRENA, D. A.; LONGHI, S. J. Inventário florestal da região da quarta colônia de imigração italiana do Rio Grande do Sul. Santa Maria: PRODESUS-PED-PNMA/UFDSM, 1998. 213p.

BRESSAN, D. Madeira de lei: um produto de futuro. Boletim Informativo Floresta Colonial, Santa Maria, n. 3, p. 1-4, 1999.

CREA. Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia, Jornal do CREA, v.6, n. 66, p.1-15, jul. 2001.

FOELKEL, C. E. B.. A crença do País ter “vocação florestal” para uma indústria também de base florestal. O Papel, v. 61, n. 02, p. 20-23, fev. 2000.

IBGE. Institudo Brasileiro de Geografia e Estatística. Cadastro central de empresas. Disponível em . Acesso em: dez de 2001.

LIMA, E. dos S.. Novos rumos da indústria moveleira. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE PRODUTOS SÓLIDOS DE MADEIRA DE ALTA TECNOLOGIA, 1., E ENCONTRO SOBRE TECNOLOGIAS APROPRIADAS DE DESDOBRO, SECAGEM E UTILIZAÇÃO DA MADEIRA DE EUCALIPTO, 1., 1998, Belo Horizonte. Anais... Belo Horizonte: SIF/UFV/DEF, 1998. p. 65-68.

MANSUR, A. Vilão em dose dupla, Veja, jun., 1999. Disponível em: . Acesso em: 20 jul. 1999.

MARCHIORI, J. N. C. Florestas nativas privadas: uma análise fitogeográfica e histórica do problema no Rio Grande do Sul. SEMINÁRIO SOBRE A SITUAÇÃO FLORESTAL DO RIO GRANDE DO SUL, 1.. 1991. Santa Maria. Anais ... Santa Maria, 1991. p21-27.

SEMA. Cobertura florestal. Disponível em: . Acesso em: 2 dez. 2002.

SETOR bate recorte e exporta US$ 4,5 bilhões. Revista da Madeira, ano 9, n. 54, p. 4-6, 2001.

SCHAFFNER, F. Cidade de mutilados. Zero Hora, Porto Alegre, p. 38-39, 17 mar. 2002.

VINADÉ, L. F. F.; SCHNEIDER, P. R.; BRUM, E. T. Diagnóstico da origem e consumo da madeira serrada no município de Santa Maria-RS. CONGRESSO FLORESTAL ESTADUAL, 7., 1992, Nova Prata. Anais... Nova Prata, 1992. p 1363-1373.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/198050981835

Licença Creative Commons