Durabilidade natural da madeira de três espécies florestais em ensaios de campo.

Rafael Rodolfo de Melo, Diego Martins Stangerlin, Elio José Santini, Clovis Roberto Haselein, Darci Alberto Gatto, Felipe Susin

Resumo


Com o objetivo de avaliar a durabilidade natural da madeira, amostras de alburno e de cerne de Luehea divaricata (açoita-cavalo), Carya illinoinensis (nogueira-pecã) e Platanus x acerifolia (plátano), medindo 2,5 x 2,5 x 30,0 cm (radial x tangencial x longitudinal), foram submetidas a ensaios experimentais em um povoamento de Pinus e em campo aberto. Durante um ano, as amostras foram periodicamente pesadas e avaliadas pelo critério de notas, para determinar o percentual de perda de massa e índice de deterioração, respectivamente. Os resultados mostraram que, independente da espécie e do tipo de lenho, o ambiente dentro da floresta é mais favorável a deterioração da madeira do que fora dele. Apesar da elevada correlações entre a perda de massa e o índice de deterioração foram observadas variações na avaliação da durabilidade da madeira entre esses critérios. Para todas as espécies, a madeira proveniente do alburno foi a mais atacada. Para perda de massa não foi observada diferença entre as espécies avaliadas, entretanto, o índice de deterioração apontou o plátano como a mais atacada.

Palavras-chave


deterioração da madeira; perda de massa; índice de deterioração.

Texto completo:

PDF

Referências


AMERICAN SOCIETY FOR TESTING AND MATERIALS – ASTM D 2017: Standard test method for accelerated laboratory test of natural decay resistance of wood. In: Annual Book of ASTM Standards, Philadelphia, v. 410, p. 324-328, 1994.

BARILLARI, C. T. Durabilidade da madeira do gênero Pinus tratada com preservantes: avaliação em campo de apodrecimento. 2002. 68 f. Dissertação (Mestrado em Recursos Florestais) Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Universidade de São Paulo, Piracicaba, 2002.

BOTELHO, G. M. L.; SANTANA, M. A. E.; ALVES, M. V. S. Caracterização química, durabilidade natural e tratabilidade da madeira de seis espécies de Eucalyptus plantadas no Distrito Federal. Revista Árvore, Viçosa, v. 24, n. 1, p. 115-121, 2000.

COSTA, A. F. et al. Durabilidade de madeiras tratadas e não tratadas em campo de apodrecimento. Floresta e Ambiente, Seropédica, v. 12, n. 1, p. 7-14, 2005.

GOMES, J. I.; FERREIRA, G. C. Durabilidade natural de quatro madeiras amazônicas em contato com o solo. Belém:: Embrapa Amazônia Oriental, 2022. 6 p. (Comunicado Técnico v. 66).

LELIS, A. T. et al. Biodeterioração de madeiras em edificações. São Paulo: IPT, 2001. 54 p.

LEPAGE, E. S. Método sugerido pela IUFRO para ensaios de campo com estacas de madeira. Preservação de madeiras, v. 1, n. 4, p. 205-216. 1970.

LOPEZ, G. A. C.; MILANO, S. Avaliação da durabilidade natural da madeira e de produtos usados na sua preservação. In: LEPAGE, E.S. et al. Manual de preservação de madeiras. São Paulo: IPT – Divisão de Madeiras, 1986. v. 2, p. 473-521.

LUNZ, A. M. Degradação da madeira de seis essências arbóreas causadas por Scolytidade (Coleóptera). 2001. 160 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais e Ambientais) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica, 2002.

MELO, R. R.; PAES, J. B. Resistência natural de quatro madeiras do semi-árido brasileiro a fungos xilófagos em condições de laboratório. Caatinga, Mossoró, v. 19, n. 2, p. 169-175, 2006.

MENDES, A. S.; ALVES, M. V. S. A degradação da madeira e sua preservação. Brasília: IBDF/LPF, 1988. 57 p.

PAES, J. B. et al. Resistência natural de nove madeiras do semi-árido brasileiro a cupins subterrâneos, em ensaio de laboratório. Cerne, Lavras, v. 9, n. 1, p. 36-47, 2003.

PAES, J. B.; MELO, R. R.; LIMA, C. R. Resistência natual de sete madeiras a fungos e cupins xilófagos em condições de laboratório. Cerne, Lavras, v. 13, p. 160-169, 2007.

PAES, J. B.; MORAIS, V. M.; LIMA, C. R. Resistência natural de nove espécies de madeiras do semi-árido brasileiro a fungos xilófagos em condições de laboratório. Revista Árvore, Viçosa, v. 28, n. 2, p. 275-282, 2004.

SANTINI, E. J. Biodeterioração e preservação da madeira. Santa Maria: CEPEF/FATEC, 1988. 125 p.

SCHNEIDER, P. R.; SCHNEIDER, P. S. P.; SOUZA, C. A. M. Análise de regressão aplicada a Engenharia Florestal. 2. Ed. FACOS-UFSM, Santa Maria, 2009, 294 p.

SILVA, I. D. et al. Efeito do extrato de sucupira (Pterodon emarginatus Vog.) sobre o desenvolvimento de fungos e bactérias fitopatogênicos. Pesquisa Agropecuária Tropical, Goiânia, v. 35, n. 2, p. 109-115, 2005.

STATISTICAL ANALYSIS SYSTEM – SAS. Software computacional: Ambiente VM. Cary, New York, Versão 6.08, 1993.

TREVISAN, H. Degradação natural de toras e sua influência nas propriedades físicas e mecânicas da madeira de cinco espécies florestais. 2006. 56 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais e Ambientais), Universidade Federal do Rio de Janeiro, Seropédica, 2006.

TREVISAN, H.; TIEPPO, F. M.; CARVALHO, A. G. Degradação natural de toras de cinco espécies florestais em dois ambientes. Floresta, Curitiba, v. 38, n. 1, p. 33-41, 2008.

TREVISAN, H. et al. Avaliação de propriedades físicas e mecânicas da madeira de cinco espécies florestais em função da deterioração em dois ambientes. Revista Árvore, Viçosa, v. 31, n. 1, p. 93-101, 2007.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/198050981858

Licença Creative Commons