Memórias docentes: os cheiros e as cores da arte

Carla Juliana Galvão Alves, Denise Batista Pinto Sabino

Resumo


Este trabalho põe foco nas memórias afetivas de professores de Artes Visuais, com o objetivo de compreender o papel que desempenham na escolha profissional e na constituição de suas identidades docentes. O referencial teórico-metodológico adotado é o da Pesquisa Narrativa, fundamentado principalmente em Josso e Nóvoa. As reflexões apresentadas referem-se às experiências estéticas e/ou artísticas vividas por esses professores em suas trajetórias individuais, e são analisadas à luz de Dewey. A pesquisa evidenciou a importância de tais experiências tanto na educação escolar quanto na formação docente, uma vez que para a construção dos saberes e fazeres em arte implica em uma sensibilização que só é possível por meio de vivências e da elaboração de sentidos que se faz tanto de forma pessoal quanto de forma partilhada nos mais diversos espaços educativos.


Palavras-chave


Formação de professores; Pesquisa narrativa; Histórias de vida; Artes visuais

Texto completo:

PDF

Referências


ARROYO, Miguel Gonzalez. Ofício de mestres: imagens e auto-imagens. Petrópolis: Vozes, 2011.

BARBOSA, A.M. Teoria e prática da Educação Artística. São Paulo: Cultrix, 1975.

DEWEY, John. Arte como experiência. São Paulo, Martins Fontes – selo Martins, 2010.

DOMINICÉ, Pierre. O processo de formação e alguns dos seus componentes relacionais. In: NÓVOA, António; FINGER, Matthias (Org.). O método (auto)biográfico e a formação. São Paulo: Paulus, 2010. p. 81-95.

DUARTE JUNIOR, João Francisco. O que é beleza? São Paulo: Brasiliense, 1986.

HERNÁNDEZ, Fernando. Cultura visual, mudança educativa e projeto de trabalho. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000.

______. A construção da subjetividade docente como base para uma proposta de formação inicial de professores de artes visuais. In: OLIVEIRA, Marilda Oliveira de; HERNÁNDEZ, Fernando(Org.). A formação do professor e o ensino das artes visuais.Santa Maria: Ed. UFSM, 2005. p.21-42.

______. Elementos para uma génesis de um campo de estúdio de las práticas culturales de la mirada y la representación. Visualidades: revista do programa de mestrado em cultura visual, Goiânia, UFG, 2006, v. 4, n. 1 e 2, p. 13 – 62.

HERNÁNDEZ, María T. Olhar e experiência estética de si. In: MARTINS, Raimundo; TOURINHO, Irene; SOUZA, Eliseu C. de. (Orgs.). Pesquisa Narrativa: interfaces e histórias de vida, arte e educação. Santa Maria, Editora UFSM, 2017.

JOSSO, Marie-Christine. Experiências de vida e formação. São Paulo, Cortez editora, 2004.

______. Da formação do sujeito ao sujeito da formação. In: NÓVOA, António; FINGER, Matthias (Orgs.). O método (auto)biográfico e a formação. São Paulo: Paulus, 2010. p. 59-79.

MARTINS, Mirian Celeste. Mediação: provocações estéticas. São Paulo: UNESP, 2005

MATTAR, Sumaya. Cartografias de si como processo (auto) formativo de educadores: apontamentos de viagem. In: Alves, Souza, Oliveira (Orgs.). Cartografias da formação e da ação docente nas artes: reflexões acerca da experiência. Londrina, PARFOR/UEL, 2017, p. 41 – 54.

RICHTER, Ivone Mendes. Interculturalidade e estética do cotidiano no ensino das artes visuais. Campinas, SP: mercado das letras, 2003.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes, 2007

UTUARI, Solange. O provocador de experiências estéticas. In: MARTINS, Mirian Celeste (Org.). Pensar juntos mediação cultural: [entre] laçando experiências e conceitos. 2014. p. 171 – 176.




DOI: https://doi.org/10.5902/1983734832835

 
 
 
DOI: Digital Object Identifier 10.5902/19837348

Qualis B1

Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 (CC BY 4.0).

This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 (CC BY 4.0).

Acessos a partir de 17/09/2015

CopySpider - Software Anti-plagio