Preciso fazer estágio professora? – Estágio como experiência formativa primordial

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5902/1984644441063

Palavras-chave:

Estágio, Formação de Professores, Prática de Ensino.

Resumo

Mesmo sendo assumido, há algum tempo pela literatura da área, como campo promissor de efetivação da práxis na formação de professores, o não reconhecimento do importante papel do estágio nos cursos de licenciatura, infelizmente, ainda não foi superado. Na tentativa de retomar a discussão sobre sua importância no processo formativo dos futuros professores e assumindo um desenho que busca um processo reflexivo partilhado e colaborativo entre universidade e escola, trago como disparador do debate trechos do diário de campo de um estudante de Pedagogia de uma universidade pública paulista. Tomando de Freire a defesa de passarmos de uma “curiosidade ingênua” a uma “curiosidade epistemológica”, o estágio é visto como espaço primordial para a construção do “pensar certo”, em que as mobilizações experienciadas auxiliam na investigação de diferentes temáticas e na construção de sínteses a partir do já estudado e do descoberto/percebido pela vivência na escola, permitindo um salto formativo a todos os envolvidos.

Biografia do Autor

Luana Costa Almeida, UFSCar

É doutora em Educação na área de Ensino e Práticas Culturais pela Universidade Estadual de Campinas-Unicamp (2014), com período de estágio na Universidade Autônoma de Barcelona-Espanha, ambos com financiamento da FAPESP; mestre em Educação na área de Ensino, Avaliação e Formação de Professores (2008) pela Unicamp e graduada em Pedagogia (2004) pela Unicamp. Fez pós-doutorado no Centro de Estudos da Metrópole-CEM/Cebrap, com financiamento da FAPESP (2014/2015). Atuou como professora dos anos iniciais do Ensino Fundamental, de graduação e de pós-graduação em diferentes instituições. Mãe do Gabriel desde final de 2017. Atualmente é Professora Adjunta do quadro efetivo da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), junto ao Departamento de Teorias e Práticas Pedagógicas (DTPP); é pesquisadora colaboradora no Laboratório de Observação e Estudos Descritivos-LOED (FE/Unicamp); é editora assistente da revista Educação & Sociedade-CEDES. Os principais temas de estudo são: Organização do Trabalho Pedagógico. Relação Escola-Entorno Social. Desigualdades Educacionais. Avaliação Educacional.

Referências

EUGENIO, Fernanda. De como olhar onde não se vê – ser antropóloga e ser tia em uma escola especializada para crianças cegas. In: VELHO, G.; KUSCHNIR, K. (orgs.). Pesquisas urbanas – desafios do trabalho antropológico. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora, 2003, p.208-220.

FONTANA, Roseli Aparecida Cação Sobre a aula: uma leitura pelo avesso. Presença Pedagógica, Belo Horizonte, v. 7, n. 39, p. 31-37, 2001.

FONTANA, Roseli Aparecida Cação Trabalho e subjetividade: nos rituais da iniciação, a constituição do ser professora. Cadernos Cedes, Campinas, v. 20, n. 50, p. 103-119, abr. 2000.

FONTANA, Roseli Aparecida Cação; PINTO, Ana Lúcia Guedes. Professoras e estagiários - sujeitos de uma complexa e velada relação de ensinar e de aprender. Pro-posições, Campinas, v. 12, n. 35-36, p. 141-152, 2001.

FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. 30ª Edição. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2007.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FREITAS, Helena Costa Lopes. O trabalho como princípio articulador na prática de ensino e nos estágios. Campinas: Papirus, 1996.

FREITAS, Luiz Carlos. Crítica da organização do trabalho pedagógico e da Didática. Campinas: Papirus, 1995.

IMBERNÓN, Francisco. Formação Docente e Profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. São Paulo: Cortez, 2011.

KULCSAR, Rosa. O estágio supervisionado como atividade integradora. In: FAZENDA, I. C. A. A prática de estágio e o estágio supervisionado. Campinas: Papirus, 1991.

LIMA, Maria Socorro Lucena. Reflexões sobre o estágio/prática de ensino na formação de professores. Rev. Diálogo Educ., Curitiba, v. 8, n. 23, p. 195-205, jan./abr. 2008. Disponível em: https://periodicos.pucpr.br/index.php/dialogoeducacional/article/view/4015. Acesso em: outubro de 2019.

PIMENTA, Selma Garrido. (org.). Saberes da docência. São Paulo: Cortez, 1999.

PIMENTA, Selma Garrido; LIMA, Maria Socorro Lucena. Estágio e docência - teoria e prática: diferentes concepções. In: Formação da pedagoga e do pedagogo: pressupostos e perspectivas. p. 133-152, 2012.

RINALDI, Carlina. In: EDWARDS, Carolyn.; GANDINI, Lella; FORMAN, George. As cem linguagens da criança: a experiência de Reggio Emilia em transformação. Porto Alegre: Penso, 2016. v. 2. p. 235-247.

SAVIANI, Dermeval. Escola e Democracia: teorias da educação; curvatura da vara, onze teses sobre a educação política. Campinas-SP: Editores Associados, 2009.

SEVERINO, Antonio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. São Paulo: Cortez, 2007.

SILVA, Carolina Ribeiro Cardoso et al. Formar, (re)formar, transformar: o estágio curricular na perspectiva de professoras da educação básica do colégio de aplicação/ufsc. In LATERMAN, Ilana; AGOSTINHO, Kátia (Orgs.). Perspectivas do estágio curricular na formação docente: educação infantil e anos iniciais do ensino fundamental. Florianópolis: NUP, 2017. p.147-174.

SILVA, Haíla Ivanilda; GASPAR, Mônica. Estágio supervisionado: a relação teoria e prática reflexiva na formação de professores do curso de Licenciatura em Pedagogia. Rev. Bras. Estud. Pedagog., Brasília, v. 99, n. 251, p. 205-221, 2018. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2176-66812018000100205&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: Março de 2019.

SMOLKA, Ana Luiza Bustamante; LAPLANE, Adriana Lia Friszman. O trabalho em sala de aula: teorias para quê? Cadernos ESSE. Niteroi-RJ: UFF, v 01, n 01, p. 79-82, 1993.

VASCONCELLOS, Celso S. Crítica à Metodologia Expositiva. In Construção do conhecimento em sala de aula. São Paulo: Libertad, 2004.

VASQUEZ, Adolfo Sánchez. Filosofia da práxis. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.

Downloads

Publicado

2021-01-31

Como Citar

Almeida, L. C. (2021). Preciso fazer estágio professora? – Estágio como experiência formativa primordial. Educação, 46(1), e7/ 1–20. https://doi.org/10.5902/1984644441063

Artigos Semelhantes

<< < 1 2 3 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.