FUNÇÃO DE AFILAMENTO E SORTIMENTOS DE MADEIRA PARA Araucaria angustifolia

Emanuel Arnoni Costa, César Augusto Guimarães Finger, Paulo Renato Schneider, André Felipe Hess

Resumo


Funções de afilamento permitem determinar classes de dimensão e volumes das árvores com aplicação direta no planejamento das atividades técnicas e econômicas da floresta. Com esse propósito, os objetivos do presente estudo foram descrever o afilamento do fuste de Araucaria angustifolia (Bertol.) Kuntze na porção compreendida entre o nível do solo e a inserção da copa de árvores de remanescente florestal nativo, bem como ajustar modelo de regressão para a relação altura/DAP, para o diâmetro na inserção da copa sobre o DAP e demonstrar a aplicação das funções com a confecção de uma tabela de sortimentos de madeira.  Oitenta e cinco árvores tiveram medidas seus diâmetros e alturas relativas pelo método de cubagem rigorosa de Hohenadl, assim como o diâmetro na inserção da copa com o Criterion RD 1000. Os modelos de afilamento ajustados por regressão foram o polinômio do 5º grau, Kozak (1988), Lee et al. (2003) e Sharma e Zhang (2004). O coeficiente de determinação ajustado (R²aj), o erro padrão da estimativa em porcentagem (Syx%) e a análise gráfica entre valores estimados e observados foram as estatísticas usadas para avaliar o ajuste e a precisão dos modelos. O modelo da relação altura/DAP e do diâmetro no ponto de inserção da copa alcançaram boas estatísticas de ajuste e precisão, permitindo sua aplicação em inventários florestais e no planejamento da produção florestal. A flexibilidade e a eficiência do modelo de Kozak (1988) em predizer diâmetros e volumes até o ponto de inserção da copa favorecem o uso e obtenção de sortimentos de madeira de araucária.


Palavras-chave


pinheiro-brasileiro; perfil do fuste; volume individual; sortimentos de madeira.

Texto completo:

PDF

Referências


BIGING, G. S. Taper equations for second mixed-conifers of Northean California. Forest Science, v. 30, p. 1103-1117, 1984.

BURKHART, H. E.; TOMÉ, M. Modeling Forest Trees and Stands. Dordrecht: Springer, 2012. 457 p.

CLARK, N. A. et al. A review of past research on dendrometers. Forest Science, v. 46, p. 570-576, 2000.

EMBRAPA. Sistema brasileiro de classificação de solos. Brasília: Embrapa Produção de Informação; Rio de Janeiro: Embrapa Solos, 1999. 412 p.

COSTA, E. A.; FINGER, C. A. G.; CUNHA, T. A. Influência da posição sociológica na relação hipsométrica de Araucaria angustifolia. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, v. 9, p. 110-116, 2014.

EPAGRI. Dados e Informações Biofísicas da Unidade de Planejamento Regional Planalto Sul Catarinense – UPR 3. Florianópolis: EPAGRI, 2002. 70 p.

FIGUEIREDO-FILHO, A. et al. Taper equations for Pinus Taeda plantations in Southern Brazil. Forest Ecology and Management, v. 83, p. 39-46, 1996.

HEINSDIJK, D. Volumes do Pinheiro – tabelas de volume e outros dados sobre o pinheiro brasileiro no Estado de Santa Catarina. Anuário Brasileiro de Economia Florestal, n. 11. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Pinho, 1959. p. 189.

HESS, A. F. et al. Proposta de manejo de Araucaria angustifolia (Bertol.) Kuntze utilizando o quociente de Liocourt e análise de incremento, em propriedade rural no Município de Lages, SC. Pesquisa Florestal Brasileira, v. 30, p. 337-345, 2010.

KALLIOVIRTA, J. et al. Evaluation of the Laser-relascope. Forest Ecology and Management, v. 20, p.181-194, 2005.

KLOS, R. J. et al. Taper equations for five major commercial tree species in Manitoba, Canada. Western Journal of Applied Forestry, v. 22, p. 163-170, 2007.

KOZAK, A. A variable-exponent taper equation. Canadian Journal of Forest Research, v. 18, p. 1363-1368, 1988.

KOZAK, A. A Effects of upper stem measurements on the predictive ability of variable-exponent taper equations. Canadian Journal of Forest Research, v. 28, p. 1078-1083, 1998.

KOZAK, A.; MUNRO, D. D.; SMITH, J. H. G. Taper functions and their application in forest inventory. Forestry Chronicle, v. 45, p. 278-283, 1969.

LEE, W. K. et al. Modeling stem profiles for Pinus densiflora in Korea. Forest Ecology and Management, v. 172, p. 69-77, 2003.

LI, R. et al. Regional stem taper equations for eleven conifer species in the Acadian Region of North America: Development and Assessment. Northern Journal of Applied Forestry, v. 29, p. 5-14, 2012.

LI, R.; WEISKITTEL, A. R. Comparison of model forms for estimating stem taper and volume in the primary conifer species of the North American Acadian Region. Annals Forest Science, v. 67, p. 302-317, 2010.

MACHADO, S. A. et al. Comportamento da relação hipsométrica de Araucaria angustifolia no capão da Engenharia Florestal da UFPR. Pesquisa Florestal Brasileira, n. 56, p. 5-16, 2008.

MAX, T. A., BURKHART, H. E. Segmented polynomial regression applied to taper equations. Forest Science, v. 22, p. 283-288, 1976.

MIGUEL, E. P. et al. Modelos polinomiais para representar o perfil e o volume do fuste de Eucalyptus urophylla na região norte do estado de Goiás. Floresta, v. 41, p. 355-368, 2011.

MUHAIRWE, C. K. et al. Effects of adding tree, stand, and site variables to Kozak’s variable-exponent taper equation. Canadian Journal of Forest Research, v. 24, p. 252-259, 1994.

MÜLLER, I. Forma de fuste e sortimentos de madeira para Eucalyptus grandis hill ex maiden, manejado em alto fuste, na região sudeste do estado do Rio Grande do Sul. 2004. 165 f. (Doutorado em Engenharia Florestal) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2004.

NIGH, G.; SMITH, W. Effect of climate on lodgepole pine stem taper in British Columbia, Canada. Forestry, v. 85, p. 579-587, 2012.

PARKEY, R. C.; MARTNEY, T. G. Comparison of Optical Dendrometers for Prediction of Standing Tree Volume. Southern Journal of Applied Forestry, v. 23, p. 407-417, 1998.

SAS INSTITUTE. The SAS System for Microsoft Windows: release 9.1.2. Cary: SAS Institute, 2004.

SCHNEIDER, P. R. Betriebswirtschaftliche und ertragskundliche Grundlagen der Forteinnrichtung in Südbrasilien am Beispiel von Pinus elliottii. Diss. d. Albert-Ludwigs Universitat Freiburg, 1984. 190 p.

SCHNEIDER, P. R. et al. Forma de fuste e sortimentos de madeira de Eucalyptus grandis Maiden para o estado do Rio Grande do Sul. Ciência Florestal, v. 6, p. 79-88, 1996.

SCHNEIDER, P. S. P. Estrutura bioeconômica da produção no manejo da densidade de Pinus taeda L. na região do Planalto Catarinense, Brasil. 2012. 188 f. (Doutorado em Engenharia Florestal) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2012.

SHARMA, M.; PARTON, J. Modeling stand density effects on taper for jack pine and black spruce plantations using dimensional analysis. Forest Science, v. 55, p. 268-282, 2009.

SHARMA, M.; ZHANG, S. Y. Variable-exponent taper equations for jack pine, black spruce, and balsam fir in eastern Canada. Forest Ecology and Management, v. 198, p. 39-53, 2004.

SOUZA, C. A. M. Modelos de afilamento para Pinus taeda L. ajustados segundo a forma do fuste e métodos de estratificação. 2009. 120 f. Tese (Doutorado em Engenharia Florestal) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2009.

SOUZA, C. A. M. et al. Eficiência de um modelo de afilamento ajustado sem e com estratificação por classe de quociente de forma para formação de sortimentos de Pinus taeda L. Ciência Florestal, v. 22, p. 125-135, 2012.

THOMAS, G. B.; WEIR, M. D.; HASS, J. Thomas' Calculus: Early Transcendentals. 12. ed. [s. l.]: Addison Wesley, 2010. 1211 p.

WILLIAMS, M. S. et al. Evaluation of the Barr & Stroud FP15 and Criterion 400 Laser Dendrometers for Measuring Upper Stem Diameters and Heights. Forest Science, v. 45, p. 53-61, 1999.




DOI: https://doi.org/10.5902/1980509822753

Licença Creative Commons