IMPORTÂNCIA DO MANEJO DE FLORESTAS NATIVAS PARA A RENDA DA PROPRIEDADE E ABASTECIMENTO DO MERCADO MADEIREIRO

Franz Heinrich Andrae, Paulo Renato Schneider, Miguel Antão Durlo, César Augusto Guimarães Finger

Resumo


A produção brasileira de madeira industrial baseia-se essencialmente nas plantações florestais, porém, somente no setor de serraria existe ainda uma parcela apreciável de toras de origem de florestas nativas, desconsiderando o uso da madeira para fins energéticos. Com a criação de concessões florestais deu-se um passo importante rumo ao manejo das florestas nativas do norte do país. Já no extremo sul existem florestas nativas somente em estágios de recuperação, em propriedades familiares e cujo manejo é muito restrito. No presente artigo argumenta-se sobre a importância de manejar as florestas nativas, mesmo em pequenas propriedades. Para isto, toma-se como exemplo o caso da Áustria, cujo território é dominado por florestas nativas em pequenas propriedades. A tradição deste uso é baseada em uma legislação adequada, no trabalho do serviço de extensão e de pesquisa que geram um ambiente no qual os benefícios materiais e imateriais da floresta se aliam aos interesses da sociedade e aos econômicos dos proprietários. O manejo das pequenas unidades florestais permite alcançar um regime de sustentabilidade periódico, cujas intervenções silviculturais partem das condições locais, sendo o objetivo central a árvore e não o povoamento. Este procedimento de manejo, atualmente recomendado para a produção de madeira de elevado valor econômico, é descrito de maneira resumida.


Palavras-chave


floresta colonial; floresta mista; latifoliadas.

Texto completo:

PDF

Referências


GLÜCK, P. Der Beitrag der Forstwirtschaft zur Funktionsfähigkeit des ländlichen Raumes. In: WYTZRENS H. K. Funktionsfähigkeit des ländlichen Raumes. Wissenschaftsverlag: Vauk Kiel KG, 1999. p. 73-85.

IBAMA. Glossário - Serviços. Brasília: IBAMA, 2010. Disponível em: . Acesso em 2010.

INSTITUTO DO HOMEM E MEIO AMBIENTE DA AMAZÔNIA. [Web site]. Belém: IMAZON, 2008. Disponível em: . Acesso em 19 de Novembro de 2008.

LEBENSMINISTERIUM. Grüner Bericht. Viena: [s. n.], 2008. Disponível em: . Acesso em 23. de Outubro de 2008.

LENTINI, M.; VERISSIMO, A.; PEREIRA, D. A expansão madeireira na Amazônia. O Estado da Amazônia. [s. l. : s. n.], 2005. 4 p. Disponível em: . Acesso em 19 de Novembro de 2008.

NIEUWENHUYSE, A. et al. Can Forestry be a competitive land use option? Model simulation from humid tropical Costa Rica. Forest Ecology and Management, Amsterdam, v. 137, p. 23-40, 2000.

RIO GRANDE DO SUL. Secretaria Estadual do Meio Ambiente. [Web site]. Porto Alegre: SEMA, 2008. Disponível em: . Acesso em 2008.

SAYER, J. A. Tropical forests: diverging development paradigms. Unasylva, [s. l.], v. 52, 2001.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE SILVICULTURA. Fatos e números do Brasil florestal. [s. l.: s. n.], 2006. 109 p. Disponível em: . Acesso 22 de Dezembro de 2006.

SMERALDI, R.; VERISSMO, A. Acertando o alvo: o consumo de madeira no mercado interno brasileiro e promoção da certificação florestal. São Paulo: Amigos da Terra, 1999. 41 p. Disponível em: . Acesso em 16 de Novembro de 1999.

TOMASELLI, I. Forests and the future: regional perspective. Latin America and the Caribbean. Unasylva, [s. l.], v. 52, n. 204, p. 44-46, 2001.




DOI: https://doi.org/10.5902/1980509832579

Licença Creative Commons