A ética da compaixão como arma de combate ao pior dos mundos possíveis

Gilmara Coutinho Pereira

Resumo


O presente artigo se propõe mostrar como podemos escapar dos sofrimentos oriundos da vontade, negando-a. Tanto a afirmação quanto a negação da vontade consiste no conhecimento de si. Quando o homem toma consciência de si enquanto fenômeno, ele se torna claro e distinto a si mesmo, livre de qualquer ilusão. Assim ele dirá que aceita a tensão entre o querer o que não tem e o entediar-se com o que possui, ou, do contrário, negará a Vontade, suprimindo o querer. Uma das vias de negação da vontade é a compaixão, que se dá quando tomamos consciência do que somos: uma unidade; e, passamos a perceber o outro como parte nossa. Passamos a visar não o bem particular, mola impulsora do egoísmo, mas o bem-estar coletivo, que restaura a união do homem com os demais seres.

Palavras-chave


Vontade, Negação, Compaixão

Texto completo:

PDF

Referências


BARBOZA, Jair. Schopenhauer: A decifração do enigma do mundo. — São Paulo: Moderna, 1997.

JANAWAY, Christopher. Schopenhauer. Tradução de Adail Ubirajara Sobral. In: Coleção Mestres do Pensar. São Paulo: Editora Loyola, 2003.

KANT, Immanuel. Fundamentação da metafísica dos costumes. Tradução de Paulo Quintela. In. Col. Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1974.

LEFRANC, Jean. Compreender Schopenhauer. Tradução de Ephraim Ferreira Alves. — Petrópolis, RJ: Vozes, 2005.

SCHOPENHAUER, Arthur. O mundo como vontade e como representação. Tomo I; tradução, apresentação, notas e índices de Jair Barboza. — São Paulo: Editora UNESP, 2005.

SCHOPENHAUER, Arthur. Parerga e paralipomena. Tradução de Wolfgang Leo Maar. — São Paulo: Abril Cultural, 1980. (Col. Os pensadores).

SCHOPENHAUER, Arthur. Sobre o fundamento da moral. Tradução de Maria Lúcia Mello Oliveira Cacciola. — 2 ed. — São Paulo: Martins Fontes, 2001.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2179378634113

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2011 Voluntas: Revista Internacional de Filosofia

Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial-Compartilha Igual 4.0 Internacional.